Logical Volume Manager (Linux)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
LVM
Autor Heinz Mauelshagen[1]
Versão estável 2.02.132[2] (22 setembro 2015; há 11 meses)
Linguagem C
Sistema operacional Linux
Licença GNU GPL
Página oficial sources.redhat.com/lvm2/

Em Linux, Logical Volume Manager (LVM), em português Gerenciador de Volume Lógico, é um mapeador de dispositivos que fornece gerenciamento de volume lógico para o kernel do Linux. A maioria das distribuições Linux modernas dão suporte ao LVM ao ponto de serem capazes de possuir seus sistemas de arquivo raizes em um volume lógico.[3] [4] [5]

Heinz Mauelshagen escreveu o código original do LVM em 1998, tomando suas primeiras diretrizes de design do gerenciador de volumes do HP-UX.[1]

Recursos[editar | editar código-fonte]

o LVM designa um padrão de gerenciamento de partições em discos IDE/SCSI/FC.

Ao contrário do método tradicional de particionamento, a implementação LVM cria um grande disco virtual, que pode inclusive ter mais de um dispositivo de armazenamento (), e divide em partições virtuais. A grande vantagem é permitir o redimensionamento das áreas de modo dinâmico, ou seja, com o sistema operacional sendo utilizado.

A grande desvantagem é que por ser um único disco virtual, a recuperação de dados em uma eventual pane no sistema de armazenamento é bastante prejudicada.

Referências

  1. a b «LVM README». 17-11-2003. Consultado em 25-06-2014. 
  2. «lvm2.git – Upstream Logical Volume Manager repository». git.fedorahosted.org. 22-09-2015. Consultado em 03-11-2015. 
  3. «7.1.2 LVM Configuration with YaST». 12 de julho de 2011. Consultado em 3-11-2015. 
  4. «HowTo: Set up Ubuntu Desktop with LVM Partitions». 1º de junho de 2014. Consultado em 3-11-2015. 
  5. «9.15.4 Create LVM Logical Volume». 8 de outubro de 2014. Consultado em 3-11-2015. 
Ícone de esboço Este artigo sobre computação é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.