Piada

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Boris Yeltsin e Bill Clinton rindo de uma piada

Uma piada é uma exibição de humor em que as palavras são usadas dentro de uma estrutura narrativa específica e bem definida para fazer as pessoas rirem e geralmente não devem ser levadas a sério. Geralmente toma a forma de uma história, muitas vezes com diálogo, e termina em uma piada. É no final que o público se dá conta de que a história contém um segundo significado conflitante. Isso pode ser feito usando um trocadilho ou outro jogo de palavras, como ironia ou sarcasmo, uma incompatibilidade lógica, absurdo ou outros meios.[1] O linguista Robert Hetzron oferece a definição:

Uma piada é uma pequena peça humorística de literatura oral em que a graça culmina na frase final, chamada de punchline… Na verdade, a principal condição é que a tensão atinja seu nível mais alto no final. Nenhuma continuação aliviando a tensão deve ser adicionada. Quanto a ser "oral", é verdade que os chistes podem aparecer impressos, mas quando transferidos posteriormente, não há obrigação de reproduzir o texto na íntegra, como no caso da poesia.[2]

Em geral, as piadas se beneficiam da brevidade, não contendo mais detalhes do que o necessário para definir o cenário para a piada final. No caso de charadas ou frases de efeito, o cenário é implicitamente entendido, deixando apenas o diálogo e a piada para serem verbalizados. No entanto, subverter essas e outras diretrizes comuns também pode ser uma fonte de humor — a história do cachorro desgrenhado está em uma classe própria como anti-piada; embora apresentando como uma piada, contém uma longa narrativa de tempo, lugar e personagem, divaga através de muitas inclusões inúteis e, finalmente, não consegue entregar uma piada. Piadas são uma forma de humor, mas nem todo humor é uma piada. Algumas formas humorísticas que não são piadas verbais são: humor involuntário, humor situacional, pegadinhas, pastelão e anedotas.

Identificada como uma das formas simples de literatura oral pelo linguista holandês André Jolles,[3] as piadas são repassadas anonimamente. Eles são contados em ambientes privados e públicos; uma única pessoa conta uma piada para seu amigo no fluxo natural da conversa, ou um conjunto de piadas é contado a um grupo como parte do entretenimento roteirizado. As piadas também são repassadas por escrito ou, mais recentemente, pela internet.

Cômicos de stand-up, comediantes e pastelões trabalham com tempo e ritmo cômicos em sua performance, e podem contar com ações, bem como com a frase de efeito verbal para evocar o riso. Essa distinção foi formulada no ditado popular "um cômico diz coisas engraçadas; um comediante diz coisas de modo engraçado".[a]

História na imprensa[editar | editar código-fonte]

O Papiro Westcar, datado de c. 1600 a.C., contém um exemplo de uma das primeiras piadas sobreviventes.[4]

Qualquer piada documentada do passado foi salva por acaso e não por design. As piadas não pertencem à cultura refinada, mas sim ao entretenimento e lazer de todas as classes. Assim, quaisquer versões impressas eram consideradas efêmeras, ou seja, documentos temporários criados para uma finalidade específica e destinados a serem descartados. Muitas dessas primeiras piadas tratam de temas escatológicos e sexuais, entretendo todas as classes sociais, mas não para serem valorizadas e salvas.

Vários tipos de piadas foram identificados em antigos textos pré-clássicos.[b] A piada mais antiga identificada é um antigo provérbio sumério de 1900 a.C. contendo humor escatológico: "Algo que nunca ocorreu desde tempos imemoriais; uma jovem não peidava no colo do marido". Seus registros foram datados do período babilônico antigo e a piada pode remontar a 2300 a.C. A segunda piada mais antiga encontrada, descoberta no Papiro Westcar e que se acredita ser sobre Seneferu, era do Antigo Egito por volta de 1600 a.C.: "Como você entretém um faraó entediado? Você navega um barco cheio de mulheres jovens vestidas apenas com redes de pesca descendo o Nilo e incita o faraó a pegar um peixe". O conto dos três boieiros de Adabe completa as três piadas mais antigas conhecidas do mundo. Este é um triplo cômico que remonta a 1200 a.C.[4] Trata-se de três homens que procuram a justiça de um rei sobre a propriedade de um bezerro recém-nascido, por cujo nascimento todos se consideram parcialmente responsáveis. O rei procura conselhos de uma sacerdotisa sobre como governar o caso, e ela sugere uma série de eventos envolvendo as famílias e esposas dos homens. Infelizmente, a parte final da história (que incluía a piada), não sobreviveu intacto, embora fragmentos legíveis sugiram que era de natureza obscena.

O mais antigo livro de piadas existente é o Filógelos (grego para O Amante do Riso), uma coleção de 265 piadas escritas em grego antigo bruto que data do século IV ou V d.C.[5][6] A autoria da coleção é controversa[7] e vários autores diferentes são atribuídos a ela, incluindo "Hiérocles e Filagros, os grammatikos", apenas "Hiérocles", ou, no Suda, "Filístion".[8] A classicista britânica Mary Beard afirma que o Filógelos pode ter sido concebido como um manual de piadas de um piadista para dizer em tempo real, em vez de um livro destinado a ser lido diretamente.[8] Muitas das piadas desta coleção são surpreendentemente familiares, embora os protagonistas típicos sejam menos reconhecíveis para os leitores contemporâneos: o professor distraído, o eunuco e as pessoas com hérnias ou mau hálito.[5] O Filógelos ainda contém uma piada semelhante ao "Dead Parrot Sketch" do Monty Python.[5]

Gravura de 1597 de Poggio Bracciolini, autor de uma das primeiras antologias de piadas

Durante o século XV,[9] a revolução da impressão espalhou-se pela Europa seguindo o desenvolvimento da prensa móvel. Isso se somava ao crescimento da alfabetização em todas as classes sociais. Os impressores produziram jestbooks junto com Bíblias para atender aos interesses coloquiais e formais da população. Uma das primeiras antologias de piadas foi a Facetiae do italiano Poggio Bracciolini, publicado pela primeira vez em 1470. A popularidade deste jestbook pode ser medida nas vinte edições do livro documentadas apenas para o século XV. Outra forma popular era uma coleção de piadas e situações engraçadas atribuídas a um único personagem em uma forma narrativa mais conectada do romance picaresco. Exemplos disso são os personagens de Rabelais na França, Till Eulenspiegel na Alemanha, Lazarillo de Tormes na Espanha e Master Skelton na Inglaterra. Há também um livro de brincadeiras atribuído a William Shakespeare, cujo conteúdo parece informar e emprestar de suas peças. Todos esses livros corroboram tanto o aumento da alfabetização das populações europeias quanto a busca geral por atividades de lazer durante o Renascimento na Europa.[9]

