Anticristo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

l

Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Anticristo (desambiguação).
Anticristo (figura à esquerda, com os atributos de um rei) por Herrad von Landsberg (cerca de 1180), Hortus Deliciarum - século XII
Anticristo com o diabo, das Obras do Anticristo, c. 1501 d.C., por Luca Signorelli
Anticristo – detalhe de um afresco no Mosteiro de Osogovo [en], na República da Macedônia do Norte . Inscrito "Todos os reis e nações se curvam diante do anticristo."
Escatologia cristã
Diferenças escatológicas
Apocalypse vasnetsov.jpg
Portal do cristianismo


Anticristo, na escatologia cristã, refere-se a pessoas profetizadas pela Bíblia para se opor e substituir Cristo antes da segunda vinda. O termo anticristo (incluindo a forma plural) é encontrado cinco vezes no Novo Testamento, somente na primeira e na segunda epístolas joaninas.[1] O anticristo é anunciado como "aquele que nega o Pai e o Filho".[2]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Anticristo é traduzido da combinação de duas palavras da língua grega antiga ἀντί + Χριστός (anti + Christos). Em grego, Χριστός significa "o ungido".[3] "Ἀντί" significa não apenas anti no sentido de "contra" e "oposto de", mas também "no lugar de".[4]

História[editar | editar código-fonte]

Novo Testamento[editar | editar código-fonte]

"Anticristo" se referir a um indivíduo no Novo Testamento é questionável. O termo grego antikhristos se origina em I João.[5] O termo semelhante pseudokhristos ("falso messias") também foi encontrado pela primeira vez no Novo Testamento, mas nunca foi usado por Flávio Josefo em seus relatos de vários falsos messias.[6] Os cinco usos do termo "anticristo" ou "anticristos" nas epístolas joaninas não apresentam claramente um único anticristo individual dos últimos dias. "O enganador" ou "o anticristo" são geralmente vistos como marcando uma certa categoria de pessoas, ao invés de um indivíduoː[7]

Filhinhos, esta é a última hora; e como ouvistes que vem o anticristo, já se têm levantado muitos anticristos, pelo que conhecemos que é a última hora. — I João 2:18

Pois muitos sedutores têm aparecido no mundo, os quais não confessam que Jesus Cristo veio em carne: este tal é o sedutor e o anticristo. — II João 1:7

Quem é o mentiroso senão aquele que nega que Jesus é o Cristo? O anticristo é aquele que nega o Pai e o Filho. — I João 2:22

Nisto conheceis o Espírito de Deus: todo o espírito que confessa que Jesus Cristo veio em carne, é de Deus; e todo o espírito que não confessa a Jesus, não é de Deus. Este é o espírito do anticristo, de cuja vinda tendes ouvido falar, o qual agora já está no mundo. — I João 4:2-3

Atenção para uma figura individual do anticristo concentra-se no segundo capítulo de 2 Tessalonicenses, apesar do termo "anticristo" nunca ser usado nesta passagem:

Quanto à vinda de nosso Senhor Jesus Cristo e à nossa reunião com ele, nós vos rogamos, irmãos, que não vos movais facilmente do vosso modo de pensar, nem tão pouco vos perturbeis, nem por espírito, nem por palavra, nem por epístola como enviada de nós, como se o dia do Senhor estivesse já perto. Ninguém de modo algum vos engane; porque o dia não chegará sem que venha primeiro a apostasia e seja revelado o homem da iniqüidade, o filho da perdição, aquele que se opõe e se levanta contra tudo o que se chama Deus ou é objeto de adoração, de sorte que se assenta no santuário de Deus, ostentando-se como Deus. — II Tessalonicenses 2:1-4

Pois o mistério da iniqüidade já opera; somente até que seja removido aquele que agora o detém. Então será revelado o iníquo, a quem o Senhor Jesus matará com o assopro da sua boca e destruirá com a manifestação da sua vinda. A vinda desse ímpio é segundo a operação de Satanás com todo o poder, e com sinais e com prodígios mentirosos e com toda a sedução da injustiça para aqueles que perecem, porque não receberam o amor da verdade, a fim de serem salvos. — II Tessalonicenses 2:7-10

Embora a palavra "anticristo" (grego antikhristos) seja usada apenas nas epístolas joaninas, falsos cristos (grego pseudokhristos, que significa "falso messias") é usada por Jesus nos Evangelhos:

Então se alguém vos disser: Eis aqui o Cristo! ou: Ei-lo ali! não acrediteis; porque se hão de levantar falsos cristos e falsos profetas, e mostrarão tais sinais e milagres que, se fora possível, enganariam até os escolhidos. — Mateus 24:23-24

Então se alguém vos disser: Eis aqui o Cristo! ou: Ei-lo acolá! não acrediteis; levantar-se-ão falsos Cristos e falsos profetas, e farão milagres e prodígios, para enganar os eleitos, se possível fora. — Marcos 13:21-22

Cristianismo primitivo[editar | editar código-fonte]

O único dos padres apostólicos do final do século I / início do II a usar o termo é Policarpo (c. 69–155), que advertiu os filipenses que todo aquele que pregava falsa doutrina era um anticristo.[8] Seu uso do termo anticristo segue aquele do Novo Testamento em não identificar um único anticristo, mas uma classe de pessoas.[9]

Irineu (século II 202) escreveu Contra as Heresias para refutar os ensinamentos dos Gnósticos. No Livro V de Contra as Heresias, ele aborda a figura do anticristo referindo-se a ele como a "recapitulação da apostasia e rebelião." Ele usa "666", o ˞Número da Besta de Apocalipse 13:18, para decodificar numerologicamente vários nomes possíveis. Alguns nomes que ele propôs vagamente foram "Evanthos", "Lateinos" ("Latim" ou pertencente ao Império Romano). Em sua exegese de Daniel 7:21, ele afirmou que os dez chifres da besta serão o império romano dividido em dez reinos antes da chegada do anticristo. No entanto, suas leituras do anticristo foram mais em termos teológicos mais amplos do que em um contexto histórico.[10]

O apócrifo não-canônico Ascensão de Isaías apresenta uma exposição detalhada do anticristo como Belial e Nero.[11]

Tertuliano ̻(c 160–220) afirmava que o Império Romano era a força restritiva sobre a qual Paulo escreveu em II Tessalonicenses 2:7-8. A queda do Império Romano Ocidental e a desintegração das dez províncias do Império Romano em dez reinos abririam caminho para o anticristo.[12]

Hipólito de Roma (c 170–236) afirmou que o anticristo viria da tribo de Dã e reconstruiria o templo judaico no Monte do Templo para reinar a partir dele. Ele identificou o anticristo com a Besta que saiu da Terra no livro do Apocalipse.[13]

Cristianismo pós-niceno[editar | editar código-fonte]

Cirilo de Jerusalém, em meados do século IV, proferiu sua 15ª palestra catequética sobre a segunda vinda de Jesus Cristo, na qual também fala sobre o anticristo, que reinaria como governante do mundo por três anos e meio e seria morto por Jesus Cristo logo no final de seu reinado, logo após o qual a segunda vinda de Jesus Cristo aconteceria.[14]

Atanásio de Alexandria (c. 298–373) escreveu que Ário de Alexandria seria associado ao anticristo, dizendo: "E desde então [o Primeiro Concílio de Nicéia] o erro de Ário foi considerado uma heresia mais do que comum, sendo conhecido como Inimigo de Cristo e precursor do anticristo".[15]

João Crisóstomo (c. 347–407) advertiu contra especular sobre o anticristo, dizendo: "Não vamos, portanto, inquirir sobre essas coisas". Ele pregou que por conhecer a descrição de Paulo do anticristo em 2 Tessalonicenses, os cristãos evitariam o engano.[16]

Jerônimo (347–420) advertiu que aqueles que substituíam o significado real das Escrituras por falsas interpretações pertenciam à "sinagoga do anticristo".[17] "Quem não é de Cristo é do anticristo", escreveu ele ao papa Dâmaso I.[18] Ele acreditava que "o mistério da iniquidade" escrito por Paulo em II Tessalonicenses 2:7 já estava em ação quando "cada um tagarelava sobre seus pontos de vista".[19] Para Jerônimo, o poder que restringia esse mistério da ilegalidade era o Império Romano, mas, à medida que ele caiu, essa força de restrição foi removida. Ele alertou uma nobre mulher da Gália:

