Magnitude bolométrica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde agosto de 2011). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Em astronomia, magnitude bolométrica é uma grandeza relacionada à energia total emitida por uma estrela.

Sua diferença para a magnitude absoluta comumente usada é que ela também considera a energia emitida nas frequências fora da faixa do visível. Para fins de cálculo existe a chamada correção bolométrica (CB), que é a diferença entre as duas magnitudes.

Mv = Mbol + CB;

Como qualquer outra grandeza, Magnitudes precisam de uma referência. Na Magnitude absoluta é tida como referência a estrela Vega, que possui Magnitude Aparente 0. Já na Magnitude Bolométrica, a referência é o Sol, que possui correção bolométrica igual a 0. Desse modo suas Magnitudes Absoluta e Bolométrica possuem o mesmo valor, igual a 4,85. Todas as outras estrelas possuem CB maior ou igual a zero. Desse modo, a Magnitude Bolométrica é sempre igual ou menor a sua Magnitude Visual.

Como já foi dito, as duas magnitudes não usam a mesma referência. Por isso, se a estrela A possui Magnitude absoluta igual a 2,0 e a estrela B possui Magnitude Bolométrica igual a 2,0, isso não significa que a quantidade de energia emitida na faixa do visível da estrela A é igual a energia total emitida pela estrela B.

A explicação para o fato da correção bolométrica do Sol ser a menor de todas está na Teoria da Evolução. O pico de emissão do Sol (segundo a lei de Planck da Radiação) está na frequência de 590 THz, próximo do meio da faixa do vísivel (de 400 a 750 THz). Desse modo, os animais que desenvolveram uma visão que atua próximo da faixa da visível conseguiram reconhecer melhor mundo. Se a temperatura do Sol fosse menor, os humanos conseguiriam enxergar na faixa do infra-vermelho mas não na do violeta.

Quanto maior for a percentagem da energia total que é emitida dentro da faixa do visível, menor será a diferença entre as duas magnitudes e menos será a correção bolométrica. Uma estrela mais quente emitirá mais no ultravioleta, e uma mais fria no infra-vermelho.

Ver também[editar | editar código-fonte]


Glossário de Astronomia

Abóbada celeste | Apoastro | Afélio | Albedo | Ascensão recta | Astro | Corpo celeste | Classificação estelar | Declinação | Diagrama de Hertzsprung-Russell | Eclíptica | Equador celeste | Equinócio | Esfera celeste | Estrela | Hemisfério celestial norte | Hemisfério celestial sul | Luminosidade | Intensidade de radiação | Magnitude aparente | Magnitude bolométrica | Nadir | Órbita | Periastro | Periélio | Planeta | Ponto vernal | Precessão dos equinócios | Sistema Solar | Solstício | Trópico | Zênite