Ayn Rand

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ayn Rand
AynRandSmoking.jpg
Ayn Rand (1921)
Nome completo Алиса Зиновьевна Розенбаум
Pseudônimo(s) Ayn Rand
Nascimento 2 de fevereiro de 1905
São Petersburgo, Império Russo
Morte 6 de março de 1982 (77 anos)
Nova Iorque,  Estados Unidos
Nacionalidade russa
Cidadania 1905–1917 (Império Russo)
1917 (República Russa)
1917–1922 (Russa RSFS)
1922–1931 (União Soviética)
1931–1982 (Americana)
Etnia judia russa
Cônjuge Frank O'Connor
(m. 1929-1979, sua morte)
Ocupação Escritora, filósofa
Influências
Influenciados
Principais trabalhos The Fountainhead
Atlas Shrugged
Prêmios Prêmio Prometheus
Gênero literário Filosofia
Escola/tradição Universidade Estatal de São Petersburgo
Religião Ateísmo
Assinatura
Sign Ayn Rand.png
Citação de Ayn Rand numa placa do Walt Disney World: "Ao longo dos séculos, existiram homens que deram os primeiros passos em novas estradas armados apenas com a sua própria visão"

Ayn Rand (/n rænd/);[1] nascida Alisa Zinov'yevna Rozenbaum, em russo: Алиса Зиновьевна Розенбаум; (São Petersburgo, 2 de fevereiro de 1905Nova Iorque, 6 de março de 1982) foi uma escritora, dramaturga, roteirista e filósofa norte-americana de origem judaico-russa, mais conhecida por desenvolver um sistema filosófico chamado de Objetivismo, e por seus romances. Ela teve sua primeira peça produzida na Broadway em 1932.[2] Depois de dois primeiros romances que inicialmente não tiveram sucesso, ela alcançou fama com seu romance de 1943, The Fountainhead (A Nascente).[2] Em 1957, Rand publicou seu trabalho mais conhecido, o romance Atlas Shrugged (A Revolta de Atlas).[2] Posteriormente, ela se voltou para a não-ficção para promover sua filosofia, publicando seus próprios periódicos e lançando várias coleções de ensaios até sua morte em 1982.[2]

Rand defendeu a razão como o único meio de adquirir conhecimento e rejeitou a fé e a religião. Ela apoiou o egoísmo racional e ético e rejeitou o altruísmo. Na política, ela condenou a iniciação da força como imoral[3] e se opôs ao coletivismo e ao estatismo, bem como ao anarquismo, em vez disso apoiando o capitalismo laissez-faire, que definiu como o sistema baseado no reconhecimento dos direitos individuais, incluindo os direitos de propriedade.[4] Na arte, Rand promoveu o realismo romântico. Ela criticava fortemente a maioria dos filósofos e tradições filosóficas conhecidas por ela, com exceção de Aristóteles, Tomás de Aquino e liberais clássicos.[5]

Críticos literários receberam a ficção de Rand com críticas misturadas,[6] tendo a academia ignorado em um primeiro momento sua filosofia, muito embora o interesse acadêmico tenha aumentado nas últimas décadas.[7][8][9] O movimento objetivista tenta espalhar suas ideias, tanto para o público quanto em contextos acadêmicos.[10] Ela tem sido uma influência significativa entre libertários, liberais clássicos e conservadores americanos.[11]

Vida[editar | editar código-fonte]

Juventude na Rússia e início dos estudos[editar | editar código-fonte]

Universidade de São Petesburgo, onde Ayn Rand estudou.

