Jacques Aumont

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Jacques Aumont (Avinhão, 25 de fevereiro de 1942) é um teórico de cinema, escritor e professor universitário francês. Leciona atualmente na Universidade de Paris 3 (Nova Sorbonne) e na EHESS (Escola de Estudos Avançados em Ciências Sociais). Escreve regularmente na revista Cinéma (Editora Léo Scheer) e dirige o Centro de História do Cinema da Cinemateca Francesa.

Jacques Aumont começou sua carreira (1965-1970) como engenheiro na ORTF (agência pública francesa de rádio e televisão). Em 1967 começou a fazer parte da redação da revista Cahiers du cinéma, onde permaneceu até 1974. Depois de realizar alguns filmes institucionais e experimentais, optou pela carreira universitária. Lecionou primeiramente na Universidade de Paris 1 (de 1970 a 1976), depois na Universidade de Lyon (de 1976 a 1983). Poliglota, também deu cursos em Berkeley, Madison (Wisconsin), Iowa City, Nijmegen (Holanda) e Lisboa.

Seu pensamento e suas análises, rigorosas e expressas com elegância, causaram grande impacto nos estudos teóricos de cinema, mesmo além das fronteiras da Universidade. Foi um dos primeiros teóricos a se interessar pela figuralidade no cinema, numa época em que os procedimentos narrativos eram o objeto da maior parte dos estudos sobre cinema. Esta sua atenção ao figurativo permitiu-lhe aprofundar-se em temas como as relações entre pintura e cinema, assim como a constituição e a percepção da imagem cinematográfica em comparação com as demais artes visuais.

Além disso, participou da redação de obras coletivas de caráter didático sobre cinema, destinadas tanto a cinéfilos quanto a estudantes da área, como "A Estética do filme" e o "Dicionário teórico e crítico do cinema", quase sempre em parceria com seu colega de universidade Michel Marie.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • "Montage Eisenstein", Paris, Albatros, 1979.
  • "Esthétique du film" (em colaboração com Alain Bergala, Michel Marie e Marc Vernet), Paris, Nathan, 1983 (em português, "A Estética do filme", editora Papirus, Campinas, 2002).
  • "L'analyse des films" (em colaboração com Michel Marie), Paris, Nathan, 1989 (em português, "A Análise do Filme", Edições Texto & Grafia, Lisboa, 2010).
  • "L’Oeil interminable", Paris, Librairie Séguier, 1989.
  • "L’Image", Paris, Nathan, 1990 (em português, "A Imagem", editora Papirus, Campinas, 2002; Edições Texto & Grafia, Lisboa, 2008); Paris, Armand Colin, 2011 (em português, "A Imagem - Olhar, Matéria, Presença", Edições Texto & Grafia, Lisboa, 2014).
  • "Du visage au cinéma", Paris, Éd. de l'Étoile, 1992.
  • "Introduction à la couleur: des discours aux images", Paris, Armand Colin, 1994.
  • "Vampyr", éditions Yellow Now, 1993.
  • "À quoi pensent les films", Séguier, 1997.
  • "De l’esthétique au présent", Bruxelas-Paris, De Boeck et Larcier, 1998.
  • "Amnésies. Fictions du cinéma d’après Jean-Luc Godard", POL, 1999.
  • "Dictionnaire théorique et critique du cinéma" (em colaboração com Michel Marie), Paris, Nathan, 2001 (em português, "Dicionário Teórico e Crítico do Cinema", Papirus, Campinas, 2003; Edições Texto & Grafia, Lisboa, 2009).
  • "Les Théories des cinéastes", Nathan, 2002 (em português, "As Teorias dos Cineastas", Papirus, Campinas, 2004).
  • "Le Septième Art. Le cinéma parmi les arts", Léo Scheer, 2003.
  • "Les Voyages du spectateur", Léo Scheer, 2004.
  • "Ingmar Bergman, mes films sont l’explication de mes images", Paris, Cahiers du cinéma, 2004.
  • "Matières d'images", Editions Images Modernes, 2005.
  • "Le Cinéma et la mise en scène", Nathan, 2006 (em português, "O Cinema e a Encenação", Edições Texto & Grafia, Lisboa, 2008).
  • "Moderne?", Paris, Cahiers du cinéma, 2007 (em português, "Moderno?: por que o cinema se tornou a mais singular das artes", Papirus, Campinas, 2008).
  • "Notre-Dame des Turcs, Carmelo Bene", Aléas, 2010.
  • "L'attrait de la lumière", Éditions Yellow Now, 2010
  • "Le montreur d'ombre", Paris, Vrin, 2012.