Michel Micombero

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde junho de 2012).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.
Michel Micombero
Michel Micombero, President of the Republic of Burundi (1966-1976).jpg
1.º Presidente do Burundi
Período 28 de novembro de 1966
a 1 de novembro de 1976
Sucessor(a) Jean-Baptiste Bagaza
Primeiro-ministro
Período 11 de julho de 1966
a 28 de novembro de 1966
Antecessor(a) Léopold Biha
Dados pessoais
Nome completo Michel Micombero
Nascimento 26 de agosto de 1940
Rutovu, Burundi
Morte 16 de julho de 1983 (42 anos)
Mogadíscio, Somália
Partido União para o Progresso Nacional (UPRONA)
Profissão Militar

Michel Micombero (Rutovu, 26 de agosto de 1940Mogadíscio, 16 de julho de 1983) foi o primeiro Presidente do Burundi entre 28 de novembro de 1966 até 1 de Novembro de 1976. Ele era membro da etnia Tutsi.

Anos depois da independência, o Burundi entrou rapidamente em um regime anárquico. Em 18 de outubro de 1965, o líder Hutu Gervais Nyangona começou uma revolta, tirando o rei de seu trono. Com uma concretização de forças policiais Hutus, sob controle de Antoine Serkwavu, foi iniciado um massacre dos tutsis em várias partes do país.

Michel Micombero era tutsi e capitão do exército. Nascido em Rutovu, uma província burundiana, após sua recente chegada de seus estudos na Bélgica em 1965, Micombero rapidamente cresceu e se tornou Secretário da Defesa.

Durante seu governo, reprimiu duramente os hutus, defendia o socialismo na África e recebeu apoio da República Popular da China. Em 1972, sufocou um levante hutu, promovido por membros da etnia residentes em países vizinhos, vitimando 150 mil pessoas. Além das acusações de corrupção, Micombero era, inclusive, um alcoólatra inveterado, chegando, segundo informações, a sofrer delírios enquanto bebia.

Foi deposto pelo coronel Jean-Baptiste Bagaza - que, assim como o ex-presidente, é da etnia tutsi - , em um Golpe de Estado em novembro de 1976. Exilado na Somália, Micombero veio a falecer em 1983, vitimado por um ataque cardíaco.