Bandeira europeia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Bandeira europeia
Bandeira europeia
Aplicação
FIAV 111011.svgFIAV normal.svg
Proporção 2:3
Adoção 8 de Dezembro de 1955 (CdE)
26 de Maio de 1986 (UE)
Criador Arsène Heitz e Paul Michel Gabriel Lévy
Cores
  Azul
Ouro
Tipo Bandeira nacional e insígnia estatal e naval
Elementos 12 estrelas douradas de 5 pontas dispostas em circulo sobre fundo azul

A bandeira europeia consiste num círculo com doze estrelas douradas num fundo azul. Apesar de a bandeira estar normalmente associada à União Europeia (UE), foi inicialmente usada pelo Conselho da Europa, e pensada para representar a Europa como um todo.[1]

História[editar | editar código-fonte]

Concurso[editar | editar código-fonte]

A eleição da bandeira ocorreu mediante um concurso promovido em 1950 pelo Conselho da Europa com a intenção de utilizar-la como veículo de integração e promoção de uma unidade europeia.[2][3][4]

O autor, Arsene Heitz, católico, francês natural de Estrasburgo, inspirou-se na coroa de estrelas citada no texto bíblico de Ap 12,1[5] em que os católicos costumam ler nas festas dedicada à Maria. A Mãe de Jesus é tradicionalmente ornada pela iconografia cristã com a coroa de doze estrelas.[6][7][8][9]

Oficialização[editar | editar código-fonte]

A sua adoção oficial pelo Conselho da Europa realizou-se a 8 de Dezembro de 1955, dia que coincide com a solenidade da Imaculada Conceição na liturgia católica. Apesar da rejeição formal de referências bíblicas, a 21 de outubro 1956, o Conselho da Europa presenteou a cidade de Estrasburgo, a sua sede oficial, com um vitral para Catedral de Estrasburgo pelo mestre parisiense Max Ingrand. Ele mostra uma Virgem Imaculada coroada de um círculo de 12 estrelas sobre fundo azul escuro.[1]

A Comunidade Europeia (CE) adoptou-a a 26 de Maio de 1986. A UE, que se estabeleceu pelo Tratado de Maastricht na década de 1990 e que veio a substituir a CE e as suas funções, também escolheu esta bandeira. Desde então, o uso da bandeira tem sido conjuntamente controlado quer pelo Conselho da Europa quer pela União Europeia.[10]

A bandeira aparece na face de todas as notas de euro e as estrelas em todas as moedas de euro.[11]

Adoção pelo Conselho da Europa[editar | editar código-fonte]

O Conselho da Europa foi a primeira instituição a adotar a bandeira europeia.

A 25 de outubro, a Assembleia parlamentar escolhe por unanimidade um emblema de azul com uma coro de doze estrelas de ouro. O Comité dos Ministros do Conselho da Europa adota definitivamente esta proposição durante a reunião a 9 de dezembro de 1955 enquanto que o texto com a adoção é assinada a 8 de dezembro de 1955.[12]

O ministro irlandês dos Negocios Estrangeiros, Liam Cosgrave, então presidente do Comité dos ministros, inaugura solenemente a bandeira do Castelo de la Muette, em Passy, perante os outros quatorze outros ministros, a 13 de dezembro do mesmo ano.[13]

Adoção pelas instituições das Comunidades Europeias[editar | editar código-fonte]

Bandeiras europeias na Comissão Europeia em Bruxelas.

O Conselho da Europa convida em seguida as outras instituições europeias a adotar a mesma bandeira.

Bandeira do Parlamento Europeu até 1983.

Em 1989, o Parlamento europeu, eleito em sufrágio universal direto em 1979, optou por este emblema por si mesmo numa resolução não restringido e propõem que se torne bandeira da Comunidade. Deve dizer-se que o Parlamento estava sentado, para as suas sessões ordinárias, num prédio alugado no Conselho da Europa em Estrasburgo que exibia essa mesma bandeira. Finalmente em junho de 1985, a bandeira do Conselho da Europa é adotado por todos os chefes de Estado e o governo das Comunidades, como emblema oficial das instituições europeias que nesta época tinha como nome de Comunidades europeias, para entrar em vigor a 1 de janeiro de 1986, data onde a Comunidade europeia comportava doze Estados-membros, com a entrada de Espanha e de Portugal. Desde o início do ano 1986, a bandeira serve de símbolo a todas as instituições europeias. Isto é cada vez mais utilizado pelos Estados-membros, adjacente ou associado às bandeiras nacionais (edifícios públicos, paradas). A bandeira europeia é o emblema único da Comissão europeia, o executivo da União Europeia☂[14].

Conselho da Europa: uma bandeira e um logótipo distintos[editar | editar código-fonte]

Bandeira do Conselho da Europa desde 2009. Emblema próprio baseado na bandeira europeia.

