Língua huichol

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Huichol

Wixárika Niukiyari[1]

Falado em: México
Região: Jalisco, Nayarit, Durango, Zacatecas
Total de falantes: 44.800 (2010)
Família: Uto-Astecan
 Corachol
  Huichol
Estatuto oficial
Língua oficial de: Instituto Nacional de Lenguas Indígenas (INALI)
Códigos de língua
ISO 639-1: --
ISO 639-2: ---
ISO 639-3: hch

A língua Huichol é uma língua ameríndia do México pertencente ao grupo das línguas uto-astecas. É falada pelo grupo étnico reconhecidamente chamado Huichóis (auto chamado Wixaritari), cujo território montanhoso se estende sobre porções dos estados mexicanos de Jalisco, Nayarit, Zacatecas, Puebla e Durango, principalmente em Jalisco. De acordo com a lei de direitos linguais de 2003, as línguas indígenas do México junto com o espanhol são reconhecidas como "línguas nacionais".[2]

Em relação à tipologia do idioma, o idioma tem referência cruzada, é altamente polissintética e os verbos podem consistir em até 20 diferentes morfemas. <.[3]

Nos últimos anos, pelo menos duas gramáticas de ensino para Huichol foram produzidas no México para falantes nativos. Além disso, um projeto para produzir uma gramática de referência e um dicionário de Huichol está em andamento desde a década de 1980, conduzido por uma equipe de pesquisadores do Departamento de Idiomas Indígenas da Universidade de Guadalajara,[4] e o primeiro volumr de uma gramática de referência foi publicado em 2006.

Dialetos[editar | editar código-fonte]

São muitos os dialetos do Huichol, incluindo "Coyultita, Huichol do norte, Huichol do sur, San Andrés Cohamiata (Huichol do oeste), San Sebastián-Santa Catarina (Huichol do leste)." [5]

Falantes[editar | editar código-fonte]

Segundo a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), havia "35.724 falantes de Huichol em 2005.[6] O Huichol foi classificado pela UNESCO como uma língua "vulnerável" (a extinção).[6]

Genealogia[editar | editar código-fonte]

As línguas Huichol e Cora (cujos territórios são contíguos) formam o subgrupo Coracholan das línguas uto-astecas.

Morfologia[editar | editar código-fonte]

Huichol é uma língua altamente polissintética com uma forte tendência a marcar a cabeça.

Fonologia[editar | editar código-fonte]

Fonologia[editar | editar código-fonte]

Vogais[editar | editar código-fonte]

Existem cinco fonemas vocálicos: / i, ɛ, a, u, ɨ /; / ɛ / é escrito "e". / ɨ / é foneticamente [ɨ], uma fechada central não arredondada, semelhante ao 'e' na palavra 'roses' em inglês britânico.

Articulação de vogais[editar | editar código-fonte]

[ɛ] é relatado por ser ainda mais aberta do que a vogal frontal semi-aberta similar do francês, mas menos aberta do que a [æ] do inglês 'cat'. [a] que é é aberta central.[7][8]

Supra-segmentais[editar | editar código-fonte]

O comprimento é fonêmico para as vogais. Uma vogal longa é marcada por um par de letras de vogais idênticas. Alguns pares mínimos:

  • ʔiiya 'beber', ʔiya 'mascar';
  • ʔeetsiya 'cozinhar', ʔetsiya 'campo semeado';
  • pukuʔeewiene 'procurando um lugar para sair da chuva', pukuʔewiene 'andando por aí tendendo a coisas'.

A acentuação tônica é fonêmica.[9][10] A posição padrão para a tonicidade das palavras em Huichol é a penúltima sílaba (a penúltima sílaba), [11] como em espanhol e inglês. Quando uma palavra tem ênfase primária na penúltima, a ortografia não a marca. Quando a tonicidade primária da palavra recai sobre uma sílaba que não seja o penúltimo, o estresse é marcado com sotaque agudo (como em espanhol). Quando há necessidade de marcar a tonicidade em uma vogal longa, o acento agudo é colocado na letra da segunda vogal. Pares mínimos mostrando tonicidade na sílaba fonêmica:

