Kleindeutsche Lösung

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Atuais estados da Alemanha que eram completamente ou na maioria situados dentro das antigas fronteiras do Reino da Prússia.

A Kleindeutsche Lösung ("Pequena solução alemã") foi uma ideia política do século XIX que postulava a ideia de uma Alemanha unificada consistindo dos membros da Confederação Germânica, liderada pela casa de Hohenzollern do Reino da Prússia, mas que excluía o Império Austríaco que estava unido à Hungria e não desejava se separar. A inclusão da Hungria entrava em contradição com a ideia de um estado nacional e com a ideia da Großdeutsche Lösung ("Grande solução alemã") (Großdeutschland ou "Grande Alemanha").

Início da História[editar | editar código-fonte]

O parlamento alemão que foi eleito depois do sucesso da revolução de 1848 foi dividido entre duas opções, com uma esquerda democrática favorecendo a republicana Großdeutschland, enquanto o centro liberal favorecia a Kleindeutschland com uma monarquia constitucional. No fim, a Kleindeutsche Lösung prevaleceu, mas o rei prussiano rejeitou a coroa oferecida a ele.

Depois do Dualismo Austro-Prussiano, foi decidido forçadamente a favor da Prússia através da Guerra Austro-Prussiana em 1866, a Kleindeutschland foi feita em 1871 depois da Guerra Franco-Prussiana. A "pequena solução" foi também escolhida parcialmente para prevenir os austríacos e seus amigos católicos do sul e do oeste de serem uma maioria na Alemanha prussiana, um ponto de vista seguido por Otto von Bismarck.

Confederação Germânica, 1815-1848 e 1851-1866
Em 1870, os estados alemães do sul uniram-se à Confederação da Alemanha do Norte cujo nome foi mudado para Deutsches Reich. Kleindeutsche Lösung tornou-se uma realidade.

Pós Primeira Guerra Mundial[editar | editar código-fonte]

Depois da Primeira Guerra Mundial, a Monarquia de Habsburgo acabou e os territórios dos falantes do alemão tinham perdido suas áreas industriais e de comércio, que decidiram se unir ao Reich alemão. O Tratado de Versalhes e o Tratado de Saint-Germain-en-Laye entretanto especificamente proibia a união da Áustria com a Alemanha. Ainda, o sentimento da Grande Alemanha permaneceu forte e em 1938 Adolf Hitler anexou a Áustria em um novo Grossdeutsches Reich. Em contraste com as versões anteriores da ideia da Grande Alemanha, a Áustria foi separada em muitos distritos.

Pós Segunda Guerra Mundial[editar | editar código-fonte]

Depois da Segunda Guerra Mundial, a Áustria foi mais uma vez separada da Alemanha e conseguiu ganhar sua independência como um estado neutro apesar da crescente Guerra Fria. A Áustria foi também declarada a "primeira vítima da Alemanha Nazista" na Declaração de Moscou, apesar de ter sido parte da Alemanha durante a guerra e apesar do envolvimento de muitos austríacos - incluindo o próprio Hitler - no regime.