Desde então, o Conselho da Europa adotou como logótipo e bandeira europeia modificada pela adjacente de um "e" prateado, em cursiva, para marcar a sua particularidade. Ao contrario da bandeira e do huno, que tornaram-se símbolos da União Europeia, este logo é um sinal distinto, próprio do Conselho da Europa.[15]

A organização dotou-se deste logótipo na ocasião do seu 50° aniversario, em maio de 1999. A sua presença foi aprovada por uma resolução do Comité de Ministros em 2000. A sua utilização está sujeita a autorização.[1]

Comunidades Europeias[editar | editar código-fonte]

Após a Expo 58 em Bruxelas, a bandeira europeia se impôs e o Conselho da Europa fez pressão para que outras organizações europeias adotem a bandeira em sinal de unidade europeia. O Parlamento europeu tomou a iniciativa de pedir a adoção de uma bandeira para as Comunidades europeias. Pouco tempo depois das eleições diretas de 1979, um projeto de resolução foi apresentado sobre a questão. A resolução propunha que a bandeira da Comunidades seja a mesma que o Conselho da Europa e é adotada pelo Parlamento a 11 de abril de 1983.

O pico do Conselho Europeu de junho de 1984 em Fontainebleau sublinhou a importância de promover uma imagem e uma identidade europeias perto dos cidadãos e do mundo. No ano seguinte, durante a reunião em Milão, o Conselho Europeu de 28 e 29 de junho, aprova uma proposta da Comissão da Europa dos cidadãos (Comité Adonnino) a favor da bandeira e adota-a. Depois da autorização do Conselho da Europa, as Comunidades começaram a utilizar a partir de 1986, levantando pela primeira vez à frente do edifício Berlaymont (sede da Comissão Europeia) a 29 de maio de 1986.[1]

1958–1972
1973–1980
1981–1985
1986–2002
FIAV historical.svg As seguintes bandeiras já não existem e faziam parte da Comunidade Europeia do Carvão e do Aço

O projeto da Constituição Europeia[editar | editar código-fonte]

Em 2004, a União Europeia se baseava nos tratados constitutivos (Tratado de Paris, enquanto que existiu a Comunidade Europeia do Carvão e do Aço, e os Tratados de Roma) e os tratados e atas que os modificam (Bruxelas, Ato Único Europeu, Masstricht, Amsterdão, Nice e os sucessivos Tratados de Adesão) que estableciam as suas normas de funcionamento e atuação.

Nesse ano, foi proposto um novo documento, a Constituição Europeia, o Tratado constitucional, cujo objetivo seria substituir os ditos tratados e seria similar à Constituição de um país. O texto incorpora o Artigo I-8, sobre os símbolos da União[16]:

O tratado foi submetido a um referendo obtendo resultados distintos, enquanto em Espanha os eleitores aprovaram com uma baixa participação (44%), em França e Holanda houve uma alta participação (69 e 63%, respetivamente) sendo assim rejeitado,[17] provocando uma crise institucional europeia bloqueando assim o projeto, que finalmente seria retomado três anos mais tarde com diversas alterações na forma de um tratado.[18]

Símbolos do Tratado de Lisboa[editar | editar código-fonte]

Declaração n°52 dos Estados-membros

A Bélgica, a Bulgária, a Alemanha, a Grécia, a Espanha, a Itália, Chipre, a Lituânia, o Luxemburgo, a Hungria, Malta, a Áustria, Portugal, a Roménia, a Eslovénia e a Eslováquia declaram que a bandeira constituída por um círculo de doze estrelas douradas sobre fundo azul, o hino extraído do «Hino à Alegria» da Nona Sinfonia de Ludwig van Beethoven, o lema «Unida na diversidade», o euro enquanto moeda da União Europeia e o Dia da Europa em 9 de maio continuarão a ser, para eles, os símbolos do vínculo comum dos cidadãos à União Europeia e dos laços que os ligam a esta.

Ata Final. Conferência dos representantes dos governos dos Estados-membros, 3 de dezembro de 2007.[19]

Em 2007, o Tratado de Lisboa não continha nenhum artigo dedicado aos símbolos da União Europeia. O tratado manteve grande parte do conteúdo do tratado de 2004, mas omitiu os artigos que definiram os símbolos da Europa.[20]

Após a sua aprovação, portanto; A bandeira, bem como o lema, o hino ou o dia da Europa, não são juridicamente vinculativos para os países membros da União Europeia. Apesar disso, dezesseis estados declararam a sua fidelidade a esses símbolos no novo tratado numa declaração anexa, comprometendo-se à sua utilização em eventos públicos.[21][22]

