Língua núbia antiga

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Núbio antigo
Falado em: Egito antigo, Sudão
Região: margens do rio Nilo, hoje sul do Egito e norte do Sudão
Total de falantes: extinta século XV
Família: Nilo-saariana
 Línguas sudanesas orientais
  Núbia
   Norte
    Núbio antigo
Escrita: Copta
Códigos de língua
ISO 639-1: --
ISO 639-2: ---
ISO 639-3: onw
Página de tradução para Núbio antigo das Instruções do Arcanjo Miguel datada dos séculos IX ou X, encontrada em Qasr Ibrim (Pakhoras), hoje no Museu Britânico O nome de Miguel (arcanjo) aparece em vermelho: Nesse período, os Núbios usavam nomes próprios gregos, muitas vezes acrescentando um L ao final

.

O Núbio antigo é uma antiga variante das línguas núbias atestada na forma escrita entre os séculos VIII e XV (texto mais recente de 1485). A língua é ancestral da atual língua nobiin (Mahasi–Fadijja) e relacionada com outras línguas núbias como a Dongolawi. Foi usada reino medieval cristão de Macúria e seu sub-reino Nobatia. A linguagem está preservada em pelo menos umas cem páginas de documentos, a maioria de natureza religiosa, escritas numa forma modificada da escrita copta; o mais conhecido é O Martírio de São Menas.

História[editar | editar código-fonte]

O nubio antigo teve sua fonte nas línguas dos nômades Noba que ocuparam a região do rio Nilo entre a Primeira e a Terceira Cataratas] e os nômades Makorae que ocuparam a terra entre a Terceira e a Quarta Cataratas após o colapso do Reino de Kush (Meroë) em algum momento do século IV. Os Makorae eram uma tribo separada que eventualmente conquistou ou herdou as terras dso Noba: estabeleceram um estado Macúria Bizantino que administrou as terras e Noba separadamente como eparquia de Nobadia. Nobadia foi convertida ao Cristianismo Monofisita pelos sacerdotes Julian e Longinus, e depois recebeu seus bispos do papa de Alexandria.

O Núbio antigo é uma das línguas africanas mais antigas, mas foi usado apenas de forma esporádica. A administração civil e os registros legais tendiam a empregar 0 Grego Koine, enquanto a liderança da igreja (originalmente todos Coptas Egípcios) eram fluentes em língua copta. Ao longo do tempo, mais e mais, o antigo Núbio começou a aparecer em documentos seculares e religiosos, e o idioma também influenciou o uso das línguas Grega e Copta na região (por exemplo, alguma confusão de gêneros gramaticais gregos e uso de tempos verbais variantes). Os documentos de consagração encontrados com os restos do arcebispo Timotheos sugerem, no entanto, que o grego e a copta continuaram a ser utilizados no final do século XIV, altura em que o árabe também estava em uso generalizado.[1]

Escrita[editar | editar código-fonte]

O antigo Núbio era escrito em uma variante da escrita uncial do alfabeto grego, incluindo três letras únicas: / ɲ / e / w /, que aparentemente são derivadas dos caracteres Mero´ticos; assim também é / ŋ /, a menos que seja uma ligadura de dois “gamas” gregos. Além disso usava-se a variante Copta para a letra também Copta Ϭ.[2]

A língua fez uso extensivo da nomina sacra. A abreviatura também foi usada de forma mais geral por todo idioma: além das fórmulas de nomina sacra, uma linha sobre uma letra poderia indicar:

  • uma vogal que formou uma sílaba por si só, ou foi precedida por uma ⲗ, ⳟ, ⲣ, ou ϫ;
  • an / i / (às vezes não escrito) anterior a uma consoante.

O som / i / poderia ser escrito ε, ε̄ι, η, ι ou υ, ou por uma linha na seguinte letra consoante; / u / normalmente estava escrito? Nos ditongos, uma diaerese às vezes foi usada em ι para indicar a semivogal y. Consoantes geminadas eram escritas duas vezes; As vogais longas geralmente não eram distintas das curtas.

A língua nobiin moderna é uma linguagem tonal: se o Núbio antigo não o fosse, os valores não foram marcados.

As marcas de pontuação incluíam um ponto alto •, às vezes substituído por uma barra invertida dupla \\ (), usado aproximadamente como o nosso ponto final, ou como pontuação colon. Uma só barra normal (/) () era usada como ponto de interrogação e uma barra dupla // () era às vezes usada para separar versos.

