Metropolis (Nevada)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Metropolis(Nevada)
Localidade dos Estados Unidos Estados Unidos
Metropolis(Nevada) está localizado em: Nevada
Metropolis(Nevada)
Localização de Metropolis(Nevada) em Nevada
Metropolis(Nevada) está localizado em: Estados Unidos
Metropolis(Nevada)
Localização de Metropolis(Nevada) nos Estados Unidos
Localização
41° 13' 41" N 115° 03' 21" O
Condado Condado de Elko
Estado  Nevada
Características geográficas
População (2010) 0 hab. ( hab./km²)

Portal Portal Estados Unidos

Metropolis é uma cidade fantasma no condado de Elko, estado do Nevada, 19 quilómetros a norte da cidade de Wells.

História[editar | editar código-fonte]

Durante os inícios do século XX, muitos arrendatários tentaram lavrar no Great Basin, especialmente no oeste de Utah mas também no nordeste do Nevada.[1] A criação da vila de foi um projeto de um homem de negócios do leste, Harry[2] L. Pierce de Leominster, e investidores de Massachusetts e de Salt Lake City.[3] Durante a segunda década do século XX, a Companhia Pierce's Pacific Reclamation planeou fazer de modo otimista Metropolis o centro de um enorme distrito agrícola.[4]

A Companhia adquiriu 16.000 hectares de deserto em 1910 e contratou um respeitável empreiteiro de Salt Lake City P. J. “Pat” Moran, para construir uma barragem em Bishop Creek a 24 km a leste da cidade planeada, na esperança de usar o reservatório para irrigação.[5] Assim que a barragem estava completa. a companhia aprofundou a sua campanha promocional e a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias encorajou os seus membros a deslocarem-se para ali. A vila tornou-se predominantemente mórmon e nenhuma igreja foi erguida em Metropolis porque os mórmons usavam a sala recreativa como o seu local de culto.[6]

Numa tentativa para demonstrar permanência a Companhia construiu uma sala de lazer, uma estação de correios, uma escola, um armazém de comboios e um magnifico hotel, com um gerador elétrico, uma central de aquecimento e água quente em todos os quartos. Um aguilhão ferroviário foi estendido até à vila e começou um regular serviço de passageiros em 1912. A população subiu para aproximadamente para 700 habitantes.[7]

Superficialmente a cidade parecia ter muito sucesso, mas encarava problemas sérios. Pierce não conseguiu obter os direitos da água da barragem de Bishop Creek, e a vila de Lovelock serviu para prevenir o fecho da água da barragem de Bishop Creek. Como os residentes não conseguiam irrigar, muitos tentaram o trigo de sequeiro, com sucesso.[8]

Depois de os colonos matarem coiotes , a população de lebres cresceu dramaticamente. Os coelhos comiam sistematicamente o milho plantado destruindo as culturas que tanto trabalho deram aos camponeses da localidade. Os agricultores retaliavam com armas, venenos e caçadas organizadas. Eles mataram milhares de coelhos e venderam-nos em San Francisco.[9]

A agricultura de sequeiro apenas foi possível por alguns anos por causa de uma extraordinária precipitação. A diminuição de chuvas e uma praga de uma espécie de gafanhotos, em inglês designados por "Mormon Crickets " (da espécie Anabrus simplex) acabaram com a experiência. A Companhia Pacific Reclamation declarou bancarrota em 1920. Em 1922, a via férrea deixou de passar pela localidade. Em 1924, apenas existiam 200 habitantes,muitos partiram definitivamente. O salão recreativo e o hotel incendiaram-se e a última loja fechou em 1925 e finalmente a estação de correios encerrou em 1942.[10] Os poucos residentes voltaram a trabalhar nas quintas dos arredores. Por volta de 1950, Metropolis era uma cidade fantasma. Na atualidade, as quintas rodeiam a antiga vila. As ruínas do hotel, da escola e do cemitério é tudo o que resta da antiga cidade.[11]

Referências

  1. Matt C. Bischoff, California and Nevada Hot Springs, 2nd ed. (Globe Pequot, 2005), 201.
  2. Usually Pierce's first name is incorrectly given as "Harvey."
  3. Richard A. Fifer, “Harry L. Pierce, the ‘Phosphate King," unpublished paper, Leominster Historical Society.
  4. Shawn Hall, Old Heart of Nevada: Ghost Towns and Mining Camps of Elko County (University of Nevada Press, 1998), 118.
  5. John P. Young, Journalism in California (San Francisco: Chronicle Publishing Company, 1915), 301.
  6. Hall, 120. John A. Widtsoe, um reputado agrónomo mórmon que tinha lançado vários boletins sobre a agricultura em terras secas e em 1911, ele publicou Dry Farming: A System of Agriculture for Countries under a Low Rainfall (New York: Macmillan, 1911). Leonard J. Arrington and Davis Bitton, The Mormon Experience: A History of the Latter-day Saints (Urbana: University of Illinois Press, 1979), 310-13.
  7. Claudia Wines, “Metropolis: The Glory Days,” Northeastern Nevada Historical Society Quarterly, (2008): 76.
  8. Wines, 76.
  9. Wines, 77-78.
  10. Hall, 122.
  11. Em 1989, antigos residentes e descendentes erigiram um monumento “in memory of those valiant pioneers who settled and built a city here.” (em memória daqueles corajosos pioneiros que colonizaram e construíram aqui a cidade).

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Shawn Hall, Old Heart of Nevada: Ghost Towns and Mining Camps of Elko County (University of Nevada Press, 1998), 118-123.
  • Heidi Knapp Rinella, Nevada: Off the Beaten Path (Globe Pequot, 2007), 109-11.
  • Claudia Wines, "Metropolis: The Glory Days," Northeastern Nevada Historical Society Quarterly (2008), 70-80.
  • John P. Young, Journalism in California (San Francisco: Chronicle Publishing Company, 1915), 301. Biographical sketch of P. J. Moran.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]