Aquele que deixa é tirado do caminho, mas não percebemos que o anticristo está próximo. Sim, o anticristo está perto de quem o Senhor Jesus Cristo "consumirá com o espírito de sua boca". “Ai daqueles”, ele grita, “que estão grávidas, e daqueles que amamentam naqueles dias.” ... Tribos selvagens em um número incontável invadiram todas as partes da Gália. Todo o país entre os Alpes e os Pirineus, entre o Reno e o Oceano, foi devastado por hordas de Quadi, Vândalos, Sármatas, Alanos, Gépidos, Hérulas, Saxões, Borgonheses, Alemanni e - ai do povo! - até mesmo da Panônia.[20]

Em seu Comentário sobre Daniel, Jerônimo observou: "Não sigamos a opinião de alguns comentaristas e suponhamos que ele seja o Diabo ou algum demônio, mas alguém da raça humana, em quem Satanás residirá em forma corporal". Em vez de reconstruir o templo judaico para reinar, Jerônimo pensou que o anticristo se sentaria no templo de Deus, visto que ele "se fez parecer como Deus". Ele refutou a ideia de Porfírio de que o "pequeno chifre" mencionado em Daniel capítulo 7 era Antíoco IV Epifânio, observando que o "pequeno chifre" é derrotado por um governante eterno e universal, pouco antes do Juízo Final.[21] Em vez disso, ele defendeu que o "pequeno chifre" era o anticristo:

Devemos, portanto, concordar com a interpretação tradicional de todos os comentaristas da Igreja Cristã, de que no fim do mundo, quando o Império Romano for destruído, haverá dez reis que dividirão o mundo romano entre si. Então um décimo primeiro rei insignificante se levantará e vencerá três dos dez reis... depois de terem sido mortos, os outros sete reis também dobrarão seus pescoços ao vencedor.

Por volta de 380, uma pseudo-profecia apocalíptica falsamente atribuída à Sibila Tiburtina descreve Constantino como vitorioso sobre Gogue e Magogue. Mais tarde, ele prevê:

Quando o Império Romano cessar, o anticristo será abertamente revelado e se assentará na Casa do Senhor em Jerusalém. Enquanto ele reina, dois homens muito famosos, Elias e Enoque, surgirão para anunciar a vinda do Senhor. O anticristo os matará e depois de três dias eles serão ressuscitados pelo Senhor. Então haverá uma grande perseguição, como nunca houve ou haverá. O Senhor encurtará esses dias por causa dos eleitos, e o anticristo será morto pelo poder de Deus por meio do arcanjo Miguel no Monte das Oliveiras.[22]

Agostinho de Hipona (354–430) escreveu "é incerto em que templo [o anticristo] deve se es, [...] se nas ruínas do templo que foi construído por Salomão, ou na Igreja".[23]

O Papa Gregório I escreveu ao Maurício em 597, sobre os títulos dos bispos: "Eu digo com confiança que todo aquele que chama ou deseja chamar a si mesmo de 'sacerdote universal' em exaltação de si mesmo é um precursor do anticristo."[24]

No final do século X, Adso de Montier-en-Der, um monge beneditino, compilou uma biografia do anticristo com base em uma variedade de fontes exegéticas e sibilinas; seu relato se tornou uma das descrições mais conhecidas do anticristo na Idade Média.[25][26]

AntichristSOF.jpg

Xilogravura]] mostrando o anticristo, 1498]]

Acusações pré-reforma[editar | editar código-fonte]

Arnolfo, arcebispo de Reims, discordou das políticas e da moral do Papa João XV. Ele expressou seus pontos de vista enquanto presidia o Concílio de Reims em 991. Arnolfo acusou João XV de ser o anticristo enquanto também usava a passagem de 2 Tessalonicenses sobre o "homem da inequidade", dizendo: "Certamente, se ele está vazio de caridade e cheio de conhecimento vão e elevado, ele é o anticristo sentado no templo de Deus e se mostrando como Deus". Este incidente é o registro mais antigo da história de alguém identificando um papa com o anticristo.[27][28]

O Papa Gregório VII (1015 ou 1029–1085), lutou contra, em suas próprias palavras, "um ladrão de templos, um perjuro contra a Santa Igreja Romana, notório em todo o mundo romano pelo mais vil dos crimes, a saber, Guilberto , saqueador da santa igreja de Ravena, o anticristo e arqui-herege".[29]

O cardeal Beno, do lado oposto da Questão das Investiduras, escreveu longas descrições de abusos cometidos por Gregório VII, incluindo necromancia, tortura de um ex-amigo em uma cama de pregos, encomenda de uma tentativa de assassinato, execuções sem julgamento, excomunhão injusta, duvidar da presença real de Cristo na Eucaristia e até queimá-la. Beno sustentava que Gregório VII era "afiliado ao anticristo ou o próprio anticristo".[30]

Eberhard II von Truchsees, Príncipe-Arcebispo de Salzburgo em 1241, denunciou o Papa Gregório IX no conselho de Ratisbona como "aquele homem de perdição, a quem chamam de anticristo, que em sua ostentação extravagante diz: Eu sou Deus, não posso errar". Ele argumentou que os dez reinos com os quais o anticristo está envolvido são os "turcos, gregos, egípcios, africanos, espanhóis, franceses, ingleses, alemães, sicilianos e italianos que agora ocupam as províncias de Roma".[31] Ele sustentava que o papado era o "pequeno chifre" de Daniel 7:8:

"Um pequeno chifre cresceu" com "olhos e boca falando grandes coisas", o que está reduzindo três desses reinos (ou seja, Sicília, Itália e Alemanha) à subserviência, está perseguindo o povo de Cristo e os santos de Deus com intolerál oposição, está confundindo as coisas humanas e divinas, e está tentando coisas inexprimíveis, execráveis.[31]

Reforma Protestante[editar | editar código-fonte]

De uma série de xilogravuras (1545) geralmente referida como Papstspotbilder ou Papstspottbilder em alemão ou Representações do papado em inglês,[32] por Lucas Cranach, encomendado por Martinho Lutero.[33] Título: Beijando os Pés do Papa.[nota 1] Camponeses alemães respondem a uma bula papal do Papa Paulo III . A legenda diz: "Não nos assuste, Papa, com sua proibição, e não seja um homem tão furioso. Do contrário, daremos meia-volta e mostraremos nossas costas."[34][35]
Passional Christi und Antichristi, de Lucas Cranach, o Velho, de Lutero, 1521.[36] O Papa como o anticristo, assinando e vendendo indulgências.

Reformadores protestantes, incluindo John Wycliffe, Martinho Lutero, João Calvino, Tomás Cranmer, John Thomas, John Knox, Roger Williams, Cotton Mather e John Wesley, bem como a maioria dos protestantes dos séculos 16 a 18, sentiram que a Igreja Primitiva havia sido conduzido à Grande Apostasia pelo papado e identificou o papa com o anticristo.[37][38] Lutero declarou que não apenas um papa de vez em quando era o anticristo, mas o papado era o anticristo porque eles eram "os representantes de uma instituição oposta a Cristo".[39] Um grupo de estudiosos luteranos em Magdeburgo liderado por Matias Flácio, escreveram Magdeburg Centuries para desacreditar a Igreja Católica e levar outros cristãos a reconhecer o Papa como o anticristo. Portanto, em vez de esperar que um único anticristo governe a terra durante um futuro período da Tribulação, Martinho Lutero, João Calvino e outros reformadores protestantes viram o anticristo como uma característica presente no mundo de seu tempo, cumprida no papado.[40][41][42]

Entre os outros que interpretaram a profecia bíblica historicamente, havia muitos Padres da Igreja; Justino Mártir escreveu sobre o anticristo: "Aquele que Daniel predisse que teria domínio por um tempo e vezes e meio, está agora mesmo às portas".[43] Irineu escreveu em Contra as Heresias sobre a vinda do anticristo: "Este anticristo... devastará tudo... Mas então, o Senhor virá do Céu nas nuvens... pelos justos".[44] Tertuliano, olhando para o anticristo, escreveu: "Ele deve se sentar no templo de Deus e se gabar de ser deus. Em nossa opinião, ele é o anticristo, conforme nos ensinado nas antigas e novas profecias; e especialmente pelo apóstolo João , que diz que 'já muitos falsos profetas saíram pelo mundo' como os precursores do anticristo".[45] Hipólito de Roma, em seu Tratado sobre Cristo e o anticristo, escreveu: "Como também diz Daniel (nas palavras) 'Eu considerei a Besta, e veja! Havia dez chifres atrás dela — entre os quais surgirá outro (chifre), um ramo, e arrancará pelas raízes os três (que eram) antes dela.' E sob isso, era significado nada menos que o anticristo".[46] Atanásio de Alexandria sustenta claramente a visão histórica em seus muitos escritos; no Depoimento de Ário, ele escreveu: "Dirigi a carta a Ário e seus companheiros, exortando-os a renunciar à sua impiedade ... Nesta diocese, saíram alguns homens sem lei - inimigos de Cristo - ensinando um apostasia que alguém pode justamente suspeitar e designar como precursora do anticristo".[47] Jerônimo escreveu: "Diz o apóstolo [Paulo na Segunda Epístola aos Tessalonicenses]: 'A menos que o Império Romano primeiro seja desolado e o anticristo proceda, Cristo não virá'".[48] Ele também identifica o pequeno chifre de Daniel 7: 8 e 7:24-25 que "Ele falará como se fosse Deus".[49]

