Ayn Rand

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ayn Rand
Pseudônimo(s) Ayn Rand
Nascimento Алиса Зиновьевна Розенбаум
2 de fevereiro de 1905
São Petersburgo, Império Russo
Morte 6 de março de 1982 (77 anos)
Nova Iorque, Estados Unidos
Sepultamento Cemitério Kensico
Nacionalidade russa
Cidadania russa
norte-americana
Etnia Judia russa
Cônjuge Frank O'Connor (1929–1979, sua morte)
Alma mater
Ocupação Escritora, filósofa
Principais trabalhos The Fountainhead
Atlas Shrugged
Prêmios Prêmio Prometheus
Empregador Universidade Estatal de São Petersburgo
Gênero literário Filosofia
Obras destacadas Atlas Shrugged, The Fountainhead, We the Living, Anthem, The Virtue of Selfishness
Escola/tradição Universidade Estatal de São Petersburgo
Religião Ateísmo
Causa da morte insuficiência cardíaca
Página oficial
https://aynrand.org/
Assinatura
Sign Ayn Rand.png
Citação de Ayn Rand numa placa do Walt Disney World: "Ao longo dos séculos, existiram homens que deram os primeiros passos em novas estradas armados apenas com a sua própria visão"

Ayn Rand ( /n rænd/);[1] nascida Alisa Zinov'yevna Rozenbaum, em russo: Алиса Зиновьевна Розенбаум; (São Petersburgo, 2 de fevereiro de 1905Nova Iorque, 6 de março de 1982) foi uma escritora, dramaturga, roteirista e filósofa norte-americana de origem judaico-russa, mais conhecida por desenvolver um sistema filosófico chamado de Objetivismo, e por seus romances. Ela teve sua primeira peça produzida na Broadway em 1932.[2] Depois de dois primeiros romances que inicialmente não tiveram sucesso, ela alcançou fama com seu romance de 1943, The Fountainhead (A Nascente).[2] Em 1957, Rand publicou seu trabalho mais conhecido, o romance Atlas Shrugged (A Revolta de Atlas).[2] Posteriormente, ela se voltou para a não-ficção para promover sua filosofia, publicando seus próprios periódicos e lançando várias coleções de ensaios até sua morte em 1982.[2]

Rand defendeu a razão como o único meio de adquirir conhecimento e rejeitou a fé e a religião. Ela apoiou o egoísmo racional e ético e rejeitou o altruísmo. Na política, ela condenou a iniciação da força como imoral[3] e se opôs ao coletivismo e ao estatismo, bem como ao anarquismo, em vez disso apoiando o capitalismo laissez-faire, que definiu como o sistema baseado no reconhecimento dos direitos individuais, incluindo os direitos de propriedade.[4] Na arte, Rand promoveu o realismo romântico. Ela criticava fortemente a maioria dos filósofos e tradições filosóficas conhecidas por ela, com exceção de Aristóteles, Tomás de Aquino e liberais clássicos.[5]

Críticos literários receberam a ficção de Rand com críticas misturadas,[6] tendo a academia ignorado em um primeiro momento sua filosofia, muito embora o interesse acadêmico tenha aumentado nas últimas décadas.[7][8][9] O movimento objetivista tenta espalhar suas ideias, tanto para o público quanto em contextos acadêmicos.[10] Ela tem sido uma influência significativa entre libertários, liberais clássicos e conservadores americanos.[11]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

Rand nasceu Alisa Zinovyevna Rosenbaum em 2 de fevereiro de 1905, em uma família burguesa judia russa que vivia em São Petersburgo.[12] Ela era a mais velha das três filhas de Zinovy Zakharovich Rosenbaum, um farmacêutico, e Anna Borisovna (nascida Kaplan).[13] Rand mais tarde disse que achava a escola nada desafiadora e começou a escrever roteiros aos oito anos e romances aos dez anos.[14] No prestigioso Stoiunina Gymnasium, sua melhor amiga era a irmã mais nova de Vladimir Nabokov, Olga. As duas meninas compartilhavam um interesse intenso pela política.[15][16]