Por sua vez, e em resposta à omissão dos símbolos no texto principal do tratado, o Parlamento Europeu tomou a iniciativa, utilizando-os em primeiro lugar, modificando os seus regulamentos internos para usar os símbolos com mais frequência. No caso do lema, seria impresso em todos os documentos do Parlamento.[23][24]

Cronologia da bandeira[editar | editar código-fonte]

Mapa dos 16 Estados-Membros da UE que assinaram uma declaração adicional ao Tratado de Lisboa que apoia o uso de símbolos europeus:
 Alemanha
 Bélgica
 Bulgária
 Grécia
Flag of Spain.svg Espanha
 Itália
 Chipre
 Lituânia
 Luxemburgo
 Hungria
 Malta
 Áustria
 Portugal
Roménia
 Eslovênia
 Eslováquia
 França (2017)
Ano Evento
1949 Criação do Conselho da Europa na sequência da Segunda Guerra Mundial.
1950 Declaração Schuman que causa o nascimento da CECA.
1955 O Conselho da Europa adota a bandeira europeia como símbolo da unidade europeia.
1957 Criação da Comunidade Económica Europeia (CEE) através do Tratado de Roma: Alemanha, Bélgica, França, Itália, Luxemburgo e Países Baixos: "os Seis"
1967 Fusão das instituições da CEE, Euratom (1957) e da Comunidade Europeia do Carvão e do Aço (1951) para formar as Comunidades Europeias (CE).
1973 O Reino Unido junta-se à CE, com a Irlanda e a Dinamarca, enquanto a Noruega decide não se juntar depois de um referendo negativo. 1º alargamento, os Seis tornam-se "os Nove".
1981 A Grécia junta-se aos Nove, criando "os Dez"
1986 Formação dos "Doze" com a entrada de Portugal e Espanha

Por convite do Conselho da Europa, as Comunidades Europeias adotaram a bandeira da Europa.

1992 Tratado de Maastricht
1993 Ratificação do Tratado de Maastricht
1995 A Áustria, Finlândia e Suécia juntam-se aos Doze, criando "os Quinze" (a Noruega escolhe, pela segunda vez, não se juntar)
2004 Em 1 de maio, a adesão de Chipre, Estónia, Hungria, Letónia, Lituânia, Malta, Polónia, Eslováquia, Eslovénia e República Checa tornando-se "os Vinte e cinco "- em 29 de outubro, o tratado que estabelece uma constituição para a Europa define a bandeira da União como um dos cinco símbolos da União.
2007 A menção da bandeira europeia é retirada do texto do Tratado de Lisboa que substitui o Tratado Constitucional. Mas no ato final do tratado (Declaração nº 52), 16 dos 28 estados membros afirmam seu apego aos símbolos da União.
2017 A França junta-se aos 16 Estados que se comprometeram com a Declaração No. 52, tornando-se o último Estado fundador a reconhecer a bandeira e os outros símbolos da União Europeia, a nível nacional.

Significação vexilológica[editar | editar código-fonte]

O número de estrelas na bandeira está fixado em doze e não está relacionado com o número de estados membros da UE. Em 1953, o Conselho da Europa tinha 15 membros; foi proposto que uma bandeira futura tivesse uma estrela para cada membro, e que não se alteraria com a entrada de futuros membros. A Alemanha Ocidental discordou já que um dos membros era a área disputada de Saarland e que ter a sua própria estrela implicaria ser uma região soberana. Nesta mesma base, a França também discordou que fossem 14 estrelas já que isso implicaria a absorção de Saarland na Alemanha. Treze está tradicionalmente relacionado com o azar em várias culturas europeias, e com o facto de as primeiras bandeiras dos Estados Unidos da América terem esse número de estrelas. Doze foi o número escolhido, já que não tinha conotações políticas e era um símbolo de perfeição e de algo completo.[25]

Utilização[editar | editar código-fonte]

União Europeia[editar | editar código-fonte]

Todas as cédulas de euro mostram uma bandeira europeia na sua esquina superior esquerda.
As estrelas da Bandeira Europeia são destaque numa faixa azul na maioria das placas de identificação de veículos na União Europeia

O Conselho da Europa, numa página da Internet arquivada em 2002, expressou a sua satisfação com a "crescente conscientização da bandeira europeia e do emblema entre os cidadãos europeus", declarando que com a adoção da bandeira pela União Europeia, tanto a Comissão Europeia como o Conselho da Europa são responsáveis por garantir que todas as utilizações deste símbolo respeitem a dignidade da bandeira e emblema europeus".[26]

De acordo com o portal da UE, a bandeira deve ser usada para simbolizar "tanto a União Europeia como, mais amplamente, a identidade e unidade da Europa". Todas as instituições, órgãos e agências da UE têm o seu próprio logótipo ou emblema, embora geralmente inspirado pelo design e cores da bandeira. Como parte do uso da UE, a bandeira aparece nas notas de euro. As moedas de euro também exibem as doze estrelas da bandeira nos lados nacionais e comuns e a bandeira às vezes é usada como uma indicação da moeda ou da zona euro (um nome coletivo para os países que utilizam o euro). A bandeira aparece também em várias licenças de motorista e placas de matrícula de veículos emitidas na União.[27]

Protocolo[editar | editar código-fonte]

A Torre Eiffel em 2008
Em Itália, a bandeira europeia deve ser exibida ao lado da bandeira nacional em cerimónias oficiais e em edifícios públicos.

