Geoconservação

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Geoconservação ou conservação da geodiversidade corresponde a uma nova área das geociências. Representa um conjunto de ações realizadas com a intenção de conservar e/ou melhorar características, processos, locais e espécimes geológicos e geomorfológico. Teria como objetivo a preservação e a gestão do geopatrimônio e compreensão dos processos naturais a ele associados, envolvendo todas as ações empreendidas na defesa da geodiversidade [1]

Natureza da geoconservação[editar | editar código-fonte]

A geoconservação baseia-se na conservação da geodiversidade atribuindo-lhe valores que não são apenas os de natureza utilitária ou de proteção contra riscos ambientais. Os motivos[2] para a conservação dos sistemas terrestres está centrado na natureza intrínseca da geodiversidade e na manutenção da vida; no sentido ético-filosófico em permitir que as futuras gerações possam usufruir do mesmo patrimônio de seus antepassados; na proteção das paisagens e sua manutenção como fonte de beleza cênica, inspiração, e manutenção do sentido de lugar e relação de pertencimento o que lhe confere um caráter cultural; e como fonte de pesquisas para geocientistas, estudantes e leigos. Demanda a conservação das feições geológico-geomorfológicas por seus valores científicos, educacionais, culturais, intrínsecos, estéticos e econômicos ligados ao geoturismo e aos geoprodutos [3]. Estes valores da geodiversidade podem ser alterados conforme a natureza da pesquisa e do pesquisador.

Estratégias de geoconservação[editar | editar código-fonte]

A geoconservação é pois estabelecida em etapas denominadas de estratégias de geoconservação. Estas etapas devem ser efetuadas em sequencia e são denominadas por Brilha (2005, 2016)[4] de: inventário, quantificação, a classificação, conservação, valorização e divulgação, e a monitorização.

Estratégias de geoconservação aplicada á geodiversidade.
Etapas Descrição das etapas
Inventário Reconhecimento prévio dos geossítios, sua identificação, seleção, registros de todas as informações sobre o local inclusive com registro fotográfico
Quantificação Pode ser feita em conjunto com a inventariação, mas é considerada uma tarefa difícil em virtude da sua subjetividade de se atribuir valor e estabelecer qual geossítio é mais importante, entretanto é uma etapa necessária quando se pretende estabelecer prioridades nas ações de geoconservação.
Classificação Seria enquadrar o geossítio na legislação existente para sua conservação, gestão e monitoramento. Procura determinar o grau de vulnerabilidade, e é determinante na implementação das estratégias a serem adotadas para a manutenção da sua integridade. A avaliação é feita de acordo com sua vulnerabilidade associada aos fatores naturais e/ou antrópicos. Seria a proteção legal do geossítio.
Conservação Etapas em que se prioriza se escolhe os geossítios que tenham sido considerados de maior relevância e o nível de vulnerabilidade e degradação conferido.
Valorização Conjunto de práticas que procura mostrar ao cidadão a importância do geossítio. Pode ser feita de diversas formas procurando atender os mais diversos públicos, com a linguagem o mais próxima do seu cotidiano. Pode ser feita através de painéis, placas, divulgação em diversas mídias, folhetos.
Divulgação Vem logo após a valorização, sendo uma ordem importante a ser mantida, pois só deve haver divulgação daqueles geossítios que estejam com sua integridade assegurada. Ela pode ser feita através de ações específicas ou em conjunto com a divulgação do patrimônio natural e cultural.
Monitoramento Forma de assegurar ações concretas para a manutenção da relevância do geossítio. É uma etapa importante, pois dela depende ou não uma nova avaliação da vulnerabilidade do geossítio e pode indicar uma mudança na sua relevância.

Exemplos de estratégias de geoconservação[editar | editar código-fonte]

O geoturismo configura-se como uma estratégia de geoconservação vinculada ao turismo. Representa o turismo que agrega conhecimento cientifico aos locais de visitação com atrativos abióticos. È uma atividade que pode ser realizada tanto em ambiente urbano como natural, em parques ou reservas. De forma geral pode ser realizado em qualquer ambiente com atributos e/ou elementos da geodiversidade. A valorização por placas e painéis são meios frequentes de divulgar os geossítios. Os roteiros geoturísticos configuram-se como atrativos urbanos para a divulgação dos elementos da geodiversidade através dos seus usos pela sociedade.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. MINEROPAR. Minerais do Paraná. Geoturismo em Curitiba. Curitiba, 2008, 122p. Disponível em:https://b3f0bfcd-13fd-4b03-9d00-a622834dea74.filesusr.com/ugd/14b974_012fcd23bdc14b49921800dc13433f64.pdf. Acesso em: 14 set. 2021.
  2. SHARPLES, Chris. (1993). A Methodology for the Identification of Significant Landforms and Geological Sites for Geoconservation Purposes. Relatória, Forestry Commission Tasmania, 1993. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/266617978_A_Methodology_for_the_Identification_of_Significant_Landforms_and_Geological_Sites_for_Geoconservation_Purposes. Acesso em: 14 set. 2021
  3. MOREIRA, JC. Geoturismo e interpretação ambiental [online]. 1st ed. rev. and enl. Ponta Grossa:Editora UEPG, 2014, 157 p. ISBN 978-85-7798-213-4. Available from SciELO Books <http://books.scielo.org>. Disponível em: https://b3f0bfcd-13fd-4b03-9d00-a622834dea74.filesusr.com/ugd/14b974_59dadb2db9004019a7682da9d50817a3.pdf. Acesso em: 14 set. 2021
  4. BRILHA, J. B. Proposta metodológica para uma estratégia de geoconservação. 2006. Disponível em: http://hdl.handle.net/1822/5264. Acesso em: 15 set. 2021