Ela tinha 12 anos na época da Revolução de fevereiro de 1917, durante a qual favoreceu Alexander Kerensky em vez do czar Nicolau II. A subsequente Revolução de Outubro e o governo dos bolcheviques sob Vladimir Lenin perturbaram a vida que a família desfrutava anteriormente. O negócio de seu pai foi confiscado e a família fugiu para a Península da Criméia, que estava inicialmente sob controle do Exército Branco durante a Guerra Civil Russa. Enquanto estava no colégio lá, ela concluiu que era ateia e valorizava a razão acima de qualquer outra virtude. Depois de se formar em junho de 1921, ela voltou com sua família para Petrogrado (como São Petersburgo foi renomeado na época), onde enfrentaram condições desesperadoras, às vezes quase morrendo de fome.[17][18]

Após a Revolução Russa, as universidades foram abertas às mulheres, permitindo que ela fosse o primeiro grupo de mulheres a se matricular na Universidade Estatal de São Petersburgo.[19] Aos 16 anos, iniciou seus estudos no departamento de pedagogia social, com especialização em história.[20] Na universidade, ela foi apresentada aos escritos de Aristóteles e Platão;[21] ela passou a ver suas visões divergentes sobre a realidade e o conhecimento como o conflito primário dentro da filosofia.[22] Ela também estudou as obras filosóficas de Friedrich Nietzsche.[23] Capaz de ler francês, alemão e russo, ela também descobriu os escritores Fiódor Dostoiévski, Victor Hugo, Edmond Rostand e Friedrich Schiller, que se tornaram seus eternos favoritos.[24]

Junto com muitos outros estudantes burgueses, ela foi expurgada da universidade pouco antes de se formar. Após reclamações de um grupo de cientistas estrangeiros visitantes, muitos dos alunos expurgados tiveram permissão para concluir seu trabalho e se graduar,[25][26] o que ela fez em outubro de 1924.[27] Ela então estudou por um ano no State Technicum for Screen Arts em Leningrado. Para uma tarefa, ela escreveu um ensaio sobre a atriz polonesa Pola Negri, que se tornou seu primeiro trabalho publicado.[28]

Nessa época, ela decidiu que seu sobrenome profissional para escrever seria Rand,[29] possivelmente porque é graficamente semelhante a um trecho sem vogais Рзнб de seu sobrenome de nascimento em caligrafia cirílica,[30][31] e ela adotou o primeiro nome Ayn.[nota 1]

Chegada aos Estados Unidos[editar | editar código-fonte]

No final de 1925, Rand recebeu um visto para visitar parentes em Chicago.[35] Ela partiu em 17 de janeiro de 1926.[36] Quando ela chegou na cidade de Nova Iorque em 19 de fevereiro de 1926, ela ficou tão impressionada com o horizonte de Manhattan que chorou o que mais tarde chamou de "lágrimas de esplendor".[37] Com a intenção de ficar nos Estados Unidos para se tornar roteirista, ela morou alguns meses com seus parentes, um dos quais era dono de uma sala de cinema e permitia que ela assistisse a dezenas de filmes gratuitamente. Ela então partiu para Hollywood, Califórnia.[38]

Em Hollywood, um encontro casual com o famoso diretor Cecil B. DeMille o levou a trabalhar como figurante em seu filme The King of Kings e um trabalho subsequente como roteirista júnior.[39] Enquanto trabalhava em The King of Kings, ela conheceu um jovem aspirante a ator, Frank O'Connor; os dois se casaram em 15 de abril de 1929. Ela se tornou uma residente permanente americana em julho de 1929 e uma cidadã americana em 3 de março de 1931.[40][41][nota 2] Ela fez várias tentativas de trazer seus pais e irmãs para o Estados Unidos, mas não conseguiram obter permissão para emigrar.[44][45]

Início na ficção[editar | editar código-fonte]

O primeiro sucesso literário de Rand veio com a venda de seu roteiro, Red Pawn para a Universal Studios em 1932, embora nunca tenha sido produzido.[46] Isso foi seguido pelo drama de tribunal Night of January 16th, produzido pela primeira vez por E. E. Clive em Hollywood em 1934 e então reaberto com sucesso na Broadway em 1935. Cada noite um júri era escolhido entre os membros da audiência. Com base na votação do júri, um de dois finais diferentes seria realizado.[47][nota 3]

O primeiro romance publicado de Rand, o semi-autobiográfico We the Living, foi publicado em 1936. Passado na Rússia soviética, enfocava a luta entre o indivíduo e o Estado. As vendas iniciais foram lentas e a edição americana deixou de ser impressa,[50] embora as edições europeias continuassem a vender.[51] Ela adaptou a história como uma peça de teatro, mas a produção da Broadway do produtor George Abbott foi um fracasso que fechou em menos de uma semana.[52][nota 4] Após o sucesso de seus romances posteriores, Rand foi capaz de lançar uma versão revisada em 1959 que desde então vendeu mais de três milhões de cópias.[54] Em um prefácio à edição de 1959, Rand afirmou que We the Living "é o mais próximo de uma autobiografia que jamais escreverei. ... O enredo é inventado, o pano de fundo não é ..."[55]

Sua novela Anthem foi escrita durante uma pausa na redação de seu próximo grande romance, The Fountainhead. Ele apresenta uma visão de um mundo futuro distópico no qual o coletivismo totalitário triunfou a tal ponto que até mesmo a palavra 'eu' foi esquecida e substituída por 'nós'.[56][57] Foi publicado na Inglaterra em 1938, mas Rand inicialmente não conseguiu encontrar uma editora americana. Tal como aconteceu com We the Living, o sucesso posterior de Rand permitiu que ela conseguisse uma versão revisada publicada em 1946, que vendeu mais de 3,5 milhões de cópias.[58] Durante esses primeiros anos de sua carreira, Rand escreveu outras peças e contos que não foram produzidos ou publicados durante sua vida, muitos dos quais foram publicados posteriormente em The Early Ayn Rand.[59]

Filosofia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Objetivismo (Ayn Rand)

O Objetivismo, filosofia desenvolvida por Ayn Rand, abarca os campos da epistemologia, metafísica, ética, política e estética. Ele foi primeiramente expresso por meio de romances como The Fountainhead e Atlas Shrugged e, posteriormente, em ensaios sobre cada um dos campos mencionados. Mais tarde, o filósofo Leonard Peikoff, a quem Ayn Rand se referiu como seu herdeiro intelectual, expôs o sistema objetivista em toda sua estrutura lógica em seu ensaio Objetivismo: A Filosofia de Ayn Rand.

O objetivismo argumenta que:

  1. A realidade existe independentemente da mente do observador ("realidade objetiva");
  2. Os indivíduos estão em contato com essa realidade através da percepção de seus sentidos que permitem a formação de conceitos seguindo um processo lógico indutivo e dedutivo;
  3. A intenção moral da existência é a busca da felicidade ou "egoísmo racional";
  4. O único sistema social compatível com esse objetivo moral é o laissez-faire capitalista;
  5. O papel da arte na vida humana é transformar uma ideia metafísica em uma reprodução seletiva da realidade, em uma forma física que pode ser entendida e gerar uma resposta emocional.

"Minha filosofia, em essência, é o conceito do homem como um ser heróico, com sua própria felicidade como a meta moral de sua vida, com a realização produtiva como sua atividade mais nobre, e a razão somente, seu absoluto".[60]

Obras selecionadas[editar | editar código-fonte]

Ficção[editar | editar código-fonte]

Não-ficção[editar | editar código-fonte]

Influência em outras mídias[editar | editar código-fonte]

Música[editar | editar código-fonte]

Jogos eletrônicos[editar | editar código-fonte]

  • Na série de games BioShock o personagem Andrew Ryan, magnata fundador da cidade submarina de Rapture, é uma referência explícita à escritora dentro do enredo do jogo. A partir da formação do nome, até a filosofia pessoal do personagem, como a tentativa de utopia na criação da cidade no fundo do mar, invariavelmente comparada com a obra Atlas Shrugged.[61]

Quadrinhos[editar | editar código-fonte]

  • A enigmática Layla de X-factor (Marvel) aparece lendo o Atlas Shrugged durante os eventos da Guerra Civil

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. Rand disse que Ayn foi adaptado de um nome fino-báltico.[32] Algumas fontes biográficas questionam isso, sugerindo que pode vir de um apelido baseado na palavra hebraico עין ( ayin , significando "olho"). [33] As cartas da família de Rand não usam esse apelido para ela.[34]
  2. Os papéis de imigração de Rand anglicizaram seu nome de batismo como Alice ,[37], então seu nome legal de casada tornou-se Alice O'Connor , mas ela não usava esse nome em público ou com amigos.[42][43]
  3. Em 1941, a Paramount Pictures produziu um filme vagamente baseado na peça. Rand não participou da produção e criticou muito o resultado.[48][49]
  4. Em 1942, o romance foi adaptado sem a permissão de Rand em dois filmes italianos, Noi vivi e Addio, Kira . Depois que as reivindicações legais de Rand sobre a pirataria no pós-guerra foram resolvidas, seu advogado comprou os negativos. Os filmes foram reeditados com a aprovação de Rand e lançados como We the Living em 1986.[53]

