Kobayashi Issa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Kobayashi Issa
Nome nativo 小林一茶
Nascimento 15 de junho de 1763
Província de Shinano
Morte 5 de janeiro de 1828 (64 anos)
Província de Shinano
Cidadania Japão
Ocupação poeta, pintor, escritor
Religião budismo

Kobayashi Issa (小林一茶? 15 de junho de 17635 de janeiro de 1827) foi um escritor e poeta japonês.

Vida[editar | editar código-fonte]

Nasceu em 1763, filho de um fazendeiro, em uma aldeia do atual distrito de Nagano, e faleceu em 1827, sob o nome Yataro Kobayashi.

Teve uma biografia atormentada, que explorou em diários, marcada pelas desavenças familiares, pela morte de vários filhos e outros desgostos, como a morte da primeira esposa. O tema da orfandade, presente em sua vida, explorou também em poemas, como no seguinte, um dos mais famosos dele: Venha brincar comigo, pardalzinho sem pai nem mãe.

Aprende a ler com um poeta. Aos 25 anos, foi estudar haicai com um professor chamado Chikua, que seguia a tradição de Basho, e em cujo grupo Issa publicou diversos poemas, vindo a tornar-se o mestre do grupo com a morte do professor. Foi afastado um ano depois, por diferenciar-se demais do haiaku ortodoxo, acredita-se. Viajou pelos próximos dez anos para ocupar o tempo e em algum momento se tornou sacerdote budista. No entanto, Issa casou-se novamente aos 63 anos e mais uma vez aos 64 anos.

A propriedade deixada pelo pai como herança rendeu diversos conflitos entre Issa e a madastra e filhos desta. Em 1827 a casa que gerou discussão por motivos de herança sofreu um incêndio. Era novembro de 1827, quando Issa falece deixa uma esposa e uma filha ainda não nascida.

Características da obra[editar | editar código-fonte]

Issa é lembrado como grande autor de haikai, sendo o mais importante autor deste gênero na terceira fase clássica do haiku japonês, demonstrando subjetivismo, crítica social e piedade, e diferenciando-se, do primordial haiku, voltado à contemplação da natureza e da realidade concreta, dos quais o observador zen não retira conclusões, senão físicas (haiku de Bashô), as quais servirão como exemplo para outras conclusões através de analogia.

Diferencia-se da segunda fase (Buson) do haiku, igualmente, o qual agrega um elemento "beletrista" e, timidamente, crítico social.

Outro diferencial é que, na obra de Issa, as referências às estações do ano não são obrigatórias, como na maior parte do haiacaísmo clássico, sendo também o apelo aos sentidos, principalmente à imaginação visual, menos intenso.

O elemento humano aparece mais claramente. Críticos contrários a ele o acusam de um certo sentimentalismo, o que seria considerado uma degeneração do haicu, e por isso fala-se em um período de "restauração di haiku", naturalmente, posterior a Issa.

No entanto, seus poemas o tornaram popular por explorarem um certo lado cômico e até nonsense da vida e da natureza, como neste: Apenas estando aqui,/estou aqui,/e a neve cai.


Alguns poemas[editar | editar código-fonte]

  • A lua da montanha/gentilmente ilumina/o ladrão de flores.
  • As cerejeiras em flor/obrigam o daímio/a desmontar do seu cavalo.
  • Não briguem jamais/vocês, feitas para ajudarem-se/aves de travessia.
  • Presentes de Ano Novo:/até a menina de cama/estende sua maozinhas.
  • Nos olhos da libélula/refletem-se/montanhas distantes.
  • Chegou o estorninho—/é assim que todos me chamam-/e como faz frio!

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Bostok, Janice M. (2004). «Nobuyuki Kobayashi — Issa, 1763–1827» (online reprint at the Australian Haiku Society). Pearl Beach, N.S.W.: Yellow Moon Literary Group. Yellow Moon (16): p. 33–34. ISSN 1328-9047 
  • Hamill, Sam, trans. (1997). The Spring of My Life and Selected Haiku: Kobayashi Issa. [S.l.]: Shambhala Publications. ISBN 1-57062-144-6  (pbk, 180 pp., 160 haiku plus The Spring of My Life, an autobiographical haibun)
  • Lanoue, David G. (2004). Pure Land Haiku: The Art of Priest Issa. [S.l.]: Buddhist Books International. ISBN 0-914910-53-1 
  • Mackenzie, Lewis, trans. (1984) [1957]. The Autumn Wind: A Selection from the Poems of Issa. [S.l.]: Kodansha International. ISBN 0-87011-657-6  (137 pp., 250 haiku)
  • Suzuki, Daisetz T. (2002). Buddha of Infinite Light: The Teachings of Shin Buddhism, the Japanese Way of Wisdom and Compassion. [S.l.]: Shambhala; New Ed edition. ISBN 1570624569 
  • Ueda, Makoto (2004). Dew on the Grass: The Life and Poetry of Kobayashi Issa. [S.l.]: Brill. ISBN 9004137238 
  • Bickerton, Max (1932). «Issa's Life and Poetry» (online at Google Books). Tokyo: Asiatic Society of Japan. Transactions of the Asiatic Society of Japan. ser. II, vol. 9: p. 110–154. ISSN 0913-4271  (A biography and selection of translated haiku; TOC is on p. 111.)
  • Lanoue, David G. (2005). «Master Bashô, Master Buson... and Then There's Issa» (online). Web: www.simplyhaiku.com. Simply Haiku: A Quarterly Journal of Japanese Short Form Poetry. 3 (3, Autumn 2005): section "Features: Interviews & Essays". ISSN 1545-4355  (An essay about the haiku persona of Issa, by the translator of the Issa Archive.)
  • Hislop, Scot (2003). «The Evening Banter of Two Tanu-ki: Reading the Tobi Hiyoro Sequence» (online). Columbus, OH: Early Modern Japan Network (EMJNet). Early Modern Japan: An Interdisciplinary Journal. 11 (2 (Fall 2003)): p. 22–31. ISSN 1940-7947 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.