Símbolo oficial da União no cenário internacional, a bandeira da União Europeia com doze estrelas douradas num fundo azul adorna todas as cerimonias europeias, assim que os discursos feitos pelo presidente do Conselho Europeu. Da mesma forma, a uso requer a presença em todas as reuniões oficiais implicando um Estado-membro e proíbe a sua utilização para fins incompatíveis com os valores europeus. A observar que não é tolerada nenhuma utilização civil ou comercial, a menos que seja expressamente autorizado.

A bandeira geralmente é levada pelo governo do país que detém a presidência rotativa do Conselho de Ministros.

O desenho da bandeira europeia foi exibido na Torre Eiffel em Paris para celebrar a Presidência francesa do Conselho da UE no segundo semestre de 2008. Em 2009, o presidente checo Václav Klaus, um eurocético, se recusou a voar a bandeira de seu castelo. Em resposta, a Greenpeace projetou uma imagem da bandeira no castelo e tentou roubar a bandeira do próprio edifício.[28]

Alguns membros também têm as suas próprias regras sobre o uso da bandeira ao lado da sua bandeira nacional em ocasiões domésticas, por exemplo, o uso obrigatório junto com bandeiras nacionais fora das esquadras da polícia ou edifícios do governo local. Por exemplo, de acordo com as leis italianas, é obrigatório que a maioria dos escritórios públicos e edifícios devem içar a bandeira europeia ao lado da bandeira nacional italiana (Lei 22/2000 e Decreto Presidencial 121/2000). Fora do uso oficial, a bandeira não pode ser usada para fins incompatíveis com os valores europeus.[29]

Em uso nacional, o protocolo nacional geralmente exige que a bandeira nacional tenha precedência sobre a bandeira europeia (que geralmente é exibida à direita da bandeira nacional do ponto de vista do observador). Nas ocasiões em que a bandeira europeia está içada ao lado de todas as bandeiras nacionais (por exemplo, numa reunião do Conselho Europeu), as bandeiras nacionais estão listadas alfabeticamente (por nome no idioma principal desse estado) a cabeça ou o extremo direito da ordem das bandeiras.[30][31]

A bandeira é também içada cada dia 9 de maio, e serve como um padrão para todas as operações militares realizadas pela União Europeia (como no Chade em 2008).[32]

Utilização militar e naval[editar | editar código-fonte]

Galhardete dos navios de inspeção de pesca da União Europeia

A bandeira europeia é utilizada em operações militares da União Europeia nalguns casos;[33][34] em embargo, não é utilizada como pavilhão, nem civil, nem institucional, nem de guerra. Um membro do Parlamento Europeu apresentou uma proposta numa comissão temporal do Parlamento Europeu para os pavilhões civis das nações da UE pudessem ser substituídos pela bandeira europeia, mas esta proposta foi recusada pelo Parlamento em 2004, mas porém a bandeira europeia não se usa como pavilhão.[35]

Mesmo se não é um símbolo oficial, as equipas de inspeção da pesca da União Europeia levam um galhardete distintivo que os identifica, além de levar o pavilhão nacional dos pais baixo cuja jurisdição está o barco. Este galhardete triangular, azul e amarelo, foi adotado a 20 de maio de 1978 durante a CEE.[36]

Utilização mais ampla[editar | editar código-fonte]

A bandeira europeia num timbre alemão de 1995.
Painel de sinalização existente na fronteira com França

A bandeira europeia foi concebida com a intenção de representar a Europa no seu sentido mais amplo.[37] Em particular, a bandeira foi convertida num símbolo do europeísmo fora da própria União Europeia, por exemplo, na Geórgia, que não pertence por enquanto à União mas onde a bandeira se encontra na maioria dos edifícios. desde a chegada ao poder de Mijaíl Saakashvili,[38] que até a utilizou durante a sua tomada de posse[39] dizendo: «a bandeira europeia é também a bandeira da Geórgia, assim enquanto encarar a nossa civilização, a nossa cultura, ou mesmo a essência da nossa historia e perspetiva, e a nossa visão para o futuro da Geórgia».[38]

Também se utiliza o emblema a favor da democracia nos países como a Bielorrússia, onde é utilizada em manifestações junto à antiga bandeira proibida nacional e às bandeiras dos movimentos da oposição.[40][41] A bandeira foi ampliamente utilizada em 2007 numa "Marcha Europeia" em Minsk, em que os manifestantes se reuniram em apoio da democracia e da adesão à UE.[42]

A bandeira também e usada no equipamento desportivo e como representação dos desportos onde uma equipa unificada representa a Europa, como ocorre em torneios como a Ryder Cup ou a Mosconi Cup.[43]

As estrelas europeias são também utilizadas nas fronteiras dos países que fazem parte do Espaço Schengen. O nome do país está escrito no idioma oficial do país e com as estrelas europeias a rodear.

