Glibenclamida

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Glibenclamide structural formula V.1.svg
Glibenclamide 3D.png

Glibenclamida é uma sulfonilureia de segunda geração usada no tratamento do diabetes mellitus tipo 2, severa, estável e que não pode ser controlada através de dieta, exercícios e perda de peso. Usada como coadjuvante da insulina quando a metformina não é indicada.[1]

Nomes comerciais: Diabeta, Glynase, Micronase, Daonil, Glucolon, Semi-Daonil, Euglucon

Doses[editar | editar código-fonte]

É vendido em doses de 2,5 e 5 mg. Pode ser tomado uma vez ao dia, antes do café da manhã, ou duas vezes por dia, antes do almoço e jantar. A dose máxima é 15mg por dia. [1]

Mecanismo de ação[editar | editar código-fonte]

Estimula a secreção de insulina pelas células beta do pâncreas. Reduz a produção hepática de glucose (gluconeogênese) e aumenta a capacidade de resposta à insulina e de ligação em tecidos periféricos.[1]

Reduz o dano cerebral causado por um AVC caso a barreira hemato-encefálica se rompa. Também possui atividade antileishmaniose.[2]

Associação[editar | editar código-fonte]

Também é usada associada com metformina, mas existem riscos maiores com essa combinação.[3].

Efeitos colaterais[editar | editar código-fonte]

É uma das principais causas de hipoglicemia medicamentosa e colestase, que pode causar icterícia. O risco de hipoglicemia é maior em pacientes com dificuldade de controle glicêmico, como idosos, alcoolistas, pacientes com problemas de tireoide, renais ou hepáticos. Aumenta o risco de mortalidade cardiovascular, especialmente em pacientes com doença coronária diagnosticada.[1]

Recém-nascidos de gestantes que tiveram diabetes mellitus gestacional são, em geral, macrossômicos, isto é, têm peso acima da média (maior que 3kg).

Referências

  1. a b c d Vademecum: http://www.vademecum.es/principios-activos-glibenclamida-a10bb01
  2. Serrano-Martín X, Payares G, Mendoza-León A (December 2006). "Glibenclamide, a blocker of K+(ATP) channels, shows antileishmanial activity in experimental murine cutaneous leishmaniasis". Antimicrob. Agents Chemother. 50 (12): 4214–6. doi:10.1128/AAC.00617-06. PMC 1693980. PMID 17015627.
  3. Monami M, Luzzi C, Lamanna C, Chiasserini V, Addante F, Desideri CM, Masotti G, Marchionni N, Mannucci E (2006). "Three-year mortality in diabetic patients treated with different combinations of insulin secretagogues and metformin". Diabetes Metab Res Rev 22 (6): 477–82. doi:10.1002/dmrr.642. PMID 16634115.