Alissa Zinovievna Rosenbaum nasceu em São Petersburgo no dia 2 de fevereiro de 1905 (20 de janeiro do calendário juliano) em uma família judaica de agnósticos de classe média, composta por três filhos, dos quais ela é era a mais velha.[12] Seu pai, Zinovy Zacharovich Rosenbaum, farmacêutico , nasceu em Brestlitovsk em 18 de novembro de 1869, enquanto sua mãe, Anna Borisovna Kaplan, nasceu em São Petersburgo em 15 de outubro de 1880.[13]

Desde a juventude, Rand se mostrou muito interessada em literatura e cinema, escrevendo seus primeiros romances e roteiros por volta dos sete anos de idade. Aos nove anos, ela decidiu se tornar escritora. Ela foi influenciada particularmente por Walter Scott e Alexandre Dumas e entusiasmou-se com o romantismo. Uma de suas maiores influências da época foi o livro The Mysterious Valley ( 1915 ) do romancista francês Maurice Champagne, cujo personagem principal – um homem heróico e virtuoso - marcou a imaginação de Rand. Este modelo de personagem é encontrado em todo o seu trabalho e, em particular, no personagem principal de Atlas Shrugged, John Galt.[14] Aos treze anos, descobriu aquele que se tornou seu autor favorito: Victor Hugo. Na faculdade , ela se revelou brilhante em matemática. Em 1912, sua família mudou-se para Nevsky Prospect, localizada no distrito de Znamenskaya. A jovem Alissa (Rand) participou de sua primeira exposição, dedicada a imagens de filmes, em 1913.

Na época, a cidade de São Petersburgo foi um dos focos de agitação revolucionária na Rússia czarista. No início da revolução de fevereiro, Rand apoiou a ação de Kerensky, mas com a chegada dos bolcheviques ao poder em outubro de 1917, e o confisco da farmácia de seu pai pelo governo revolucionário, sua família foi obrigada a fugir para Crimeia. Os Rosenbaum estabeleceram-se em Yevpatoria até o distrito ser invadido pelos revolucionários em 1921.[15] A partir deste dia, Rand tomou um ódio profundo pelos comunistas, sentimento que permeou todos os seus futuros escritos. Ela queimou seu diário onde costumava escrever reflexões e críticas sobre os revolucionários.

No dia 30 de junho de 1921, Rand se formou na Yevpatoria High School. No ano seguinte, a família Rosenbaum retornou a Petrogrado.[16] Alissa, então com dezesseis anos, começou a estudar história e filosofia na Universidade Estatal de São Petersburgo, onde descobriu as obras de Edmond Rostand, Friedrich von Schiller, Aristóteles e Fiodor Dostoiévski. Seus estudos lhe deram acesso, em suas próprias palavras, a uma "cultura milenar", através da qual ela passou a considerar prejudicial a influência das idéias comunistas na Rússia. Nos últimos anos de URSS, ela foi forçada a integrar a propaganda comunista, e foi durante essa época em que ela formulou a base de sua crítica aos sistemas coletivistas.

Dispersão da multidão em Nevsky Prospekt, em julho de 1917.

Em 13 de outubro de 1924, Alissa se graduou e entrou no Instituto Estadual de Artes Cinematográficas.[17] Ela estudou história e política americana e também descobriu o cinema norte-americano, incluindo westerns, além de toda a cultura dos Estados Unidos. Ela se tornou uma admiradora da sociedade americana e seus valores individualistas e otimistas. Percebendo que ela não poderia realizar seu sonho de escrever romances na URSS por causa da censura comunista, ela mudou-se para os Estados Unidos.[15] Em 1925 , ela publicou um panfleto sobre a atriz de cinema Pola Negri, em Moscou e Leningrado, e em 1926 um pequeno ensaio intitulado Hollywood: American Movie City.

Vida nos Estados Unidos[editar | editar código-fonte]

Alcançou a fama com seu romance The Fountainhead (que foi lançado no Brasil com o título de A Nascente, e deu origem a um filme homónimo conhecido no Brasil por Vontade Indômita), publicado em 1943. Em 1957 lançou seu melhor e mais conhecido trabalho, o romance filosófico Atlas Shrugged (no Brasil, Quem É John Galt?, inicialmente lançado em 1987 e, posteriormente, relançado em 2010 como A Revolta de Atlas).

