Dez Mandamentos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Dez Mandamentos (desambiguação).
Os Dez Mandamentos, por Spagnoletto, 1638.
Arte sefardita. Decálogo de Jekuthiel Sofer, 1768, que imita o formato das duas tábuas de pedra. Bibliotheca Rosenthaliana, Amsterdã.

Dez Mandamentos ou o Decálogo , que significa "dez palavras", é o nome dado ao conjunto de Leis Divinas que, segundo a Bíblia Sagrada, foram escritos diretamente por Yahweh Deus, O SENHOR e entregues a Moisés, o libertador e legislador de Israel, no contexto da Antiga Aliança, em duas ocasiões, a primeira, descrita no Livro de Êxodo, capítulo 20, versículos 1 a 17,[1] a segunda, no Livro de Deuteronômio, capítulo 5, versículos 6 a 21, com o mesmo teor, em essência. Essa apresentação das Tábuas da Lei, nas duas ocasiões, deu-se após a libertação do povo de Israel da escravidão no Egito, que durou cerca 430 anos, pel'O Braço Forte de Yahweh Deus, O SENHOR, por meio de Moisés. Segundo Êxodo, capítulo 32, Moisés recebera "as primeiras Tábuas da Lei", mas avisado por Yahweh Deus, voltou ao povo, viu a idolatria, e as quebrou.
A entrega original das Tábuas da Lei, em "primeira edição", tudo conformado ao desígnio de Yahweh Deus, O Deus de Israel, deu-se segundo está relatado no Livro de Êxodo, capítulo 20, versículos 1 a 17:

"(1) E Deus falou todas estas palavras: (2) Eu Sou Yahweh, o SENHOR, teu Deus, que te fez sair da terra do Egito, da casa da escravidão! (3) Não terás outros deuses além de mim. (4) Não farás para ti nenhum ídolo, nenhuma imagem esculpida, nada que se assemelhe ao que existe lá em cima, nos céus, ou embaixo na terra, ou mesmo nas águas que estão debaixo da terra. (5) Não te prostrarás diante desses deuses e não os servirás, porquanto Eu, o SENHOR teu Deus, sou um Deus ciumento, que puno a iniquidade dos pais sobre os filhos até a terceira e quarta geração dos que me odeiam, (6) mas que também ajo com amor até a milésima geração para aqueles que me amam e guardam os meus mandamentos. (7) Não pronunciarás em vão o Nome de Yahweh, o SENHOR teu Deus, porque Yahweh não deixará impune qualquer pessoa que pronunciar em vão o seu Nome. (8) Lembra-te do dia do shabbãth, sábado, para santificá-lo. (9) Trabalharás seis dias e neles realizarás todos os teus serviços. (10) Contudo, o sétimo dia da semana é o shabbãth, sábado, consagrado a Yahweh, teu Deus. Não farás nesse dia nenhum serviço, nem tu, nem teu filho, nem tua filha, nem teu escravo, nem tua escrava, nem teu animal, nem o estrangeiro que estiverem morando em tuas cidades. (11) Porquanto em seis dias Eu, o SENHOR, fiz o céu, a terra, o mar e tudo o que há neles, mas no sétimo dia descansei. Foi por esse motivo que Eu, o SENHOR, abençoei o shabbãth, sábado, e o separei para ser um dia santo. (12) Honra teu pai e tua mãe, a fim de que venhas a ter vida longa na terra que Yahweh, o teu Deus, te dá. (13) Não matarás. (14) Não adulterarás. (15) Não furtarás. (16) Não darás falso testemunho contra o teu próximo. (17) Não cobiçarás a casa do teu próximo. Não cobiçarás a mulher do teu próximo, nem seus servos ou servas, nem seu boi ou jumento, nem coisa alguma que lhe pertença'.
(18) Todo o povo, vendo os trovões e os relâmpagos, o som do shofar, a trombeta, e a montanha fumegante, sentiu grande pavor e procurou manter-se afastado. (19) Rogaram a Moisés: 'Fala-nos tu, e nós ouviremos; não nos fale diretamente Yahweh, para que não morramos!' (20) Moisés encorajou o povo, dizendo: 'Não temais. Deus veio para vos provar e para que o seu temor esteja entre vós, e não pequeis'. (21) O povo ficou longe; e Moisés aproximou-se da nuvem escura, onde Deus estava. (22) Yahweh ordenou a Moisés: 'Assim dirás aos filhos de Israel: Vistes com vossos próprios olhos que dos céus vos falei: (23) não fareis ídolos de prata nem de ouro para tentar representar minha pessoa! (24) Far-me-eis, entretanto, um altar de terra, e sobre ele sacrificareis os vossos holocaustos e os vossos sacrifícios de comunhão, as vossas ovelhas e os vossos bois. Em todo lugar onde Eu fizer celebrar a memória do meu Nome virei a vós e vos abençoarei. (25) Se me edificardes um altar de pedra não o fareis de pedras lavradas, porque se levantardes sobre ele o cinzel, vós o estareis profanando. (26) Nem fazei o meu altar com degraus, para evitar que ao subirdes vossa nudez seja ali exposta."[2](Bíblia King James Atualizada online)