A prática dos impressores de usar piadas e caricaturas como preenchimento de páginas também foi amplamente utilizada nos folhetos e chapbooks do século XIX e anteriores. Com o aumento da alfabetização da população em geral e o crescimento da indústria gráfica, essas publicações foram as formas mais comuns de material impresso entre os séculos XVI e XIX em toda a Europa e América do Norte. Junto com relatos de acontecimentos, execuções, baladas e versos, também continham piadas. Apenas um dos muitos folhetos arquivados na biblioteca de Harvard é descrito como "1706. Sorrir facilitado; ou, a coleção incomparável de Funny Dick de piadas curiosas, cômicas, estranhas, engraçadas, espirituosas, caprichosas, risíveis e excêntricas, touros, epigramas, etc. Com muitas outras descrições de sagacidade e humor".[10] Essas publicações baratas, efêmeras destinadas à distribuição em massa, foram lidas sozinhas, lidas em voz alta, postadas e descartadas.

Existem muitos tipos de livros de piadas impressos hoje; uma pesquisa na internet fornece uma infinidade de títulos disponíveis para compra. Eles podem ser lidos sozinhos para entretenimento solitário ou usados para estocar novas piadas para entreter os amigos. Algumas pessoas tentam encontrar um significado mais profundo nas piadas, como em "Platão e um Ornitorrinco Entram em um Bar... Entendendo a Filosofia Através das Piadas".[11][12] No entanto, um significado mais profundo não é necessário para apreciar seu valor de entretenimento inerente.[13] As revistas costumam usar piadas e caricaturas como preenchimento para a página impressa. Reader's Digest encerra muitos artigos com uma piada (não relacionada) no final do artigo. The New Yorker foi publicado pela primeira vez em 1925 com o objetivo declarado de ser uma "revista de humor sofisticado" e ainda é conhecido por seus desenhos animados.

Estudos[editar | editar código-fonte]

No século XII, Santo Tomás de Aquino já escrevia que "brincar é necessário para levar uma vida humana", defendendo que as piadas seriam importantes para repor as "forças do espírito".[14] Contudo, nem todos os religiosos concordavam com os benefícios das piadas e do humor. No romance O Nome da Rosa, por exemplo, o autor Umberto Eco centra a trama em livros que haviam sido proibidos pelo Vaticano exatamente por conterem um estudo de Aristóteles sobre o riso.

As piadas já foram alvo de estudos acadêmicos sérios. Um bom exemplo é "O chiste e sua relação com o inconsciente", estudo produzido por Sigmund Freud.[15] Freud dividiu as piadas em duas categorias básicas: As "ingênuas" — que utilizam jogos de palavras — e os "chistes tendenciosos" — que possuem um lado erótico e (ou) preconceituoso. Enquanto, na primeira, o humor não estaria no conteúdo mas na surpresa do trocadilho, na segunda o riso seria provocado pela "aversão às diferenças ou pela zombaria de estereótipos".

Outro cientista, Marvin Minsky, também sugere que rir tem uma função específica no cérebro humano. Em sua opinião, piadas e risos são mecanismos para o cérebro aprender o nonsense. Seria essa a razão, segundo o pesquisador, para que as piadas normalmente não sejam tão engraçadas quando contadas repetidas vezes.

O riso (em tese, o principal objetivo da piada) é considerado como algo saudável, pois libera endorfina (hormônio produzido no cérebro que produz sensação de bem-estar e alivia a dor), além de diminuir a pressão arterial e aliviar a tensão.

A maior parte das piadas contêm dois componentes: uma introdução genérica (por exemplo, "Um homem entra num bar...") e um final surpreendente, que entra em choque com o desenvolvimento. O nível de surpresa do final se modifica de acordo com o quanto de ironia se pretende alcançar.

Influência da cultura[editar | editar código-fonte]

O senso de humor varia em cada cultura. O que é engraçado para um povo pode não ser para outro. Um estudo da Universidade de Hertfordshire, no Reino Unido, versou sobre o assunto em 2004, objetivando colher opiniões através da internet para se descobrir qual seria "a melhor piada do mundo".[16]

Através do resultado dessa pesquisa, observou-se o quanto a cultura local influencia no "senso de humor" de cada povo. Os britânicos demonstraram gostar mais de trocadilhos, enquanto franceses e alemães costumavam optar por piadas que tendiam ao nonsense. Já os estado-unidenses preferiam piadas sobre assuntos locais.

Contudo, algumas características foram independentes do país. Homens, de uma maneira geral, demonstraram gostar de piadas que envolvessem sexo e preconceito, enquanto as mulheres não gostavam desse tipo de conteúdo. Como a pesquisa só possui até o momento dados de Estados Unidos, Canadá e Europa, não há análise sobre as preferências dos ibero-americanos.

Piadas "premiadas" pela pesquisa[editar | editar código-fonte]

As duas piadas consideradas por esse estudo como "as melhores do mundo" são as seguintes:[16]

1º lugar - Caçador abatido
Dois caçadores caminham na floresta quando um deles, subitamente, cai no chão com os olhos revirados. Não parece estar respirando.
O outro caçador pega o celular, liga para o serviço de emergência e diz: "Meu amigo morreu! O que eu faço?". Com voz pausada, o atendente explica: "Mantenha a calma. A primeira coisa a fazer é ter certeza de que ele está morto".
Vem um silêncio. Logo depois, se ouve um tiro.
A voz do caçador volta à linha. Ele diz: "OK. E agora?".
2º lugar - A dedução de Watson
Sherlock Holmes e o Dr. Watson vão acampar. Após um bom jantar e uma garrafa de vinho, entram nos sacos de dormir e caem no sono.
Algumas horas depois, Holmes acorda e sacode o amigo.
- "Watson, olhe para o céu estrelado. O que você deduz disso?".
Depois de ponderar um pouco, Watson diz:
"Bem, astronomicamente, estimo que existam milhões de galáxias e potencialmente bilhões de planetas. Astrologicamente, posso dizer que Saturno está em Câncer. Teologicamente, eu creio que Deus e o universo são infinitos. Também dá para supor, pela posição das estrelas, que são cerca de 3h15 da madrugada... O que você me diz, Holmes?".
Sherlock responde: "Elementar, meu caro Watson. Roubaram a nossa barraca!"

