Israel Dias Machado

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Israel Dias Machado
Nascimento Salvador
Nacionalidade  Brasil
Cidadania Brasil
Ocupação Pintor

Israel Dias Machado (Salvador) é um pintor brasileiro. Utiliza o pseudónimo artístico "Idmach", derivado do seu nome.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Aos quinze anos foi morar no rio de Janeiro. Foi funcionário da Rede Ferroviária Federal durante anos e, como coordenador do projeto "Preserve - SR3", viajava pelo Brasil afora, visitando extintos ramais da rede à procura de acervo para o museu da empresa, o primeiro sobre transporte no Brasil. Foi nessa ocasião que começou a se manifestar a sua veia artística. Sem recursos, dava vida as suas obras utilizando-se do carvão aplicado sobre papel por seus dedos sujos. Aposentado, passou a dedicar o seu tempo exclusivamente à pintura e ao desenho.

Artista impressionista, teve como base de sua arte a escola acadêmica, tendo como mestres Oswaldo Teixeira, Onofre Penteado e Dimitri Ismailovitch, na Escola de Belas-Artes do Rio de Janeiro.

Em 1959, integrou-se à Associação dos Artistas Brasileiros, apresentando-se em coletivas. Obteve-se diversas medalhas, troféus e prêmios de viagens, tanto no Brasil quanto no exterior. [carece de fontes?]

Suas telas encontram-se em acervos particulares no Brasil, Estados Unidos, Canadá, Japão, Europa e Egito.

Vida e Carreira[editar | editar código-fonte]

Israel Dias Machado, cujo pseudônimo é Idmach, nasceu em 1933 na cidade de Salvador, no estado da Bahia. [1] Mudou-se para ilha de Paquetá em 1950, onde, sofrendo sérias dificuldades financeiras, precisou trabalhar em uma pensão em troca de moradia e comida[1].

Em um dos seus dias de trabalho, o artista visualiza um cavaleiro de pintura. No local, estava Augusto Silva, mestre do impressionismo brasileiro. [1]Nasceu-se a amizade dois dois. Augusto ensinou as primeiras noções técnicas para Israel, além de ensiná-lo a observar a natureza e a relação entre pintura e música. [1]

Idmach, em 1959, entra para a Escola Nacional de Belas Artes com um bom repertório estético na bagagem.[2] Além do próprio Augusto Silva, Osvaldo Teixeira e Onofre Penteado foram seu mestre e completaram sua formação.[1]

Aposentou-se pelos longos anos de trabalho na Rede Ferroviária Federal[2]. Fundou os Museus de Transportes de São João D'El Rey e do Rio de Janeiro.[1] Atualmente, é membro do clube dos Poetas e Compositores do Brasil. [1] Israel também é presidente do Clube Idmach do Brasil e suas obras estão expostas na Academia Naval do Egito, no consulado do Brasil em Marselha e no Salão Nobre das Docas do Belém do Pará.[2] Ao total, Idmach ganhou mais de 30 prêmios e já apresentou suas obras no Brasil e no exterior.[1]

Obra[editar | editar código-fonte]

Criador da prática da pintura "pastel com dedos", a obra de Idmach se exalta no contraste entre a tradição histórico-cultural e o impulso individual. [1] Trata-se de uma pintura que deseja se romper com os cânones experimentados, para posteriormente desencadear um valor que existe dentro de si.[1]

Suas obras convida o admirador a observá-las de frente e efetuar uma compreensão de extremo interesse. [1] Conhecido por uma pintura suave, mas ao mesmo tempo com pinceladas precisas, o artista desenvolve um impressionante trabalho com a luz, sombra e brilho de suas telas. [2] Sem se afastar de forma significativa da pintura tradicional, conhecida por ele através de seus mestres (Augusto Silva e Osvaldo Teixeira), Israel Machado Dias revela seu mundo lírico pela obra que produz, caracterizada pelos sentimentos que dão origem as suas obras e também as estruturam como uma linguagem própria.[1]

Na obra "Homenagem aos 450 anos de São Paulo", que está atualmente no Acervo Artístico do Parlamento Paulista, Israel Machado Dias imprime pela pintura um discurso repleto de significados simbólicos. [2]

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]