Línguas indígenas da América

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Línguas ameríndias)

As línguas indígenas da América (ou línguas ameríndias) são as línguas faladas pelos povos indígenas americanos. Apesar de semelhanças características de idiomas provenientes de regiões geograficamente próximas, que possibilitaram a influência entre falantes, estas línguas possuem estruturas variadas e compõem troncos distintos. Conforme estas semelhanças e relações genéticas, são agrupadas em famílias linguísticas que são revisadas constantemente por linguistas. Há línguas que não puderam ser agrupadas em grandes famílias linguísticas são consideradas línguas isoladas, quando não parecem estar associadas a outros idiomas conhecidos, ou permanecem sem classificação, quando não é possível identificar nem mesmo isto.

De acordo com a UNESCO, a maioria das línguas das Américas está sob perigo de extinção, e muitas, que até relativamente recentemente estavam não o haviam sido, já foram de fato extintas.[1] A língua indígena mais amplamente falada no continente americano é uma variação dialetal do quíchua, contando com entre 6 e 7 milhões de falantes.

No Brasil, uma estimativa citada da quantidade de línguas ameríndias faladas as limita a menos de 180[2]. No entanto, mesmo este número nao é consensual entre pesquisadores da área, devido, entre outras questões, às dificuldades intrínsecas a diferenciação entre línguas e dialetos. Além da subjetividade e da política envolvidas na configuração do status das linguas, há falta de informações e dados sobre estas línguas e seus falantes, o que dificulta e até impossibilita a tarefa de contabilização destas.

Línguas da América do Norte[editar | editar código-fonte]

Línguas da América do Norte (Glottolog 2019):[3]

Troncos linguísticos
Áreas linguísticas

Línguas da América do Sul[editar | editar código-fonte]

Campbell (2012)[editar | editar código-fonte]

Línguas da América do Sul (Lyle Campbell 2012):[4]

Jolkesky (2016)[editar | editar código-fonte]

Línguas da América do Sul (Marcelo Jolkesky 2016):[6]

  • † = língua(s) extinta(s)

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Gordon, Raymond G., Jr. (Ed.). 2005. Ethnologue: Languages of the World (15th ed.). Dallas, Texas: SIL International. ISBN 1-55671-159-X. (Online version: http://www.ethnologue.com)
  2. Seki, Lucy (2000). «Línguas indígenas do Brasil no limiar do século XXI». Impulso. 12. 238 páginas . Acessado em 16 de setembro de 2021. Disponível em http://etnolinguistica.wdfiles.com/local--files/artigo%3Aseki-2000/seki_2000.pdf.
  3. Hammarström, Harald; Forkel, Robert; Haspelmath, Martin, eds. (2019). «Glottolog». 4.1. Jena: Max Planck Institute for the Science of Human History 
  4. Campbell, Lyle (2012). «Classification of the indigenous languages of South America». In: Grondona, Verónica; Campbell, Lyle. The Indigenous Languages of South America (PDF). Col: The World of Linguistics. 2. Berlin: De Gruyter Mouton. pp. 59–166. ISBN 978-3-11-025513-3 
  5. Nikulin, Andrey. 2020. Proto-Macro-Jê: um estudo reconstrutivo. Tese de Doutorado em Linguística, Universidade de Brasília.
  6. Jolkesky, Marcelo Pinho de Valhery. 2016. Estudo arqueo-ecolinguístico das terras tropicais sul-americanas. Doutorado em Linguística. Universidade de Brasília.
  7. Eduardo Rivail Ribeiro e Marcelo Jolkesky. Catálogo de línguas indígenas sul-americanas. Biblioteca Digital Curt Nimuendajú.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]