Publicidade[editar | editar código-fonte]

A popularidade das piadas fez com que elas se tornassem uma importante ferramenta da publicidade.[17] Muitos produtos são vendidos utilizando-se piadas. Um curioso exemplo surgiu em 2001, no Brasil, quando uma seguradora chamada Sinaf espalhou outdoors no Rio de Janeiro e em São Paulo com piadas sobre a morte. Apesar de algumas pessoas considerarem de mau-gosto, a campanha obteve resultados positivos.[18]

No Canadá, a ONG Éduc’alcool utiliza piadas que ridicularizam bêbados para desenvolver uma campanha contra o uso excessivo do álcool. Foi considerado que campanhas com piadas atingiam melhor os objetivos do que campanhas "moralistas".[19]

Categorização das piadas[editar | editar código-fonte]

Não existe uma classificação formal para os diferentes "tipos" de piadas. Além disso, há diferenças culturais entre países e regiões que fazem com que algo que pode ser considerado engraçado num lugar não o seja em outro.

As diferenças estabelecem-se também ao longo do tempo, formando verdadeiros ciclos literários que têm sido estudados e catalogados por folcloristas.[20] Estes modelos constituem os anedotários típicos de cada cultura num dado espaço e tempo.

Piadas temáticas[editar | editar código-fonte]

Profissões[editar | editar código-fonte]

Piada1.jpg

É uma das que mais caracterizam as diferenças regionais. Nos Estados Unidos, por exemplo, são muito populares piadas sobre advogados.[21] Já na Itália, é usual contarem piadas sobre a polícia local (Carabinieri).[22]

Piadas políticas[editar | editar código-fonte]

Piada2.jpg

As piadas que versam sobre política podem satirizar fatos políticos da atualidade ou em relação a clichês relativos ao assunto. Na Idade Média, os bobos-da-corte costumavam entreter os reis fazendo piadas políticas em relação à Corte. As charges de jornais também costumam trazer piadas políticas, quando há alguma espécie de diálogo ou texto em conjunto com o desenho.

Piadas étnicas e sobre minorias[editar | editar código-fonte]

As minorias também são alvo preferencial de piadas. No Brasil são muito comuns piadas sobre portugueses e as sobre "homossexuais".

Em Portugal se associa muito a prostituição às emigrantes brasileiras, fazendo-se diversas piadas. As imigrantes do Leste da Europa também costumam ser alvo deste estereótipo.

Da mesma forma, piadas étnicas utilizam estereótipos sobre algum grupo étnico, cultura específicos, fazendo referência a algum outro povo. Geralmente, todas as piadas étnicas costumam ser consideradas "politicamente incorretas". Por vezes, o alvo não é de outra etnia, mas de uma região geográfica distinta, como acontece com as anedotas de alentejanos, em Portugal.

A intolerância às piadas racistas varia de acordo com cada localidade. Na Argentina, por exemplo, piadas sobre negros são menos reprovadas pela sociedade do que no Brasil, onde podem ser consideradas como crime, dependendo do contexto. Geralmente, as piadas racistas possuem um conteúdo que visa a demonstrar a "inferioridade" de alguma raça em relação a outra, seja sobre negros, índios, brancos ou orientais.

Piada3.jpg

No caso das piadas étnicas que envolvem outros povos, mudam bastante os protagonistas de acordo com o país. No Brasil, por exemplo, são muito comuns as piadas sobre portugueses, americanos, turcos e argentinos, além disso de piadas sobre moradores de outros estados ou cidades (por exemplo, piadas de cariocas sobre paulistas e vice-versa). Em Portugal, contam-se piadas principalmente sobre alentejanos, os povos da África lusófona, franceses, ingleses e espanhóis.

Outros países possuem diferentes "vítimas" das piadas. Na Finlândia, contam-se piadas sobre russos e ciganos. Nos Estados Unidos, sobre polacos, canadenses e mexicanos. No Canadá, sobre os moradores de Terra Nova e Labrador e americanos. Os britânicos contam piadas sobre irlandeses, enquanto que na Índia, opta-se pelos seguidores do sikhismo. Os franceses gostam de piadas sobre belgas.

Curiosamente, apesar de cada país utilizar diferentes "personagens" para as piadas, elas costumam ter um conteúdo muito parecido, mudando apenas os "protagonistas". Geralmente, a principal parte da piada diz respeito a erros cometidos pelos habitantes desses países, passando uma imagem de "burros" ou "inaptos".

Também costuma haver piadas que trazem mais de uma nacionalidade, geralmente fazendo-se comparações entre os estereótipos de cada uma, mas normalmente trazendo a conclusão com o "alvo preferido" de quem conta.

Um caso à parte é o das piadas sobre judeus, que possuem um humor bastante específico, sendo que na própria comunidade judaica são contadas piadas sobre judeus. Geralmente, fazem-se piadas sobre o estereótipo da "mãe judia" ou de outras características consideradas marcantes (mesmo que não correspondam necessariamente a todos da comunidade, como a avareza).

Piadas de bêbados[editar | editar código-fonte]

São piadas que falam sobre alcoólatras. Geralmente as piadas acontecem em bares e na rua. Em algumas delas, o homem alcoolátra chega em casa de madrugada, e recebido insultuosamente pela esposa. É comum nessas piadas falarem sobre traição.

Piadas sexistas[editar | editar código-fonte]

Uma piada sexista é a que satiriza as características de um gênero ou sexo, considerando-o "inferior" ao outro. Pode ser desenvolvida como uma piada tradicional, como piada suja ou até como uma piada do tipo de pergunta e resposta.

Piadas de louras[editar | editar código-fonte]

Piada4.jpg

Uma espécie de "subgênero" das piadas sexistas são as "piadas de louras". Comuns em diversos países, essas piadas satirizam mulheres que possuem cabelos louros, sendo consideradas como "burras". Apesar de também serem, de certa forma, piadas racistas, costumam ser consideradas principalmente como sexistas.

