José Alberto Braga

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Esta biografia de uma pessoa viva não cita as suas fontes ou referências, o que compromete sua credibilidade (desde dezembro de 2017).
Ajude a melhorar este artigo providenciando fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a incoerências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a coerência e o rigor deste artigo.
José Alberto Braga
Nascimento 1944 (75 anos)
Braga, Portugal
Ocupação Jornalista e escritor

José Alberto Braga (Braga, 1944) é um jornalista e escritor português.

Emigrou para o Rio de Janeiro, aos 15 anos e, depois de diversos trabalhos na área do comércio, passou ao jornalismo especialmente no "Jornal do Brasil” e “Tribuna da Imprensa", bem como 'O Pasquim", semanário de referência nos meios culturais e humorísticos, do qual foi redator. O jornalista desenvolveu ainda actividades no teatro (trabalhou na peça Feiticeiras de Salém ao lado de Mário Lago, direção de Oswaldo Loureiro) na rádio (Bandeirantes) e televisão (extinta Tupi), dando particular relevo informativo à cultura portuguesa no Brasil. No Rio de Janeiro fundou um jornal e duas revistas dedicadas aos assuntos portugueses.

O autor regressou a Portugal em 1982, como correspondente do Jornal do Commercio do Rio de Janeiro. Colaborou semanalmente, durante uma década, no jornal “Diário de Notícias” e ainda no "Jornal de Letras”, “Comércio do Porto” e “Público”. Junto com o Embaixador José Aparecido de Oliveira, participou ativamente da fase de criação da CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa). É fundador da revista 'Lusofonia'.

José Alberto Braga publicou ainda textos de humor nas revistas “Época”, Élan, “Mais”, no semanário "Expresso” e outros jornais portugueses. Participou da televisão portuguesa na qualidade de comentador de assuntos de política internacional. Também em Portugal, foi Presidente da Associação da Imprensa Estrangeira.

Livros publicados[editar | editar código-fonte]

(editados no Brasil):

  • As Treze Pragas do Século XX, Editora Folhetim, 1976, ilustrações de Nani e prefácio de Millôr Fernandes;
  • Tira a Mãe da Boca, Codecri (editora de “O Pasquim”), Rio de Janeiro, 1980, ilustrações de Guidacci e prefácio de Jô Soares.
  • Como Passar no Vestibular sem Fazer força, editora Marco Zero, Rio de Janeiro, 1988.

Editados em Portugal:

  • O Guia da Sobrevivência Política, ilustrações de António, editora Pergaminho, Lisboa, 1991;
  • Fábulas Imorais, editora Pergaminho, Lisboa, 1995;
  • Breviário de Assuntos Inúteis, Trinova, Lisboa, 1998, capa de António e colaboração de Chico Caruso;
  • O caçador de Étês, capa de António, Trinova, Lisboa, 2000;
  • Pensamentos & Reflexões, Mensagem, Lisboa, 2002;
  • Fábulas Imorais, capa de Millôr Fernandes, 2ª. edição, Mensagem, 2005.

Biografias:

  • Os Olhos da Alma - A Vida de Manuel Madruga, Trinova, Lisboa, 1999;
  • José Aparecido - o Homem que Cravou uma Lança na Lua, Trinova, Lisboa, 1999;

Teatro:

  • O Mistério do Queijo Desaparecido - peça infantil representada no teatro do Clube Ginástico Português, do Rio de Janeiro, 1973;
  • A Funerária, peça de humor negro, 1980;
  • Purpurina's Bar, peça irónico existencial, 2006.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: José Alberto Braga
Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) jornalista é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.