Graciano (usurpador romano)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Graciano
Usurpador do Império Romano do Ocidente
Reinado 407
Antecessor(a) Marco
Sucessor(a) Constantino III
Morte 407
  Britânia

Graciano (em latim: Gratianus)[1] foi um usurpador romano em 407 na Britânia romana.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Depois da morte do usurpador Marco, Graciano foi aclamado imperador na Britânia no início de 407[2]. Sua história, relatada por Orósio, conta que ele era um britânico e membro da aristocracia urbana local[3]. Seu mandato coincidiu com uma gigantesca invasão bárbara que afligiu a Gália, que possivelmente contou com a conivência de Estilicão[4], o mestre dos soldados (magister militum) de Honório, que estava preocupado com os usurpadores na Britânia[5]. No último dia de dezembro de 406, um exército de vândalos, alanos e suevos cruzaram o Reno[6]. Em 407, os invasores já haviam se espalhado pelo norte da Gália em direção de Boulogne, e Zósimo escreveu que as tropas na Britânia temiam uma invasão pelo Canal da Mancha[7].

O exército, por sua vez, queria atravessar o canal para enfrentar os bárbaros no continente, mas Graciano ordenou que continuassem aguardando. Contrariadas, as tropas o mataram depois de apenas quatro meses[8] e elegeram Constantino III como novo líder[9].

Godofredo de Monmouth traz um personagem com história parecida chamado Gracianus Municeps, que provavelmente é a mesma pessoa.

Referências

  1. Jones, pg. 518
  2. Jones, pg. 519
  3. Orósio, 7:40:4
  4. Bury, pg. 138
  5. Bury, pg. 139
  6. Bury, pg. 138
  7. Zósimo, 6:3:1
  8. Zosimus, 6:2:1
  9. Jones, pg. 519

Integrador[editar | editar código-fonte]

Fontes primários[editar | editar código-fonte]

Fontes seecundárias[editar | editar código-fonte]

Referências