Estilos[editar | editar código-fonte]

Perguntas e respostas[editar | editar código-fonte]

São piadas que utilizam o "final surpreendente" como resposta para alguma pergunta feita por quem conta a piada. Normalmente se utilizam perguntas curtas que podem ter duas respostas (a que o interlocutor imagina ser a resposta verdadeira e a que o piadista complementa como "final surpreendente"). Muitas vezes a resposta tende ao nonsense, dando origem ao que é frequente designar-se em Portugal como "anedotas secas. Uma variante comum no Brasil são as perguntas estilo "Você conhece…?", originando-se esse tipo de piadas perguntando-se o conhecimento do interlocutor ao Mario. Cuja resposta é "Aquele que te comeu (Teve atos sexuais com você) atrás do armário".[23]

Nos Estados Unidos, a piada de pergunta e resposta mais popular é a "Por que a galinha atravessa a rua?". No Brasil, são muito populares as "piadas dos pontinhos"[24] e as "piadas de elefantes".[25]

Piadas secas[editar | editar código-fonte]

Muitas destas piadas são qualificadas de secas (embora nem todas sejam pergunta-resposta), ao fazerem uso do anticlímax. A piada funciona por, paradoxalmente, não ter piada. O nonsense ou a falta de lógica da mesma acaba por fazer levar ao riso, devido à simples desilusão, após um momento de expectativa.

É costume, quando alguém diz um dito supostamente engraçado a propósito de uma situação qualquer, que o interlocutor responda: "Essa foi mesmo seca." ("essa" subentende-se: a piada, o dito).

Piadas sujas ou picantes[editar | editar código-fonte]

Uma piada suja (em Portugal usa-se mais o epíteto "picante") geralmente satiriza tabus sexuais, portanto também costuma variar de acordo com o país. Geralmente falam-se obscenidades ou palavrões, ainda que por vezes estes possam apenas estar subentendidos.

Piadas de humor negro[editar | editar código-fonte]

Essas são as piadas que satirizam fatos mórbidos. Um exemplo seriam as piadas referentes à morte de alguém ou sobre alguma situação trágica (um terremoto que tenha devastado um país ou uma comunidade que passe fome, por exemplo). No Brasil ficaram famosas as piadas sobre os trágicos acidentes que culminaram com a morte de Ayrton Senna e com a do grupo Mamonas Assassinas, interpretadas como uma espécie de catarse da comoção nacional sentida em ambas as ocasiões. Por vezes, este género está associado com as piadas racistas (com a morte de Samora Machel, houve uma corrente de anedotas mórbidas de cariz racista, em Portugal).

Trocadilhos[editar | editar código-fonte]

Os trocadilhos, ou jogos de palavras, também chamados de charadas, são possivelmente as piadas que geram a maior dificuldade para tradução, já que só fazem sentido para uma dada língua ou sistema lexical. Em muitos casos, é simplesmente impossível traduzir um trocadilho, pois ele trabalha especificamente com palavras que podem ter significados completamente diferentes em outra língua ou, até mesmo, entre duas regiões que falam a mesma língua mas possuem gírias diferentes.

Um trocadilho pode ser infame (quando o duplo sentido é forçado), ingênuo (quando é uma simples brincadeira de palavras) ou malicioso (utilizando-se de preconceitos). No Brasil, é muito comum trocadilhos com animais, especialmente jumentos, galinhas, vacas e piranhas, dado o "duplo sentido" que a alusão a esses animais gera automaticamente.

Outros tipos de piadas[editar | editar código-fonte]

Não é possível categorizar todos os tipos existentes de piadas, já que, muitas vezes, uma piada pode se encaixar em mais de uma das categorias citadas anteriormente (ou até em nenhuma delas). Alguns outros tipo de piadas menos comuns são piadas sobre animais (sendo que o mais utilizado no Brasil é o "papagaio boca-suja", mas também há piadas com animais Antropomórficos), Bêbados, Fanhos,[26] Loiras,[27]Religiosas, Sogras, Loucos, Gaúchos,[28] Gagos,[29] Joãozinho,[30] Mineiro[31] e etc.[32]

Um tipo de piada raramente utilizado no Brasil ou em Portugal mas que merece citação pela gigantesca popularidade nos Estados Unidos é o "Sua mãe é tão..." Essas piadas resumem-se a falar "Yo mama's so..." ("Sua mãe é tão...") seguido de uma ofensa (geralmente a ofensa principal é a obesidade, como por exemplo: "a sua mãe é tão gorda que...").[33]

Esse tipo de piada é extremamente popular em shows de humoristas afro-americanos e pode ser conferido em dezenas de filmes que fazem referência a essas apresentações.[34]

Personagens típicas[editar | editar código-fonte]

Joãozinho[editar | editar código-fonte]

Joãozinho é um nome genérico que se utiliza em piadas que envolvem um garotinho que faz perguntas ou comentários que provocam espanto em adultos. Esse é o nome utilizado no Brasil e em Portugal (em Portugal sendo popular o termo Menino Joãozinho), mas esse contexto de piada também é utilizado em outros países. Variações incluem Juquinho, Toninho e Zezinho.

Os nomes mais populares são: Little Johnny (Estados Unidos), Jaimito[35] (Espanha), Pepito (México), Vovochka (Rússia), Pepíček (República Tcheca), Pierino (Itália) e Toto (França).

Seu Lunga[editar | editar código-fonte]

Seu Lunga é um personagem do interior do Ceará, famoso pela sua rispidez quando fazem perguntas estúpidas. As piadas neste estilo são conhecidas como "pergunta idiota, resposta cretina", ou "tolerância zero".[36]

A personagem Seu Lunga foi caracterizado por outra personagem, Seu Saraiva, integrante do programa de quadros de humor da rede brasileira de televisão Globo, Zorra Total.

Frases e expressões populares originadas de piadas[editar | editar código-fonte]

Muitas vezes algumas piadas tradicionais acabam gerando termos ou frases que se tornam populares, deixando de ser necessário o contexto da piada para que ela exista. Alguns exemplos estão relacionados abaixo.

Amigo-da-onça[editar | editar código-fonte]

A expressão "amigo-da-onça" é utilizada para referir-se a um amigo falso, hipócrita, também chamado popularmente de "amigo-urso"[37] em referência a uma fábula de Esopo.[38] A expressão tornou-se bastante popular no Brasil a partir dos anos 40, quando o cartunista Péricles criou o personagem Amigo da Onça[39] a partir de uma piada que ouvira, na qual um caçador famoso era questionado por um ouvinte inconveniente sobre como faria para matar uma onça diante de situações progressivamente mais desesperadoras (a arma falha, as balas acabam, a faca fora perdida, etc.) até finalmente desabafar: “Afinal, você é meu amigo ou é amigo da onça?”

