Ileostomia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde junho de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Ileostomia é uma derivação intestinal, efectuada ao nível do intestino delgado (ileon), onde se exterioriza o ileo pela parede abdominal, formando um novo trajecto e uma abertura para a saída das fezes (estoma).

Após a ileostomia, o paciente utiliza uma bolsa especial (saco-prótese) apensa ao abdómen para que suas fezes sejam colectadas. As bolsas são finas e ajustáveis ao corpo, não sendo notado o seu uso.

A ileostomia é frequentemente efectuada nos casos intratáveis de colite ulcerosa, na doença de Crohn (enterite regional), no carcinoma do cólon e recto, na retocolite ulcerativa, doença de Chagas e perfurações causadas por armas de fogo ou objetos perfuro-cortantes, entre outros. Esse procedimento pode ser realizado de forma definitiva, ou de forma provisória, dependendo do tipo de tratamento e da gravidade da afectação.

Na ileostomia as fezes são mais líquidas e agressivas para a pele. Estas passariam ao intestino grosso, onde seria absorvida a água, tornando as fezes mais solidas. Como o cólon não está funcionante, o intestino delgado vai, com o passar do tempo, assumir em parte essa função. Os gases e os cheiros resultado do processo digestivo são reduzidos. Pelo facto da ileostomia drenar constantemente conteúdo liquido intestinal, a absorção de gordura e de vitamina B pode apresentar-se reduzida. As perdas de sódio e potássio são aumentadas. A ingestão de líquidos é por isso uma prioridade e deve ser sempre de, no mínimo, dois litros por dia. 

Estoma[editar | editar código-fonte]

A palavra estoma tem origem na palavra grega “stóma” e exprime a ideia de boca. É a abertura cirúrgica que permite a comunicação entre um órgão interno e o meio exterior. O estoma caracteriza-se por uma coloração vermelho vivo, sendo elástico ao toque e insensível à dor. Contudo, por se tratar de uma mucosa, é sensível e pode sangrar se for esfregado, ou trilhado.[1] [2] [3]

Estoma

Referências

  1. “Guia do ileostomizado”, Enfª Joana Tavares e Maria Manuel Castro, Lisboa, 2003
  2. Associação Portuguesa de Ostomizados, folheto informativo, projecto co-financiado pelo INR, I.P. Subprograma Participação Específica 2004
  3. www.portaleducacao.com.br, Colunista Portal, 20 de Fevereiro de 2013
Ícone de esboço Este artigo sobre Medicina é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.