Ishiro Nagami

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde junho de 2014).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.

Ishiro Nagami (São Paulo, 1941 - São Paulo, 4 de setembro de 1969) foi um militante da ANL morto em um acidente com um explosivo durante o período da ditadura militar. Seu caso é investigado pela Comissão Nacional da Verdade.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Ishiro foi um professor no curso pré-vestibular Equipe e militante da Aliança Nacional Libertadora (ANL)[1]. Filho de Keizo Nagami e Kikue Nagami[2], dividiu apartamento com seu companheiro de trabalho, Shuji Kosek, que não tinha conhecimento de sua ligação com a ANL e acabou sofrendo repressão devido ao envolvimento do colega[3]. Ishiro Nagami consta na lista de mortos e desaparecidos políticos durante o período do Regime militar no Brasil, mas teve seu processo indeferido por sua morte não ter sido considerada responsabilidade de agentes do Estado nem causada por consequência de repressão política[4].

Morte[editar | editar código-fonte]

Nagami morreu no dia 4 de Setembro de 1969, às 5:45h na Rua da Consolação, esquina com a Maria Antônia[5], em São Paulo. O professor transportava uma bomba em seu Volkswagen azul, de placa 44-52-75, e dirigia acompanhado por Sérgio Roberto Correa, quando uma explosão acidental ocorreu. Ishiro Nagami teve seu corpo arremessado para fora do veículo e só pode ser reconhecido por causa de documentos que carregava e não foram danificados pela explosão, já o reconhecimento do corpo de Sérgio Roberto Correa levou anos para ser realizado devido aos ferimentos sofridos por causa do acidente[6]. Segundo documentos dos orgãos de segurança do regime militar, Ishiro atuava sob o codinome Charles e teria ligações com José Wilson Lessa Sabag e Otávio Ângelo, também militantes da ALN.

Após a explosão, policiais localizaram o endereço de Ishiro e foram à Rua Jaguaribe, onde prenderam os professores Francisco Roberto Savioli e Suziko Seki, ambos do cursinho Equipe. Além disso, também foram encontrados e apreendidos diversos cartuchos de dinamite em sua residência[7]. Especulava-se que a bomba seria utilizada em um atentado contra o edifício sede da Nestlé, que ficava próximo ao local do acidente. O corpo de Ishiro Nagami foi enterrado por sua família no cemitério de Guarulhos, São Paulo.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências