Arrebatamento pré-ira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Escatologia cristã
Diferenças escatológicas
Apocalypse vasnetsov.jpg
Portal do cristianismo

O arrebatamento pré-ira (ou simplesmente pré-ira) é um dos vários pontos de vista pré-milenistas sobre os acontecimentos do fim dos tempos entre os cristãos (principalmente evangélicos). Este ponto teológico afirma que os cristãos serão arrebatados algum tempo antes das 7 taças da Ira de Deus.

Esta visão (assim como o pré-tribulacionismo, média-tribulação e pós-tribulacionismo cai sob o grande guarda-chuva do pré-milenismo) foi formalmente nomeada e divulgada por Marvin Rosenthal em seu livro "A Ira do Pré-Arrebatamento da Igreja", publicado pela editora Thomas Nelson, em 1990.[1]

Visão teológica[editar | editar código-fonte]

Quadro O Juízo Final, de Jean Cousin.

A posição pré-ira enfatiza a distinção bíblica entre tribulação (o que têm sido prometido aos cristãos) e da ira de Deus (que têm sido prometida libertação, salvação). Segundo a perspectiva pré-ira, a grande tribulação começa três anos e meio anos após o Anticristo fazer um pacto com os muitos (Daniel 9:27), no meio das setenta semanas de Daniel. "Setenta semanas" é uma referência a Daniel 9:24, onde cada dia da semana corresponde a um ano (para um total de sete). Após os primeiros três anos e meio, o Anticristo irá tornar-se conhecido com "a Abominação" que causa desolação e reinará durante três anos e meio anos (42 meses ou 1260 dias). Os outros três anos e meio são dominados pelo Anticristo, enganando o mundo e perseguindo a igreja.

Embora o momento exato do arrebatamento não seja conhecido, um dos pontos chave para a exibição pré-ira é que o arrebatamento vem ao soar da sétima e última trombeta. A aflição do povo de Deus será então cortada (de acordo com Jesus em Mateus 24, Marcos 13) com a segunda vinda de Cristo e do arrebatamento, e aqueles que são deixados para trás na Terra vão enfrentar as taças da ira de Deus (Apocalipse 16:1), daí o termo pré-ira.[2][3] A ira de Deus contra os ímpios segue para o restante dos sete anos, no que é conhecido como o Dia do Senhor.[1]

Grande parte da opinião pré-ira é baseada em uma interpretação linear, cronológica da conta de Jesus sobre o fim dos tempos, em Mateus 24. Em contraste com a visão pré-tribulacionista tradicional, por exemplo, a lua girando o vermelho do sangue ocorre apenas uma vez de acordo com a perspectiva pré-ira. Acontecimentos posteriores ao arrebatamento são baseados em valor de face, as interpretações dos livros de Apocalipse e Daniel.

Questões[editar | editar código-fonte]

A visão pré-ira difere muito no que diz respeito a:

  • a cronologia dos selos, trombetas e taças (tanto seqüencial quanto cronológica);
  • o calendário e a natureza do reino de Cristo;
  • o destino de Israel, durante e depois da tribulação.

Contudo, tais diferenças de como eventos específicos dentro da Profecia das 70 semanas ainda estão no âmbito da linha do tempo pré-ira.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Rosenthal, Marv: "The Pre-Wrath Rapture of the Church: Is It Biblical?", Regular Baptist Press (1991)
  2. Showers, Renald E: "The Pre-Wrath Rapture View", Kregel Academic & Professional (2001)
  3. Benware, Paul: "Understanding End Times Prophecy: A Comprehensive Approach", Moody Publishers (2001)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Teologia ou sobre um teólogo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.