Apocalipse 13

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
A "besta do mar" com suas sete cabeças.
Iluminura da Bíblia de Bamberg (c. 1000).

Apocalipse 13 é o décimo-terceiro capítulo do Livro do Apocalipse (também chamado de "Apocalipse de João") no Novo Testamento da Bíblia cristã.[1][2] O livro todo é tradicionalmente atribuído a João de Patmos, uma figura geralmente identificada como sendo o apóstolo João.[3]

Neste capítulo aparece a Besta do Apocalipse e sua famosa marca, o número 666.

Texto[editar | editar código-fonte]

O texto original está escrito em grego koiné e contém 18 versículos. Alguns dos mais antigos manuscritos contendo porções deste capítulo são:

Estrutura[editar | editar código-fonte]

Este capítulo pode ser dividido em duas seções distintas:

  • "A Besta do Mar" (versículos 1-10)
  • "A Besta da Terra" (versículos 11-18)

Conteúdo[editar | editar código-fonte]

Este capítulo apresenta duas "bestas", uma saída do mar e outra da terra, que vieram para atormentar a humanidade. Segundo João, a besta do mar "tinha dez chifres e sete cabeças, e sobre os seus chifres dez diademas, e sobre as suas cabeças nomes de blasfêmia .... era semelhante a um leopardo, os seus pés eram como os de urso e a sua boca como a boca de leão". Seu poder foi dado pelo dragão, que apareceu em Apocalipse 12, e todos a adoraram. Durante 42 meses[nota 1] a besta blasfemou e guerreou contra os santos, vencendo-os. João termina sua descrição da besta do mar com um alerta:

«Se alguém é para o cativeiro, para o cativeiro vai: se alguém matar à espada, é necessário que seja morto à espada. Aqui está a perseverança e a fé dos santos.» (Apocalipse 13:10)

A besta da terra, segundo João, "tinha dois chifres semelhantes aos de um cordeiro, e que falava como dragão." Ela estava subordinada à primeira besta e exercitava seu poder na terra através de milagres e convencendo os homens a construírem imagens para adorá-la. Esta imagem falava e tinha o poder de matar todos os que não a adorassem. Num trecho bastante famoso do Apocalipse, esta besta "fez que lhes fosse dada uma marca na mão direita ou na testa, a fim de que ninguém pudesse comprar ou vender senão o que tivesse a marca, o nome da besta ou o número do seu nome":

«Aqui está a sabedoria. Aquele que tem inteligência, calcule o número da besta; porque é o número de homem. O seu número é seiscentos e sessenta e seis (Apocalipse 13:18)

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. Equivalente a 1 260 dias, um período de tempo idêntico ao já citado em Apocalipse 11 no contexto das Duas testemunhas, e em Apocalipse 12, no da Mulher do Apocalipse.

Referências

  1. Halley, Henry H. Halley's Bible Handbook: an abbreviated Bible commentary. 23rd edition. Zondervan Publishing House. 1962.
  2. Holman Illustrated Bible Handbook. Holman Bible Publishers, Nashville, Tennessee. 2012.
  3. Evans, Craig A (2005). Craig A Evans, ed. Bible Knowledge Background Commentary: John, Hebrews-Revelation. Colorado Springs, Colo.: Victor. ISBN 0781442281 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]