École des hautes études en sciences sociales

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
École des hautes études en sciences sociales
EHESS
Fundação 23 de janeiro de 1975
Tipo de instituição Pública
Localização Paris
Marselha
Toulouse
Lyon,  França
Funcionários técnico-administrativos 450
Total de estudantes 3000
Campus Urbano
Afiliações Paris Universitas
Orçamento anual 40 milhões (2009)
Página oficial EHESS

Escola de Estudos Avançados em Ciências Sociais (do francês: École des Hautes Études en Sciences Sociales - EHESS) é uma instituição francesa de ensino superior e pesquisa em ciências sociais do tipo grand établissement ("grande estabelecimento"), isto é, um estabelecimento público de caráter científico, cultural e profissional voltado para o ensino superior (essencialmente de pós-graduação) e a pesquisa.

A EHESS foi criada por decreto do governo francês, de janeiro de 1975, que tornou autônoma a seção de Ciências Econômicas e Sociais da École pratique des hautes études (EPHE). Está situada no boulevard Raspail, 6ème. arrondissement de Paris, embora conte com alguns centros de pesquisa em Marselha, Lyon e Toulouse.

É um dos mais prestigiosos estabelecimentos de ensino superior e pesquisa em ciências sociais, oferecendo as seguintes áreas de especialização: história, linguística, filosofia, filologia, sociologia, antropologia, economia, ciência cognitiva, demografia, geografia, arqueologia, psicologia, direito e matemática - embora a prioridade da instituição seja a pesquisa interdisciplinar nesses campos.

História[editar | editar código-fonte]

A criação de uma seção dedicada à pesquisa em ciências sociais dentro da École pratique des hautes études teve apoio da Fundação Rockefeller desde o início do século XX. Após a Segunda Guerra Mundial, a Fundação aumentou a destinação de fundos para estudos sociológicos não marxistas. Assim foi criada a VI seção, futura EHESS, em 1947, sob a chefia do historiador Lucien Febvre, preferido a Georges Gurvitch. Logo a EHESS tornou-se uma das matrizes da historiografia contemporânea, graças à contribuição de grandes estudiosos como Fernand Braudel, Jacques Le Goff e François Furet. Braudel sucedeu Febvre em 1962. Nessa época a Escola contou com o financiamento da Fundação Ford.

Atualmente a EHESS admite somente estudantes de pós-graduação (mestrado e doutorado), totalizando 2800 alunos. Mais de 200 teses são defendidas anualmente.

Estão ou estiveram ligados à EHESS, como alunos, professores ou pesquisadores:

Centros de pesquisa[editar | editar código-fonte]

A EHESS conta com os seguintes institutos e grupos de pesquisa:

Ligações externas[editar | editar código-fonte]