Referências

  1. (Branden 1986, p. 71; Gladstein 1999, p. 9
  2. a b c d HICKS, STEPHEN. «Breve relato da vida de Ayn Rand». Objetivismo - A Filosofia de Ayn Rand. objetivismo.com.br. Consultado em 20 de fevereiro de 2019 
  3. Barry 1987, p. 122; Peikoff 1991, pp. 309–314; Sciabarra 1995, p. 298; Gotthelf 2000, p. 91; Gladstein 2009, p. 46
  4. Gotthelf 2000, pp. 91–92; Peikoff 1991, pp. 379–380
  5. O'Neill 1977, pp. 18–20; Sciabarra 1995, pp. 12, 118
  6. Gladstein 1999, pp. 117–119
  7. Cohen 2001
  8. Marcus 2009
  9. Badhwar & Long 2010
  10. Sciabarra 1995, pp. 1–2
  11. Burns 2009, p. 4; Gladstein 2009, pp. 107–108, 124
  12. Heller 2009, p. xiii.
  13. Heller 2009, pp. 3–5.
  14. Sciabarra 1995, p. 68.
  15. Sciabarra 1995, pp. 69, 367–368.
  16. Gladstein 2009, p. 2.
  17. Branden 1986, pp. 35–39.
  18. Britting 2004, pp. 14–20.
  19. Burns 2009, p. 15.
  20. Sciabarra 1995, p. 77.
  21. Sciabarra 1999, pp. 5–8.
  22. Lennox, James G. "'Who Sets the Tone for a Culture?' Ayn Rand's Approach to the History of Philosophy". In Gotthelf & Salmieri 2016, p. 325.
  23. Britting 2004, pp. 17–18, 22–24.
  24. Britting 2004, pp. 17, 22.
  25. Heller 2009, p. 47.
  26. Britting 2004, p. 24.
  27. Sciabarra 1999, p. 1.
  28. Heller 2009, pp. 49–50.
  29. Britting 2004, p. 33.
  30. Gladstein 2009, p. 7.
  31. Heller 2009, p. 55.
  32. Burns 2009, pp. 19, 301.
  33. Heller 2009, pp. 55–57.
  34. Milgram, Shoshana. "The Life of Ayn Rand: Writing, Reading, and Related Life Events". In Gotthelf & Salmieri 2016, p. 39.
  35. Burns 2009, pp. 18–19.
  36. Heller 2009, pp. 50–51.
  37. a b Heller 2009, p. 53.
  38. Heller 2009, pp. 57–60.
  39. Britting 2004, pp. 34–36.
  40. Britting 2004, p. 39.
  41. Heller 2009, p. 71.
  42. Milgram, Shoshana. "The Life of Ayn Rand: Writing, Reading, and Related Life Events". In Gotthelf & Salmieri 2016, p. 24.
  43. Branden 1986, p. 72.
  44. Heller 2009, pp. 96–98.
  45. Britting 2004, pp. 43–44, 52.
  46. Britting 2004, pp. 40, 42.
  47. Heller 2009, pp. 76, 92.
  48. Heller 2009, p. 78.
  49. Gladstein 2009, p. 87.
  50. Gladstein 2009, p. 13.
  51. Ralston, Richard E. "Publishing We the Living". In Mayhew 2004, p. 141.
  52. Britting, Jeff. "Adapting We the Living". In Mayhew 2004, p. 164.
  53. Britting, Jeff. "Adapting We the Living". In Mayhew 2004, pp. 167–176.
  54. Ralston, Richard E. "Publishing We the Living". In Mayhew 2004, p. 143.
  55. Rand 1995, p. xviii.
  56. Burns 2009, p. 50.
  57. Heller 2009, p. 102.
  58. Ralston, Richard E. "Publishing Anthem". In Mayhew 2005a, pp. 24–27.
  59. Burns 2009, p. 22.
  60. La Grève, Sur l'auteur.
  61. «BioShock's critique of Ayn Rand & Objectivism». Giant Bomb (em inglês). Consultado em 1 de fevereiro de 2021 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Wikisource Textos originais no Wikisource
Commons Imagens e media no Commons