Desenho[editar | editar código-fonte]

Descrição[editar | editar código-fonte]

  • Descrição simbólica: Sobre fundo azul-celeste, doze estrelas douradas definem um círculo, que representa a união dos povos da Europa. São em número invariável de doze, símbolo da perfeição e da plenitude.[44]
  • Descrição heráldica: Sobre fundo azul-marinho, um círculo definido por doze estrelas douradas de cinco raios, cujas pontas não se tocam.[44]

Especificações[editar | editar código-fonte]

Especificações técnicas
  • Desenho e proporções da bandeira: O emblema tem a forma de uma bandeira retangular de cor azul, cujo comprimento é uma vez e meia superior à altura.[44]
  • Localização das estrelas: Doze estrelas douradas, colocadas a intervalos regulares, formam uma circunferência invisível, cujo centro é o ponto de intersecção das diagonais do retângulo. O raio da circunferência é igual a um terço da altura do retângulo.[44]
  • Desenho e proporção de estrelas: Cada estrela tem cinco pontas, situadas numa circunferência invisível de raio igual a 1/18 da altura do retângulo.[44]
  • Orientação das estrelas: Todas as estrelas estão ao alto, ou seja, com uma ponta na vertical e duas pontas numa reta perpendicular à haste. Na circunferência, as estrelas são dispostas na posição das horas no mostrador de um relógio. O seu número é invariável.[44]

Cores[editar | editar código-fonte]

As cores do emblema são as seguintes:

  • Pantone Reflex Blue para a superfície do retângulo, Pantone Yellow para as estrelas.
  • A gama internacional Pantone é fácil de encontrar e acessível, mesmo para não profissionais.
PMS RGB Hexadecimal CMYK
vermelho verde azul ciano magenta amarelo preto
     Azul Reflex blue 0 51 153 003399 100 % 91 % 6 % 1 %
     Ouro Yellow 255 204 0 FFCC00 1 % 19 % 100 % 0 %

Representação em monocromo[editar | editar código-fonte]

Duas versões padrão da bandeira foram estabelecidas para uso quando apenas uma cor está disponível, geralmente na documentação impressa. No caso em que a única cor disponível for a preta, a superfície do retângulo deve ser delimitada com uma borda preta e as estrelas serão pretas num fundo branco. Se apenas o azul estiver disponível, o que necessariamente deve ser Reflex Blue, da mesma cor que a bandeira usual, será usado como um fundo colorido e as estrelas serão reproduzidas em branco.[45]

Representação sobre fundo de cor[editar | editar código-fonte]

O emblema deve ser reproduzido, de preferência, sobre um fundo branco. Devem ser evitados fundos de várias cores, mas, sobretudo, fundos que não liguem com o azul. Se não houver alternativa, deve ser feita uma margem branca à volta do retângulo, com uma espessura igual a 1/25 da altura do retângulo.[45]

Erros frequentes[editar | editar código-fonte]

Os erros mais frequentes ao representar a bandeira da União Europeia geralmente consistem na adição de um maior número de estrelas ao conjunto, devido à falsa crença de que cada estrela representa um Estado.[46][47] Essa crença se deve à influência da bandeira dos Estados Unidos, na qual o número de estrelas representa os estados federais do país.[48] Apesar disso, com os recentes alargamentos e o crescente número de Estados pertencentes à UE (atualmente a União Europeia é constituída por 28 países), é um erro que gradualmente está em desuso.

Outra das falhas cometidas é colocar um número correto de estrelas, no local certo, mas orientado de forma errada. As estrelas terão que desenhar uma perpendicular em relação à base com a sua ponta superior, não podendo ter, sob qualquer conceito, diferentes orientações. Por conseguinte, é errado representar as estrelas para que elas rotem dependendo da sua posição na circunferência.[49]

Número de estrelas[editar | editar código-fonte]

European stars.svg
Os Doze Deuses Olímpicos de Nicolas-André Monsiau, no fim do século XVIII.

O número de estrelas na bandeira foi fixado em doze, e não está relacionado com o número de estados membros da UE. Isto é porque era originalmente a bandeira do Conselho da Europa, e não tem um relacionamento com a União Europeia.

