Mirabilis Liber

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde abril de 2011). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Mirabilis Liber (Livro das Maravilhas), também conhecido como Liber Mirabilis, é um livro parcialmente escrito no final da Idade Média com profecias medievais e impresso originariamente em latim em 1522 na França. Posteriormente, foi publicada uma única tradução francesa em 1831. O autor usou o pseudônimo de João Vatiguerro (em francês: Jean Vatiguerre - "João que Anuncia a Guerra").

História[editar | editar código-fonte]

A obra foi a primeira ou uma das primeiras compilações impressas de profecias que se tem notícia do planeta e fez grande sucesso no século XVI. O livro possui profecias diversas, supostamente encontradas em diversos locais e escritas em diversas épocas por diversas pessoas. Algumas delas foram atribuídas à Sibila Tiburtina, a São Severo, a Lichtenberger, a Telésforo de Consenza, a Santa Brígida, Joaquim de Fiore e muitos outros.

Uma delas anuncia que o sul da França será inundado e as águas cobrirão as montanhas. Outra anuncia a invasão dos muçulmanos na Europa. Como praticamente todos os textos medievais de profecias, tratava de catástrofes, anticristos, papas, reis e o Messias.

O Mirabilis Liber foi colocado no Índice de Livros Proibidos de Portugal, no ano de 1581.

No século XVIII, durante a Revolução Francesa, a população correu em massa para as bibliotecas porque se divulgou que a revolução tinha sido profetizada por este livro e o governo francês, para controlar a confusão, impediu a população de ir às bibliotecas para acessá-lo. Logo depois, o governo decidiu remover as folhas dos livros com as profecias procuradas relativas à revolução. Por isso, ainda hoje, em várias bibliotecas em Paris, vários exemplares não possuem as mesmas folhas, que foram arrancadas com esse propósito.