Khachkar

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
O famoso khachkar de Goshavank, esculpido em 1291 pelo artista Poghos.

Um khachkar, também conhecido como cruz arménia de pedra[1] (em arménio: խաչքար, pronúncia [χɑtʃʰˈkʰɑɾ], խաչ xačʿ "cruz" + քար kʿar "pedra") é uma estela memorial que porta uma cruz, muitas vezes podem ter motivos adicionais como condecorações, laços e motivos botânicos.[2] Os khachkars são característico da arte medieval cristã arménia.[1][3]

Desde 2010, os khachkar estão inscritos na Lista do Património Cultural Imaterial da Humanidade da UNESCO.[4]

Descrição[editar | editar código-fonte]

A maioria dos primeiros khachkar foram levantados para "a salvação da alma tanto duma pessoa viva ou morta". Podiam também comemorar uma vitória militar, a construção duma igreja ou como forma de protecção contra desastres naturais.[5]

História[editar | editar código-fonte]

Os primeiros khachkar verdadeiros apareceram no século IX,[1] durante o ressurgimento arménio depois da libertação do jugo árabe. O khachkar datável foi esculpido em 879 (embora menos exemplares mais rudimentares existam). A tradição ainda matem-se e ainda podem ver-se escultores de khachkar nalgumas partes de Ierevã.[6]

Bastantes exemplares têm sido transferidos ao Museu Histórico em Ierevã e na catedral de Vagharshapat. A maior colecção sobevivente de khachkars está na Arménia, no cemetério Noraduz na margem oeste do Lago Sevan. O maior grupo estava antigamente em Julfa na República Autónoma do Naquichevão, no Azerbaijão, mas o inteiro cemetério medieval foi destruído por soldados azeris em 2005.[7]

Presente[editar | editar código-fonte]

A arte de esculpir khachkars tem presenciado um renascer como símbolo da cultura arménia no século XX. Há centenas de khachkars no mundo, muitos dos quais são em memória da vítimas do chamado Genocídio Arménio. De acordo com um censo, há cerca de trinta khachkars em lugares públicas da França.[8]

Khachkars ameaçados[editar | editar código-fonte]

Uma grande porça de khachkars que foram criados na Arménia histórica e nas regiões vizinhas, nos tempos modernos que agora são parte da Turquia, Azerbaijão, Geórgia e Irão. Resultado da erradicação sistemática de khachkars na Turquia, só alguns poucos exemplares sobrevivem. Desafortunadamente estes poucos sobreviventes não estão bem catalogados nem fotografados. Desta maneira é difícil ter uma visão concreta da situação actual.[9] Um exemplar documentado foi reportado no Cemetério Arménio de Jugha.[10][11][12]

Uma fonte diz que os khachkars estão a ser danificados, negligenciados ou mexidos na Arménia.[13]

Referências

  1. a b c The Grove Encyclopedia of Medieval Art and Architecture. — Oxford University Press, 2012. — Vol. 2. — P. 222."'Khatck'ar' [Armen.:'cross-stone'] Typical Armenian stone monument, comprising an upright slab (h. c. 1—3 m) carved with a cross design, usually set on a plinth or rectangular base. "
  2. Thierry, cover sleeve.Thierry 1989
  3. Gough M., The Origins of Christian Art, London, 1973
  4. «Armenian cross-stones art. Symbolism and craftsmanship of Khachkars». UNESCO Culture Sector. Consultado em 25 de novembro de 2016 
  5. "Armenian Khatchkars" (Editions Erebuni, 1978)
  6. Anatoli L. Yakobson. Armenian Khachkars, Moscow, 1986
  7. «Tragedy on the Araxes». Archaeology. Consultado em 26 de novembro de 2016 
  8. «Toponymie et Monuments arméniens». acam-france.org (em francês). Association Culturelle Arménienne de Marne-la-Vallée (France) 
  9. Der Nersessian S. Armenian Art, Paris, 1978.
  10. «Azerbaijan: Famous Medieval Cemetery Vanishes». Caucasus Reporting Service, Institute for War and Peace Reporting. Consultado em 26 de novembro de 2016 
  11. «World Watches In Silence As Azerbaijan Wipes Out Armenian Culture». The Art Newspaper. Consultado em 26 de novembro de 2016 
  12. «Tragedy on the Araxes». Archaeology. Consultado em 26 de novembro de 2016 
  13. «Endangered Khachkars». Khachkar.am. Consultado em 26 de novembro de 2016 
Ícone de esboço Este artigo sobre a Armênia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.