Herodes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Herodes (desambiguação).
Herodes, o Grande
Basileu (rei)
Herodes
Reinado 37–4 a.C (Schürer)
36–1 a.C (Filmer)[1]
Sucessor(a) Herodes Arquelau
Nascimento 74 a.C. ou 73 a.C.
  Edom
Morte 4 a.C.
  Jericó
Sepultado em Heródio, Judeia
Pai Antípatro
Mãe Cypros
Filho(s) Antipater, Alexandre, Aristobulus IV, Salampsio, Herodes II, Herodes Antipas, Herodes Arquelau, Olympias, Herodes Filipe

Herodes (em hebraico: הוֹרְדוֹס, transl. Hordos; em grego: Ἡρῴδης, Herodes), também conhecido como Herodes I ou Herodes, o Grande (ca. 74/73 a.C.Jericó, 4 a.C.[2] ou 1 a.C[3] [4]), foi um rei do território da Judéia, como representante (rei cliente) do Império Romano, entre 37 a.C. e 4 a.C.[5] Descrito como "um louco que assassinou sua própria família e inúmeros rabinos",[6] Herodes é conhecido por seus colossais projetos de construção em Jerusalém e outras partes do mundo antigo, em especial a reconstrução que patrocinou do segundo Templo, naquela cidade, por vezes chamado de Templo de Herodes. Alguns detalhes de sua biografia são conhecidos pelas obras do historiador romano-judaico Flávio Josefo.

Seu filho, Herodes Arquelau, tornou-se etnarca da Samaria, Judeia e Edom de 4 a 6 d.C., e foi considerado incompetente pelo imperador romano Augusto, que tornou o outro filho de Herodes, Herodes Antipas, soberano da Galileia (de 6 a 39 d.C.). Segundo o livro de Atos, Herodes morreu durante seu discurso em Cesareia, onde as pessoas o chamavam de deus, então um anjo o fere, pois havia recebido a honra que apenas Deus tem e ele morre comido por vermes.[7]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Herodes era filho do idumeu Antípatro e de Cipros, (uma mulher de procedência árabe). O povo de seu pai, fora um dos principais rivais dos judeus na Antiguidade, e segundo a Bíblia, foi a presença dos Idumeus, que compeliu o povo de Moisés, a realizar uma travessia muito mais demorada, após a saída do Egito, antes de chegarem à Terra Santa . À época do rei hasmoneu João Hircano, a Idumeia fora conquistada e a maioria dos seus cidadãos obrigados a se converterem ao judaísmo, exceto aqueles que se refugiaram no Egito, ou nas terras da antiga Assíria, como aconteçeu com os ascendentes de Herodes.

A maior parte do que conhecemos sobre sua vida nos é narrada pelo historiador judeu Flávio Josefo[8][carece de fontes?], que provavelmente usou o trabalho de Nicolau de Damasco como fonte, porque, quando termina Nicolau, na época de Arquelau, o relato de Josefo se torna mais resumido.[9] Segundo Josefo, a legitimidade de seu reinado era contestada pelos judeus por ele ser um idumeu. Numa tentativa de obter essa legitimidade, ele casou-se com Mariana, uma hasmoniana filha do alto sacerdote do Templo. Ainda assim, ele vivia temeroso de uma revolta popular, razão pela qual teria construído, como refúgio, a fortaleza de Massada.

Em 40 a.C., quando Matatias Antígono, o último rei da dinastia hasmónea, entrou na Judeia com a ajuda de uma potência vizinha, Herodes fugiu para Roma, onde António lhe entregou a realeza da Judeia, que assegurou com um exército romano, com o qual derrotou Antígono em 37 a.C. ao cercar Jerusalém. Octaviano (o futuro imperador Augusto), após a batalha de Ácio, em 31 a.C., manteve-o no poder.

A sua corte era helenizada e culta. Ele fundou as cidades gregas de Sebaste (Samaria)[10] e Cesareia Palestina,[11] com o seu belo porto. Construiu fortalezas e palácios, incluindo Massada[12] e o magnífico Templo,[13] o Heródio.[14] Presidiu aos Jogos Olímpicos.

Herodes destronou os reis da dinastia hasmónea, que tinham governado Israel mais de um século. Essa dinastia tinha contado com o apoio dos saduceus. Por isso, Herodes era mal visto entre os saduceus. Em contrapartida, ele pôde contar com o apoio da facção moderada dos fariseus, conduzida por Hillel. Contou também com o apoio dos judeus da diáspora, mesmo naquela época, de número considerável. Já a relação com os essénios era mais complicada. Por um lado, os essénios detestavam Roma e não aprovavam que Herodes governasse em nome de Roma. Por outro lado, Herodes era um amigo de Menahem, o essénio e respeitava os essénios.

