Michel Micombero

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Michel Micombero
Michel Micombero
1.º Presidente do Burundi
Período 28 de novembro de 1966
a 1 de novembro de 1976
Antecessor(a) Cargo criado
Sucessor(a) Jean-Baptiste Bagaza
8.º Primeiro-ministro do Burundi
Período 11 de julho a 28 de novembro de 1966
Rei Ntare V
Antecessor(a) Léopold Biha
Sucessor(a) Cargo abolido
Dados pessoais
Nascimento 26 de agosto de 1940
Rutovu, Ruanda-Urundi
Morte 16 de julho de 1983 (42 anos)
Mogadíscio, Somália
Alma mater Universidade da Somália
Cônjuge Adèle Nzeyimana ​(m. 1965)
Partido UPRONA

Michel Micombero (Rutovu, 26 de agosto de 1940Mogadíscio, 16 de julho de 1983) foi um político burundês e oficial do exército que governou o país como primeiro presidente do Burundi e ditador de fato na década entre 1966 e 1976.[1]

Micombero era um membro da etnia tutsii que começou sua carreira como oficial do exército do Burundi na época da independência do Burundi em 1962. Ele estudou no exterior e recebeu uma pasta ministerial em seu retorno. Ele ganhou destaque por seu papel em ajudar a esmagar uma tentativa de golpe de estado em outubro de 1965 por soldados de etnia hutu contra a monarquia do país, ela própria tutsi. Na sequência, em 1965 e 1966, o próprio Micombero instigou mais dois golpes contra a monarquia, que considerou moderados demais. O primeiro golpe forçou o atual rei ao exílio, levando Micombero ao papel de primeiro-ministro. O segundo aboliu a própria monarquia, levando Micombero ao poder como o primeiro presidente da nova República do Burundi.[1]

Governo[editar | editar código-fonte]

Micombero governou Burundi como um ditador militar a partir de 1966 e liderou um Estado de partido único que centralizou as instituições do país e adotou uma posição neutra na Guerra Fria. A dissidência foi reprimida e, em 1972, uma tentativa de desafiar o poder levou à violência genocida contra a população hutu, na qual cerca de 100 000 pessoas, principalmente hutus, foram mortas. Seu regime finalmente entrou em colapso em 1976, quando ele foi deposto em um golpe de estado por outro oficial do exército, Jean-Baptiste Bagaza, que se instalou como presidente.

Exilio e morte[editar | editar código-fonte]

Micombero foi para o exílio na Somália em 1977, país que seu amigo Siad Barre, na época governava como ditador. No país chegou a se formar em Economia no ano de 1982, pela Universidade da Somália, uma instituição privada e de grande renome no país. Teve um ataque cardíaco em julho de 1983, com 42 anos.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b Chrétien, Jean-Pierre (2008). "Micombero, Michel" . Em Gates, Louis, Jr .; Akyeampong, Emmanuel K. (eds.). Dicionário de biografia africana . Oxford: Oxford University Press.