Garota de programa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde abril de 2013). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Disambig grey.svg Nota: Call girl redireciona para este artigo. Para o filme português com Soraia Chaves, veja Call Girl.
Uma cabine telefónica em Londres com anúncios de garotas de programa, uma prática ilegal mas bastante comum.

Uma garota de programa (em inglês: call girl) é uma trabalhadora do sexo que, ao contrário de uma prostituta de rua, não é visível para o público em geral nem trabalha num prostíbulo, embora possa trabalhar para uma agência de acompanhantes.[1] O cliente tem de fazer uma marcação, usualmente ligando para um número de telefone. As garotas de programa frequentemente publicitam os seus serviços através de pequenos anúncios em revistas e na internet, apesar de um intermediário (como uma agência de acompanhantes) poder estar envolvido na sua promoção e, menos frequentemente, poderem ser administradas por um proxeneta.[2] As garotas de programa podem prestar os seus serviços em sua casa ou na casa dos clientes.

Internet[editar | editar código-fonte]

Atualmente a maioria das agências de acompanhantes e garotas de programa independentes possuem os seus próprios websites.[1] A internet tornou-se no principal meio através do qual os clientes encontram a garota de programa que desejam.[3][4][5] De um modo geral, uma fotografia da mulher é fornecida e, por vezes, o tipo de serviços sexuais que esta está disposta a oferecer. Algumas agências também propõem um preço mais elevado por determinado tipo de mulheres, como gémeas, antigas atrizes porno, modelos, dominatrixes ou submissas.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «Is the number of trafficked call girls a myth?» (em inglês). BBC News.co.uk. 2009-01-09. Consultado em 29 de junho de 2012. 
  2. Taylor, Diane (2000-05-11). «Nice and sleazy does it» (em inglês). The Guardian.co.uk. Consultado em 29 de junho de 2012. 
  3. Richtel, Matt (2008-06-17). «Sex Trade Monitors a Key Figure’s Woes» (em inglês). The New York Times.com. Consultado em 29 de junho de 2012. 
  4. Johnson, M. Alex (2006-01-20). «A consumer guide to prostitutes is a click away» (em inglês). MSNBC.com. Consultado em 29 de junho de 2012. 
  5. Johnson, M. Alex (2010-04-11). «Several comfortable steps ahead of the law» (em inglês). MSNBC.com. Consultado em 29 de junho de 2012. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wiki letter w.svg Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.