Kim Il-yeop

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Kim Il-yeop

Kim Il-yeop(hangul:김일엽, hanja:金一葉, 1896-1971) foi uma escritora, militante feminista, poeta e monja budista da Coreia[1].

Seu nome real era Won-ju(원주;元周), mas adotou o pseudônimo de Il-yeop. Ainda hjovem, teve que superar a morte de seus pais e seus irmãos. Depois de separar-se do seu primeiro marido, prosseguiu os estudos na universidade de Ewha Hakdang e no Tokyo English Institute[2].

Pioneira do feminismo na Coreia, fundou a revista literária feminina Sin Yeoja ("Novas Mulheres") em 1920. Publicou diversos poemas, artigos e novelas, sempre tendo como tema a condição da mulher. Seu Manifesto Sinyeoja, por exemplo, defende que todos os direitos do homem sejam estendidos às mulheres[3].

Depois de quatro casamentos desfeitos, e enfrentando a reação aos seus escritos, tornou-se monja, recolhendo-se ao mosteiro de Sudeok.[carece de fontes?]

Referências

  1. Revisiting the women who changed Korea with their pens Arquivado em 27 de janeiro de 2013 no Archive.is. Korea Joongang Daily, 24 de setembro de 2012 (em inglês)
  2. Buddhist nun Il-yeop. Korea Times, 22 de dezembro de 2010 (em inglês)
  3. HEEJI Jun. Formation of Modern Literary Field: Intersection of Gender and Coloniality in Korean History University of Michigan, 2010 (em inglês)
Ícone de esboço Este artigo sobre um poeta ou uma poetisa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.