Sua filosofia e sua ficção enfatizam, sobretudo, suas noções de individualismo, autossustentação e capitalismo. Seus romances preconizam o individualismo filosófico e a livre iniciativa econômica.[18]

Filosofia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Objetivismo (Ayn Rand)

O Objetivismo, filosofia desenvolvida por Ayn Rand, abarca os campos da epistemologia, metafísica, ética, política e estética. Ele foi primeiramente expresso por meio de romances como The Fountainhead e Atlas Shrugged e, posteriormente, em ensaios sobre cada um dos campos mencionados. Mais tarde, o filósofo Leonard Peikoff, a quem Ayn Rand se referiu como seu herdeiro intelectual, expôs o sistema objetivista em toda sua estrutura lógica em seu ensaio Objetivismo: A Filosofia de Ayn Rand.

O objetivismo argumenta que:

  1. A realidade existe independentemente da mente do observador ("realidade objetiva");
  2. Os indivíduos estão em contato com essa realidade através da percepção de seus sentidos que permitem a formação de conceitos seguindo um processo lógico indutivo e dedutivo;
  3. A intenção moral da existência é a busca da felicidade ou "egoísmo racional";
  4. O único sistema social compatível com esse objetivo moral é o laissez-faire capitalista;
  5. O papel da arte na vida humana é transformar uma ideia metafísica em uma reprodução seletiva da realidade, em uma forma física que pode ser entendida e gerar uma resposta emocional.

"Minha filosofia, em essência, é o conceito do homem como um ser heróico, com sua própria felicidade como a meta moral de sua vida, com a realização produtiva como sua atividade mais nobre, e a razão somente, seu absoluto".[19]

Obras selecionadas[editar | editar código-fonte]

Ficção[editar | editar código-fonte]

Não-ficção[editar | editar código-fonte]

Influência em outras mídias[editar | editar código-fonte]

Música[editar | editar código-fonte]

Jogos eletrônicos[editar | editar código-fonte]

  • Na série de games BioShock o personagem Andrew Ryan, magnata fundador da cidade submarina de Rapture, é uma referência explícita à escritora dentro do enredo do jogo. A partir da formação do nome, até a filosofia pessoal do personagem, como a tentativa de utopia na criação da cidade no fundo do mar, invariavelmente comparada com a obra Atlas Shrugged.[20]

Quadrinhos[editar | editar código-fonte]

  • A enigmática Layla de X-factor (Marvel) aparece lendo o Atlas Shrugged durante os eventos da Guerra Civil

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. (Branden 1986, p. 71; Gladstein 1999, p. 9
  2. a b c d HICKS, STEPHEN. «Breve relato da vida de Ayn Rand». Objetivismo - A Filosofia de Ayn Rand. objetivismo.com.br. Consultado em 20 de fevereiro de 2019 
  3. Barry 1987, p. 122; Peikoff 1991, pp. 309–314; Sciabarra 1995, p. 298; Gotthelf 2000, p. 91; Gladstein 2009, p. 46
  4. Gotthelf 2000, pp. 91–92; Peikoff 1991, pp. 379–380
  5. O'Neill 1977, pp. 18–20; Sciabarra 1995, pp. 12, 118
  6. Gladstein 1999, pp. 117–119
  7. Cohen 2001
  8. Marcus 2009
  9. Badhwar & Long 2010
  10. Sciabarra 1995, pp. 1–2
  11. Burns 2009, p. 4; Gladstein 2009, pp. 107–108, 124
  12. (em inglês) Pour plus de précisions sur le Saint-Pétersbourg d'Ayn Rand, avec des photographies des lieux actuels, voir « Ayn Rand Sites in Saint Petersburg ».
  13. (em inglês) Biographie chronologique d'Ayn Rand, Ayn Rand Institute.
  14. , .
  15. a b , .
  16. , , p. 14-20.
  17. , , p. 14-20.
  18. Atlas Society: Objectivism
  19. La Grève, Sur l'auteur.
  20. https://www.giantbomb.com/profile/ubik/blog/bioshocks-critique-of-ayn-rand-objectivism/80374/

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Wikisource Textos originais no Wikisource
Commons Imagens e media no Commons