  • tuaxa 'to shoot', tuaxá 'oak';
  • kɨpi 'close one's eyes', kɨpí 'butterfly

Sílabas[editar | editar código-fonte]

As sílabas têm uma das seguintes estruturas (C = consoante, V = vogal, V^ = vogal longal): CV; CV^; CVV (as duas vogais diferem na articulação), pelo menos na forma básica das palavras; na fala e, às vezes, na escrita, a elisão das vogais cria sequências que violam esses cânones da sílaba. Nas sílabas do último tipo, as duas vogais formam um ditongo no qual a primeira vogal é a mais proeminente. A língua tem um grande número de ditongos; tanto os ditongos ascendentes como os ditongos descendentes ocorrem. Exemplos (período marca o limite da sílaba):

  • ʔɨi.tɨa 'dar';
  • niɨ.tɨa 'emprestar';
  • xei.ya 'ver';
  • xie.te 'abelha'

(os ditongos são diferentes nas sílabas iniciais de ʔɨi.tɨa e niɨ.tɨa [12]). As sequências / wV / são distintas de / uV /, da mesma forma / yV / são distintas de / iV /. / uV / e / iV / são ditongos, e para formar uma sílaba válida em Huichol, eles devem ser precedidos por uma consoante.

Consoantes[editar | editar código-fonte]

Existem treze fonemas consoantes. /c/ possui dois alofones, o africado, [ts] default e o fricativo, [s] quando precede imediatamente outra consoante. /h/, que Grimes (1955) agrupa com /wy/ por razões morfofonêmicas, que é foneticamente a fricativa glotal surda, [h]. Os símbolos em negrito entre parênteses são os símbolos usados na ortografia Huichol, onde diferem dos símbolos dos IPA.[13]

Bilabial Apico-alveolar Palatal Velar lLabiovelar Glotal
Oclusiva p t k (kw) ʔ
Africada c (ts; s)
Fricativa z (x)
Vibrante r
Oclusiva Nasal m n
Aproximante w y h

Articulação de consoantes[editar | editar código-fonte]

/ k / antes de / i / é aspirada. / k / before / ɛ / é palatalizada, daí a pronúncia de / kɛ / é [kjɛ]. / w / é [w] antes de / a ü /, [β] (fricativa bilabial sonora) antes de / e i u /. A sequência / wu /, 'vu' ocorre apenas nas palavras de empréstimo do espanhol.

Articulação de / c z r /[editar | editar código-fonte]

/ z, r /, embora basicamente alveolares, tem uma qualidade retroflexa. As descrições do conteúdo fonético desses dois fonemas variam de McIntosh (1945: 31-32) a Grimes (1955: 31) a Grimes (1959: 221, 223).

McIntosh descreveu [cs] como "alveolar" e considerou esses dois como alofones do mesmo fonema, sendo [c] o alofone principal. Grimes concordou com isso: ele nunca usa 's' em sua lista de 13 fonemas.

McIntosh descreveu / r / como "uma vibrante alveolar retroflexa sonora" e / z / como "alveolar apoiada... um pouco retroflexa"; "alveolar apoiada" parece corresponder ao termo "pos-alveolar" no jargão dos fonólogos mais modernos. Entre os fonólogoss, a crista alveolar é vista como uma amplitude, não um ponto, na dimensão sagital (da frente para trás) do céu da boca. Os fonólogos distinguem opcionalmente entre pré-pré-natal e pós-natal (e da mesma forma entre pré-natal , meio-natal e pós-natal ). Deve-se entender que, no jargão, pré- e pós- não têm seus significados normais em inglês. Pós-alveolar significa "a porção posterior da crista alveolar", não "uma região atrás da crista alveolar", enquanto pré-alveolar significa "a porção frontal do palato (imediatamente atrás da crista alveolar)", não "uma região em frente ao palatol". Assim, as descrições "alveolar apoiado" e "'um pouco' 'retroflexo" são consistentes (talvez até duplicativas). Grimes (1955) descreveu os símbolos alofônicos [r] como "vibrante reverso retroflexo" e [zs] como "retroflexo", mas depois alterou isso para "africada apico-alveolar, fricativo e vibrantes / c z r / (os dois últimos com qualidade retroflexa)". A descrição "vibrante reverso" não foi bem definida. A título de conjetura, pode significar que a ponta da língua (ápice) viaja para cima e para trás durante a articulação da vibrante, em vez de para cima ou para cima e para frente.

