Guerra Anglo-Zulu

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde junho de 2019). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Guerra Anglo-Zulu
Défense de Rorke's Drift.jpg
Data 11 de janeiro a 4 de julho de 1879
Local África do Sul
Desfecho Vitória britânica, fim da nação zulu independente
Combatentes
Flag of the United Kingdom.svg Império Britânico Reino Zulu
Líderes e comandantes
Flag of the United Kingdom.svg Henry Bartle Frere
Flag of the United Kingdom.svg Frederic Augustus Thesiger
Flag of the United Kingdom.svg Garnet Joseph Wolseley
Flag of the United Kingdom.svg Redvers Buller
Cetshwayo kaMpande
Ntshingwayo Khoza
Dabulamanzi kaMpande
Forças
1ª invasão:
15 000-16 000:[1]
17 canhões
uma metralhadora Gatling
uma bateria de foguetes
2ª invasão:
25 000:[2]
  • 16 000 tropas inglesas
  • 7 000 africanos
  • 2 000-3 000 transportadores civis
35 000[3]
Vítimas
1 902 mortos
256 feridos
Mais de 10 500 mortos

A Guerra Anglo-Zulu foi um conflito que aconteceu em 1879 entre o Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda e os Zulus.

Os nativos africanos da tribo Zulu habitavam a região do sul da África. A partir de 1838, essa tribo se insurgiu primeiro contra os bôeres (holandeses), depois contra os portugueses e depois contra os ingleses, pelos quais foram derrotados em 1879. As pinturas, típicas da época, mostram soldados ingleses atacados por Zulus.

Como Começou[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Guerra Anglo-Zulu

Contexto[editar | editar código-fonte]

Na segunda metade do século XIX as potências europeias disputavam territórios na África, tentavam fincar sua bandeira e ocupar o máximo de territórios e isso envolvia a dominação dos povos nativos, como os Zulus.[4]

Primeira Batalha[editar | editar código-fonte]

A primeira batalha da Guerra Anglo-Zulu foi a Batalha de Isandhlwana, em 22 de janeiro de 1879, que acabou com a derrota britânica. Nesta batalha, um exército composto por 20 mil homens zulus atacava os ingleses em Isandhlwana, na região do Transvaal na África do Sul, que viria a ser colônia britânica após a Conferência de Berlim.[5][6]

[Gravura de guerreiro zulu feita pelo artista Henri Wesseling em ‘A Partilha da África (1880-1914), Denoël, 1996] Reprodução.


Referências

  1. Colenso, Frances E.; (assisted by Edward Durnford) (1880) History of the Zulu War and Its Origin, London: Chapman and Hall, pp. 263-264 dá 6669 tropas imperiais e coloniais e 9035 do contingente nativo
  2. Morris,Donald R. (1994) The Washing of the Spears, reissued: Da Capo Press, 1998, p.498. Colenso, F. E. (1880) History of the Zulu War and Its Origin, London, p.396, dá a força britânica em abril como 22 545:
  3. Colenso, F. E. (1880) History of the Zulu War and Its Origin, London, p.318, dá a força total do exército zulu como 35 000, dos quais 4000 permaneceram com Cetshwayo enquanto o resto marchou em duas colunas.
  4. Bezerra, Juliana (26 de novembro de 2018). «Partilha da África». TodaMatéria. Consultado em 2 de abril de 2019 
  5. Altman, Max (23 de janeiro de 2015). «22 de janeiro de 1879 – Nas mãos dos zulus, Império Britânico sofre sua maior derrota na África». Gelédes Instituto da Mulher Negra. Consultado em 2 de abril de 2019 
  6. «Batalha de Isandhlwana». Wikipédia, a enciclopédia livre. 3 de dezembro de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre a África do Sul é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.