Ruanda-Urundi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ruanda-Urundi
Flag of the German Empire.svg
1922 – 1962 Flag of Burundi (1962 to 1966).svg
 
Flag Rwanda 1959.svg
Flag Brasão
Bandeira Brasão
Localização de Ruanda-Urundi
Ruanda-Urundi (verde escuro) representado dentro do império colonial belga (verde claro), 1935.
Continente África
Região África Central
Capital Usumbura
Governo Mandato da Liga das Nações
História
 • 1922 Fundação
 • 1962 Independência

Ruanda-Urundi foi um território da Bélgica, sob Mandato da Liga das Nações e posteriormente Protetorado das Nações Unidas, entre 1924 e 1962, ano em que resultou nos estados independentes de Ruanda e do Burundi. [1]

Os reinos de Ruanda e do Burundi, foram anexados pela Alemanha junto com outros estados da região africana dos Grandes Lagos no final do século XIX e início do século XX. Embora pertenceu a África Oriental Alemã, a presença alemã na região era mínima.

Durante a Primeira Guerra Mundial, a região foi conquistada pelas forças do Congo Belga em 1916. O Tratado de Versalhes dividiu a África Oriental Alemã, passando a maior parte do território a ser conhecida como Tanganica, que foi colocado nas mãos da Grã-Bretanha, enquanto que a parte ocidental correspondia a Bélgica. Formalmente, esta parte é conhecida como Territórios Belgas Ocupados da África Oriental. Em 1924, tornou-Ruanda-Urundi, quando a Liga das Nações emitiu um mandato formal para garantir o controle total da área. [2]

A presença belga no território era muito maior do a alemã, especialmente em Ruanda. Embora pelas regras do mandato, a Bélgica teria de contribuir para o desenvolvimento dos territórios e prepará-los para a independência, mas os belgas exploraram o território economicamente, obtendo lucros para a metrópole. O cultivo do café foi uma das principais atividades econômicas.

Para implementar seu sistema, os belgas usaram a estrutura de poder indígena que consistia de uma classe dirigente tutsi, que governava a maioria da população Hutu. Os administradores belgas acreditavam nas teorias raciais da época e convenceram os tutsis que estes eram racialmente superiores. Embora antes da colonização, os Hutus tinham desempenhado um papel importante no governo, os belgas simplificaram os assuntos estratificando a sociedade por critérios raciais. A ira diante da opressão e do desgoverno se dirigiu a elite tutsi, ao invés do distante poder colonial. Estas divisões teriam grande importância décadas após a independência. [3]

Após a dissolução da Liga das Nações, a região tornou-se um território sob tutela das Nações Unidas em 1946.[1] Isto incluía a promessa belga de preparar as áreas para a independência, mas acreditava que levaria décadas até estarem prontas para o autogoverno.

A independência veio em grande parte devido aos eventos que ocorreram em outras regiões. Nos anos cinquenta, surgiu um movimento pela independência no Congo Belga e a Bélgica, se convenceu de que não poderia controlar o território. Em 1960, o maior vizinho de Ruanda-Urundi tornou-se independente. Após dois anos de preparação, a colônia ganhou a independência em 1 de julho de 1962, divididos em Ruanda e Burundi. Levou mais dois anos para que os dois tivessem um governo totalmente separado.

Referências

  1. a b Ruanda-Urundi. Encyclopædia Britannica.
  2. William Roger Louis, Ruanda-Urundi 1884-1919 (Oxford U.P., 1963).
  3. Peter Langford, "The Rwandan Path to Genocide: The Genesis of the Capacity of the Rwandan Post-colonial State to Organise and Unleash a project of Extermination". Civil Wars Vol. 7 n.3
  • Jean-Pierre Chrétien. The Great Lakes of Africa: Two Thousand Years of History trans Scott Straus

Ver também[editar | editar código-fonte]