Marco (usurpador)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Marco
Usurpador do Império Romano
Reinado 406407
Antecessor(a) Honório
Sucessor(a) Graciano
Morte 407
  Britânia

Marco (em latim: Marcus)[1] foi um usurpador romano contra o imperador Honório na Britânia entre 406 e 407.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Marco foi um soldado na Britânia que foi proclamado imperador pelo exército romano em 406[2]. É possível que ele tenha ascendido ao poder como uma reação às crescentes invasões que o império vinha sofrendo e ao recuo sistemático das legiões das províncias mais exteriores para o centro do território imperial. Havia poucas tropas capazes de defender a Britânia nesta época dos ataques de inimigos como os irlandeses, por exemplo, como é evidente pelos registros como o Niall dos Nove Reféns, por exemplo. É provável que as tropas da região, que tinham ligações familiares com as guarnições nativas, tenham resistido às ordens de realocação para a Itália justamente num período de tanta instabilidade. A ascensão de Marco pode ter sido resultado disto ou de alguma outra crise sobre a qual não temos informação nenhuma. Já se conjecturou que a revolta seria especificamente contra Estilicão[3], o mestre dos soldados (magister militum) de Honório, que teria respondido permitindo que os vândalos e outras tribos germânicas atravessassem o Reno no fatídico 31 de dezembro de 406[4].

Tudo o que se sabe sobre seu governo é que ele não conseguiu agradar ao exército e acabou sendo morto rapidamente. Seu substituto, foi o fugaz usurpador Graciano, segundo Zósimo[5]. Em sua pseudo-histórica Historia Regum Britanniae, Godofredo de Monmouth faz referência a um Gracianus Municeps, que teria tomado o trono da Britânia do rei Dionoto (Dionotus)[6]. É possível que ele tenha baseado seus personagens na história de Graciano e Marco.

Referências

  1. Jones, pg. 719
  2. Zósimo, 6:2:1
  3. Bury, pg. 138
  4. Bury, pg. 139
  5. Zósimo, 6:2:1
  6. Monmouth, Historia Regum Britanniae, 6:1

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Fontes primárias[editar | editar código-fonte]

Fontes secundárias[editar | editar código-fonte]