Alguns franciscanos consideraram o imperador Frederico II um anticristo positivo que purificaria a Igreja Católica da opulência, da riqueza e do clero.[50]

As interpretações historicistas do Livro do Apocalipse geralmente incluem a identificação de um ou mais dos seguintes:

Os reformadores protestantes tendiam a acreditar que o poder do anticristo seria revelado para que todos compreendessem e reconhecessem que o papa é o verdadeiro anticristo, e não o Vigário de Cristo. Obras doutrinárias da literatura publicadas pelos luteranos, as igrejas reformadas, os presbiterianos, os batistas, os anabatistas e os metodistas contêm referências ao papa como o anticristo, incluindo os artigos Smalcald, o artigo 4 (1537),[51] o Tratado sobre o poder e Primazia do Papa escrita por Filipe Melâncton (1537), a Confissão de Fé de Westminster, Artigo 25.6 (1646), e a Confissão de Fé Batista de 1689, Artigo 26.4. Em 1754, John Wesley publicou suas Notas Explicativas sobre o Novo Testamento, que atualmente é um Padrão Doutrinal oficial da Igreja Metodista Unida. Em suas notas sobre o Livro do Apocalipse (capítulo 13), ele comentou: "Toda a sucessão de Papas de Gregório VII são, sem dúvida, os Anticristos. No entanto, isso não impede, mas que o último Papa nesta sucessão será mais eminentemente o anticristo, o Homem do Pecado, acrescentando aos seus predecessores um grau peculiar de maldade do abismo".[52][53]

A identificação do Papa com o anticristo estava tão enraizadas na Era da Reforma, que o próprio Lutero afirmou repetidamente:

“Este ensino [da supremacia do papa] mostra com força que o Papa é o próprio anticristo, que se exaltou e se opôs a Cristo, porque não permitirá que os cristãos sejam salvos sem seu poder, o que, no entanto, não é nada, não é ordenado nem comandado por Deus."[54]

,

"nada mais do que o reino da Babilônia e do próprio anticristo. Pois quem é o homem do pecado e o filho da perdição, senão aquele que por seu ensino e suas ordenanças aumenta o pecado e a perdição das almas na igreja; enquanto ele ainda senta-se na igreja como se fosse Deus? Todas essas condições foram cumpridas por muitos anos pela tirania papal."

e

"O Papa, quer apagar a luz do Evangelho destinada a iluminar ao mundo. É, então, o anticristo predito por Daniel, pelo Senhor Jesus Cristo, Pedro, Paulo e o Apocalipse."[55]

João Calvino escreveu de forma semelhante:

Embora se admita que Roma já foi a mãe de todas as igrejas, desde o momento em que começou a ser a sede do anticristo, deixou de ser o que era antes. Algumas pessoas nos consideram muito severos e censuradores quando chamamos o Romano Pontífice Anticristo., Mas aqueles que são desta opinião não consideram que eles trazem a mesma acusação de presunção contra o próprio Paulo, após quem falamos e cuja linguagem adotamos ... Vou mostrar isso brevemente (palavras de Paulo em II Tes. 2) não são capazes de qualquer outra interpretação além daquela que os aplica ao papado.[56]

John Knox escreveu sobre o Papa:

"Sim, para falar em palavras claras; para que não nos submetamos a Satanás, pensando que nos submetemos a Jesus Cristo, pois, quanto à sua igreja romana, como agora está corrompida, e a sua autoridade, sobre a qual está a esperança de sua vitória, não tenho mais dúvida de que é a sinagoga de Satanás, e seu chefe, chamado papa, para ser o homem do pecado, de quem o apóstolo fala."[57]

Tomás Cranmer sobre o anticristo escreveu:

"Disso se segue que Roma seja a sede do anticristo, e o papa seja o próprio anticristo. Eu poderia provar o mesmo por muitas outras escrituras, escritores antigos e fortes razões."[58]

John Wesley, falando sobre a identidade dada na Bíblia do anticristo, escreveu:

Em muitos aspectos, o Papa tem uma reivindicação indiscutível sobre esses títulos. Ele é, em um sentido enfático, o homem do pecado, pois ele aumenta todos os tipos de pecado acima da medida. E ele é, também, adequadamente denominado, o filho de perdição, pois causou a morte de incontáveis ​​multidões, tanto de seus opositores quanto de seus seguidores, destruiu inúmeras almas e perecerá para sempre. É ele quem se opõe ao imperador, uma vez que seu legítimo soberano; e que se exalta acima de tudo que é chamado de Deus, ou que é adorado - comandando anjos e colocando reis sob seus pés, ambos os quais são chamados de deuses nas escrituras; reivindicando o maior poder, a maior honra; sofrendo, não apenas uma vez, para ser denominado Deus ou vice-Deus. De fato, nada menos está implícito em seu título comum, "Santíssimo Senhor" ou "Santíssimo Padre". De modo que ele se assenta - Entronizado. No templo de Deus - Mencionado Rev. xi, 1. Declarando-se que ele é Deus - Reivindicando as prerrogativas que pertencem somente a Deus.[59]

Roger Williams escreveu sobre o Papa:

"o pretenso Vigário de Cristo na terra, que se assenta como Deus no Templo de Deus, exaltando-se não apenas sobre tudo o que se chama Deus, mas sobre as almas e consciências de todos os seus vassalos, sim, sobre o Espírito de Cristo, sobre o Espírito Santo, sim, e o próprio Deus ... falando contra o Deus do céu, pensando em mudar os tempos e as leis; mas ele é o Filho da Perdição."[60]

Na Confissão de fé Irlandesa (1615; Igreja Episcopal)[61]: "O Bispo de Roma é, longe de ser a cabeça da Igreja Universal de Cristo, o que sua doutrina e obras, de fato revelam, que ele é aquele “homem do pecado” predito nas santas Escrituras, a quem o Senhor há de consumir com o espírito de Sua boca, e abolir com o resplendor de sua vinda." Na Confissão de Fé de Westminster (1647; Igreja Presbiteriana)[62]:

"Não há outro cabeça da Igreja senão o Senhor Jesus Cristo: (Colossenses 1:18; Efésios 1:22). Em sentido algum pode ser o papa de Roma o cabeça dela, senão que ele é aquele Anticristo, aquele homem do pecado e filho da perdição que se exalta na Igreja contra Cristo e contra tudo o que se chama Deus." (Mateus 23:8-10; II Tessalonicenses 2:3-9; Apocalipse 13:8)

Na Confissão de Fé Londrina (1689; Igreja Batista)[63]:

"O Senhor Jesus Cristo é o cabeça da Igreja, aquele que, por designação do Pai, todo poder para o chamamento, instituição, ordem ou governo da igreja foi investido de maneira suprema e soberana; Nem pode o papa de forma alguma ser o cabeça dela, mas ele é o anticristo, aquele homem do pecado, e filho da perdição, que se exalta a si mesmo, na igreja, contra Cristo e a tudo que se chama Deus; a quem o Senhor destruirá com o resplendor da sua vinda."

A identificação da Igreja Católica Romana como o poder apóstata escrito na Bíblia como o anticristo tornou-se evidente para muitos quando a Reforma começou, incluindo John Wycliffe, que era bem conhecido em toda a Europa por sua oposição à doutrina e às práticas da Igreja Católica, que ele acreditava ter claramente se desviado dos ensinamentos originais da Igreja primitiva e ser contrária à Bíblia. O próprio Wycliffe conta como concluiu que havia um grande contraste entre o que a Igreja era e o que deveria ser, e viu a necessidade de reforma.[64] Junto com Jan Hus, eles começaram a inclinar-se para as reformas eclesiásticas da Igreja Católica.

