IMAGE (satélite)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde novembro de 2012). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
IMAGE

Diagram do Satélite IMAGE

Operação Estados UnidosNASA
Tipo de missão Observatório Espacial
Contratante Johns Hopkins University
Satélite da Terra
Lançamento 25 de março de 2000 as 21:30:34 UTC
Local Estados UnidosBase da Força Aérea de Vandenberg, Califórnia, Estados Unidos
Veículo de Lançamento Delta II
Massa 536.0 kg
Site oficial http://image.gsfc.jhu.edu/[ligação inativa]
Elementos orbitais
Semieixo maior 29815,4 km
Excentricidade 0,7530800104141235
Inclinação 90,01000213623047°
Apoastro 46248,4 km
Periastro 640,4 km
Período orbital 853 minutos e 90 segundos
Instrumentos

O IMAGE (acrónimo em inglês para: Imager for Magnetopause-to-Aurora Global Exploration) é um satélite artificial da NASA destinado a fazer medições de partículas na magnetosfera terrestre e estudar a interação dos ventos solares com a magnetosfera.[1] Foi lançado em 25 de março de 2000 da base da força aérea de Vandenberg, nos Estados Unidos da América, a bordo de um foguete Delta II 7326.

O IMAGE foi o primeiro satélite com instrumentação adequada para detectar partículas em grandes distâncias e não nas imediações do satélite, como antes, ficando medindo densidades, energias e massas de partículas carregadas em todo o volume da magnetosfera.

Imagem de uma aurora em ultravioleta através do IMAGE.

Instrumentos[editar | editar código-fonte]

  • High Energy Neutral Atom (HENA) , para obter imagens de partículas neutras, construído pelo Laboratório de Física Aplicada da Universidade Johns Hopkins.
  • Médio de Energia Neutral Atom (MENA) , semelhante ao anterior, mas detecção de partículas de baixa energia.
  • Baixa Energia Neutral Atom (LENA) , semelhante ao anterior, mas a detecção de partículas de baixa energia.
  • Ultravioleta extremo (EUV) , câmera para fotos com o ultravioleta final, construído pela Universidade do Arizona.
  • Far Ultraviolet (FUV) , à câmara ultravioleta distante, construído pela Universidade da Califórnia em Berkeley, Estados Unidos.
  • Rádio Plasma Imager (RPI).

Histórico[editar | editar código-fonte]

Após ter sido lançado em 2000, o satélite funcionou com sucesso até dezembro de 2005, quando suas transmissões deixaram de ser recebidas, o que foi atribuído a uma falha no fornecimento de energia para o transponder. Cerca de doze anos depois, os sinais voltaram a ser detectados por um astrônomo amador canadense.[2] No dia 30 de janeiro de 2018 o Goddard Space Flight Center confirmou que esses sinais eram, de fato, provenientes do satélite IMAGE.[3]

Referências

  1. «IMAGE» (em inglês). National Space Science Data Center. Consultado em 19 de novembro de 2012 
  2. VOOSEN, Paul (26 de janeiro de 2018). «NASA confirms amateur astronomer has discovered a lost satellite» (em inglês). Science. Consultado em 5 de fevereiro de 2018 
  3. HATFIELD, Miles (8 de fevereiro de 2018). «A Detailed Timeline of The IMAGE Mission Recovery» (em inglês). NASA Goddard Space Flight Center. Consultado em 19 de fevereiro de 2018 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]