Kvas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde janeiro de 2013)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.
Um copo de Kvas.

Kvas ou Kvass significa literalmente "fermento" nas línguas eslavas.квас em ucraniano e em russo; em polaco kwas chlebowy, (literalmente "fermento de pão)"; em chinês 格瓦斯/克瓦斯 - géwǎsī / kèwǎs. em lituano gira; em estónio kali). É uma bebida produzida através de fermentação muito popular na Rússia, Ucrânia e outros países da Europa Oriental. Ficou conhecida na China graças a influencia da cultura eslava. É bastante raro encontrar kvass com álcool. Está bebida não é alcoólica e pode ser consumida por adultos e crianças. Kvass é utilizado também para fazer uma refeição chamdo de okroshka. Na produção de kvass podem ser usados os extratos de várias amoras e raiz forte.

Elaboração[editar | editar código-fonte]

O kvas é produzido em sua forma mais rudimentar apenas com pão e água, deixando essa mistura fermentar por alguns dias em um frasco devidamente fechado. A cor e o teor nutritivo e alcoólico do Kvas varia de acordo com o tipo de pão usado para produzi-lo. É comum acrescentar frutas para lhe dar um sabor mais suave, reminiscente de um refrigerante de hortelã, o que lhe confere um valor mais medicinal. Quando é associado ao capim-limão, apresenta um sabor mais cítrico. As primeiras famílias eslavas faziam a bebida a partir das sobras dos pães de centeio.

Utilização[editar | editar código-fonte]

O principal uso é como bebida, muito popular na Ucrânia e na Rússia onde se pode encontrar quase em qualquer rua das cidades mais importantes.

Na gastronomia ucraniana, o Kvas é usado como uma bebida para acompanhar diversos pratos (principalmente assados) como se fosse vinho, sendo assim, a cada prato diferente o kvas que acompanha-o tem um sabor mais ou menos refinado, doce ou sem açúcar ou com mais tempo de fermentação. Foi muito popular dentre os camponeses e se proliferou graças aos guerreiros cossacos. O Kvas tambem é o principal ingrediente da sopa fria ucraniana e russa denominada Okroshka

Na Rússia o kombucha, que é uma bebida popular desde começos do século XX, é frequentemente chamado de "chá kvas" ou (incorretamente) apenas como kvas. Essas duas bebidas são muito diferentes, visto que o Kombucha é elaborado a partir de uma colônia de micro-organismos dispersos em um filme de celulose e a fermentação do Kvas é feita com a levedura do pão ou outro tipo de fermento.

História[editar | editar código-fonte]

O Kvas foi uma bebida muito popular dentre os povos antigos graças a sua disseminação pelo povo ucraniano. Algumas antigas escrituras datam a bebida nos tempos da Gengis Khan.

Seu uso no leste europeu era feito principalmente no verão, onde era bebido como cerveja.

Com as diversas revoluções que assolaram o solo da Ucrânia, vários outros povos como os poloneses, os russos e os lituânios empregaram essa cultura em seus povos, (assim como aconteceu com o famoso perohe (ou vareneky) e como consequência teve seu nome e composição levemente alterados de acordo com o povo com o qual o Kvas era adotado como bebida.

Terminologia[editar | editar código-fonte]

A palavra "kvas" é derivada do Antigo Oriente eslavo. квасъ, kvasŭ, que significa "fermento" ou "pão fermentado". Hoje as palavras usadas são quase as mesmas: em ucraniano: квас / хлібний квас / сирівець, kvas / khlibnyy kvas; em bielorrusso: квас, kvas; chinês :格瓦斯/克瓦斯, géwǎsī / kèwǎsī; letão: kvass; polaco: kwas chlebowy; russo: квас, kvas.

Referências culturais[editar | editar código-fonte]

Na cultura eslava essa bebida é muito mencionada na literatura. Em Fyodor Dostoevsky (Os Irmãos Karamazov), no capitulo intitulado como "O Mosteiro", o kvas é mencionado na cena do jantar como sendo uma famosa bebida em todo o bairro. Em Liev Tolstói (A Morte de Ivan Ilitch) o kvas é a primeira coisa a ser consumida em uma manhã de feriado, e no livro Anna Karenina, do mesmo autor, é mencionado diversas vezes. Em Anton Chekhov (The Cherry Orchard), kvas é mencionado no início do jogo: "Tragam-me um copo de kvas, está bem?". Também em Anton Chekhov, no conto "No fundo do barranco", uma personagem bebe kvas de pêra. Ainda em Tolstoi - Guerra e Paz, os soldados franceses conhecem o kvas ao entrar em Moscou, apreciando a bebida, porem se referem a ela como "limonada de porco" (Vemos então o chovinismo francês na época da grande revolução). Em Against Nature (À rebours) o protagonista, Jean Des Esseintes serve kvas, na companhia do porteiro para um banquete fúnebre "em memória à virilidade do hospedeiro", recentemente falecido.

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Um vendedor de rua de kvas na rua Khreschatyk em Kiev, Ucrânia.

Na Lituânia a Coca-Cola faz um refresco de kvas que denomina Pilskalna Kvas.

Na Rússia, a Coca-Cola elabora também o kvas, ao mesmo tempo que a sua concorrente Pepsi procura seguir esse mesmo caminho.

O Kvas chegou a ser conhecido como "a Coca-Cola Comunista" (apesar de sua origem ser ucraniana nacionalista) pelo seu sabor, cor e espuma que produz.

No Brasil, o Kvas é produzido também com o capim-limão (graças à cultura ucraniana) que lhe dá um gosto mais cítrico e também lhe é atribuído o nome, dentre os descendentes ucranianos, de cerveja caseira.

Referências

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Kvas
  • Szewciw, Ivan: Millennium Committee of the Ukrainian Catholic Council in Australia, 1987. 120 p. : ill., maps ; 21 cm.