Quando o reformador suíço Ulrico Zuínglio se tornou pastor de Grossmünster [en] em Zurique (1518), ele começou a pregar ideias sobre a reforma da Igreja Católica. Zwínglio, que foi um padre católico antes de se tornar um reformador, frequentemente se referia ao papa como o anticristo. Ele escreveu: "Eu sei que nisso opera a força e o poder do Diabo, isto é, do anticristo".[65]

O reformador inglês William Tyndale sustentou que, embora os reinos católicos romanos daquela época fossem o império do anticristo, qualquer organização religiosa que distorcesse a doutrina do Antigo e do Novo Testamento também mostrava a obra do anticristo. Em seu tratado A Parábola do Maligno Mamon, ele rejeitou expressamente o ensino estabelecido da Igreja que olhava para o futuro para um anticristo se levantar, e ele ensinou que o anticristo é uma força espiritual presente que estará conosco até o final dos tempos sob diferentes disfarces religiosos de vez em quando.[66] A tradução de Tyndale de 2 Tessalonicenses, capítulo 2, a respeito do "Homem da iniquidade" refletiu seu entendimento, mas foi significativamente alterada por revisores posteriores,[67] incluindo o comitê da Bíblia do Rei Jaime, que seguiu a Vulgata mais de perto.

Em 1973, a Conferência dos Estados Unidos do Comitê dos Bispos Católicos sobre Assuntos Ecumênicos e Inter-religiosos e o Comitê Nacional dos EUA da Federação Luterana Mundial no diálogo oficial Católico-Luterano assinaram oficialmente um acordo sobre o Primado Papal e a Igreja Universal, incluindo esta passagem:

Ao chamar o papa de "anticristo", os primeiros luteranos permaneceram em uma tradição que remontava ao século XI. Não apenas dissidentes e hereges, mas até mesmo santos chamaram o bispo de Roma de "anticristo" quando desejaram castigar seu abuso de poder. O que os luteranos entendiam como uma reivindicação papal de autoridade ilimitada sobre tudo e todos os lembrava do imagens apocalípticas de Daniel 11, uma passagem que mesmo antes da Reforma havia sido aplicada ao papa como o anticristo do fim dos tempos.[68]

Em 1988, Ian Paisley, ministro evangélico e fundador da Igreja Presbiteriana Livre de Ulster, ganhou as manchetes de maneira infame ao acusar o Papa João Paulo II de anticristo durante um dos discursos do Papa perante o Parlamento Europeu, que na época Paisley era membro de. Sua acusação e as reações do Papa João Paulo II e de outros membros do Parlamento Europeu foram gravadas em vídeo.[69][70]

O Sínodo Evangélico Luterano de Wisconsin afirma sobre o Papa e a Igreja Católica:[71]

Existem dois princípios que marcam o papado como o anticristo. Uma é que o papa assume o direito de governar a igreja que pertence apenas a Cristo. Ele pode fazer leis proibindo o casamento de padres, comer ou não comer carne na sexta-feira, controle de natalidade, divórcio e novo casamento, mesmo quando não houver tais leis na Bíblia. A segunda é que ele ensina que a salvação não é somente pela fé, mas pela fé e pelas obras. O presente papa defende e pratica esses princípios. Isso marca seu governo como governo anticristão na igreja. Todos os papas têm o mesmo cargo sobre a igreja e promovem a mesma crença anticristã, de modo que todos fazem parte do reinado do anticristo. A Bíblia não apresenta o anticristo como um homem por um curto período de tempo, mas como um cargo exercido por um homem por gerações sucessivas. É um título como Rei da Inglaterra.

Atualmente, muitas denominações protestantes e restauracionistas ainda mantêm oficialmente que o papado é o anticristo, como as igrejas luteranas conservadoras[72][73][74] e os adventistas do sétimo dia.[75][76][77][78]

Contrarreforma[editar | editar código-fonte]

Na Contrarreforma, as visões do preterismo e do futurismo foram apresentadas pelos Jesuítas Católicos no início do século XVI em resposta à identificação do papado como o anticristo. Esses eram métodos rivais de interpretação profética: os sistemas futurista e preterista estão ambos em conflito com o método historicista de interpretação.

Historicamente, preteristas e não preteristas concordaram que o jesuíta Luis del Alcázar [en] (1554-1613) escreveu a primeira exposição preterista sistemática da profecia - Vestigatio arcani sensus in Apocalypsi (publicado em 1614) - durante a Contrarreforma.[79]

Visões cristãs[editar | editar código-fonte]

Católica[editar | editar código-fonte]

Do Quinto Concílio de Latrão, a Igreja Católica ensina que os padres não podem "pregar ou declarar um tempo fixo para [...] a vinda do anticristo [...]" [80] A igreja também ensina que deve passar por provações antes da segunda vinda,[81] e que a prova final da igreja será o mistério da iniquidade.[82] No Judaísmo, a iniquidade é um pecado cometido por falha moral.[83] O mistério da iniqüidade, segundo a igreja, será um engano religioso: os cristãos recebendo supostas soluções para seus problemas à custa da apostasia.[82] O engano religioso supremo, de acordo com a igreja, será o messianismo do anticristo: a humanidade glorificando a si mesma ao invés de Deus e Jesus.[82] A igreja ensina que esse engano supremo é cometido por pessoas que afirmam cumprir as esperanças messiânicas de Israel, como o milenarismo e o messianismo secular.[82]

Papas[editar | editar código-fonte]

O Papa Pio IX na encíclica Quartus Supra, citando Cipriano, disse que Satanás disfarça o anticristo com o título de Cristo.[84] O Papa Pio X na encíclica E Supremi disse que a marca distintiva do anticristo é afirmar ser Deus e tomar o seu lugar.[85] O Papa João Paulo II, em seu discurso de 18 de agosto de 1985 em sua viagem apostólica à África, disse I João 4:3 evoca o perigo da teologia separada da santidade e da cultura teológica separada da servidão a Cristo.[86] O Papa Bento XVI disse no Angelus de domingo de 11 de março de 2012 que a violência é a ferramenta do anticristo.[87] Na Audiência Geral de 12 de novembro de 2008, Bento XVI disse que a tradição cristã passou a identificar o filho da perdição como o anticristo.[88] O Papa Francisco, em sua meditação matinal de 2 de fevereiro de 2014, disse que a fé cristã não é uma ideologia, mas que "o apóstolo Tiago diz que os ideólogos da fé são o anticristo".[89] Em sua meditação matinal de 19 de setembro de 2014, Francisco disse que o anticristo deve vir antes da ressurreição final.[90] Em sua meditação matinal de 7 de janeiro de 2016, ele disse que o espírito maligno mencionado em 1 João 4: 6 é o anticristo.[91] Em sua meditação matinal de 11 de novembro de 2016, Francisco disse que quem diz que o critério do amor cristão não é a encarnação é o anticristo.[92]

Especulação[editar | editar código-fonte]

A Profecia dos Papas afirma que Roma será destruída durante o pontificado do último Papa, o que implica uma conexão com o anticristo.

Fulton J. Sheen, um bispo católico, escreveu em 1951:[93][94]

O anticristo não será assim chamado; caso contrário, ele não teria seguidores ... ele virá disfarçado de Grande Humanitário; ele falará de paz, prosperidade e abundância não como meio para nos conduzir a Deus, mas como fins em si mesmos ... Ele tentará os cristãos com as mesmas três tentações com que tentou a Cristo ... Ele terá um grande segredo que ele não dirá a ninguém: ele não vai acreditar em Deus. Porque sua religião será fraternidade sem a paternidade de Deus, ele enganará até os eleitos. Ele estabelecerá uma contra-igreja ... Ela terá todas as notas e características da Igreja, mas ao contrário e esvaziada de seu conteúdo divino. Será um corpo místico do Anticristo que em todos os aspectos externos se assemelhará ao corpo místico de Cristo.

