Tumba de Herodes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Foto aérea do Heródio onde se localiza a Tumba de Herodes

A Tumba de Herodes foi encontrada em maio de 2007 pela Universidade Hebraica de Jerusalém,[1] em uma zona arqueológica conhecida como Heródio a poucos quilómetros de Jerusalém. Trata-se de um sarcófago do rei que governou a Judeia de 37 a.C. até sua morte, em 4 a.C..

Uma antiga escadaria usada num cortejo fúnebre real, levou um arqueólogo[2] israelita a desvendar um mistério com 2000 anos: a localização da tumba de Herodes, o Grande, considerado pelos romanos como Rei dos Judeus.

A localização da tumba de Herodes é documentada pelo historiador Judeu Flávio Josefo que disse sobre sua morte: “uma coceira intolerável em toda a pele, contínuas dores nos intestinos, tumores nos pés, como na hidropisia, inflamação abdominal e gangrena nos órgãos genitais, resultando em vermes, além de asma, com grande dificuldade de respiração, e convulsões em todos os membros”. — The Jewish War, I, 656 (xxxiii, 5).[3]

Ehud Netzer,[4] da Universidade Hebraica, afirmou que ao encontrar a tumba, a peça estava danificada, provavelmente por judeus que se revoltaram contra Roma entre os anos 66 e 72 d.C.. Em conferência de imprensa, um dia depois do anúncio da descoberta, Netzer disse que os restos do monarca devem ter desaparecido quando os rebeldes invadiram a tumba em Heródio,[5] onde se encontrava o palácio — fortaleza de Herodes, perto de Jerusalém. Ehud Netzer procurava o túmulo de Herodes desde 1972.

O local, na atual Cisjordânia,[6] foi encontrado graças a uma antiga escadaria que conduzia ao topo da colina. Os especialistas supunham que o rei teria sido enterrado nalgum canto escondido do palácio, mas não havia provas para comprovar a teoria. Esta poderá ser uma das grandes descobertas da história da arqueologia.

Herodes[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Herodes I o Grande

Herodes tem um lugar especial na história bíblica. Reconstruiu o Segundo Templo de Jerusalém, e de acordo com o Evangelho de Mateus, ordenou o Massacre dos Inocentes, que representou a morte de todos bebés do sexo masculino em Belém na altura do nascimento de Jesus.

O Novo Testamento conta que Jesus escapou porque José soube da ameaça através de um sonho, e fugiu para o Egipto, onde o teria educado.

Herodes foi feito rei da Galileia aos 25 anos e governou durante três décadas. Neste período, construiu um Palácio em Heródio – usado como residência de Verão - e há muito que se acreditava que teria sido lá enterrado.[7][8][9][10] Artigo do Jornal The New York Times. 24 de Abril de 1983[11]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. "Israeli Archaeologist Finds Tomb of King Herod" Arquivado em 6 de dezembro de 2008, no Wayback Machine., FOX News, 7 de maio de 2007
  2. The New York Times, 9 de maio de 2007, [1]
  3. Flavius Josephus. The Wars of the Jews or History of the Destruction of Jerusalem. Book V. Chapter 33.1
  4. "Herod's tomb reportedly found inside his desert palace" The Boston Globe, 8 de maio de 2007
  5. "King Herod's tomb unearthed, Israeli university claims", CNN, 7 de Maio 2007
  6. Herod's Tomb Discovered IsraCast, 8 de maio de 2007.
  7. UN Security Council Resolution 446, UN Security Council Resolution 465, Resolution 484, among others
  8. «Applicability of the Geneva Convention relative to the Protection of Civilian Persons in Time of War, of 12 August 1949, to the Occupied Palestinian Territory, including Jerusalem, and the other occupied Arab territories». United Nations. 17 de dezembro de 2003. Consultado em 27 de setembro de 2006 
  9. «Legal Consequences of the Construction of a Wall in the Occupied Palestinian Territory». International Court of Justice. 9 de julho de 2004. Consultado em 27 de setembro de 2006 
  10. [accessdate=2006-09-27 «Conference of High Contracting Parties to the Fourth Geneva Convention: statement by the International Committee of the Red Cross»] Verifique valor |url= (ajuda). International Committee of the Red Cross. 5 de dezembro de 2001 
  11. «Cópia arquivada». Consultado em 16 de julho de 2007. Arquivado do original em 2 de junho de 2007 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]