Macroscelides micus

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Como ler uma infocaixa de taxonomiaMacroscelides micus
Ear-tagged and radio-collared Macroscelides micus.png
Estado de conservação
Espécie não avaliada
Não avaliada
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Macroscelidea
Família: Macroscelididae
Gênero: Macroscelides
Espécie: M. micus
Nome binomial
Macroscelides micus
Dumbacher et al., 2014
Distribuição geográfica
Macroscelides Micus é registrado em uma pequena área da Namíbia.
Macroscelides Micus é registrado em uma pequena área da Namíbia.

Macroscelides micus é uma espécie de musaranho-elefante da família Macroscelididae. Só é encontrado em planícies de cascalho na formação Etendeka do noroeste da Namíbia.[1] Medindo cerca de 19 cm de comprimento e pesando menos de 28 gramas, é a menor espécie de musaranho-elefante da família.[2]

Descrição[editar | editar código-fonte]

Macroscelides micus é o menor musaranho-elefante conhecido. Sua forma do corpo se assemelha ao de um rato de nariz comprido.[3] No entanto, como um membro da superordem Afrotheria, na verdade é mais estreitamente relacionado com os elefantes e peixes-boi do que os ratos.[2] Tem pelagem rosada e avermelhada que ajuda a se camuflar contra as rochas vulcânicas do seu ambiente.[2][3] Tem pernas longas e finas em relação ao seu corpo.[3]

Macroscelides micus não escava tocas ao invés disto, dorme em arbustos. Utiliza seu longo nariz para caçar insetos terrestres.[3] Algumas espécies de musaranho-elefante são conhecidos por serem monogâmicos e tem apenas um companheiro para o resto da vida.[2] Não se sabe se este é o caso do Macroscelides micus. Os filhotes de Macroscelides micus, que geralmente nascem como gêmeos, são capazes de correr a partir do nascimento.[3]

Descoberta e identificação[editar | editar código-fonte]

Macroscelides micus foi detectado pela primeira vez como uma amostra incomum (coletado em 2006) entre uma coleção de musaranhos elefante armazenados na California Academy of Sciences, a sua pelagem avermelhada distinguindo-o de outros espécimes. Os testes genéticos sugerem que era uma espécie distinta, mas foi necessário uma evidência adicional para confirmar os resultados. Dumbacher et al. viajou para o deserto do Namibe nove vezes ao longo de vários anos, onde eles colocaram armadilhas com manteiga de amendoim, aveia, e Marmite. Um total de 21 amostras de musaranho-elefante foram obtidas, 15 dos quais pertenciam às novas espécies.[2]

Em 2014, Dumbacher et al. formalmente descreveu Macroscelides micus como uma nova espécie. O nome específico vem do mikros em grego, que significa pequeno. A equipe científica especulou as espécies que não haviam sido identificadas, porque tem uma pequena área remota que é difícil de alcançar.[2]

Espécies relacionadas[editar | editar código-fonte]

Macroscelides micus é simpátrico com o Macroscelides flavicaudatus, mas permanece física e geneticamente distinguível a partir dele. O estudo, que primeiro identificou Macroscelides micus não encontrou evidências do fluxo genético ou cruzamento entre as populações. Além disso, as espécies vivem em diferentes habitats. Macroscelides micus é encontrado entre o cascalho nas bases dos morros e montanhas, em áreas de baixa altitude da formação geológica Etendeka; Macroscelides flavicaudatus é encontrado entre depósitos sedimentares e vales de rios em Outliers Awahab.[1]

Macroscelides micus não se sobrepõe geograficamente ao Macroscelides proboscideus. Uma análise de probabilidade máxima de quatro genes de filogenia computacional indicaram que Macroscelides proboscideus e o Macroscelides flavicaudatus são espécies irmãs, com o Macroscelides micus sendo o menos intimamente relacionado.[1]

Os autores também explicaram várias limitações e confusões envolvendo um relatório enigmático do Macroscelides melanotis (Ogleby 1838), cujo tipo de espécime não estava disponível para testes de DNA e tinha uma aparência "não natural". Recomendando Macroscelides melanotis seja tratado como um nomen dubium, expressaram dúvidas de que as características descritas foram consistentes com o Macroscelides micus: "A cor no peito era informada como pálida, marrom avermelhado não é visível na amostra, nem o abdômen é branco".[1]

Referências

  1. a b c d Dumbacher, John P.; Galen B. (26 de junho de 2014). «A new species of round-eared sengi (genus Macroscelides) from Namibia». Journal of Mammalogy (em inglês). 95 (3): 443-454. ISSN 0022-2372. doi:10.1644/13-MAMM-A-159 
  2. a b c d e f Khan, Amina (27 de junho de 2014). «New sengi species is related to an elephant, but small as a mouse». Los Angeles Times. Consultado em 3 de julho de 2014 
  3. a b c d e (1) Zuckerman, Laura (27 de junho de 2014). «In Namibia, a tiny relative of the elephant». Christian Science Monitor. Reuters. Consultado em 3 de julho de 2014. Cópia arquivada em 1 de julho de 2014 
    (2) Bora, Kukil (28 de junho de 2014). «Scientists Discover New Mammal Species As Tiny As A Mouse But Genetically Related To Elephants». International Business Times. Consultado em 3 de julho de 2014. Cópia arquivada em 3 de julho de 2014