Antes mesmo da primeira apresentação formal da Lei de Yahweh Deus, em Primeira Aliança Escrita, o povo de Israel, impaciente e talvez duvidoso do retorno de Moisés, transgrediu e cometeu a primeira idolatria:

"(1) Quando o povo de Israel percebeu que Moisés tardava muito a voltar do alto do monte, juntou-se ao redor de Arão e exigiu-lhe: 'Vamos, faze-nos deuses que vão à nossa frente, porque a esse Moisés, a esse homem que nos fez subir da terra do Egito, não sabemos o que lhe aconteceu!' (2) Arão consentiu e orientou-os: 'Tirai os brincos de ouro das orelhas de vossas mulheres, de vossos filhos e filhas, e trazei-mos!' (3) Então todo o povo tirou das orelhas os brincos e os entregaram a Arão. (4) Este, recebendo-os das suas mãos, os fez fundir em um molde e fabricou com esse ouro derretido uma estátua em forma de bezerro. Então o povo exclamou: 'Esta é a figura dos nossos deuses, ó Israel, que vos tiraram da terra do Egito!' (5) Diante dessa manifestação do povo, Arão construiu um altar diante do bezerro de ouro e fez esta proclamação: 'Amanhã será um dia de festa dedicada ao SENHOR!' (6) No dia seguinte, todo o povo se levantou bem cedo; ofereceram holocaustos e trouxeram sacrifícios de comunhão. Todas as pessoas assentaram-se para comer e beber e, mais tarde, levantaram-se para se divertir. (7) Então Yahweh avisou Moisés: 'Vai, desce depressa, porque o teu povo, que ajudaste a subir da terra do Egito, perverteu-se! (8) Com muita facilidade e rapidez desviaram-se do Caminho que Eu lhes havia ordenado. Fizeram para si um bezerro de metal fundido, e o estão adorando e lhe estão oferecendo louvores e sacrifícios e proclamaram em alta voz: 'Este é o teu Deus, ó Israel, que te fez subir do Egito!' (9) E Yahweh disse mais a Moisés: 'Tenho observado este povo: eis que é um povo de dura cerviz, teimoso. (10) Agora, portanto, deixa-me, para que se inflame contra eles a minha ira e Eu os consuma. Todavia, mais tarde, farei de ti uma grande nação!' (11) Moisés, no entanto, suplicou a Yahweh, seu Deus, e disse: 'Por que, ó Yahweh, se acende o teu furor contra o teu povo, que tiraste da terra do Egito por meio de teu braço forte e muitos milagres? (12) Por que os egípcios haveriam de blasfemar contra Ti, exclamando: ‘Foi com intenção maligna que Ele os fez sair da terra do Egito, para exterminá-los nos montes e bani-los da face da terra’! Abranda, pois, o furor da tua santa ira e reconsidera o castigo que pretendias impor ao teu povo. (13) Recorda-te dos teus servos Abraão, Isaque e Israel, aos quais juraste por Ti mesmo, dizendo: ‘Multiplicarei a vossa descendência como as estrelas do céu e, toda a terra que vos prometi, dá-la-ei a vossos filhos para que a possuam para sempre’. (14) E sucedeu que o SENHOR arrependeu-se do castigo que ameaçara impingir àquele povo. (15) Então Moisés desceu do monte, trazendo nas mãos as duas placas de pedra com os mandamentos escritos por Deus nos dois lados de cada pedra. (16) Essas Tábuas da Lei eram obras do dedo de Deus, e a escritura era obra de Deus, gravada sobre placas de pedra. (17) Então Josué, ouvindo o alarido e os gritos que vinham do povo, disse a Moisés: 'Há um barulho de guerra no acampamento!' (18) Ao que lhe respondeu Moisés: 'Não é canto de vitória, nem lamento de derrota; todavia ouço o som de canções!' (19) Quando Moisés aproximou-se do acampamento, no sopé da montanha, e viu aquela estátua em forma de bezerro e as danças, irou-se profundamente e espatifou as tábuas de pedra no chão. (20) Dirigiu-se à figura do bezerro que o povo havia confeccionado e destruiu-a no fogo. Em seguida, triturou-a até reduzi-la a pó miúdo, que espalhou na água, a qual fez todos os filhos de Israel beberem. "[3](Bíblia King James Atualizada online)


