Gardnerella

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaGardnerella
G.vaginalis.jpg

Classificação científica
Reino: Bacteria
Filo: Actinobacteria
Ordem: Bifidobacteriales
Família: Bifidobacteriaceae
Género: Gardnerella
Espécie: G. vaginalis
Nome binomial
Gardnerella vaginalis

Gardnerella é um gênero de bactéria cocobacilar, Gram variável, anaeróbia facultativa, imóvel, não encapsulada e que não forma esporos. Era conhecida anteriormente como Haemophilus vaginalis. É flora normal de vagina e reto humano, também podendo ser encontrado em sangue, urina e faringe.[1] Possui uma parede celular e apenas uma membrana celular como bactérias Gram-positivas, mas como sua parede celular é fina pode parecer gram-negativa sob o microscópio.[2]

Cultivo[editar | editar código-fonte]

G. vaginalis cresce em colônias pequenas, circulares, convexas e cinzentas no ágar chocolate ou HBT. Um meio seletivo para G. vaginalis é o ágar sangue colistina-ácido oxolínico.

Patologia[editar | editar código-fonte]

G. vaginalis junto com outras bactérias causa doença chamada vaginose bacteriana, quando ocorre um desequilíbrio na flora normal da vagina caracterizado por uma diminuição dos lactobacillus e um grande crescimento populacional de Gardnerella vaginalis, outras bactérias Anaeróbicas, Mobiluncus e Mycoplasma (colônias GAMM) causando mau odor (similar ao cheiro de peixe) e secreções cinza claro.[3]

Tratamento[editar | editar código-fonte]

O tratamento pode ser feito com os antibióticos metronidazol[4] ou clindamicina, tanto em formas gel/creme vaginal quanto comprimidos.[5]

Referências

  1. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/1498765
  2. J Harper and G Davis. Cell Wall Analysis of Gardnerella vaginalis" Int J Syst Bacteriol 32 (1982), 48-50.
  3. Schwebke, Jane R. (2000). "Asymptomatic bacterial vaginosis". American Journal of Obstetrics & Gynecology 183 (6): 1434–1439. doi:10.1067/mob.2000.107735.
  4. Jones BM, Geary I, Alawattegama AB, Kinghorn GR, Duerden BI (August 1985). "In-vitro and in-vivo activity of metronidazole against Gardnerella vaginalis, Bacteroides spp. and Mobiluncus spp. in bacterial vaginosis". J. Antimicrob. Chemother. 16 (2): 189–97. doi:10.1093/jac/16.2.189. PMID 3905748.
  5. Ferris, D.G., Litaker, M.S., Woodward, L., Mathis, D., Hendrich, J. (1995). "Treatment of bacterial vaginosis: a comparison of oral metronidazole, metronidazole vaginal gel, and clindamycin vaginal cream". The Journal of Family Practice 41 (5): 443–449.