"Nós quem, cara-pálida?"[editar | editar código-fonte]

A frase "Nós quem, cara-pálida?" costuma ser usada, de forma irônica, sempre que alguém quer indicar que não será envolvido no problema que o interlocutor está apresentando. Por exemplo, um amigo diz ao outro que eles têm um determinado problema, ao que o amigo responde com essa frase para indicar que ele deve resolver sozinho, pois não terá sua ajuda.[40] A piada em questão surgiu na Revista MAD e envolve o Cavaleiro Solitário e seu amigo índio, o Tonto, que se vêem cercados de peles-vermelhas, de forma aparentemente desesperadora. Tonto reage à frase “Parece que desta vez nós estamos perdidos, amigo” com o comentário “Nós quem, cara-pálida?”[41]

Subir no telhado[editar | editar código-fonte]

A expressão "subir no telhado" é bastante utilizada para referir-se (de forma irônica) a alguém que morreu ou que deve morrer em breve ("Fulano subiu no telhado"). Também é utilizada, em menor escala, para falar sobre alguma outra coisa que provavelmente será destruída ou deixará de existir.[42] Baseia-se na piada de um caseiro simplório que informa ao patrão em viagem que o gato de estimação da família morreu. Após censurar o empregado por sua falta de sensibilidade, o patrão lhe diz que notícias trágicas devem ser dadas de forma gradual, exemplificando no caso do gato dizendo que o caseiro deveria ter começado por dizer que o gato subira no telhado. Ao terminar a lição de moral o patrão recebe de seu caseiro a notícia de que sua mãe acabara de subir no telhado...

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. Geralmente atribuído a Ed Wynn.
  2. Em 2008, o canal de TV britânico Dave contratou uma equipe de acadêmicos, liderada pelo especialista em humor Paul McDonald, da Universidade de Wolverhampton, para pesquisar os exemplos mais antigos de humor registrado no mundo. Porque o humor pode ser difícil de definir sua condição era "uma estrutura clara de configuração e piada". Em revisão, McDonald afirmou: "... as piadas têm variado ao longo dos anos, com algumas tendo o formato de perguntas e respostas, enquanto outras são provérbios ou enigmas espirituosos. Os trocadilhos modernos, as piadas das garotas de Essex e o humor do banheiro podem ser rastreados até as primeiras piadas identificadas nesta pesquisa." José 2008

Referências

  1. Sløk-Andersen, Beate (2019). «The Butt of the Joke?: Laughter and Potency in the Becoming of Good Soldiers» (PDF). Denmark: The University of California. Cultural Analysis. 17 (1): 25–56. Consultado em 1 de janeiro de 2021 
  2. Hetzron 1991, pp. 65–66.
  3. Jolles 1930.
  4. a b Joseph 2008.
  5. a b c Adams 2008.
  6. Beard 2014, p. 185.
  7. Beard 2014, pp. 186–188.
  8. a b Beard 2014, p. 188.
  9. a b Ward & Waller 2000.
  10. Lane 1905.
  11. Cathcart & Klein 2007.
  12. «Joking, and Learning, About Philosophy». NPR.org (em inglês). Consultado em 23 de julho de 2022 
  13. Berry 2013.
  14. revista Época
  15. [1]
  16. a b LaughLab - acesso a 23 de Fevereiro de 2008
  17. CASTRO, Maria Lília Dias de, "Publicidade de humor, estratégias e efeitos", Anais do 24. Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, Campo Grande/MS, setembro 2001 (cd-rom). São Paulo, Intercom/Portcom: Intercom, 2001.
  18. MARKETING MÓRBIDO: Morram de inveja in "Correio Braziliense", 25 de Outubro de 2001; acesso a 23 de Fevereiro de 2008
  19. Éduc'alcool Arquivado em 5 de março de 2008, no Wayback Machine. - acesso a 23 de Fevereiro de 2008
  20. ATTARDO, Salvatore, Beyond the Joke in "Humorous Texts: A Semantic and Pragmatic Analysis", pp. 69-71, 2001, Walter de Gruyter, ISBN 3-11-017068-X
  21. The Lawyer Jokes Warehouse. Arquivado em 12 de março de 2008, no Wayback Machine. - acesso a 23 de Fevereiro de 2008
  22. BarzelletteSuiCarabinieri.com - acesso a 23 de Fevereiro de 2008
  23. Resultados no Google para "anedotas secas"
  24. Piadas Arquivado em 16 de fevereiro de 2007, no Wayback Machine. in JCKids - acesso a 24 de Fevereiro de 2008
  25. Piadas de elefantes in UOL Crianças - acesso a 24 de Fevereiro de 2008
  26. MAINARDI, Diogo, Só vale piada de fanho Arquivado em 23 de fevereiro de 2005, no Wayback Machine. in "Veja Online" - acesso a 19 de Março de 2008
  27. Piadas de Loiras in "Mais piadas"
  28. Piadas app Arquivado em 26 de julho de 2018, no Wayback Machine. - acesso a 21 de Julho de 2014
  29. «iPiadas - Piadas Engraçadas». iPiadas. Consultado em 11 de novembro de 2021 
  30. «Home - Piadas». Piadas. Consultado em 25 de julho de 2018 
  31. «Piadas mineiro - Piadas». Piadas 
  32. Piadas engraçadas Arquivado em 2 de janeiro de 2011, no Wayback Machine. - acesso a 19 de Março de 2008
  33. Yo Momma Jokes Arquivado em 14 de maio de 2008, no Wayback Machine. - acesso a 18 de Março de 2008
  34. SALOY, Mona Lisa, Still Laughing to Keep from Crying: Black Humor in "Louisiana Living Traditions" - acesso a 18 de Março de 2008
  35. [2]
  36. LINDOSO, Ester, A fantástica construção do nordestino Seu Lunga Arquivado em 9 de novembro de 2007, no Wayback Machine. in Esquina da Literatura Arquivado em 27 de fevereiro de 2008, no Wayback Machine. - acesso a 23 de Fevereiro de 2008
  37. Amigo da onça Arquivado em 22 de fevereiro de 2009, no Wayback Machine. in Dicionário HostDime - acesso a 19 de Março de 2008
  38. O Amigo Urso in Formato Editorial - acesso a 19 de Março de 2008
  39. LIMA, Rafael, Péricles, o amigo da onça Arquivado em 16 de maio de 2008, no Wayback Machine. in "Paralelos" - acesso a 16 de Março de 2008
  40. RIBEIRO, Jorge Claudio, NÓS QUEM, CARA-PÁLIDA? Arquivado em 23 de fevereiro de 2009, no Wayback Machine. in "Psicopedagogia Online", acesso a 23 de maio de 2008
  41. E. Nelson Bridwell coined the famous Lone Ranger/Tonto joke “what you mean…we”?
  42. TORRES, Mônica, "Efeito Cortina" in "A Notícia", 16 de Outubro de 2007, acesso a 15 de Março de 2008

