Freitas Bastos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Freitas Bastos
Tipo Editora, livraria
Fundação 1917 (100 anos)
Fundador(es) Carlos Leite Ribeiro
Sede Rio de Janeiro
Pessoas-chave José Freitas Bastos
Produtos Livros
Antecessora(s) Editora Leite Ribeiro
Editora Leite Ribeiro & Maurillo
Website oficial Freitas Bastos

A Freitas Bastos é uma livraria e editora brasileira que iniciou suas atividades em 1917, no Rio de Janeiro, naquela ocasião sob o nome Editora Leite Ribeiro.

Histórico[editar | editar código-fonte]

A Editora Leite Ribeiro foi fundada em 1917, no Rio de Janeiro, com um imponente edifício circular na Rua Bittencourt, nº 21, na época suplantando até as principais livrarias da cidade, tais como a Francisco Alves e a Garnier.[1]

Passou a se chamar Leite Ribeiro e Maurillo, e em 1922, foi assumida em definitivo pelo Dr. Freitas Bastos, passando a se chamar Freitas Bastos. Nos anos 60, mudou-se para a Rua Sete de Setembro, nº 111.

Desde o início publicava preferencialmente livros jurídicos, mas também se dedicou aos didáticos médicos, científicos, espiritualismo, livros infantis e literatura brasileira. Também investiu em novas linhas, como contabilidade e outras áreas técnicas.

Em 2007 iniciou a Freitas Bastos Cursos voltada para o mesmo público, ou seja, contadores, profissionais de departamento pessoal, advogados e tributaristas, e em 2009 inaugurou sua loja virtual.

Lista parcial de obras publicadas[editar | editar código-fonte]

Tratado das Constituições Brasileiras, de Cláudio Pacheco Brasil, é uma das edições da Freitas Bastos.

Revista Mundo Literário[editar | editar código-fonte]

A Revista Mundo Literário pertencia à Editora Leite Ribeiro. Começou a circular em 1922, em edições mensais, e terminou em 1926. Inicialmente usando o selo "Leite ribeiro & Maurillo", no 3º volume já não aparece o Maurillo, apenas "Leite Ribeiro" e no edição de maio de 1925, aparece já como "Freitas Bastos, Spicer & Cia.".[2] Foi dirigida por Antônio Ribeiro Pereira da Silva (1876-1944), Agripino Grieco e Théo Filho. Em maio de 1922, a revista Mundo Literário publicava o primeiro capítulo de “Clara dos Anjos”, de Lima Barreto.[3]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Hallewell, 1985, p. 333
  2. MORAES, Renata Figueiredo, p. 20
  3. SODRÉ, Nelson Werneck, 1999, p. 339

Referências bibliográficas[editar | editar código-fonte]

  • HALLEWELL, Laurence (1985). O livro no Brasil: sua história. São Paulo: EdUSP. [S.l.: s.n.] ISBN 85-85008-24-5, Coleção Coroa Vermelha, Estudos Brasileiros, v. 6 Verifique |isbn= (ajuda) 
  • MORAES, Renata Figueiredo. Os Maios de 1888, História e Memória na escrita da História da Abolição. Rio de Janeiro: Universidade Federal Fluminense. [S.l.: s.n.] ISBN [[Special:BookSources/In: Universidade Federal Fluminense|In: [http://www.historia.uff.br/stricto/teses/Dissert-2007_MORAES_Renata_Figueiredo-S.pdf Universidade Federal Fluminense]]] Verifique |isbn= (ajuda) 
  • SODRÉ, Nelson Werneck (1999). História da Imprensa no Brasil. Rio de Janeiro: Mauad Editora. [S.l.: s.n.] ISBN 85-85756-88-8, 4. ed. Verifique |isbn= (ajuda) 
  • HALLEWELL, Laurence (2005). O livro no Brasil: sua história. São Paulo: EdUSP. [S.l.: s.n.] ISBN [[Special:BookSources/O Livro no Brasil: sua história|[http://books.google.com.br/books?id=0b6ZYWrQtnsC&pg=PA567&lpg=PA567&dq=Bruguera+brasil+cl%C3%A1ssicos&source=bl&ots=mVTm6mk5lc&sig=hR78eHilgluuqgvbf60v-vIHD98&hl=pt-BR&ei=LNEwTK2IDIL78Aaxv5jJCw&sa=X&oi=book_result&ct=result&resnum=2&ved=0CBcQ6AEwATgK#v=onepage&q=Bruguera%20brasil%20cl%C3%A1ssicos&f=false O Livro no Brasil: sua história]]] Verifique |isbn= (ajuda) 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]