Henry McMahon

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ambox question.svg
Esta página ou seção carece de contexto(desde janeiro de 2018).

Este artigo (ou seção) não possui um contexto definido, ou seja, não explica de forma clara e direta o tema que aborda. Se souber algo sobre o assunto edite a página/seção e explique de forma mais clara e objetiva o tema abordado.

Tenente Coronel Sir Arthur Henry McMahon, Cavaleiro Grã-Cruz da Ordem de São Miguel e São Jorge, Cavaleiro Grã-Cruz da Real Ordem Vitoriana, Cavaleiro Comandante da Ordem do Império Indiano, Companheiro da Ordem da Estrela da Índia e Cavaleiro da Justiça da Ordem de São João (28 de novembro de 1862, Simla, Índia – 29 de dezembro de 1949, Londres, Reino Unido), foi um diplomata britânico e oficial do Exército da Índia Britânica, que serviu como alto comissário no Egito entre 1915 e 1917.​ Também foi administrador no Raj britânico e serviu duas vezes como comissário-chefe do Baluchistão.​ McMahon é conhecido pela Correspondência Hussein-McMahon com Hussein ibne Ali (Xarife de Meca), pela Linha McMahon entre Tibete e Índia e a Declaração aos Sete como resposta a um memorando escrito pelos sete notáveis Sírios. Depois da publicação pelo governo russo dos bolcheviques do Acordo Sykes-Picot em novembro de 1917, McMahon renunciou.​ Também se destaca no livro de Thomas Edward Lawrence, Os Sete Pilares da Sabedoria, que conta seu papel na Revolta Árabe contra o Império Otomano durante a Primeira Guerra Mundial.