Ortodoxa[editar | editar código-fonte]

Em uma entrevista de Natal de 2018 na televisão estatal russa, o Patriarca Cirilo I de Moscou advertiu que "O anticristo é a pessoa que estará à frente da rede mundial de controle de toda a humanidade. Isso significa que a própria estrutura representa um perigo. Não deveria haver um único centro, pelo menos não em um futuro previsível, se não quisermos provocar o apocalipse." Ele exortou os ouvintes a não "cair na escravidão do que está em suas mãos [...] Você deve permanecer livre por dentro e não cair em nenhum vício, nem em álcool, nem em narcóticos, nem em aparelhos eletrônicos."[95]

Velhos crentes[editar | editar código-fonte]

Depois que o Patriarca Nikon de Moscou reformou a Igreja Ortodoxa Russa durante a segunda metade do século XVII, um grande número de velhos crentes afirmou que Pedro, o Grande, o Czar do Império Russo até sua morte em 1725, era o anticristo por causa de seu tratamento da Igreja Ortodoxa, nomeadamente subordinando a Igreja ao Estado, exigindo que os clérigos se conformem com os padrões de todos os civis russos (barbas raspadas, sendo fluente em francês) e exigindo que paguem impostos estaduais.[96]

Iluminismo[editar | editar código-fonte]

Bernard McGinn observou que a negação completa do anticristo era rara até a Idade das Luzes . Após o uso frequente da retórica carregada do "Anticristo" durante as controvérsias religiosas no século XVII, o uso do conceito diminuiu durante o XVIII devido ao governo de déspotas esclarecidos, que como governantes europeus da época exerciam influência significativa sobre as igrejas oficiais do estado. Esses esforços  para limpar o cristianismo de acréscimos "lendários" ou "populares" efetivamente removeu o anticristo da discussão nas principais igrejas ocidentais.[97]

Mórmons[editar | editar código-fonte]

Na doutrina Mórmon, o "anticristo" é qualquer pessoa ou qualquer coisa que falsifique o plano de salvação e que aberta ou secretamente estabelece oposição a Cristo. O grande anticristo é identificado como Lúcifer, mas ele tem muitos ajudantes tanto como seres espirituais quanto como mortais."[98] Os Mórmons referenciam do Novo Testamento, 1 João 2:18, 22; 1 João 4: 3-6; 2 João 1: 7 e do Livro de Mórmon, Jacó 7: 1–23, Alma 1: 2–16, Alma 30: 6–60, em sua exegese ou interpretação do anticristo.

Adventistas do Sètimo Dia[editar | editar código-fonte]

Os Adventistas do Sétimo Dia ensinam que o "Poder do Pequeno Chifre", que (como previsto no Livro de Daniel ) surgiu após a dissolução do Império Romano, é o papado . O Império Romano do Ocidente entrou em colapso no final do século V. Em 533, Justiniano I, o imperador do Império Bizantino, reconheceu legalmente o bispo (papa) de Roma como o chefe de todas as igrejas cristãs.[99] Por causa do domínio ariano de parte do Império Romano por tribos bárbaras, o bispo de Roma não podia exercer plenamente tal autoridade. Em 538, Belisário, um dos generais de Justiniano, conseguiu resistir a um cerco à cidade de Roma [en] pelos sitiantes arianos ostrogodos, e o bispo de Roma pôde começar a estabelecer a autoridade civil universal. Assim, pela intervenção militar do Império Romano do Oriente, o bispo de Roma tornou-se todo-poderoso em toda a área do antigo Império Romano.[100] Os ostrogodos recapturaram prontamente a cidade de Roma oito anos depois em 546 e Cerco de Roma (549–550) [en].

Os adventistas do sétimo dia entendem que os 1260 anos duraram 538 a 1798 como a duração do domínio do papado sobre Roma.[101] Este período é visto como começando com uma das derrotas dos ostrogodos pelo general Belisário e terminando com os sucessos do general francês Napoleão Bonaparte, especificamente, com a captura do Papa Pio VI pelo general Louis-Alexandre Berthier em 1798.

Como muitos líderes protestantes da era da Reforma, a pioneira adventista Ellen G. White (1827–1915) falou da Igreja Católica como uma igreja decaída em preparação para seu nefasto papel escatológico como antagonista contra a verdadeira igreja de Deus; ela viu o papa como o anticristo. Reformadores protestantes como Martinho Lutero, John Knox, William Tyndale e outros tinham crenças semelhantes sobre a Igreja Católica e o papado quando se separaram da Igreja Católica durante a Reforma.[102] Ellen White escreveu:

Sua palavra advertiu sobre o perigo iminente; ignore isso e o mundo protestante aprenderá quais são realmente as intenções de Roma, somente quando for tarde demais para escapar da armadilha. Ela está silenciosamente crescendo em poder. Suas doutrinas estão exercendo influência nas salas legislativas, nas igrejas e no coração dos homens. Ela está empilhando suas estruturas elevadas e maciças nos recessos secretos dos quais suas perseguições anteriores serão repetidas. Furtivamente e inesperadamente, ela está fortalecendo suas forças para promover seus próprios fins quando chegar a hora de atacar. Tudo o que ela deseja é um terreno vantajoso, e isso já está sendo dado a ela. Em breve veremos e sentiremos qual é o propósito do elemento romano. Todo aquele que crer e obedecer à palavra de Deus incorrerá, assim, em reprovação e perseguição.[103]

Os adventistas do sétimo dia veem o período de tempo que o poder desenfreado da igreja apóstata foi permitido governar, conforme mostrado em Daniel 7:25: "O chifre pequeno governaria um tempo e tempos e meio tempo" - ou 1.260 anos. Eles consideram o governo papal supremo na Europa de 538 (quando os ostrogodos arianos se retiraram de Roma para o esquecimento temporário) até 1798 (quando o general francês Louis-Alexandre Berthier levou o Papa Pio VI cativo) - um período de 1 260 anos[104] - incluindo os 67 anos do Papado de Avinhão (1309–1376).

Outras interpretações cristãs[editar | editar código-fonte]

Martin Wight[editar | editar código-fonte]

Martin Wight, escrevendo imediatamente após a Segunda Guerra Mundial, defendeu o renascimento da doutrina do anticristo; não como uma pessoa, mas como uma situação recorrente caracterizada por "concentrações demoníacas de poder".[105]

Como o Homem da inequidade[editar | editar código-fonte]

O Anticristo foi equiparado ao "homem da iniquidade" de II Tessalonicenses 2:3, embora os comentários sobre a identidade do "homem da inequidade" variem muito.[106] O "homem da iniquidade" foi identificado com Calígula,[107] Nero,[108] e o anticristo do fim dos tempos. Alguns estudiosos acreditam que a passagem não contém nenhuma predição genuína, mas representa uma especulação do próprio apóstolo, com base nas idéias contemporâneas do anticristo.[107]

Vários teólogos evangélicos e fundamentalistas americanos, incluindo Cyrus Scofield, identificaram o anticristo como estando associado (ou igual a) várias figuras no Livro do Apocalipse, incluindo o Dragão (ou Serpente ), a Besta, o Falso Profeta e a Meretriz da Babilônia.[109] Vozes da igreja emergente, como Rob Bell, rejeitam a identificação do anticristo com qualquer pessoa ou grupo. Eles acreditam que um Cristo amoroso não veria ninguém como inimigo.[110]

Como Satanás[editar | editar código-fonte]

Bernard McGinn descreveu várias tradições detalhando a relação entre o anticristo e Satanás . Na abordagem dualista, Satanás encarnará no anticristo, assim como Deus encarnou em Jesus . No entanto, no pensamento cristão ortodoxo, essa visão era problemática porque era muito semelhante à encarnação de Cristo. Em vez disso, a visão "residente" tornou-se mais aceita. Estipula que o anticristo é uma figura humana habitada por Satanás, visto que o poder deste não deve ser visto como equivalente ao de Deus.[97] O afresco de Luca Signorelli, O Sermão e Ações do anticristo (acima), retrata a visão interior. Satanás sussurra no ouvido dessa figura semelhante a de Cristo e seu braço esquerdo é enfiado nas vestes do anticristo como se ele o estivesse manipulando.

Pontos de vista não cristãos[editar | editar código-fonte]

Judaico[editar | editar código-fonte]

Existem advertências contra falsos profetas na Bíblia Hebraica, mas nenhuma figura de anti-Messias.[111]

Uma figura paródica do tipo anti-Messias conhecida como Armilus [en], considerada a descendência de Satanás e uma virgem, aparece em algumas escolas filosóficas não legalistas da escatologia judaica, como o Sefer Zorobabel [en] do século VII e o Midrash Vayosha do século XI ( também: "Midrash wa-Yosha"). Ele é descrito como "uma monstruosidade, careca, com um olho grande e um pequeno, surdo na orelha direita e mutilado no braço direito, enquanto o braço esquerdo tem dois braços e meio de comprimento". Sendo o sucessor de Gogue, sua destruição inevitável por um "Messiah ben Joseph" (Messias, filho de José), simboliza a vitória final do bem sobre o mal na Era Messiânica.[112] Isso é confrontado com o anticristo cristão medieval e o Dajjal islâmico, que conquistará Jerusalém e perseguirá os judeus.