Fez construir várias obras em seu reino, cuja monumentalidade ainda hoje é admirada. Delas subsiste, como documento mais bem conservado, o Túmulo dos Patriarcas, em Hebrom.[15]

Ao morrer, possivelmente em 4 a.C., Herodes deixou disposta, em testamento, a partilha do reino entre três de seus filhos sobreviventes: Herodes Arquelau, Herodes Antipas e Filipe. Foi durante seu reinado que nasceu Jesus Cristo, segundo a narrativa bíblica. Herodes foi visitado pelos Três Reis Magos, que foram adorar o Rei dos Judeus, Herodes pediu aos magos que seguissem para Belém e que depois voltassem para reportar se tinham conseguido encontrar a criança, porém, os Magos foram avisados em sonho a seguir outro caminho e não passarem por Herodes, que mandou matar todas as crianças de até 2 anos de idade(Mateus 2: 1-16).

Genealogia de Herodes

Moedas de Herodes[editar | editar código-fonte]

Moeda de cobre com a inscrição "Basileus Herodon" na cara e um sol macedônico na coroa

As moedas que Herodes o Grande cunhou[16] não trazem símbolos tão agressivos para a religião judaica como acontecerá com as dos seus descendentes. Além do tripé, de origem grega e com alguma eventual ligação às suas vitórias e consequente domínio sobre o país, e do elmo, vai usar o escudo; mas haverá outros símbolos mais poéticos, como a romã, o diadema, a cornucópia, a âncora, etc.

O Estado Judeu herodiano[editar | editar código-fonte]

Herodes não tinha legitimidade judaica, pois descendia de idumeus e sua mãe era descendente de árabes. Desse modo, sua legitimidade se fundava na própria estrutura do poder que ele exercia, e que diferia da tradição dos Hasmoneus, na medida em que:

  • o rei era legitimado como pessoa e não por descendência;
  • o poder não se orientava pela tradição, mas pela aplicação do direito do senhor;
  • o direito à terra decorria de distribuição: o senhor o concedia ao usuário de sua escolha (assignatio);
  • o rei era a fonte da lei, ou seja, a "lei viva" (émpsychos nómos), conforme a base filosófica helenística, em oposição à lei codificada da tradição judaica.

Essa nova estrutura de poder (repudiada pelos judeus tradicionais), permitia a Herodes:

  • Nomear o sumo sacerdote do Templo: ele destituiu os Asmoneus e nomeou um sacerdote da família babilônica e, mais tarde, da alexandrina;
  • Exigir de seus súditos um juramento de obediência, não raro em oposição às normas patriarcais;
  • Interferir na justiça do Sinédrio;
  • Escravizar ladrões e revolucionários políticos, vendendo-os no exterior, sem direito a resgate.

O poder militar de Herodes baseava-se nos mercenários estrangeiros, aquartelados em fortalezas, ou em terras (cleruquias) a eles destinadas no vale de Jezrael e nas cidades helênicas fundadas pelo rei.

Morte[editar | editar código-fonte]

Os herodianos


A partir do trabalho de Emil Schürer em 1896,[17] a maioria dos estudiosos concordam que Herodes morreu no final de março ou início de abril, em 4 a.C.[3][18]

Evidência adicional é fornecida pelo fato de que seus filhos, entre os quais seu reino foi dividido, dataram de seus governos a partir de 4 a.C.,[19] e Arquelau aparentemente também exerceu autoridade real durante a vida de Herodes.[20] Josefo afirma que a morte de Filipe o Tetrarca tomou lugar depois de um reinado de 37 anos, no ano 20 de Tibério (34 d.C.).[21]

Josefo diz que Herodes morreu depois de um eclipse lunar.[22] Ele faz um relato dos acontecimentos entre este eclipse e sua morte, e entre sua morte e o Pessach. Um eclipse parcial[23] ocorreu em 13 de março de 4 a.C., cerca de 29 dias antes do Pessach, e este eclipse é geralmente considerado como o referido por Josefo.[24] No entanto, pelo eclipse de 13 de março de 4 a.C. ser apenas parcial (e que, segundo os defensores de outra data, não ser relevante o suficiente para ter sido relatado por Josefo), outros estudiosos defendem o eclipse total de 8 de janeiro do ano 1 a.C[3] [4] como a época da morte de Herodes. Sendo assim, Herodes teria reinado até cerca de 4 a.C e falecido em 1 a.C. Houve, contudo, outros dois eclipses totais em torno deste tempo[25][26]. Há também os defensores de 5 a.C.[27] e até mesmo 1 d.C[28].

