Ligia Kamada

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde outubro de 2016). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Ligia Kamada é uma cantora, compositora e percussionista brasileira. O primeiro disco solo, “Yermandê” (YB music), foi lançado em 2016.

A carreira musical começou muito antes. Ainda criança, antes dos 10 anos, o pai, Tetsuo Kamada, que era músico, cantava sempre junto à filha. À época, Ligia Kamada começou a cantar e a tocar violão com o pai e posteriormente, iniciou os estudos de percussão.

Ao longo da carreira, Ligia Kamada se apresentou ao lado de Jarbas Mariz, Gereba, Badi Assad, Arnaldo Antunes, Makumbacyber, Jair Rodrigues, Dominguinhos, entre outros. Atualmente, é integrante da banda Salve as Kamadas Líricas[1] – que também lançou o primeiro álbum, “Entre”, em 2016 – e do “Duo Du Vent”, na qual faz dupla com Diogo Oliveira e interpreta canções francesas. Ela também integrou os grupos de teatro Oficina e XPTO.

Em 2005, com o grupo “Q’Saliva” e os parceiros Pipo Pegoraro e Pablo Casella, gravou o disco autoral “Dela” e partiu em turnê pela Europa, tocando em importantes festivais e casas de shows da Bélgica e da Holanda, tais como Paradiso (Amsterdã, Holanda), Leffingeleuren (Leffinge, Bélgica) e Supernatural (Utrecht, Holanda).

Sete anos depois, ao voltar ao Brasil, estabeleceu-se na Serra da Mantiqueira. "Foi na pacata Monteiro Lobato (SP) que a artista encontrou o ambiente ideal para coordenar as ideias e produzir seu primeiro trabalho solo: 'Yermandê'. O álbum de nove músicas traz um compilado das experiências compartilhadas com diferentes etnias que, no disco, revelam-se como grandes influências musicais para a cantora. Nessa atmosfera, o título em wolof, dialeto senegalês, cai sem indícios de estranhamento. Yermandê, explica Ligia, significa compaixão."[2]

“Yermandê” foi gravado no estúdio Traquitana[3], em São Paulo, produzido por Marcelo Dworecki e Cris Scabello. Os dois também fazem parte da banda "Bixiga 70" [1], baixo e guitarra respectivamente. Time que também contou com outros integrantes do "Bixiga 70" Daniel Gralha (trompete), Décio 7 (programação), Rômulo Nardes (percussão) e os convidados Otávio Ortega (piano), Peri Pane (violoncelo) e o velho parceiro de aventuras na Europa, Pipo Pegoraro (programação). Parceiro de letras em duas canções, o poeta arrudA ainda participa declamando um poema em “Água da Fonte”.

"Fruto de um longo percurso da artista, que durou sete anos na Europa e outros três na Serra da Mantiqueira, o trabalho é uma projeção das vivências de Ligia: sensíveis e, ao mesmo tempo, intensas."[4]

O disco foi bem recebido pela crítica. Foram dois shows de estreia, no SESC São José dos Campos, em 22 de outubro, e no SESC Ipiranga, em 6 de novembro.

Atualmente prepara um novo trabalho solo além de um projeto com o produtor e músico Victor Rice, que também produziu o single "Atravessa"(YB music). O clipe será lançado em breve.


Discografia[editar | editar código-fonte]

"DELA" (2005) - "Q´Saliva" . [2]

YERMANDÊ (2016)

  • Au-delà de soi
  • Abriu a Porta
  • Ando a Pé
  • Atento
  • Yermandê
  • Água da Fonte
  • Aqui na Roça
  • Atravessa
  • Avec les autres

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Música um trip-hop tropical: o som do skl». www.ovale.com.br. Consultado em 31 de outubro de 2016 
  2. «Atmosfera multiétnica marca primeiro álbum solo de Ligia Kamada». Meon - Notícias da Região do Vale do Paraíba e Litoral Norte. Consultado em 31 de outubro de 2016 
  3. «Resenha: Ligia Kamada estreia em disco solo cantando compreensão e irmandade - Pacóvios». 26 de outubro de 2016 
  4. «As vivências sonoras de Ligia - Caderno 3 - Diário do Nordeste». Diário do Nordeste. Consultado em 31 de outubro de 2016