Islâmica[editar | editar código-fonte]

Al-dajjal (em árabe: الدّجّال), literalmente "o Messias enganador"), é uma figura importante na escatologia islâmica. Ausente no Alcorão, esta figura é mencionada e descrita no Hádice. Como no Cristianismo, o Dajjal é dito para emergir do leste, a localização específica varia entre as fontes.[113] Ele tentará imitar os milagres realizados por Jesus, como curar os enfermos e ressuscitar os mortos, este último feito com a ajuda de demônios ( Shayatin ). Ele enganará muitas pessoas, como tecelões, mágicos, mestiços e filhos de prostitutas, mas a maioria de seus seguidores serão judeus com roupas estrangeiras.[114] Eventualmente, o Dajjal será morto por 'Isa (Jesus), que ao ver o Dajjal fará com que ele se dissolva lentamente (como o sal na água). Jesus acabará matando-o no portão de Ludd.[113]

Ahmadi[editar | editar código-fonte]

As profecias sobre o surgimento do anticristo (Al-Masīḥ ad-Dajjāl) são interpretadas nos ensinamentos da Ahmadi como designando um grupo específico de nações centradas em uma falsa teologia (ou cristologia) em vez de um indivíduo, com referência ao anticristo como um indivíduo indicando sua unidade como uma classe ou sistema ao invés de sua individualidade pessoal. Como tal, os ahmadis identificam o anticristo coletivamente com a expansão missionária e o domínio colonial do cristianismo europeu em todo o mundo que foi impulsionado pela Revolução Industrial .[115][116][117] Mirza Ghulam Ahmad escreveu extensivamente sobre este tópico, identificando o anticristo principalmente com os missionários coloniais que, segundo ele, deveriam ser combatidos por meio de argumentação em vez de guerra física e cujo poder e influência se desintegrariam gradualmente, permitindo, em última análise, o reconhecimento e a adoração de Deus ao longo dos ideais islâmicos para prevalecer em todo o mundo em um período semelhante ao período de tempo que levou para que o cristianismo nascente surgisse durante o Império Romano .[118] O ensino de que Jesus era um homem mortal que sobreviveu à crucificação e morreu de morte natural, conforme proposto por Ghulam Ahmad, foi visto por alguns estudiosos a esse respeito como um movimento para neutralizar as soteriologias cristãs de Jesus e projetar a racionalidade superior do Islã.[119][120][121][122]

Baha'i[editar | editar código-fonte]

O Anticristo é considerado como subverter a religião de Deus da realidade interior do homem, como `Abdu'l-Bahá narra: "Cristo foi um Centro divino de unidade e amor. Sempre que a discórdia prevalece em vez da unidade, onde o ódio e o antagonismo tomam o lugar do amor e da comunhão espiritual, o anticristo reina em vez de Cristo."[123]

Na cultura popular[editar | editar código-fonte]

A entronização do anticristo está associada às teorias da conspiração e, particularmente, a uma conspiração satânica para destruir a fé cristã.[124]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. Em latim, "Hic oscula pedibus papae figuntur"