Em 1953, o Conselho da Europa tinha 15 membros e foi proposto que a futura bandeira deveria ter uma estrela para cada membro e que, a partir daí, não mudaria dependendo dos futuros membros. No entanto, a República Federal da Alemanha se opôs a tal coisa, uma vez que um dos Estados membros, Sarre, era uma área disputada e ter a sua própria estrela implicaria a soberania da região. Finalmente, o número doze foi aprovado como símbolo da perfeição, integridade e unidade:[45]

As doze também estão presentes noutros contextos:

Desenhos derivados[editar | editar código-fonte]

A bandeira da Bósnia e Herzegovina não tem um relacionamento tão forte como a bandeira da UEO, mas foi inspirada em parte pela participação europeia na Bósnia e Herzegovina e as aspirações desse estado. A bandeira usa as mesmas cores azul e amarela e também estrelas como uma referência direta aos elementos da bandeira europeia, embora de um número e cor diferentes.[51]

Da mesma forma, o Kosovo usa as cores azul e amarela na sua bandeira, bem como estrelas em referência à bandeira europeia, simbolizando as suas ambições europeias; isto é, pertencente à União Europeia. O Kosovo, como a Bósnia e Herzegovina, têm uma forte participação da União Europeia nos seus assuntos, uma vez que a União Europeia assume o papel de supervisor após a sua declaração de independência em 2008.[52][53]

Bandeira da União Europeia Ocidental[editar | editar código-fonte]

A bandeira da União da Europa Ocidental (WEU), que usava as mesmas cores e também as estrelas, mas com uma série de estrelas com base no número de membros desta organização. Incluiu também as iniciais da União da Europa Ocidental em duas línguas.[54]

A bandeira é azul escura com um semi-círculo de dez estrelas amarelas de cinco pontas quebrado na parte superior com as letras em branco; WEU na horizontal e UEO na vertical, partilhando o E no meio. WEU é a abreviação em Inglês do nome da União, e UEO a abreviatura em Francês. A cor azul da bandeira deriva da Bandeira da União Europeia, no entanto, o número de estrelas é de dez, por ser esse o número de membros da UEO.

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Possível interpretação religiosa[editar | editar código-fonte]

As estrelas a rodearem a coroa da Virgem Maria.

A bandeira foi apresentada pelo Presidente do Conselho da Europa Liam Cosgrave em 13 de dezembro de 1955 sob o lema de que "esta bandeira não representa nem países, nem estados, nem raças"[50] e que nem as estrelas nem o fundo azul são propriamente símbolos religiosos,embora haja pessoas que defendem a presença de um simbolismo católico nela.[55][56][57]

Isto se deve a que o próprio autor do desenho, Arsène Heitz, tem declarado em 2004 na revista Lourdes Magazine ter se inspirado na leitura da passagem bíblica do Livro do Apocalipse que diz: "Apareceu em seguida um grande sinal no céu: uma Mulher revestida do sol, a lua debaixo dos seus pés e na cabeça uma coroa de doze estrelas". (Apocalipse, capítulo 12, versículo 1).[58][59]

