Leonard Peikoff

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Leonard Peikoff.tiff

Leonard S. Peikoff (Winnipeg, 15 de outubro de 1933[1] ) é um filósofo e historiador é um canadense-americano[2] . É ex-professor de filosofia, tendo sido designado pela filósofa Ayn Rand como seu herdeiro. Peikoff é um autor de diversos livros e um dos principais defensores do Objetivismo sendo o fundador do Instituto Ayn Rand (ARI).[2]

Início da vida e carreira[editar | editar código-fonte]

Peikoff nasceu na província de Manitoba, no Canadá, de Samuel Peikoff, um cirurgião, e sua esposa Bessie, a líder de uma banda.[3]

Ele frequentou a Universidade de Manitoba nos anos de 1950-1953 como um estudante de medicina, mas seguindo suas primeiras discussões com Rand, ele se transferiu para a Universidade de Nova Iorque para estudar filosofia, onde recebeu seu BA, MA e PhD em filosofia em 1954, 1957 e 1964, respectivamente. Seu assessor de tese de doutorado foi o notável filósofo pragmático americano Sidney Hook. Ele ensinou filosofia por muitos anos em vários colégios.[1]

O envolvimento precoce no objetivismo[editar | editar código-fonte]

Peikoff, junto com Nathaniel Branden, Alan Greenspan e uma série de outros associados, que, brincando, se chamavam " The Collective ", reuniu-se freqüentemente com Rand para discutir filosofia e política, bem como para ler e discutir próxima novela de Rand, Atlas Shrugged, em seu apartamento em Manhattan.[4] [5] [6] Em 1958, Branden fundou o Nathaniel Branden Institute (NBI) para promover o objetivismo através de palestras e seminários educacionais em todo os Estados Unidos. Peikoff e Greenspan estavam entre os primeiros professores do instituto e rapidamente o NBI teve representantes em todo o EUA e ao redor do mundo.

Em entrevistas biográficas de Rand gravadas na década de 1960 por Barbara Branden, Rand afirmou que foram suas discussões com Peikoff e Allan Gotthelf que o motivaram a completar o livro Introduction to Objectivist Epistemology.[7] Após a dissolução da NBI em 1968, Peikoff continuou a dar aulas teóricas em uma variedade de tópicos para grandes audiências Objetivista e gravações destas foram vendidas por muitos anos. As mais vendidas incluem: The History of Philosophy (em dois volumes), An Introduction to Logic, The Art of Thinking, Induction in Physics and Philosophy, Moral Virtue, A Philosophy of Education, Understanding Objectivism,The Principles of Objective Communication and Eight Great Plays[8]

O primeiro livro de Peikoff, The Ominous Parallels,[9] foi tanto uma explicação objetivista da ascensão do Terceiro Reich e o Holocausto, e um aviso de que a América estava sendo levado no caminho para o totalitarismo por causa de semelhanças filosóficas e culturais de grande envergadura entre Alemanha de Weimar e do atual Estados Unido.[10]

Após a morte de Rand[editar | editar código-fonte]

Peikoff foi designado pelo filósofo Ayn Rand como seu herdeiro. Ele supervisionou a edição e lançamento de obras inéditas de Rand em vários volumes, incluindo suas cartas, revistas filosóficas, ele escreveu os prefácios para todas as impressões atuais. Durante vários anos, ele continuou a tradição de palestras do Rand incluindo uma para os cadetes em West Point.[11] Em 1985, Peikoff fundou o Instituto Ayn Rand, e em 1991 publicou o livro Objectivism: The Philosophy of Ayn Rand.[12]

Palestras ou livros de Peikoff têm sido utilizados extensivamente nas obras de Allan Gotthelf, Harry Binswanger, Andrew Bernstein e Tara Smith , escritores que estão associados com o Instituto Ayn Rand, e também em obras como as de David Kelley The Evidence of the Senses, George H. Smith Atheism: The Case Against God, e o tratado, What Art Is: the Esthetic Theory of Ayn Rand por Louis Torres and Michelle Marder Kahmi apesar destes autores terem opiniões diferentes dele.[13]

Pensamento político[editar | editar código-fonte]

Peikoff suporta laissez-faire capitalista, argumentando que o papel do governo na sociedade deve ser limitado a miniarquistas concepções. Ele se opõe a educação pública. Ele também se opõe a leis que regulam a pornografia, a eutanásia, pesquisas com células-tronco.[14]

Ele também continua a oposição de Rand ao libertarianismo, mantendo-se fortemente contra qualquer descrição da filosofia política objetivista como "libertário" e qualquer colaboração com a maioria dos grupos libertários.[15]

Livros[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Contemporary Authors Online, s.v. "Leonard Peikoff." Accessed March 2, 2008.
  2. a b Biography. Peikoff.com. Página visitada em January 4, 2011.
  3. Peikoff, Samuel, M.D.,Yesterday's Doctor : An Autobiography, Prairie Publishing Company (1980) ISBN 0-919576-16-8.
  4. Leonard Peikoff: In His Own Words (DVD), Ayn Rand Bookstore.
  5. Facets of Ayn Rand: Chapter One, Rand's friend Charles talks about The Collective
  6. Facets of Ayn Rand: Chapter Three, Rand's friend Charles talks about The Collective
  7. McConnell, Scott, "Allan Gotthelf," 100 Voices: an Oral History of Ayn Rand, 2010, New American Library, pp. 329–349, esp. 340.
  8. http://www.peikoff.com/courses_lectures/index.html
  9. Stein & Day, 1982.
  10. The Ominous Parallels: The End of Freedom in America. New York: Stein and Day, 1982. vii p. ISBN 0-8128-2850-X
  11. Leonard Peikoff: In His Own Words (DVD), Ayn Rand Bookstore.
  12. http://web.archive.org/web/20011214144550/www.aynrand.org/academic/background_oac.html
  13. see, e.g., Gotthelf, Allan, On Ayn Rand, Wadsworth Philosophers Series, 2000, pp. 3, 100; Smith, Tara, Ayn Rand's Normative Ethics: the Virtuous Egoist, Cambridge University Press, 2006, pp. 148–191; Binswanger, Harry, The Biological Basis of Teleological Concepts, ARI, 1990, pp. 234, 237; Bernstein, Andrew, The Capitalist Manifesto, University Press of America, 2005, pp. 172, 183, 188; Kelley, David, The Evidence of the Senses, Louisiana State University Press, 1986, pp. vii, 120 (on p. vii, Kelley credits Peikoff with helping to "shape" his "understanding of many issues... at the deepest level"); Smith, George H.,Atheism: the Case Against God, Prometheus, 1989, pp.125–162, 336–337, n17, n18, n31 (first pub. Nash, 1974; in note 31, p. 337, e.g., Smith indicates that his own "approach to certainty" is that presented by Peikoff in a series of lectures); Torres, Louis, and Kamhi, Michelle Marder, What Art Is: the Esthetic Theory of Ayn Rand, Open Court, 2000, pp. 30, 32, 41, 51, 298–299, 305, 332n81, 333n5, 333n86.
  14. Leonard Peikoff,Abortion Rights Are Pro-Life, January 23, 2003,Capitalism Magazine.
  15. "Am I an interventionist or an isolationist in regard to foreign policy?" (04:21)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Leonard Peikoff
Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Leonard Peikoff