Josefo escreveu que a doença final de Herodes - às vezes chamada como "Mal de Herodes"[29] - era insuportável.[30] A partir das suas descrições, alguns peritos médicos propõem que Herodes tinha doença renal crônica complicada por gangrena de Fournier.[31] Os estudiosos modernos concordam que ele sofreu durante toda a sua vida de depressão e paranoia.[32] Sintomas similares estiveram presentes na morte de seu neto Agripa I, em 44, sobre quem se relata que vermes eram visíveis[33] e putrefação. Estes sintomas são compatíveis com uma sarna, que pode ter contribuído para sua morte e sintomas psiquiátricos.[34]

Josefo afirmou também que Herodes estava tão preocupado pela grande probabilidade de ninguém lamentar sua morte, que ele comandou um grande grupo de homens ilustres para vir para Jericó, e deu a ordem dizendo que eles deveriam ser mortos no momento da sua morte para que assim se mostrasse a dor que ele ansiava pela sua perda.[35] Para a felicidade deles, o filho de Herodes Arquelau e sua irmã Salomé não realizaram esse desejo insano e doentio do pai.[36]

Após a morte de Herodes, seu reino foi dividido entre três de seus filhos, por Augusto. Augusto "nomeou Arquelau, não para ser o rei de todo o país, mas para ser etnarca, ou metade do que estava sujeito a Herodes, e prometeu dar-lhe a dignidade real doravante, se governasse a sua parte de forma justa. Mas quanto a outra metade, ele dividiu em duas partes, e as deu aos outros dois dos filhos de Herodes, a Filipe e Herodes Antipas, o qual disputou com Arquelau pelo reino todo. Desta forma, para ele era Pereia e Galileia que deveriam pagar seus tributos, que somavam anualmente 200 talentos, enquanto Bataneia com Traconita, bem como Auranita, com uma certa parte do que foi chamado Casa de Lenodoro, pagassem o tributo de 100 talentos à Filipe. Entretanto a Idumeia, e Judeia, e o país de Samaria, pagavam tributo à Arquelau, porém tinham a partir dali uma quarta parte desse tributo retirado por ordem de César, que decretou a eles aquela mitigação, devido eles não terem se unido nesta revolta com o resto da multidão."[37] Arquelau tornou-se etnarca da tetrarquia da Judeia, Herodes Antipas tornou-se tetrarca da Galileia e Pereia e Filipe tornou-se tetrarca dos territórios a leste do Jordão.

Descoberta do túmulo do Rei Herodes[editar | editar código-fonte]

Foto aérea de Heródio a partir do sudoeste

No dia 8 de Maio de 2007 o arqueólogo israelense Ehud Netzer, da Universidade Hebraica de Jerusalém, afirmou ter achado o que seria o túmulo do rei Herodes, no local conhecido como Heródio, uma colina no deserto da Judeia, onde o rei construiu seu palácio, próximo a Jerusalém. Netzer trabalhava no sítio arqueológico do local desde 1970.[38]

O arqueólogo israelense Ehud Netzer, que se tornou conhecido pela escavação do palácio de inverno do rei Herodes e descoberta da tumba do monarca, morreu ao sofrer uma queda. Ele tinha 76 anos.[39]