Referências

  1. «Anticristo - Pesquisa na Versão RA - Novo Tempo - Bíblia Online». Novo Tempo. Consultado em 29 de abril de 2021 
  2. I João 2:22
  3. «Strong's Greek: 5547. Χριστός (Christos) -- the Anointed One, Messiah, Christ». biblehub.com (em inglês). Consultado em 29 de abril de 2021 
  4. «Strong's Greek: 473. ἀντί (anti) -- over against, opposite, hence instead of, in comp. denotes contrast, requital, substitution, correspondence». biblehub.com (em inglês). Consultado em 29 de abril de 2021 
  5. Horbury, William (2016). Messianism among Jews and Christians : twelve biblical and historical studies (em inglês) Second edition ed. London: [s.n.] p. 333. OCLC 930781801 
  6. Mauser, Ulrich (1992). The gospel of peace: a scriptural message for today's world (em inglês). Louisville, Kentucky: Westminster/John Knox. p. 70. OCLC 981406018 
  7. Yarbrough, Robert W. (2008). 1-3 John (em inglês). Grand Rapids, Mich.: Baker Academic. p. 344. OCLC 225852361 
  8. Polycarp. Polycarp's letter to the Philippians (em inglês). Parágrafo 7. [S.l.: s.n.] 
  9. Trebilco, Paul R. (2007). The early Christians in Ephesus from Paul to Ignatius (em inglês). Grand Rapids, Mich.: William B. Eerdmans Pub. Co. p. 268. OCLC 154683043 
  10. Hughes, Kevin L. (2005). Constructing antichrist : Paul, biblical commentary, and the development of doctrine in the early Middle Ages (em inglês). Washington, D.C.: Catholic University of America Press. pp. 29–31. OCLC 646786247 
  11. The International standard Bible encyclopedia. G. W. Bromiley Fully rev ed. Grand Rapids, Mich.: W.B. Eerdmans. 1979. p. 140. OCLC 4858038. The fullest exposition of the ideas associated with the antichrist in the early decades of Christian history is to be found in the Ascension of Isaiah. In this we are told that "Beliar" (Belial) would enter into "the matricide king" (Nero), who would work great wonders and do much evil. 
  12. «Philip Schaff: ANF03. Latin Christianity: Its Founder, Tertullian - Christian Classics Ethereal Library». www.ccel.org (em inglês). Consultado em 30 de abril de 2021 
  13. Hippolytus. Ante-Nicene Fathers Vol. V, Hippolytus, The Extant Works and Fragments of Hippolytus, Dogmatical and Historical (em inglês). [S.l.: s.n.] 
  14. Kalleres, Dayna S. (2015). City of demons : violence, ritual, and Christian power in late antiquity (em inglês). Oakland, California: [s.n.] OCLC 936114236 
  15. «CHURCH FATHERS: Discourse I Against the Arians (Athanasius)». www.newadvent.org (em inglês). Consultado em 1 de maio de 2021 
  16. al, Philip Schaff et. Nicene and Post-Nicene Fathers: Series I/Volume XIII/On Philippians, Colossians, and Thessalonians/On 2 Thessalonians. [S.l.: s.n.] 
  17. Jerônimo 1893b, p. 334.
  18. Jerônimo 1893, p. 19.
  19. Jerônimo 1893c, p. 449.
  20. Jerônimo 1893d, pp. 236-7.
  21. Jerônimo 1958.
  22. Sackur, Ernst (1898). Sibyllinische Texte und Forschungen: Pseudomethodius Adso und Die tiburtinische sibylle (em alemão). Halle a.S.: M. Niemeyer. OCLC 1040560418 
  23. «CHURCH FATHERS: City of God, Book XX (St. Augustine)». www.newadvent.org (em inglês). Consultado em 2 de maio de 2021 
  24. «Precursor of Antichrist | InContext». Christian History Institute (em inglês). Consultado em 2 de maio de 2021 
  25. Emmerson, Richard Kenneth (1981). Antichrist in the Middle Ages: a study of medieval apocalypticism, art, and literature (em inglês). Seattle: University of Washington Press. pp. 74–107. OCLC 6942440 
  26. Emmerson, R. (1979). «Antichrist as Anti-Saint: The Significance of Abbot Adso's Libellus de Antichristo» (em inglês). Consultado em 2 de maio de 2021 
  27. McGinn, Bernard (2000). Antichrist : two thousand years of the human fascination with evil (em inglês). New York: [s.n.] OCLC 42296361 
  28. Schaff, Philip (1885). History of the Christian Church (em inglês). [S.l.]: C. Scribner's sons 
  29. Catholic Church. Pope (1990). The correspondence of Pope Gregory VII : selected letters from the Registrum. Pope, approximately Gregory VII, Ephraim Emerton. New York: [s.n.] OCLC 298105148 
  30. M, Whitford David (2008). «The Papal Antichrist: Martin Luther and the Underappreciated Influence of Lorenzo Valla». Renaissance Quarterly (em inglês) (1): 26–52. ISSN 0034-4338. doi:10.1353/ren.2008.0027. Consultado em 2 de maio de 2021 
  31. a b Fuller, John Mee (1893). A Dictionary of the Bible: Comprising Its Antiquities, Biography, Geography, and Natural History (em inglês). [S.l.]: J. Murray 
  32. Oberman, Heiko Augustinus (1994). The Impact of the Reformation: Essays (em inglês). [S.l.]: Wm. B. Eerdmans Publishing. ISBN 9780802807328 – via Google Books 
  33. Edwards, Mark U. (2005). Luther's last battles : politics and polemics, 1531-46 (em inglês). Minneapolis, MN: Fortress Press. OCLC 460252964 
  34. "Nicht Bapst: nicht schreck uns mit deim ban, Und sey nicht so zorniger man. Wir thun sonst ein gegen wehre, Und zeigen dirs Bel vedere"
  35. Jr, Mark U. Edwards (19 de novembro de 2004). Luther's Last Battles: Politics and Polemics 1531-46 (em inglês). [S.l.]: Fortress Press. p. 199 
  36. Luther, Martin (1521). Passional Christi vnd Antichristi (em alemão). [S.l.]: Rhau-Grunenberg 
  37. Johnstone, Nathan (2006). «The synagogue of Satan: anti-Catholicism, false doctrine and the construction of contrariety». The devil and demonism in early modern England. Cambridge: Cambridge University Press. pp. 27–59. OCLC 65181176 
  38. Building unity : ecumenical dialogues with Roman Catholic participation in the United States. Joseph A. Burgess, Jeffrey Gros. New York: Paulist Press. 1989. OCLC 18988117 
  39. Bainton, Roland H (1952). The Reformation of the sixteenth century. (em inglês). Boston: Beacon Press. pp. 43–44. OCLC 1036823133 
  40. Johnstone, Nathan (2006). The devil and demonism in early modern England (em inglês). Cambridge: Cambridge University Press. pp. 27–59. OCLC 65181176 
  41. Froom, Le R. E (1948). Prophetic faith of our fathers ... Vol. 2 (em inglês). Washington D.C.: [s.n.] pp. 244–245. OCLC 79481192 
  42. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome burgess1989
  43. CHURCH FATHERS: Dialogue with Trypho, Chapters 31-47 (Justin Martyr) (em inglês). [S.l.: s.n.] Consultado em 2 de maio de 2021 
  44. Ireneu de Lyon. «CHURCH FATHERS: Against Heresies, III.7 (St. Irenaeus)». www.newadvent.org (em inglês). Parágrafo 2. Consultado em 3 de maio de 2021 
  45. «CHURCH FATHERS: Against Marcion, Book V (Tertullian)». www.newadvent.org. Parágrafo 16. Consultado em 3 de maio de 2021 
  46. Hippolytus. Ante-Nicene Fathers Vol. V, Hippolytus, The Extant Works and Fragments of Hippolytus, Dogmatical and Historical (em inglês). [S.l.: s.n.] Parágrafos 20 e 25 
  47. Schaff, Philip; et al. Nicene and Post-Nicene Fathers: Series II/Volume IV/Deposition of Arius (em inglês). [S.l.: s.n.] Parágrafos 2 e 4 
  48. Standish, Russell R. (1988). The Antichrist is here (em inglês). Colin D. Standish. Rapidan, VA: Hartland Publications. p. 32. OCLC 26755704 
  49. Clarke, Adam, approximately (1967). Adam Clarke's commentary on the Bible (em inglês). Ralph Earle. Grand Rapids, Mich.: [s.n.] p. 596. OCLC 38483282 
  50. Harris, Marvin (1974). Cows, pigs, wars & witches : the riddles of culture (em inglês) 1 ed. New York: Random House. p. 196. OCLC 762505 
  51. Mahler, Corey (8 de novembro de 2019). «The Smalcald Articles | Book of Concord». bookofconcord.org (em inglês). Consultado em 5 de maio de 2021 
  52. «Section 3 - Our Doctrinal Standards and General Rules» (em inglês). 2 de fevereiro de 2007. Consultado em 5 de maio de 2021 
  53. «UMC.org : the official online ministry of The United Methodist Church». archives.umc.org (em inglês). Consultado em 5 de maio de 2021 
  54. Mahler, Corey (8 de novembro de 2019). «The Smalcald Articles | Book of Concord» (em inglês). Parte 2. Consultado em 5 de maio de 2021 
  55. L' Epanouisssement de la Pensée de Luther, pág. 316, citado em El Sentido de la Historia y la Palabra Profética, tomo 1, pág.303. Antolín Diestre Gil, Editorial Clie
  56. Calvino, João. Institutas da Religião Cristã. 3. [S.l.: s.n.] p. 149 
  57. Knox, John (13 de março de 2015). Lennox, Cuthbert, ed. The History of the Reformation of Religion in Scotland With Which Are Included Knox's Confession and The Book of Discipline. [S.l.: s.n.] 
  58. Cranmer, Thomas; Duffield, G. E (1964). The work of Thomas Cranmer. (em inglês). 1. Appleford, Eng.: Sutton Courtenay Press. pp. 6–7. OCLC 1252637 
  59. Wesley, John. Kelley, Sulu; Brown, Bill, eds. John Wesley's Notes on the Bible. [S.l.: s.n.] Parágrafo 3 
  60. FROOM, Le Roy Edwin (1946). The Prophetic Faith of Our Fathers (PDF). III. Washington, D.C.: Review and Herald. p. 52 
  61. [Igreja Episcopal][1] Arquivado em 19 de fevereiro de 2010, no Wayback Machine.
  62. «Confissão de Fé de Westminster (1647)». www.luz.eti.br. Consultado em 8 de maio de 2021 
  63. «A Confissão de Fé Batista de Londres de 1689». www.monergismo.com. Consultado em 8 de maio de 2021 
  64. Bernard de Clairvaux; Leclercq, Jean; Rochais, Henri (1972). Sermones, III (em latim). Romae: Ed. Cistercienses. 199. OCLC 489897664 
  65. FROOM, LeRoy Edwin (1948). The Prophetic Faith of Our Fathers. 2. Washington, D. C: 1948. p. 334 
  66. Tyndale, William (2008). The Parable of the Wicked Mammon. [S.l.]: Benediction Classics, Oxford. pp. 4–5. ASIN B002IT7JRS 
  67. Ruth Magnusson Davis (fevereiro de 2021). William Tyndale’s Doctrine of Antichrist (PDF) (em inglês). [S.l.]: New Matthew Bible Project. Consultado em 6 de maio de 2021 
  68. Building unity : ecumenical dialogues with Roman Catholic participation in the United States. Joseph A. Burgess, Jeffrey Gros. New York: Paulist Press. 1989. OCLC 18988117 
  69. «Papal Audience». The New York Times. 16 de outubro de 1988 
  70. Ian Paisley Heckles the Pope (1988)
