Jornada de África

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Jornada de África
Autor(es) Manuel Alegre
Idioma português
País Portugal Portugal
Assunto Guerra do Ultramar
Gênero Ficção
Editora Publicações Dom Quixote
Formato 21 cm
Lançamento 1989
Páginas 242
ISBN 972-20-0699-1

Jornada de África é o título de um romance de Manuel Alegre editado em 1989, e que é a primeira grande obra de ficção deste autor, até então conhecido essencialmente pela sua vertente poética.

Resumo[editar | editar código-fonte]

Jornada de África tem como cenário a Guerra do Ultramar Português, traçando um quadro dos eventuais traumas e questões provocadas por esta em Portugal nas décadas de 60 e 70.

No livro descreve-se Portugal como um país de contradições, em pleno regime do Estado Novo de Oliveira Salazar, onde, de acordo com o livro, o medo dominaria o sentimento popular ("A medo se falava, a medo se regressava de noite a casa, a medo se acordava, a medo se dormia, a medo o amor, a medo tudo"), criando assim o cenário dramático para este romance. Cenário de um país ficcionado onde existiriam novos costumes ("não admira que os hábitos tivessem mudado. As raparigas entregavam a virgindade sem cálculo nem resistência. De certo modo era um desafio, uma forma de camaradagem") e a oposição ao regime.

Sebastião, o protagonista, era um opositor ao regime, que viria a amar Bárbara, ela própria militante pela independência de Angola, logo sua inimiga.. Combatiam também contra esse regime os independentistas. Ao longo da obra é estabelecido um paralelo com a obra homónima de Jerónimo de Mendonça (Jornada de África, de 1607) que narra a batalha de Alcácer-Quibir.

Além de Sebastião, surge também o próprio escritor, com o nome de Jerónimo de Mendonça, e todos os conspiradores têm nomes mencionadas na obra que retrata o desastre de Alcácer-Quibir e que terá servido de inspiração, numa clara tentativa de colar o desastre de Alcácer-Quibir à Guerra do Ultramar. Sebastião apercebe-se rapidamente das coincidências que se prolongam ao longo da obra (Luís de Brito, soldado que combateu ao lado de Sebastião antes deste desaparecer é também o nome do último homem que viu el rei D. Sebastião vivo). Deixa ao leitor adivinhar quem pretende o autor que seja Sebastião, o esperado.

Todo o livro é, assim, uma enorme metáfora e, simultaneamente, pretende retratar a crueldade de uma guerra da qual o protagonista e o autor têm dificuldade em compreender as razões. Sobre este aspecto é de salientar as características autobiográficas da obra: Manuel Alegre foi também um milíciano na Guerra Colonial e um desertor (Sebastião desaparece: alguns questionam se terá morrido ou desertado), o que o levou ao posterior exílio. Para lá do romance subjacente, a retratação da guerra em si é ficçionada já que o autor nunca chegou a combater nela, tendo sido detido pela PIDE pouco após a chegada a Luanda,por deserção, crime que na época não era considerado muito grave.

Seria contudo detido na metrópole, pouco depois, mas já por suspeita de traição. Preso conseguiria evadir-se com a cumplicidade de conhecidos da família, e fugir para Paris seguindo depois para Argel e para a rádio Vóz da Liberdade. Aqui desempenharia funções de locutor transmitindo principalmente para as forças inssurectas e envolvendo-se em alguns casos particularmente melindrosos, que lhe granjeariam ente os militares a suspeita de traição ao exército português do qual fizera parte.

Crimes esses que seriam de qualquer modo apagados com o 25 de Abril.

Jornada de África é considerada uma obra diferente abordando um dos temas mais melindrosos da História de Portugal do século XX, e ao qual o autor estaria profundamente comprometido.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um livro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.