Leonor Maia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta biografia de uma pessoa viva não cita as suas fontes ou referências, o que compromete sua credibilidade. (desde dezembro de 2013)
Ajude a melhorar este artigo providenciando fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Leonor Maia
Nome completo Maria da Conceição de Vasconcelos
Nascimento 8 de Dezembro de 1921
Lourenço Marques, Moçambique
Morte 3 de Abril de 2010
Estoril, Portugal
Ocupação Actriz
Atividade 1941-1953
IMDb: (inglês)

Leonor Maia, pseudónimo de Maria da Conceição de Vasconcelos (Lourenço Marques, Moçambique, 8 de Dezembro de 1921 foi uma atriz do cinema Português ativo na década de 1940, mais lembrada pelo seu papel em O Pai Tirano, onde interpretava Tatão. Ela se aposentou do cinema em 1953.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Leonor Maia, aliás Maria da Conceição de Vasconcelos, nasce em 1921 em Lourenço Marques. Em 1940, António Lopes Ribeiro durante as filmagens do filme Feitiço do Império, filme realizado em África, conhece esta jovem e fica agradavelmente surpreendido com a sua beleza e simpatia. Pensa imediatamente em dar-lhe o papel de Fay Gordon, que acabou por ser desempenhado por Madalena Sotto. Convida-a a vir para a metrópole para tentar a sorte no mundo do cinema. Maria da Conceição aceita o convite, vem para Lisboa e presta provas para o filme O Pai Tirano, o que agrada imediatamente. Adopta o nome artístico de Leonor Maia, mas o nome com que ficará para sempre conhecida será o nome de Tatão (papel que interpretava em O Pai Tirano. Protagonizou inúmeros filmes da década de quarenta obtendo rasgados elogios da crítica e do público. O seu nome num cartaz era sinónimo de sucesso. Em 1948, ganha o prémio do SNI para a melhor actriz pelo seu papel no filme Serra Brava. Em 1950 é convidada para entrar num filme americano que iria ser filmado em Lisboa, Matar ou Morrer, realizado por Max Nosseck. Em 1954 retira-se da vida artística, casando com o coronel James B. Pritchard, do exército americano. Viveu na Holanda, voltando após alguns anos a Portugal.

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]