  71. «Doctrinal Statements: Antichrist». Wisconsin Evangelical Lutheran Synod. 2018. Consultado em 17 de agosto de 2018. We reject the idea that the teaching that the Papacy is the Antichrist rests on a merely human interpretation of history or is an open question. We hold rather that this teaching rests on the revelation of God in Scripture which finds its fulfillment in history. The Holy Spirit reveals this fulfillment to the eyes of faith (cf. The Abiding Word, Vol. 2, p. 764). Since Scripture teaches that the Antichrist would be revealed and gives the marks by which the Antichrist is to be recognized (2 Thessalonians 2:6-8:ESV), and since this prophecy has been clearly fulfilled in the history and development of the Roman Papacy, it is the Scripture which reveals that the Papacy is the Antichrist. 
  72. «Doctrinal Statements: Antichrist». Wisconsin Evangelical Lutheran Synod (em inglês). 2018. Consultado em 17 de agosto de 2018. We reject the idea that the teaching that the Papacy is the Antichrist rests on a merely human interpretation of history or is an open question. We hold rather that this teaching rests on the revelation of God in Scripture which finds its fulfillment in history. The Holy Spirit reveals this fulfillment to the eyes of faith (cf. The Abiding Word, Vol. 2, p. 764). Since Scripture teaches that the Antichrist would be revealed and gives the marks by which the Antichrist is to be recognized (2 Thessalonians 2:6-8:ESV), and since this prophecy has been clearly fulfilled in the history and development of the Roman Papacy, it is the Scripture which reveals that the Papacy is the Antichrist. 
  73. Nolting, Paul F., The Antichrist (part 1) Arquivado em 22 de maio de 2013 no Wayback Machine.
  74. A Brief Statement of our Doctrinal Position, 1932
  75. Bacchiocchi, Samuele. «Islam and The Papacy in Prophecy». Endtime Issues (86). Berrien Springs, MI: Biblical perspectives. Cópia arquivada em 22 de agosto de 2013 .
  76. Paulien, Jon; Bacchiocchi, Samuele (17 de outubro de 2002), «September 11 and God's Mysterious Mercy», Berrien Springs, MI: Biblical perspectives, End Time Issues (90) .
  77. «Reformed», Eschatology, Mountain Retreat .
  78. «Antichrist Today», Present Truth, XVII (2) .
  79. Alcazar, Luis de; Keerberghen, Jan van; Aertens, Henri; Wolschaten, Geeraerd; Jauregui, Juan; de Colegio de San Ignacio (Valladolid) (1614). Reu. Patris Ludouici ab Alcasar ... Vestigatio arcani sensus in Apocalypsi: cum opusculo de sacris ponderibus ac mensuris. (em latim). Antuerpiae: Apud Ioannem Keerbergium. OCLC 639106431 
  80. PapalEncyclicals: Lateran Council V, Session 11 They are in no way to presume to preach or declare a fixed time for future evils, the coming of antichrist or the precise day of judgment; for Truth says, it is not for us to know times or seasons which the Father has fixed by his own authority. Let it be known that those who have hitherto dared to declare such things are liars, and that because of them not a little authority has been taken away from those who preach the truth .
  81. «Catechism of the Catholic Church - The Church in God's Plan». Cópia arquivada em 27 de abril de 2021 
  82. a b c d «Catechism of the Catholic Church». Cópia arquivada em 27 de abril de 2021 
  83. Jewish Encyclopedia: Sin
  84. «Quartus Supra». Papal Encyclicals (em inglês). 6 de janeiro de 1873. Consultado em 8 de maio de 2021 
  85. Vatican.Va: Pius X encyclical Supremi, 5
  86. Vatican.Va: John Paul II, August 18, 1985 Address
  87. Vatican.Va: Benedict XVI, Angelus March 11, 2012
  88. Vatican.Va: Benedict XVI, General Audience of March 11, 2012
  89. «Francisco: uma fé sem obras não é fé…». Pai Eterno – Uma Família de Amor. 21 de fevereiro de 2014. Consultado em 7 de maio de 2021 
  90. Vatican.Va: Francis' morning meditation, 9-19-14
  91. «O critério (7 de janeiro de 2016) | Francisco». www.vatican.va. Consultado em 7 de maio de 2021 
  92. «Carta de amor (11 de novembro de 2016) | Francisco». www.vatican.va. Consultado em 7 de maio de 2021 
  93. Sheen, Fulton J. (1951). Communism and the Conscience of the West. [S.l.]: Country Life Press. Consultado em 24 de outubro de 2015 
  94. Pronechen, Joseph (10 de fevereiro de 2019). «Fulton Sheen's Clear Warning About the Anti-Christ». National Catholic Register. Irondale, Alabama: EWTN. Consultado em 7 de outubro de 2019 
  95. «Smartphones are paving way for the Antichrist, says head of Russian church». The Telegraph (em inglês) 
  96. «Peter I, czar of Russia». The Columbia Encyclopedia. New York City: Columbia University. 1935. Cópia arquivada em 12 de fevereiro de 2008 
  97. a b Cabinet 2001.
  98. LDS, Church of Jesus Christ of Latter-day Saints. «Bible Dictionary: Antichrist». Intellectual Reserve, Inc 
  99. Levillain, Philippe (2002). The Papacy: An Encyclopedia. 2. [S.l.]: Psychology Press. ISBN 9780415922302. Consultado em 17 de julho de 2015. [Pope John II] received from Justinian a letter dated June 6, 533 [...]. In his letter, Justinian proclaimed that the Holy See is the leader of all the holy churches and confirmed the need for all churches to join together with Rome [...]. 
  100. http://adventist.org.uk/__data/assets/text_file/0011/10910/1260days.txt
  101. White 1911, p. 266.
  102. «Articles - White Horse Media». White Horse Media 
  103. White 1911, p. 581.
  104. «The 1260 Days in the Book of Revelation». Biblical Research Institute (em inglês). Consultado em 8 de maio de 2021 
  105. Hall, Ian (2006). The International Thought of Martin Wight (em inglês). Londres, England: Palgrave Macmillan. ISBN 978-1403969279 
  106. Schink, W.F. (1991). «The Scriptural Doctrine of the Antichrist». In: Lange; Albrecht. Our Great Heritage: Vol. 3. Milwaukee, Wisconsin: Northwestern Publishing House. ISBN 978-0810003798 
  107. a b Net Bible: Man of sin Arquivado em 7 de julho de 2009 no Wayback Machine.
  108. Schaff, Philip. Nicene and Post-Nicene Fathers: Series I/Volume XIII/On Philippians, Colossians, and Thessalonians. [S.l.: s.n.] 
  109. Scofield, C. I. (1917). «Book Introduction - Revelation». Scofield Reference Bible. [S.l.: s.n.] 
  110. Bell, Rob; Golden, Don (2012), Jesus wants to save Christians : learning to read a dangerous book, ISBN 978-0-06-222603-7 (em inglês), Harper Audio, OCLC 809778949, consultado em 8 de maio de 2021 
  111. Lorein, Geert Wouter (2003). The Antichrist theme in the intertestamental period (em inglês). Londres: T & T Clark International. p. 31. OCLC 54783072. Deuteronomy 13:1–6.... The functional equation of the religious aspect of the Beast, of the False Prophet and of the Antichrist in the book of Revelation is already being prepared here. There are also remarkable links with the Antichrist passage in the First Epistle of John.172 b 
  112. Jewish Encyclopedia: Armilus:
  113. a b Cook, David (2002). Studies in Muslim apocalyptic (em inglês). Princeton, N.J.: Darwin Press. pp. 99–104. OCLC 50143403 
  114. «Sahih Muslim Book 041, Hadith Number 7034. - Hadith Collection». hadithcollection.com. Consultado em 14 de março de 2021 
  115. Glassé, Cyril; Smith, Huston (2003). The New Encyclopedia of Islam. [S.l.]: Altamira Press. ISBN 0-7591-0190-6 
  116. Valentine, Simon (2008). Islam and the Ahmadiyya jamaʻat: history, belief, practice. [S.l.]: Columbia University Press. ISBN 978-0-231-70094-8 
  117. Muhammad Ali. (1992) The Antichrist and Gog and Magog, Ohio: Ahmadiyya Anjuman-i Ishāʿat-i Islām
  118. Valentine, Simon (2008). Islam and the Ahmadiyya jamaʻat: history, belief, practice. [S.l.]: Columbia University Press. pp. 148–9. ISBN 978-0-231-70094-8 
  119. Brown, Judith; Louis, Wm Roger (21 de outubro de 1999). The Oxford History of the British Empire: Volume IV: The Twentieth Century (em inglês). [S.l.]: OUP Oxford. p. 411. At their most extreme religious strategies for dealing with the Christian presence might involve attacking Christian revelation at its heart, as did the Punjabi Muslim, Ghulam Ahmad (d. 1908), who founded the Ahmadiyya missionary sect. He claimed that he was the messiah of the Jewish and Muslim tradition; the figure known as Jesus of Nazareth had not died on the cross but survived to die in Kashmir. 
  120. Friedmann, Yohanan (2003). Prophecy Continuous: Aspects of Ahmadī Religious Thought and Its Medieval Background (em inglês). [S.l.]: Oxford University Press. p. 114. He [Ghulam Ahmad] realized the centrality of the crucifixion and of the doctrine of vicarious atonement in the Christian dogma, and understood that his attack on these two was an attack on the innermost core of Christianity 
  121. GhaneaBassiri, Kambiz (19 de abril de 2010). A History of Islam in America: From the New World to the New World Order (em inglês). [S.l.]: Cambridge University Press. p. 207. Ghulam Ahmad denied the historicity of Jesus' crucifixion and claimed that Jesus had fled to India where he died a natural death in Kashmir. In this way, he sought to neutralize Christian soteriologies of Christ and to demonstrate the superior rationality of Islam. 
  122. Valentine, Simon (2008). Islam and the Ahmadiyya jamaʻat: history, belief, practice (em inglês). [S.l.]: Columbia University Press. ISBN 978-0-231-70094-8. Proclaiming himself as reformer of Islam, and wanting to undermine the validity of Christianity, Ahmad went for the theological jugular, the foundational teachings of the Christian faith. 'The death of Jesus Christ' explained one of Ahmad's biographers ‘was to be the death-knell of the Christian onslaught against Islam'. As Ahmad argued, the idea of Jesus dying in old age, rather than death on a cross, as taught by the gospel writers, 'invalidates the divinity of Jesus and the doctrine of Atonement'. 
  123. 'Abdu'l-Baha, Abbas Effendi. «Some Answered Questions». Consultado em 20 de abril de 2017 
  124. Rev. Joseph Dwight (10 de novembro de 2013). «The Masonic Plan For The Destruction Of The Catholic Church». Consultado em 29 de setembro de 2020 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]