Independência da Colômbia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Independência da Colômbia
Parte da(o) Independência da América Espanhola
Batalla de Boyaca de Martin Tovar y Tovar.jpg
Batalha de Boyacá. Óleo sobre tela, de Martín Tovar y Tovar (1890).
Data 18101819
Local Atual Colômbia
Desfecho Independência da Grã-Colômbia (Colômbia, Venezuela, Equador e Panamá)
Combatentes
Flag of New Granada (1811-1814).svg Nova Granada Flag of Spain (1785–1873, 1875–1931).svg Império Espanhol
Líderes e comandantes
Flag of the Gran Colombia.svg Simón Bolívar
Flag of the Gran Colombia.svg Santander
Flag of the Gran Colombia.svg Antonio Nariño
Flag of Spain (1785–1873, 1875–1931).svg Pablo Morillo
Flag of Spain (1785–1873, 1875–1931).svg José María Barreiro
Flag of Spain (1785–1873, 1875–1931).svg Juan de Sámano
Flag of Spain (1785–1873, 1875–1931).svg Agustín Agualongo

A luta pela Independência da Colômbia inicia-se da mesma forma que quase todas as outras independências das colônias espanholas na América, já que na época, a Espanha vivia uma crise institucional.

O processo de independência começa com diversas organizações e feitos, inicialmente liderados por Antonio Nariño e Camilo Torres Tenorio. Adiante, a independência é liderada por Simón Bolívar e Francisco de Paula Santander, na longa Batalha de Boyacá, que tem início em 1810 e termina finalmente com êxito em 1819. O território do Vice-Reinado de Nova Granada se converte em uma República, conhecida como Grã-Colômbia, em homenagem ao navegador Cristóvão Colombo. O primeiro presidente do novo país foi Simón Bolívar.

Em 1780, na Região do Vice-Reino de Nova Granada (Colômbia), ocorreu uma das mais fortes manifestações contrarias às políticas metropolitanas. O Movimento foi provocado pela imposição de pagamentos de novos impostos anuais. Aproximadamente 30 mil pessoas reuniram-se na cidade de Socorro, com o lema "Viva o rei e abaixo o mau governo". Tal lema demonstra que a elite colonial dirigia os movimentos de oposição apenas à maneira como a Coroa estava governando, mas não se opunha à Monarquia propriamente dita.

Os revoltosos exigiam a eliminação dos novos impostos, a redução do tributo anual e da alcabala (imposto sobre a venda de mercadorias). Eles derrotaram as tropas reais e instalaram uma Junta Provisória. Mais tarde, porém, os reinóis dispersaram os rebeldes e executaram o líder do movimento, o camponês José Antonio Galán.

Fonte[editar | editar código-fonte]

  • Livro de História: Das cavernas ao terceiro milênio