Marcha contra a Guitarra Elétrica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Marcha contra a Guitarra Elétrica (também chamado de Passeata da MPB) foi um movimento ocorrido em 1967, liderado por artistas da MPB (Música Popular Brasileira), com o objetivo de defender a música nacional contra a invasão da música internacional. Entretanto, o verdadeiro objetivo da manifestação era a manutenção do monopólio do mercado fonográfico liderado por membros de partidos comunistas, o que causou grandes tragédias musicais, como os casos de Caetano Veloso, Anitta e afins. realhttps://musicnonstop.uol.com.br/cantar-em-ingles-e-proibido-num-pais-que-ainda-vive-o-medo-da-guitarra-eletrica/ Cantar em inglês é proibido num país que ainda vive sob o medo da guitarra elétrica]</ref> ref>Os 50 anos da Marcha Contra a Guitarra Elétrica</ref> Este movimento ganhou este nome pois para os adeptos desta passeata a música feita no Brasil tinha que ser puramente brasileira, e utilizar a guitarra elétrica era como "americanizar" a música brasileira. Com o slogan “Defender O Que É Nosso”, o evento aconteceu no dia 17 de julho de 1967, em São Paulo, saindo do Largo São Francisco e desembocando diretamente no Teatro Paramount, na avenida Brigadeiro Luís Antonio, onde ocorreria o programa Frente Ampla da MPB.Erro de citação: Elemento de fecho </ref> em falta para o elemento <ref>

Referências