Esta simbologia de uma coroa de doze estrelas se encontra, não raro, em representações de arte sacra referentes à Maria, mãe de Jesus, além do fato que a bandeira foi aprovada num dia 8 de dezembro, dia estabelecido pela Igreja como o dia da Imaculada Conceição (Ainda que tenha sido apresentada à imprensa três dias depois)[60] e que posteriormente o Conselho da Europa inaugurou um vitral para la catedral de Estrasburgo em que aparecem as doze estrelas do emblema europeu. Paul Lévy, que havia ajudado no desenho da bandeira afirmou que não havia nenhuma intenção religiosa ao escolher o círculo de doze estrelas.[61]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d «A Bandeira Europeia». Conselho da Europa. Consultado em 17 de fevereiro de 2018. 
  2. Account by Paul M. G. Lévy, a Belgian Holocaust survivor on the creation of the European flag, CVCE, consultado em 25 de junho de 2014. 
  3. Letter to the secretary general of the Council of Europe from Richard Coudenhove-Kalergi, Council of Europe (em francês)
  4. Council of Europe fahnenversand.de
  5. «Real politics, at last?». The Economist. 28 de outubro de 2004. Consultado em 11 de fevereiro de 2018. 
  6. Letter from Richard Coudenhove-Kalergi regarding a Muslim modification to the Pan-Europa flag design, Council of Europe (em francês)
  7. European Movement crwflags.com
  8. Proposals for the European flag Arquivado em 15 de julho de 2007[Erro data trocada] no Wayback Machine. crwflags.com
  9. Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome FOTW proposals2
  10. «A história da União Europeia - 1986». europa.eu. Consultado em 17 de fevereiro de 2018. 
  11. «NOTAS DE EURO ELEMENTOS DE SEGURANÇA». Novas notas de Euro. Consultado em 17 de fevereiro de 2018. 
  12. «Bandeira da Europa completa 24 anos como símbolo continental». Terra. 26 de maio de 2010. Consultado em 17 de fevereiro de 2018. 
  13. Groupe de liaison des historiens auprès des Communautés, ed. (1993). Historiens de l'Europe contemporaine : lettre d'information du Groupe de liaison des historiens auprès des communautés. [S.l.: s.n.] p. 71 .
  14. Van Middelaar 2012, p. 358.
  15. Conseil de l'Europe https://www.coe.int/fr/web/about-us/visual-identity  Parâmetro desconhecido |titre= ignorado (|titulo=) sugerido (ajuda); Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  16. «De la definición y los objetivos de la Unión». Tratado por el que se establece una Constitución para Europa. 9 de outubro de 2011 
  17. Reuters (29 de maio de 2005). «França rejeita Constituição e UE enfrenta crise». Terra. Consultado em 27 de janeiro de 2018. 
  18. Arriaga e Cunha, Isabel (1 de dezembro de 2009). «Nasce hoje uma UE diferente com a entrada em vigor do Tratado de Lisboa». Publico. Consultado em 27 de janeiro de 2018. 
  19. CONFERENCIA DE LOS REPRESENTANTES DE LOS GOBIERNOS DE LOS ESTADOS MIEMBROS (3 de diciembre de 2007). «Acta final» (PDF). Consultado em 28 de julio de 2012.  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  20. Beunderman, Mark (11 de septiembre de 2007). «MEPs defy member states on EU symbols» (em inglés). EUobserver. Consultado em 9 de octubre de 2011.  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  21. «Germany seeks to enshrine EU flag». The Daily Telegraph (em inglés). 11 de diciembre de 2007. Consultado em 9 de mayo de 2009.  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  22. «Final Act» (PDF) (em inglés). Council of the European Union. 3 de diciembre de 2007. Consultado em 9 de mayo de 2009.. Belgium, Bulgaria, Germany, Greece, Spain, Italy, Cyprus, Lithuania, Luxemburg, Hungary, Malta, Austria, Portugal, Romania, Slovenia and the Slovak Republic declare that the flag with a circle of twelve golden stars on a blue background, the anthem based on the "Ode to Joy" from the Ninth Symphony by Ludwig van Beethoven, the motto "United in diversity", the euro as the currency of the European Union and Europe Day on 9 May will for them continue as symbols to express the sense of community of the people in the European Union and their allegiance to it.  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  23. «'Sovereignty threat' after European parliament adopts flag and anthem» (em inglés). The Telegraph. 9 de octubre de 2008. Consultado em 9 de octubre de 2011.  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  24. Kubosova, Lucia (9 de octubre de 2008). «No prolonged mandate for Barroso, MEPs warn» (em inglés). EUobserver. Consultado em 9 de octubre de 2011.  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  25. «A Bandeira Europeia». Conselho da Europa. Consultado em 27 de janeiro de 2018. 
  26. «Council of Europe's Emblems». Conselho da Europa. 2002. Consultado em 27 de janeiro de 2018. 
  27. The European Flag, Europa (web portal), consultado em 4 de agosto de 2007. 
  28. Greenpeace projects EU flag image on Prague Castle, Ceske Noviny, 7 de janeiro de 2009, consultado em 21 de janeiro de 2009. 
  29. An Bhratach Náisiúnta / The National Flag, Department of the Taoiseach, consultado em 28 de dezembro de 2007., arquivado do original (RTF) em 28 de novembro de 2007 
  30. A Guide to Flag Protocol in the United Kingdom (PDF), Flag Institute, consultado em 28 de dezembro de 2007. [ligação inativa] Predefinição:Cbignore
  31. Photo from Reuters Pictures, Reuters Images, on Daylife, 9 de maio de 2008, consultado em 9 de maio de 2008., arquivado do original em 24 de junho de 2008 