Gramática[editar | editar código-fonte]

Substantivo[editar | editar código-fonte]

O Núbio antigo não tem gênero gramatica, ou qualquer artigo. O substantivo consiste de um tronco para o qual o sufixo de caso gramatical e a postposição são adicionados; os principais são os seguintes:

  • -l nominativo, marca o sujeito da frase. Ex.: diabolos-il "o demônio (suj.)"; iskit-l "a terra (suj.)"
  • -n(a) genitivo, marca o possessor: Ex.: iart-na palkit-la "no mar de pensamentos"
  • -k(a) "diretivo", marca o objeto (direto ou indireto: e.g. Mikhaili-ka "Michael (obj.), para Michael"
  • -lo locativo, significa "em"
  • -la inessivo, significa "entrado"
  • -do adessivo, significa "em cima"
  • -dal comitativo, significa "com"

The most common plural is in -gu-; e.g. uru-gu-na "of kings", or gindette-gu-ka "thorns (object)", becoming -agui- in the predicative. Rarer plurals include -rigu- (e.g. mug-rigu-ka "dogs (obj.)" (predicative -regui-) and -pigu-.

Pronome[editar | editar código-fonte]

Os pronomes básicos são:

  • ai- "Eu"
  • ir- "Tu"
  • tar- "Ele, Ela"
  • er- "Nós inclusivo"
  • u- "Nós exclusivo"
  • ur- "Vocês"
  • ter- "Eles, Elas"

Demonstrativos são in- "este", man- "aquele"; interrogativos são ngai- "quem?", min- "o quê?", islo "onde?", iskal "como?".

Verbo[editar | editar código-fonte]

O verbo tem cinco formas principais: Presente, 2 tipos de Pretéritos, Futuro e Imperativo. Cada um dele tem 2 formas, Indicativo e Subjuntivo. São conjugados conforme a pessoa: Ex. no presente - verbo doll- "desejar (a alguém)":

  • dollire "Eu desejo"
  • dollina "você deseja", "ele, ela desejam"
  • dolliro "nós desejamos", "vocês desejam"
  • dollirana "eles(as) desejam"

Amostra de texto[editar | editar código-fonte]

ⲕⲧ̅ⲕⲁ ⲅⲉⲗⲅⲟ̅ⲥⲛ ⲓ̈ⲏ̅ⲥⲟⲩⲥⲓ ⲛⲁⳡⲁⲛ ⲧⲣⲓⲕⲁ• ⲇⲟⲗⲗⲉ ⲡⲟⲗⲅⲁⲣⲁ ⲡⲉⲥⲥⲛⲁ• ⲡⲁⲡⲟ ⲥ̅ⲕⲟⲉⲗⲙ̅ⲙⲉ ⲉⲕ̅ⲕⲁ

Kitka gelgelosuannon Iisusi nanyan trika, dolle polgara pessna: Papo, iskoelimme ikka.

E quando eles rolaram a pedra, Jesus, elevando seus olhos, disse: Pai, eu Te agradeço.

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. Burstein, Stanley: When Greek was an African Language.
  2. «Revision of the Coptic block under ballot for the BMP of the UCS» (PDF). Unicode Consortium. Consultado em 4 de setembro de 2015 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Browne, Gerald M., (1982) Griffith's Old Nubian Lectionary. Rome / Barcelona.
  • Browne, Gerald M., (1988) Old Nubian Texts from Qasr Ibrim I (with J. M. Plumley), London, UK.
  • Browne, Gerald M., (1989) Old Nubian Texts from Qasr Ibrim II. London, UK.
  • Browne, Gerald M., (1996) Old Nubian dictionary. Corpus scriptorum Christianorum orientalium, vol. 562. Leuven: Peeters. ISBN 90-6831-787-3.
  • Browne, Gerald M., (1997) Old Nubian dictionary - appendices. Leuven: Peeters. ISBN 90-6831-925-6.
  • Browne, Gerald M., (2002) A grammar of Old Nubian. Munich: LINCOM. ISBN 3-89586-893-0.
  • Griffith, F. Ll., (1913) The Nubian Texts of the Christian Period. ADAW 8.
  • Zyhlarz, Ernst, (1928) Grundzüge der nubischen Grammatik im christlichen Frühmittelalter (Altnubisch): Grammatik, Texte, Kommentar und Glossar. Abhandlungen für die Kunde des Morgenlandes, vol. 18, no. 1. Deutsche Morgenländische Gesellschaft.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]