Entonação[editar | editar código-fonte]

Grimes (1959) investigou o uso afetivo da entonação.

Ortografia[editar | editar código-fonte]

O alfabeto atualmente em uso para ensinar crianças falantes de huichol a serem alfabetizadas em sua língua nativa é a e h i ɨ k kw m n p r t ts u w x y ʔ[14] Para x uma antiga grafia rr é visto, mesmo em recentes estudos linguísticos e publicações leigas. Quando o símbolo IPA para a oclusiva glotal, ʔ não está disponível com o dispositivo de digitação sendo usado, o apóstrofo é substituído.[15]

Mídia[editar | editar código-fonte]

A programação em língua huichol é realizada pelo rádio XEJMN-AM da Comissão Nacional para o Desenvolvimento dos Povos Indígenas (CDI), transmitida por Maria Maria, Nayarit.

O popular grupo musical mexicano Huichol Musical, formado por quatro homens huichóis de Santa Catarina, Mezquitic, Jalisco, compõe músicas que fundam a língua e o estilo musical de Huichol com letras em espanhol e tendências mais recentes. Seu maior sucesso, "Cuisinela", ganhou atenção mundialmente e seu álbum com o mesmo nome foi indicado ao Grammy na categoria "Melhor Álbum Regional Mexicano" em 2008

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. Iturrioz 2004:153
  2. Leyco, Ley General de Derechos Lingüísticos de los Pueblos Indígenas
  3. Iturrioz 2004:171
  4. Gaceta Universitaria, 2006.02.20
  5. "Huichol, Ethnologue Languages of the World" https://www.ethnologue.com/language/hch
  6. a b "Huichol, UNESCO Atlas of the World's Languages in Danger" http://www.unesco.org/culture/languages-atlas/index.php?hl=en&page=atlasmap&cc2=mx
  7. Iturrioz et al. 1999:48
  8. Grimes 1981:8-9
  9. Iturrioz et al. 1999:103
  10. Grimes (1959:232) alluded to previous, unpublished research in which he claimed that Huichol phonology includes phonemic tone and length. However, Grimes 1959 did not cite any examples; nor did he in his dissertation, published as Huichol syntax (1964), although in the latter work he marks high tone on syllables.
  11. Iturrioz et al. 1999: 153ss
  12. Iturrioz et al. 1999: 59-60
  13. Those consulting the works of Grimes on Huichol should take care to note that Grimes (1955) used 'q' for the glottal stop, but from 1959 on, he reassigned 'q' for the labiovelar stop.
  14. Iturrioz et al. 1999:43
  15. Iturrioz et al. 1999:114

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Aprendizado da língua[editar | editar código-fonte]

Vocabulário e dicionários[editar | editar código-fonte]

Gramáticas[editar | editar código-fonte]

  • Iturrioz Leza, José Luis, Julio Ramírez de la Cruz, et al. 1999. Gramática Didáctica del Huichol: Vol. I. Estructura Fonológica y Sistema de Escritura (in PDF). Guadalajara: Departamento de Estudios en Lenguas Indígenas, Universidad de Guadalajara; Secretaria de Educación Pública. This is volume XIV of Función.
  • Iturrioz, José Luis, ed. 2004. Lenguas y literaturas indígenas de Jalisco. Guadalajara: Secretaría de Cultura, Gobierno del Estado de Jalisco. The bulk of the book addresses the grammar of the Huichol language.
  • Iturrioz, José Luis & Gómez López, Paula. 2006. Gramática Wixárika I. LINCOM Europa. Studies in Native American Linguistics; 3. ISBN 3-89586-061-1. 268 pp. (Reference grammar)
  • Iturrioz, José Luis & Gómez López, Paula. 2009. Gramática Wixárika II/III. München/Munich: LINCOM Europa. 280 pp. (Reference grammar)

Áudio[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]