  32. Tomas Valasek (9 de diciembre de 2008). «Defending European defence in partnership with NATO, strengthening the EU's military muscle is the right idea» (em inglés). Consultado em 31 de julio de 2012.  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  33. NATO. «EUFOR Welcome Ceremony/Unfolding EU flag» (em inglés). Consultado em 31 de julio de 2012.. Cópia arquivada em |arquivourl= requer |arquivodata= (ajuda) 🔗  Parâmetro desconhecido |fechaarchivo= ignorado (|arquivodata=) sugerido (ajuda); Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  34. Flags of the world (2 de octubre de 2009). «Rejected proposal of a European civil ensign» (em Inglés). Consultado em 31 de julio de 2012.  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  35. Flags of the world (11 de noviembre de 2011). «European Union Fishery Inspection» (em Inglés). Consultado em 31 de julio de 2012.  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  36. Consejo de Europa. «Council of Europe's Emblems» (em Inglés). Consultado em 24 de octubre de 2011.. Cópia arquivada em |arquivourl= requer |arquivodata= (ajuda) 🔗  Parâmetro desconhecido |fechaarchivo= ignorado (|arquivodata=) sugerido (ajuda); Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  37. a b Petersen, Alex (1 de mayo de 2007). «Georgia: Brussels on its mind» (em inglés). EUobserver.com. Consultado em 31 de julio de 2012.  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  38. Templeton Thorp. «Saakashvili Sworn In as New President» (em Inglés). Consultado em 31 de julio de 2012.  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  39. Mite, Valentinas (20 de octubre de 2004). «Belarus: Scores Arrested, Opposition Leader Hospitalized After Minsk Protests» (em inglés). Radio Free Europe. Radio Liberty. Consultado em 31 de julio de 2012.  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  40. Myers, Steven Lee; C.J. Chivers (19 de marzo de 2006). «Election is landslide for leader of Belarus» (em inglés). New York Times. Consultado em 31 de julio de 2012.  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  41. «Belarusians had European March in Minsk» (em inglés). Charter 97. 14 de octubre de 2007. Consultado em 31 de julio de 2012.  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  42. David Rennie (25 de septiembre de 2006). «Flag waving at the Ryder Cup» (em Inglés). Consultado em 29 de julio de 2012.  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  43. a b c d e f Comisión Europea / Consejo de Europa (15 de diciembre de 2008). «Guía gráfica del emblema europeo Guía gráfica del emblema europeo». Consultado em 10 de febrero de 2012.  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  44. a b c Comisión Europea / Consejo de Europa (15 de diciembre de 2008). «Guía gráfica del emblema europeo Guía gráfica del emblema europeo». Consultado em 10 de febrero de 2012.  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  45. El Diario Montañés. «Símbolos de la Unión Europea». Consultado em 23 de octubre de 2011.. Las doce estrellas dispuestas en círculo, no representan a ningún Estado miembro en sí; simbolizan la perfección, la unidad, la solidaridad entre los pueblos de Europa.  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  46. Madrid.org. «¿El número de estrellas en la bandera de la unión europea cambia con motivo de la adhesión de nuevos países miembros?» (PDF). Consultado em 23 de octubre de 2011.. El número de estrellas de la bandera de la Unión Europea no cambia con la incorporación de nuevos países miembros a la UE, ya que esta cifra no tiene que ver con el número de estados  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  47. US Government Printing Office. «Our Flag» (PDF) (em Inglés). Consultado em 23 de octubre de 2011.  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  48. Consejo de Europa. «Graphical specifications for the European flag» (em Inglés). Consultado em 25 de octubre de 2011.. Cópia arquivada em |arquivourl= requer |arquivodata= (ajuda) 🔗  Parâmetro desconhecido |fechaarchivo= ignorado (|arquivodata=) sugerido (ajuda); Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  49. a b Rober Bichet (1985). «Le Drapeau de l'Europe» (em Francés, Inglés, e Alemán). Consultado em 1 de marzo de 2009.  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  50. Flags Of The World (3 de diciembre de 2012). «Bosnia and Herzegovina: Selection of the flag by High Representative Carlos Westendorp» (em inglés). Consultado em 31 de julio de 2012.  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  51. «Kosovo's fiddly new flag». The Economist. 18 de febrero de 2008. Consultado em 31 de julio de 2012.  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  52. Gashi, Krenar (17 de febrero de 2008). «Kosovo's Flag Revealed». BalkanInsight. Consultado em 31 de julio de 2012.  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  53. Flags Of The World (3 de diciembre de 2010). «Western European Union» (em inglés). Consultado em 31 de julio de 2012.  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  54. Javier Paredes. «¿LA BANDERA DE EUROPA ES MARIANA?». Consultado em 29 de julio de 2012.  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  55. «European Union: Myths on the flag» (em Inglés). Consultado em 31 de julio de 2012.  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  56. Giacomo Galeazzi (22 de octubre de 2012). «¿Simbología mariana en la bandera de la UE?». La Stampa - Vatican Insider. Consultado em 7 de marzo de 2016.  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  57. «Real politics, at last?» (em inglés). The Economist. 28 de octubre de 2004. Consultado em 31 de julio de 2012.  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  58. «Apocalipsis». Consultado em 29 de julio de 2012.  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  59. Rober Bichet (1985). «Le Drapeau de l'Europe» (em Francés, Inglés, e Alemán). Consultado em 1 de marzo de 2009.  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  60. «European Union: Myths on the flag» (em Inglés). Consultado em 31 de julio de 2012.  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]