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Adams, Stephen (2008). «Dead parrot sketch is 1600 years old: It's long been held that the old jokes are the best jokes - and Monty Python's Dead Parrot sketch is no different». The Telegraph 
  • Apo, Satu (1997). «Motif». In: Green, Thomas. Folklore An Encyclopedia of Beliefs, Customs, Tales, Music, and Art. Santa Barbara, CA: ABC-CLIO. pp. 563–564. ISBN 9780874369861 
  • Apte, Mahadev L. (1985). Humor and Laughter: An Anthropological Approach. Ithaca, NY: Cornell University Press 
  • Apte, Mahadev L. (1988). «Disciplinary boundaries in humorology: An anthropologist's ruminations». Humor: International Journal of Humor Research. 1 (1): 5–25. doi:10.1515/humr.1988.1.1.5 
  • Apte, Mahadev L. (2002). «Author Review of Humor and Laughter: an Anthropological Approach». Consultado em 10 de agosto de 2015 
  • Attardo, Salvatore (1994). Linguistic Theories of Humor. Berlin, New York: Mouton de Gruyter 
  • Attardo, Salvatore (2001). Humorous Texts: A Semantic and Pragmatic Analysis. Berlin: Walter de Gruyter 
  • Attardo, Salvatore (2008). «A primer for the linguistics of humor». In: Raskin, Victor. Primer of Humor Research. Col: Humor Research. 8. Berlin, New York: Mouton de Gruyter. pp. 101–156 
  • Attardo, Salvatore; Chabanne, Jean-Charles (1992). «Jokes as a text type». Humor: International Journal of Humor Research. 5 (1/2): 165–176. doi:10.1515/humr.1992.5.1-2.165 
  • Azzolina, David (1987). Tale type- and motif-indices: An annotated bibliography. New York: Garland 
  • Beard, Mary (2014), Laughter in Ancient Rome: On Joking, Tickling, and Cracking Up, ISBN 978-0-520-95820-3, Berkeley, Los Angeles, and London: University of California Press 
  • Bauman, Richard (1975). «Verbal Art as Performance». American Anthropologist. New Series. 77 (2): 290–311. JSTOR 674535. doi:10.1525/aa.1975.77.2.02a00030Acessível livremente 
  • Berry, William (2013). «The Joke's On Who?». Psychology Today (Feb 2013) 
  • Bronner, Simon J., ed. (2007). The Meaning of folklore: the Analytical Essays of Alan Dundes. Logan, UT: Utah State University Press 
  • Brunvand, Jan Harald (1968). The Study of American Folklore. New York, London: W.W. Norton. ISBN 9780393098037 
  • Carrell, Amy (2008). «Historical Views of Humor» (PDF). In: Raskin, Victor. Primer of Humor Research: Humor Research 8. Berlin, New York: Mouton de Gruyter. pp. 303–332 
  • Cathcart, Thomas; Klein, Daniel (2007). Plato and a Platypus Walk into a Bar... Understanding Philosophy Through Jokes. New York: Penguin Books 
  • Coulson, Seana; Kutas, Marta (1998). «Frame-shifting and sentential integration». San Diego, CA: Technical Report CogSci.UCSD-98.03. USCD Cognitive Science Technical Report. 4 (3–4) 
  • Coulson, Seana; Kutas, Marta (2001). «Getting it: Human event-related brain response to jokes in good and poor comprehenders». Neuroscience Letters. 316 (2): 71–74. PMID 11742718. doi:10.1016/s0304-3940(01)02387-4 
  • Davies, Christie (1990). Ethnic Humor Around the World: A comparative Analysis. Bloomington: Indiana University Press 
  • Davies, Christie (1998). Jokes and Their Relation to Society. [S.l.]: Walter de Gruyter. pp. 186–189. ISBN 978-3-11-016104-5 
  • Davies, Christie (1999). «Jokes on the Death of Diana». In: Walter, Julian Anthony; Walter, Tony. The Mourning for Diana. [S.l.]: Berg Publishers. p. 255. ISBN 978-1-85973-238-0 
  • Davies, Christie (2002). «Jokes about Newfies and Jokes told by Newfoundlanders». Mirth of Nations. [S.l.]: Transaction Publishers. ISBN 978-0-7658-0096-1 
  • Davies, Christie (2008). «Undertaking the Comparative Study of Humor». In: Raskin, Victor. Primer of Humor Research: Humor Research 8. Berlin, New York: Mouton de Gruyter. pp. 157–182 
  • Dorst, John (1990). «Tags and Burners, Cycles and Networks: Folklore in the Telectronic Age». Bloomington and Indianapolis: Indiana University Press. Journal of Folklore Research. 27 (3): 61–108 
  • Douglas, Mary (1975). «Jokes». In: Mukerji, Chandra; Schudson, Michael. Rethinking Popular Culture: Contemporary Perspectives in Cultural Studies. Berkeley, CA: University of California 
  • Dundes, Alan (1962). «From Etic to Emic Units in the Structural Study of Folktales». Journal of American Folklore. 75 (296): 95–105. JSTOR 538171. doi:10.2307/538171 
  • Dundes, Alan (1971). «A Study of Ethnic Slurs: The Jew and the Polack in the United States». Journal of American Folklore. 84 (332): 186–203. JSTOR 538989. doi:10.2307/538989 
  • Dundes, Alan (1972). «Folk ideas as units of World View». In: Bauman, Richard; Paredes, Americo. Toward New Perspectives in Folklore. Bloomington, IN: Trickster Press. pp. 120–134 
  • Dundes, Alan (julho de 1979). «The Dead Baby Joke Cycle». Western Folklore. 38 (3): 145–157. JSTOR 1499238. PMID 11633558. doi:10.2307/1499238 
  • Dundes, Alan (1980). «Texture, text and context». Interpreting Folklore. Bloomington and Indianapolis: Indiana University Press. pp. 20–32 
  • Dundes, Alan (1981). «Many Hands Make Light Work or Caught in the Act of Screwing in Light Bulbs». Western Folklore. 40 (3): 261–266. JSTOR 1499697. doi:10.2307/1499697 
