Mulher do Apocalipse

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ilustração em Hortus deliciarum (cerca de 1180 d.C.)

A Mulher do Apocalipse, é uma personagem bíblica, que aparece no capítulo 12 do Livro do Apocalipse. Ela é descrita no verso um "que está vestida do sol, com a lua debaixo de seus pés, e uma coroa de doze estrelas sobre a cabeça".[1][2]

A mulher dá à luz uma criança do sexo masculino que é ameaçada por um dragão, identificado como o Diabo e Satanás, que pretende devorar o filho assim que ele nasce. Quando a criança é levada para o céu, a mulher foge para o deserto levando a uma "Guerra no Céu", na qual os anjos expelem o dragão. O dragão ataca a mulher, a quem são dadas asas para escapar, e depois a ataca novamente com uma enxurrada de água de sua boca, que é subseqüentemente engolida pela terra. Frustrado, o dragão inicia a guerra contra "o remanescente de sua semente", identificado como os justos seguidores de Cristo.

Segundo a tradição Católica, esta mulher é identificada como a Santíssima Virgem Mãe de Deus e, assim sendo, a nova Arca da Aliança: "Apocalipse 11,19 - Abriu-se o templo de Deus no céu e apareceu, no seu templo, a arca do seu testamento. Houve relâmpagos, vozes, trovões, terremotos e forte saraiva."

Narrativa[editar | editar código-fonte]

O texto descreve "uma mulher vestida de sol e a lua sob seus pés e sobre sua cabeça uma coroa de doze estrelas" (12: 1). A mulher está grávida e prestes a dar à luz, "sofrendo no parto e sofrendo para ser libertada" (12: 2).

Então há "um grande dragão vermelho, tendo sete cabeças e dez chifres, e sete coroas sobre suas cabeças" (12: 3) que está prestes a "devorar seu filho assim que nasceu" (12: 4). Mas seu filho é "arrebatado para Deus" (12: 5), e a própria mulher "foge para o deserto, onde tem um lugar preparado por Deus, para alimentá-la ali por mil duzentos e sessenta dias." (12: 6)

Então há uma descrição de "Guerra no Céu" dos anjos contra o dragão, e "o grande dragão foi expulso, aquela antiga serpente, chamada Diabo, e Satanás, que engana o mundo inteiro: ele foi lançado fora no terra e seus anjos foram expulsos com ele ". (12: 9)

A mulher é novamente mencionada em 12:13, quando ela é perseguida pelo dragão, e "duas asas de uma grande águia" são dadas a ela para escapar (12:14). O dragão a ataca por "água como uma inundação" emergindo de sua boca (12:15), mas a inundação é engolida pela terra (12:16), então o dragão foi "fazer guerra com o remanescente de sua semente que guardam os mandamentos de Deus e têm o testemunho de Jesus Cristo "(12:17).

Interpretação católica[editar | editar código-fonte]

"No fim meu Imaculado Coração triunfará"; revelação de Maria em Fátima aos 3 pastorinhos, que faz alusão a vitória de Maria sobre o mal.

História[editar | editar código-fonte]

Antigas testemunhas da interpretação mariana incluem São Epifânio, Tychonius (que influenciou fortemente Santo Agostinho), o autor desconhecido da História de José, o Carpinteiro, Quodvultdeus (um discípulo de Santo Agostinho), Cassiodorus (Complexiones in Apocalypsi, escrito c. 570 dC), e os Padres gregos Andreas de Cesaréia (final 6 c / início 7 c) e Oikoumenios (6 c.) [3].

Interpretação teológica[editar | editar código-fonte]

O "filho varão" da mulher é uma referência a Jesus (Apocalipse 12: 5), visto que ele está destinado a "governar todas as nações com uma vara de ferro" (Apocalipse 12: 5). O dragão tentando devorar o filho da mulher no momento de seu nascimento (Apocalipse 12: 4) é uma referência à tentativa de Herodes, o Grande, de matar o menino Jesus (Mateus 2:16). Através de sua morte e ressurreição e ascensão, Jesus "foi arrebatado a Deus e ao seu trono" (Apocalipse 12: 5).

Na interpretação de Pio X (1904), o nascimento não é de Jesus, mas "certamente nosso" (isto é, a Igreja Militante) "nós que, estando ainda detidos no exílio, ainda devemos ser trazidos para o perfeito amor de Deus". Deus e felicidade eterna ". Pio XII (1950) explicita a referência à Assunção de Maria. E João Paulo II (1987) à interpretação Protoevangélio de Gênesis 3:15 e, por extensão, a identificação simbólica da Mulher com Maria e Eva.

Veneração[editar | editar código-fonte]

Tanto a veneração mariana quanto a interpretação da Mulher do Apocalipse são registradas desde pelo menos o século IV, mas a veneração específica de Maria nessa forma só se torna tangível no período medieval. Iconograficamente, as figuras marianas associadas à narrativa das Revelações são reconhecíveis pelos atributos astronômicos, especificamente por sua posição em uma lua crescente e a coroa de doze estrelas (enquanto a descrição "vestida com o sol" é algumas vezes reproduzida pelos raios que emanam de sua figura).

Associação de Maria com uma única estrela é registrada desde o início do período medieval, no hino Ave Maris Stella.

Uma anedota (publicada pela primeira vez na década de 1980) liga o desenho da Bandeira da Europa (1955) a esse aspecto da iconografia mariana.

Interpretação protestante[editar | editar código-fonte]

Um dos primeiros testemunhos da interpretação da mulher como a igreja é Hipólito de Roma, que afirma que a interpretação em Cristo e no Anticristo.

Os comentaristas que aderem à Teologia Reformada em sua escatologia às vezes identificam a mulher como a Igreja, e o filho varão que ela dá à luz são os santos [4]. De acordo com essa interpretação, Apocalipse 12:17 descreve o remanescente da semente da mulher como aqueles que guardam os mandamentos de Deus e têm o testemunho de Jesus Cristo. A descendência da mulher, a semente da mulher, então se refere aos santos. O filho varão "que governará as nações com uma vara de ferro" é um símbolo dos membros fiéis da Igreja.

A Igreja Adventista do Sétimo Dia tem tradicionalmente se identificado como a " igreja remanescente " do fim do tempo descrita em Apocalipse 12:17.

A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias também interpreta a mulher como sendo a Igreja, e o filho varão como o reino político que surgirá da Igreja antes ou durante a Segunda Vinda de Cristo; essa interpretação surge da tradução de Joseph Smith do décimo segundo capítulo do Apocalipse. Alguns na igreja interpretam a mulher para ser um símbolo da terra.

Referências

  1. Halley, Henry H. Halley's Bible Handbook: an abbreviated Bible commentary. 23rd edition. Zondervan Publishing House. 1962.
  2. Holman Illustrated Bible Handbook. Holman Bible Publishers, Nashville, Tennessee. 2012.
  3. «Epiphanius Salaminis Episcopus - Homilia in laudes Mariae deiparae [0320-0403] Full Text at Documenta Catholica Omnia» (PDF). www.documentacatholicaomnia.eu. Consultado em 10 de julho de 2019 
  4. www.biblicist.org http://www.biblicist.org/bible/woman.shtml. Consultado em 10 de julho de 2019  Em falta ou vazio |título= (ajuda)

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]