Kickante

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Kickante é uma plataforma de financiamento coletivo (crowdfunding) criada no Brasil em 2013, fundada pelos irmãos Candice Pascoal e Diogo Pascoal[1][2] e tendo como sócia-fundadora Viviane Sedola. Atualmente a empresa é uma das principais desse segmento no país com uma arrecadação acima de 30 milhões de reais para milhares de causas, artistas e empreendedores no Brasil em apenas 3 anos de existência [3].

Kickante
Kickante Serviços de Informação e Hospedagem na Internet Ltda.
Requer pagamento? Não
Gênero Financiamento coletivo
Cadastro Sim
País de origem Brasil
Idioma(s) 1 idioma, Português
Lançamento 21 de outubro de 2013; há 4 anos
Posição no Alexa Baixa 46.316º (03 de julho de 2015)[4]
Desenvolvedor Diogo Pascoal.
Proprietário Candice Pascoal
Diogo Pascoal
Página oficial www.kickante.com.br

Origem[editar | editar código-fonte]

Posteriormente, especializou-se na arrecadação de fundos para ONG's com atuação em organizações como WWF, Médicos Sem Fronteiras, Anistia Internacional, Cruz Vermelha e outras. Sabendo que os custos de uma arrecadação eram muito altos e após perceber o potencial do Brasil para o crescimento de negócios com financiamento coletivo, Candice juntou-se ao irmão Diogo, um desenvolvedor, para iniciar a Kickante.

Crescimento[editar | editar código-fonte]

Com experiência em financiamento de campanhas Candice Pascoal, juntamente com seu irmão Diogo Pascoal, que lidera uma equipe de desenvolvedores a partir de São Paulo, iniciaram a Kickante em outubro de 2013. Na época já havia outras plataformas semelhantes atuando no Brasil, a exemplo de Benfeitoria, Idea.me, Impulso, Movere, Pontapés, Kolmea e Catarse.

Candice Pascoal, co-fundadora.

Os tipo de campanhas começadas na Kickante são diversos, incluindo companhias teatrais, bandas de música, startups, ONGs, atletas, dentre outros. A Fundamos e a Mountain Wolves são exemplos de campanhas na Kickante na área de startups, empreendedorismo digital. A Fundamos é uma ONG que busca financiamento para para alugar um prédio no bairro de Santo Amaro em São Paulo inteiramente voltado para locação desse tipo de empresas, o objetivo do projeto é a criação do maior campus tecnológico do Brasil.[5] Na Mountain Wolves, o jovem João Vitor Chaves desenvolveu uma ferramenta computacional capaz de detectar as deficiências em um empreendimento através da análise de Big data, o software deve ser capaz de auxiliar os empresários na elaboração de seus modelos de negócios. O jovem lançou uma campanha para arrecadar fundos e custear sua participação no MITx Global Entrepreneurship Bootcamp promovido pelo Instituto de tecnologia de Massachusetts, evento no qual seu projeto foi selecionado.[6]

Co-fundador e desenvolvedor. Coordena uma equipe de desenvolvimento em São Paulo.

Modelo de negócio[editar | editar código-fonte]

Atualmente a plataforma Kikcante possui as quatro maiores campanhas de financiamento do terceiro setor brasileiro[7]. De cada projeto, da arrecadação total, 12% ficam na plataforma. Nesse site um organizador pode iniciar uma campanha sem necessariamente ter meta mínima a atingir, pode ter sua campanha beneficiada a partir de qualquer valor arrecadado, os colaboradores tem a possibilidade de parcelar suas contribuições e há chances do organizador receber os recursos à vista[7].

Uma campanha pode ser iniciada em duas modalidades no site. O usuário criador pode optar pela campanha tipo "Tudo ou Nada", nesse tipo deve haver uma meta mínima para a campanha, caso seja atingida, a organização recebe o valor arrecadado como desconto de doze por cento (12%), que é a parte retida pela plataforma. Caso o valor mínimo não seja atingido, as doações são devolvidas para os contribuidores. Na modalidade de campanha "Flexível" os criadores também estabelecem uma meta mínima, contudo, caso não seja atingida, podem receber o montante arrecadado fora dezessete e meio por cento deste total, parcela esta retida pela plataforma. Caso uma campanha do tipo "Flexível" arrecade o estabelecido na meta mínima a negociação prossegue entre criadores e a Kickante como no caso "Tudo ou Nada". Todas as campanhas tem uma duração de pode variar de um a sessenta dias.[8]

Recentemente a plataforma lançou uma nova alternativa chamada Clube da Contribuição Mensal, já comum nos EUA, agora sendo implantado no Brasil. Nesse método, a plataforma promete uma arrecadação contínua aos organizadores.[9]

O Crowdfunding no Brasil[editar | editar código-fonte]

De acordo com o Banco Mundial essa modalidade de financiamento tem se tornado um mercado bilionário, somente o maior website na área, o norte americano Kickstarter já movimentou mais de 817 milhões de dólares desde a sua criação[10]. Semelhantes ao Kickante, no Brasil existem cerca de 17 sites voltados para este fim, como o Catarse e Idea.me (criado fora do Brasil e popular em outros países da América do Sul). Segundo a atual presidente executiva da Kickante, Tahiana D'Egmont, o Brasil corresponderá, até 2025, a uma fatia de 10% de todo capital levantado em crowdfunding no mundo, estimado em 90 bilhões de dólares até este ano[3].

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Guimarães, Saulo. «Site brasileiro de crowdfunding capta R$ 4 milhões em 1 ano | EXAME.com». Consultado em 26 de junho de 2015 
  2. TARDE, Portal. «CEO fala sobre cenário da plataforma de Crowdfunding». Consultado em 26 de junho de 2015 
  3. a b «Financiamento coletivo cresce no Brasil e pode ajudar a tirar ideias do papel». Consultado em 26 de junho de 2015 
  4. «Posição global no Alexa» 
  5. «Um prédio inteiro para as startups paulistas - Startupi». Consultado em 3 de julho de 2015 
  6. «Empreendedor brasileiro é escolhido em peneira pelo MIT, mas não pode ir». startse.infomoney.com.br. Consultado em 3 de julho de 2015 
  7. a b «FIXANDO RAÍZES BATE RECORDES NO KICKANTE - Revista Publicitta». Consultado em 26 de junho de 2015 
  8. «Termos de Uso e Condições de Navegação». Consultado em 3 de julho de 2015 
  9. «Clube de Contribuição Mensal, mais uma Inovação da Kickante - Dino - R7 Entretenimento». noticias.r7.com. Consultado em 2 de julho de 2015 
  10. «Kickante: crowdfunding brasileiro diferente e com equipe em outros países - Startupi». Consultado em 26 de junho de 2015