Referências

  1. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome Steinmann 2009, pp. 1
  2. Filmer, W. E. (janeiro de 2010). «The Chronology of the Reign of Herod the Great». J Theol Studies. XVII: 283–298. doi:10.1093/jts/XVII.2.283 
  3. a b c Steinmann, Andrew, "Quando o rei Herodes O Grande reinou? (em inglês)", Novum Testamentum, Volume 51, Número 1, 2009, páginas 1-29(29); Ormond Edwards, “Herodian Chronology” (Cronologia Herodiana), Palestine Exploration Quarterly 114 (1982) 29-42; W.E. Filmer, “Chronology of the Reign of Herod the Great” (Cronologia do Reinado de Herodes O Grande) Journal of Theological Studies ns 17 (1966) 283-298; Paul Keresztes, Imperial Rome and the Christians: From Herod the Great to About 200 A.D. (Roma imperial e os cristãos: A partir de Herodes, o Grande a cerca de 200 AD) (Lanham, MD: University Press of America, 1989) 1-43;“The Nativity and Herod’s Death” (O Nascimento e Morte de Herodes), em Chronos, Kairos, Christos: Nativity and Chronological Studies Presented to Jack Finegan (Chronos, Kairos, Christos: Natividade e Estudos cronológicos apresentados à Jack Finegan), ed. Jerry Vardaman and Edwin M. Yamauchi (Winona Lake, IN: Eisenbrauns, 1989) 85-92
  4. a b Solar and Lunar Eclipses of the Ancient Near East From 3000 B.C. to 0 With Maps. Neukirchen-Vluyn, Alemanha: [s.n.] 1971. p. 156 (V1)  |nome1= sem |sobrenome1= em Authors list (ajuda)
  5. Aryeh Kasher, Eliezer Witztum, Karen Gold (trad.), King Herod: a persecuted persecutor : a case study in psychohistory and psychobiography, Walter de Gruyter, 2007
  6. Ken Spiro. «History Crash Course #31: Herod the Great» (em inglês). Aish.com 
  7. Atos. [S.l.: s.n.] p. Cap. 12: 19-23 
  8. Josefo, Flávio (1986). Uma testemunha do tempo dos apóstolos. São Paulo: Paulus. p. 55 
  9. «Nicolau de Damasco». Enciclopédia Judaica,. jewishencyclopedia 
  10. «Samaria». ourfatherlutheran. Arquivado do original em 4 de agosto de 2004 
  11. «Cesareia». bibleplaces 
  12. «Massada» (em alemão) 
  13. «Templo de Herodes» 
  14. «Herodium» 
  15. «Hebron». bibleplaces 
  16. «Moedas de Herodes». verizon 
  17. Emil Schürer, A History of the Jewish People in the Time of Jesus Christ (A História do Povo Judeu nos Tempos de Jesus Cristo), 5 volumes New York, Scribner’s, 1896
  18. Timothy David Barnes, “The Date of Herod’s Death” (A data da morte de Herodes) Journal of Theological Studies (Jornal de Estudos Teológicos) ns 19 (1968), 204-19; P. M. Bernegger, “Affirmation of Herod’s Death in 4 B.C.” (Afirmação da morte de Herodes em 4 aC) Journal of Theological Studies (Jornal de Estudos Teológicos) ns 34 (1983), 526-31
  19. Josefo, War, 1.631-632
  20. Josefo, War, 2.26
  21. Harold Hoehner, Herod Antipas, (Zondervan, 1980) página 251
  22. Flavio Josefo, Jewish Antiquities (Antiguidades Judaicas), 17.6.4
  23. Catálogo da NASA, apenas 37 % da lua estava escurecida
  24. P. M. Bernegger, “Affirmation of Herod’s Death in 4 B.C.,” Journal of Theological Studies ns 34 (1983), 526-31
  25. «Catálogo de eclipses lunares da NASA: -0099 to 0000 (100 aC a 1 aC)». nasa 
  26. W. E. Filmer, “Chronology of the Reign of Herod the Great,” Journal of Theological Studies ns 17 (1966), 283-98
  27. Timothy David Barnes, “The Date of Herod’s Death,” Journal of Theological Studies ns 19 (1968), 204-19
  28. P. Pratt, John (4 de dezembro de 1990). «Yet Another Eclipse for Herod». International Planetarium Society. Consultado em 26 de outubro de 2022 
  29. «De qual doença repugnante o Rei Herodes morreu?» (em inglês). The Straight Dope. 23 de novembro de 1979 
  30. «Ant. 17.6.5». ccel 
  31. «Arquivos da CNN, 2002» (em inglês). cnn 
  32. haaretz https://web.archive.org/web/20081223034537/http://www.haaretz.com/hasen/spages/876330.htm. Arquivado do original em 23 de dezembro de 2008  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  33. Atos 12:23
  34. Ashrafian H. Herodes, o Grande e seus vermes. J Infect. 2005 Jul; 51 (1) :82-3
  35. Josefo As antiguidades do Livro dos Judeus 17, capítulo 6, versos 174-175
  36. Josefo As antiguidades do Livro dos Judeus 17, capítulo 8, verso 193
  37. Josefo As antiguidades do Livro dos Judeus 17, capítulo 12, versos 317-319
  38. uol http://www1.folha.uol.com.br/folha/ciencia/ult306u16402.shtml  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  39. uol http://www1.folha.uol.com.br/ciencia/822220-morre-arqueologo-que-descobriu-palacio-do-rei-herodes.shtml  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
Herodes
Casa de Herodes
Morte: 4 a.C.
Precedido por:
Antígono
Rei dos Judeus
37 a.C. – 4 a.C.
Sucedido por:
Herodes Arquelau
Soberano da Galileia
37 a.C. – 4 a.C.
Sucedido por:
Herodes Antipas
Soberano de Bataneia, na Traconítide
37 a.C. – 4 a.C.
Sucedido por:
Herodes Filipe II