Ayn Rand

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wiki letter w.svg
Por favor melhore este artigo ou secção, expandindo-o. Mais informação pode ser encontrada nos artigos correspondentes noutras línguas e também na página de discussão.
Ayn Rand
Ayn Rand (1925)
Nome completo Алиса Зиновьевна Розенбаум
Nascimento 2 de fevereiro de 1905
São Petersburgo, Império Russo
Morte 6 de março de 1982 (77 anos)
Cidade de Nova York,  Estados Unidos
Nacionalidade russa
Cidadania americana
Etnia judia russa
Cônjuge Frank O'Connor
(m. 1929-1979, sua morte)
Ocupação escritora, filósofa
Influências
Influenciados
Principais trabalhos The Fountainhead
Atlas Shrugged
Prêmios Prêmio Prometheus
Gênero literário Filosofia
Escola/tradição Universidade Estatal de São Petersburgo
Assinatura
Sign Ayn Rand.png
Citação de Ayn Rand numa placa do Walt Disney World: "Ao longo dos séculos, existiram homens que deram os primeiros passos em novas estradas armados apenas com a sua própria visão"

Ayn Rand ( /n rænd/;[1] nascida Alisa Zinov'yevna Rozenbaum, em russo: Алиса Зиновьевна Розенбаум; São Petersburgo, 2 de fevereiro de 1905Nova Iorque, 6 de março de 1982) foi uma escritora, dramaturga, roteirista e filósofa norte-americana de origem judaico-russa, mais conhecida por desenvolver um sistema filosófico chamado de Objetivismo, e por seus romances.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascida e educada na Rússia, Rand emigrou para os Estados Unidos em 1926. Ela trabalhou como roteirista em Hollywood, e teve uma peça produzida na Broadway, no período de 1935 a 1936.

Alcançou a fama com seu romance The Fountainhead (que foi lançado no Brasil com o título de A Nascente, e deu origem a um filme homónimo conhecido no Brasil por Vontade Indômita), publicado em 1943. Em 1957 lançou seu melhor e mais conhecido trabalho, o romance filosófico Atlas Shrugged (no Brasil, Quem É John Galt?, inicialmente lançado em 1987 e, posteriormente, relançado em 2010 como A Revolta de Atlas).

Sua filosofia e sua ficção enfatizam, sobretudo, suas noções de individualismo, autossustentação e capitalismo. Seus romances preconizam o individualismo filosófico e a livre iniciativa econômica.[2]

Ela ensinava:

  • Que o homem deve definir seus valores e decidir suas ações à luz da razão;
  • Que o indivíduo tem o direito de viver por amor a si próprio, sem ser obrigado a se sacrificar pelos outros e sem esperar que os outros se sacrifiquem por ele;
  • Que ninguém tem o direito de usar força física para tomar dos outros o que lhes é valioso ou de impor suas ideias sobre os outros.

Um admirador de Ayn Rand, David Nolan, organizou, em 1971, o Partido Libertário Americano, cujo programa original tinha os traços que ela mesma defendia nos anos 40.[3] Posteriormente, ela brigou com libertários como Murray Rothbard[4] e passou a criticar o partido[5] pelo fato da filosofia dela ter se distanciado a da escola austríaca.[6][7]

Um de seus principais pupilos foi Alan Greenspan, mais tarde presidente da Reserva Federal (o sistema de bancos centrais dos Estados Unidos).[8][9]

Ela se posicionou também como uma anti-arabista e sionista durante o conflito árabe-israelense.[10]

Obras[editar | editar código-fonte]

Ficção[editar | editar código-fonte]

Não-ficção[editar | editar código-fonte]

Influência em outras mídias[editar | editar código-fonte]

Música[editar | editar código-fonte]

Jogos eletrônicos[editar | editar código-fonte]

  • Na série de games BioShock o personagem Andrew Ryan, magnata fundador da cidade submarina de Rapture, é uma referência explícita à escritora dentro do enredo do jogo. A partir da formação do nome, até a filosofia pessoal do personagem, como a tentativa de utopia na criação da cidade no fundo do mar, invariavelmente comparada com a obra Atlas Shrugged.[11]

Quadrinhos[editar | editar código-fonte]

  • A enigmática Layla de X-factor (Marvel) aparece lendo o Atlas Shrugged durante os eventos da Guerra Civil

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Branden 1986, p. 71; Gladstein 1999, p. 9
  2. Atlas Society: Objectivism
  3. BRANDEN, Barbara, The Passion of Ayn Rand (New York: Anchor, 1987), 413-414, apud Ayn Rand & Atlas Shrugged: Introduction "Em 1971, quando um pequeno grupo de pessoas, desiludido com o Partido Republicano, reuniu-se em Denver para formar o Partido Libertário, John Hospers escreveu a declaração de princípios, a qual foi aprovada por unanimidade e com gritos de aprovação - [era] uma declaração de princípios de Ayn Rand, sobre o direito moral do homem à liberdade, à defesa do interesse próprio, à busca irrestrita de seus objetivos e à recusa do uso da força física, salvo em retaliação ao uso anterior de força (...) 'Sem Ayn Rand', disse David Nolan, o fundador do Partido Libertário, 'o movimento libertário não existiria' ".
  4. The Sociology of the Ayn Rand Cult
  5. «AYN RAND Q&A ON LIBERTARIANISM». Instituto Ayn Rand. Consultado em 11 de novembro de 2013 
  6. Keiser Report: Frankenmarkets and Austrian Economics
  7. Ayn Rand & Atlas Shrugged: Introduction
  8. Rand's Influence on Alan Greenspan
  9. Ayn Rand’s Literature of Capitalism, Por Harriet Rubin. NY Times, 15 de setembro de 2007.
  10. [1] Arquivado em 22 de agosto de 2007, no Wayback Machine.
  11. https://www.giantbomb.com/profile/ubik/blog/bioshocks-critique-of-ayn-rand-objectivism/80374/

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Wikisource Textos originais no Wikisource
Commons Imagens e media no Commons