  • Dundes, Alan (outubro–dezembro de 1985). «The J. A. P. and the J. A. M. in American Jokelore». The Journal of American Folklore. 98 (390): 456–475. JSTOR 540367. doi:10.2307/540367 
  • Dundes, Alan (1987). Cracking jokes: Studies of Sick Humor Cycles & Stereotypes. Berkeley: Ten Speed Press 
  • Dundes, Alan, ed. (1991). «Folk Humor». Mother Wit from the Laughing Barrel: Readings in the Interpretation of Afro-American Folklore. [S.l.]: University Press of Mississippi. p. 612. ISBN 978-0-87805-478-7 
  • Dundes, Alan (1997). «The Motif-Index and the Tale Type Index: A Critique». Bloomington and Indianapolis: Indiana University Press. Journal of Folklore Research. 34 (3): 195–202. JSTOR 3814885 
  • Dundes, Alan; Hauschild, Thomas (outubro de 1983). «Auschwitz Jokes». Western Folklore. 42 (4): 249–260. JSTOR 1499500. doi:10.2307/1499500 
  • Dundes, Alan; Pagter, Carl R. (1987). When You're Up to Your Ass in Alligators: More Urban Folklore from the Paperwork Empire. Detroit: Wayne State University Press 
  • Dundes, Alan; Pagter, Carl R. (1991). «The mobile SCUD Missile Launcher and other Persian Gulf Warlore: An American Folk Image of Saddam Hussein's Iraq». Western Folklore. 50 (3): 303–322. JSTOR 1499881. doi:10.2307/1499881 
  • Ellis, Bill (1991). «The Last Thing ... Said: The Challenger Disaster Jokes and Closure». London. International Folklore Review (8): 110–124 
  • Ellis, Bill (2002). «Making a Big Apple Crumble». New Directions in Folklore (6). Consultado em 18 de agosto de 2015. Arquivado do original em 22 de outubro de 2016 
  • Frank, Russel (2009). «The Forward as Folklore: Studying E-Mailed Humor». In: Blank, Trevor J. Folklore and the Internet. Logan, UT: Utah State University Press. pp. 98–122 
  • Freedman, Matt; Hoffman, Paul (1980). How Many Zen Buddhists Does It Take to Screw In a Light Bulb?. New York: [s.n.] 
  • Freud, Sigmund (1905). Der Witz und seine Beziehung zum Unbewußten. Leipzig, Vienna: Franz Deuticke 
  • Furnham, Adrian (30 de outubro de 2014). «The Surprising Psychology of Smiling: Natural or fake, each smile tells you something important about its wearer». Psychology Today [ligação inativa] 
  • Georges, Robert A. (1997). «The Centrality in Folkloristics of Motif and Tale Type». Bloomington and Indianapolis: Indiana University Press. Journal of Folklore Research. 34 (3): 195–202. JSTOR 3814885 
  • Georges, Robert A.; Jones, Michael Owen (1995). Folkloristics : an Introduction. Bloomington and Indianapolis: Indiana University Press 
  • Giles, H.; Oxford, G.S. (1970). «Towards a multidimensional theory of laughter causation and its social implications». Bulletin of British Psychology Society. 23: 97–105 
  • Goldberg, Harriet (1998). «Motif-Index of Medieval Spanish Folk Narratives». Medieval & Renaissance Texts & Studies. Tempe, AZ: [s.n.] 
  • Gruner, Charles R. (1997). The Game of Humor: A Comprehensive Theory of Why We Laugh. Piscataway, NJ: Transaction Publishers. ISBN 978-0-7658-0659-8 
  • Hempelmann, Christian; Samson, Andrea C. (2008). «Cartoons: Drawn jokes?». In: Raskin, Victor. Primer of Humor Research: Humor Research 8. Berlin, New York: Mouton de Gruyter. pp. 609–640 
  • Hetzron, Robert (1991). «On the structure of punchlines». Humor: International Journal of Humor Research. 4 (1): 61–108. doi:10.1515/humr.1991.4.1.61 
  • Hirsch, K.; Barrick, M.E. (1980). «The Helen Keller Joke Cycle». Journal of American Folklore. 93 (370): 441–448. JSTOR 539874. doi:10.2307/539874 
  • Hirsch, Robin (1964). «Wind-Up Dolls». Western Folklore. 23 (2): 107–110. JSTOR 1498259. doi:10.2307/1498259 
  • Jason, Heda (2000). «Motif, type, and genre: a manual for compilation of indices & a bibliography of indices and indexing». Helsinki: Suomalainen Tiedeakatemia. FF Communications. 273 
  • Jolles, André (1930). Einfache Formen. Legende, Sage, Mythe, Rätsel, Spruch, Kasus, Memorabile, Märchen, Witz. Halle (Saale): Forschungsinstitut für Neuere Philologie Leipzig: Neugermanistische Abteilung; 2 
  • Joseph, John (31 de julho de 2008). «World's oldest joke traced back to 1900 BC». Reuters. Consultado em 21 de maio de 2017 
  • Kerman, Judith B. (1980). «The Light-Bulb Jokes: Americans Look at Social Action Processes». Journal of American Folklore. 93 (370): 454–458. JSTOR 539876. doi:10.2307/539876 
  • Kitchener, Amy (1991). Explosive Jokes: A collection of Persian Gulf War Humor. [S.l.]: Unpublished Manuscript 
  • Lane, William Coolidge, ed. (1905). Catalogue of English and American chapbooks and broadside ballads in Harvard University Library. Cambridge, MA: Harvard University 
  • Laszlo, Kurti (julho–setembro de 1988). «The Politics of Joking: Popular Response to Chernobyl». The Journal of American Folklore. 101 (401): 324–334. JSTOR 540473. doi:10.2307/540473 
  • Legman, Gershon (1968). Rationale of the Dirty Joke: an Analysis of Sexual Humor. New York: Simon & Schuster 
