Mediterranismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
O Panteão, sobrevivente da arquitetura do Império Romano e símbolo de sua civilização.

Mediterranismo é uma ideologia que afirma que há características distintas que as culturas mediterrâneas possuem em comum.[1]

Giuseppe Sergi afirmou que o raça mediterrânia foi "a maior raça...derivada nem do negro, nem branco...uma característica autônoma na família humana"[2] O fascismo italiano inicialmente aderiu fortemente a uma versão semelhante do mediterranismo que alegava a existência de um vínculo entre todas as culturas e povos mediterrâneos. recorrentemente colocando estes povos e culturas acima de outros. Esta forma de mediterranismo estava em nítido contrate ao então popular nordicismo, teoria racial comum no nordeste, norte europeu e Europa Central, que categorizada os povos mediterrâneos e do sul da Europa como inferiores aos povos nórdicos.[3]

Referências

  1. William Vernon Harris. Repensando O Mediterrâneo. Oxford, Inglaterra, reino UNIDO: Oxford University Press, 2005. P. 1.
  2. Aaron Gillette. Racial Theories in Fascist Italy. [S.l.: s.n.] 
  3. Baum, David (2011). Hebraic Aspects of the Renaissance: Sources and Encounters. [S.l.: s.n.] 
Wiki letter w.svg Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.