Geometria sagrada

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

A Geometria Sagrada atribui significados simbólicos e sagrados a determinadas formas e proporções geométricas.[1] A Geometria Sagrada é considerada o modelo da geometria natural no mundo e a base de todas as formas. É uma ciência antiga que explora e explica os padrões de energia que criam e unificam todas as coisas e revela a maneira precisa pela qual a energia do universo se organiza. Em todas as escalas, todo padrão natural de crescimento ou movimento se conforma inevitavelmente a uma ou mais formas geométricas.

A geometria utilizada no projeto e construção de estruturas religiosas, como igrejas, templos, mesquitas, monumentos religiosos, altares, e tabernáculos, foi, algumas vezes, considerada sagrada. O conceito aplica-se à geometria fractal natural e pode ser encontrado representado em espaços sagrados como temenoi, bosque sagrado, verde da aldeia e bem sagrado, e a criação de arte religiosa.

A geometria sagrada, além de entender as formas e seus significados divinos, busca fazer ligações entre as diversas formas naturais, das mais simples às mais complexas. Um exemplo desta junção de formas é são as pirâmides ou a Merkabah[2]. Elas unem formas básicas, como triângulos, quadrados e espirais, somando o seu significado. Estas formas complexas tornaram-se uma importante característica da geometria sagrada e da sua utilização em templos e monumentos.

Fundamentos do desenho[editar | editar código-fonte]

Cilindro projetado em dois planos

Em todo desenho se leva em consideração quatro componentes, o conceitual, o visual, o relacional e o prático. São elementos conceituais que não são visíveis: são o ponto, a linha, o plano e o volume. Quando os elementos conceituais tornam-se visíveis, adquirem forma.

Cosmologia[editar | editar código-fonte]

A crença de que um deus criou o universo de acordo com um plano geométrico tem origens antigas. Plutarco atribuiu a crença a Platão, escrevendo que "Platão disse que Deus geometriza continuamente" ("Convivialium disputationum", liber 8,2). Nos tempos modernos, o matemático Carl Friedrich Gauss adaptou essa citação, dizendo "Deus aritmetiza".[3] Até Johannes Kepler (1571-1630), persistiu uma crença nas bases geométricas do cosmos entre alguns cientistas.[4]

Referências

  1. dartmouth.edu: Paul Calter, Polygons, Tilings, & Sacred Geometry
  2. Conteúdo, Bhalai- (6 de fevereiro de 2021). «Geometria Sagrada: o que é e quais seus símbolos». Bhalai - Portal de E. Consultado em 6 de fevereiro de 2021 
  3. Cathérine Goldstein, Norbert Schappacher, Joachim Schwermer, The shaping of arithmetic, p. 235.
  4. Calter, Paul (1998). «Celestial Themes in Art & Architecture». Dartmouth College. Consultado em 5 de setembro de 2015