  • Lew, Robert (abril de 1996). An Ambiguity-based theory of the linguistic verbal joke in English (PDF) (PhD thesis). Poznań, Poland: Adam Mickiewicz University. Consultado em 8 de setembro de 2015. Arquivado do original (PDF) em 24 de setembro de 2015 
  • Marcus, Adam (2001). «Laughter Shelved in Medicine Cabinet: America's sense of humor blunted by week of shock». Healingwell.com (Sept. 19) 
  • Mason, Bruce Lionel (1998). «E-Texts: The Orality and Literacy Issue Revisited». Oral Traditions. 13. Columbia, MO: Center for Studies in Oral Tradition 
  • Mintz, Lawrence E. (2008). «Humor and Popular Culture». In: Raskin, Victor. Primer of Humor Research: Humor Research 8. Berlin, New York: Mouton de Gruyter. pp. 281–302 
  • Morreall, John (2008). «Philosophy and Religion». In: Raskin, Victor. Primer of Humor Research: Humor Research 8. Berlin, New York: Mouton de Gruyter. pp. 211–242 
  • Mulder, M.P.; Nijholt, A. (setembro de 2002). «Humour Research: State of the Art» (PDF). University of Twente, Netherlands: Center of Telematics and Information Technology. Consultado em 10 de agosto de 2015 
  • Nilsen, Alleen; Nilsen, Don C. (2008). «Literature and Humor». In: Raskin, Victor. Primer of Humor Research: Humor Research 8. Berlin, New York: Mouton de Gruyter. pp. ––– 
  • Oring, Elliott (1984). The Jokes of Sigmund Freud: a Study in Humor and Jewish Identity. Philadelphia: University of Pennsylvania Press. ISBN 9780812279108 
  • Oring, Elliott (julho–setembro de 1987). «Jokes and the Discourse on Disaster». The Journal of American Folklore. 100 (397): 276–286. JSTOR 540324. doi:10.2307/540324 
  • Oring, Elliott (primavera de 2000). «Review of Jokes and Their Relation to Society by Christie Davies». The Journal of American Folklore. 113 (448): 220–221. JSTOR 541299. doi:10.2307/541299 
  • Oring, Elliott (2008). «Humor in Anthropology and Folklore». In: Raskin, Victor. Primer of Humor Research: Humor Research 8. Berlin, New York: Mouton de Gruyter. pp. 183–210 
  • Preston, Cathy Lynn (1997). «Joke». In: Green, Thomas. Folklore An Encyclopedia of Beliefs, Customs, Tales, Music, and Art. Santa Barbara, CA: ABC-CLIO 
  • Radcliffe-Brown, A. R. (1940). «On Joking Relationships». Journal of the International African Institute. 13 (332): 195–210. JSTOR 1156093. doi:10.2307/1156093 
  • Rahkonen, Carl (2000). «No Laughing Matter: The Viola Joke Cycle as Musicians' Folklore». Western Folklore. 59 (1): 49–63. JSTOR 1500468. doi:10.2307/1500468 
  • Raskin, Victor (1985). Semantic Mechanisms of Humor. Dordrecht, Boston, Lancaster: D. Reidel 
  • Raskin, Victor (1992). «Humor as a Non-Bona-Fide Mode of Communication». In: E. L. Pedersen. Proceedings of the 1992 annual meeting of the Deseret Language and Linguistic Society. Provo, UT: Brigham Young University. pp. 87–92 
  • Raskin, Victor, ed. (2008). Primer of Humor Research: Humor Research 8. Berlin, New York: Mouton de Gruyter 
  • Raskin, Victor; Attardo, Salvatore (1991). «Script theory revis(it)ed: joke similarity and joke representation model». Berlin, New York: Mouton de Gruyter. Humor: International Journal of Humor Research. 4 (3–4): 293–348 
  • Ruch, Willibald (2008). «Psychology of humor». In: Raskin, Victor. Primer of Humor Research: Humor Research 8. Berlin, New York: Mouton de Gruyter. pp. 17–100 
  • Sacks, Harvey (1974). «An Analysis of the Course of a Joke's telling in Conversation». In: Bauman, Richard; Sherzer, Joel. Explorations in the Ethnography of Speaking. Cambridge, UK: Cambridge University Press. pp. 337–353 
  • Shultz, Thomas R. (1976). «A cognitive-developmental analysis of humour». London: John Wiley. Humour and Laughter: Theory, Research and Applications: 11–36 
  • Simons, Elizabeth Radin (1986). «The NASA Joke Cycle: The Astronauts and the Teacher». Western Folklore. 45 (4): 261–277. JSTOR 1499821. doi:10.2307/1499821 
  • Sims, Martha; Stephens, Martine (2005). Living Folklore: Introduction to the Study of People and their Traditions. Logan, UT: Utah State University Press 
  • Smyth, Willie (outubro de 1986). «Challenger Jokes and the Humor of Disaster». Western Folklore. 45 (4): 243–260. JSTOR 1499820. doi:10.2307/1499820 
  • Sykes, A.J.M. (1966). «Joking Relationships in an Industrial Setting». American Anthropologist. New Series. 68 (1): 188–193. JSTOR 668081. doi:10.1525/aa.1966.68.1.02a00250Acessível livremente 
  • Toelken, Barre (1996). The Dynamics of Folklore. Logan, UT: Utah State University Press 
  • Walle, Alf H. (1976). «Getting Picked up without Being Put down: Jokes and the Bar Rush». Journal of the Folklore Institute. 13 (332): 201–217. JSTOR 3813856. doi:10.2307/3813856 
  • Ward, A.W.; Waller, A.R., eds. (2000). «V. The Progress of Social Literature in Tudor Times. § 9. Jest-books». The Cambridge History of English and American Literature in 18 Volumes (1907–21). Volume III. Renascence and Reformation. New York: BARTLEBY.COM 
  • Weeks, Linton (3 de março de 2015). «The Secret History Of Knock-Knock Jokes». npr.org 
  • Wild, Barbara; Rodden, Frank A.; Grodd, Wolfgang; Ruch, Willibald (2003). «Neural correlates of laughter and humour». Brain. 126 (10): 2121–2138. PMID 12902310. doi:10.1093/brain/awg226Acessível livremente