Posteriormente, conforme relata o Livro de Êxodo, capítulo 34, versículos de 1 a 10, O Senhor Yahweh Deus conclama Moisés a novamente subir o Monte Sinai, pois Ele lhe daria "as segundas Tabuas da Lei", idênticas às iniciais:

"(1) Então Yahweh solicita a Moisés: 'Corta duas placas de pedra semelhantes às primeiras, sobe a mim na montanha, e Eu escreverei as mesmas palavras que escrevi nas primeiras Tábuas, que quebraste. (2) Fica preparado de manhã; ao romper da aurora subirás o monte Sinai e lá me aguardarás, no alto do monte. (3) Ninguém poderá te acompanhar nessa jornada nem poderá alguém ficar em lugar algum do monte. Nem mesmo as ovelhas e bois poderão pastar diante da montanha!' (4) Em seguida Moisés cortou duas placas de pedra como as primeiras, levantou-se de madrugada e subiu ao monte Sinai, como Yahweh lhe havia orientado, e levou nas mãos as duas placas de pedra. (5) Então o SENHOR desceu na nuvem, permaneceu ali com Moisés e proclamou o seu Nome: Yahweh. (6) E, como prometera, passou diante de Moisés proclamando: (7) que persevera em seu amor dedicado a milhares, e perdoa a malignidade, a rebelião e o pecado. (8) Naquele mesmo instante, Moisés caiu de joelhos e curvou-se com seu rosto rente ao chão e adorou a Deus. (9) Em seguida suplicou: ' Yahweh! Se agora encontrei graça diante dos teus olhos, eu te rogo que caminhes conosco, ainda que este povo seja teimoso e insubmisso! Perdoa a nossa maldade e o nosso pecado e faze de nós a tua herança!' (10) Então disse Yahweh, o SENHOR: 'Eis que estabeleço uma aliança contigo! Farei diante de todo o teu povo maravilhas tão extraordinárias como não se fizeram em toda a terra, nem em nação alguma! Todo esse povo, no meio do qual estás, verá a obra de Yahweh, porque obra tremenda é a que Eu farei contigo.' "[4]Bíblia King James Atualizada online


Moisés, o legislador

Breve história

Moisés, por não ser da Tribo de Judá, mas, sim, da Tribo de Levi, não está na linhagem de ascendência genealógica de Jesus Cristo, como o está Abraão, "O Pai da Fé". Em um chamado Deus revelou a Moisés que deveria fugir com os Hebreus de volta a Terra Prometida (Canaã) ele obedeceu e convocou os Hebreus para a fuga, todos estiveram de seu lado e obedeceram a Deus. Após atravessar o Mar Vermelho, Moisés continuou a sua caminhada para Canaã. Moisés apenas viu Canaã de longe, lá recebeu a tábua dos Dez Mandamentos. Esse episódio ficou conhecido como Êxodo. Moisés morreu no caminho depois que vira Canaã.

Dez mandamentos

Texto primário

Os dez mandamentos, apresentados pela primeira vez no contexto de Livro de Êxodo, capítulo 20, versículos 1 a 17,[5] foram divididos em versículos com base no livro , os quais são, segundo a versão Bíblia King James Atualizada online:

  • " (1) E Deus falou todas estas palavras:
  • (2) 'Eu Sou Yahweh, o SENHOR, teu Deus, que te fez sair da terra do Egito, da casa da escravidão!
  • (3) Não terás outros deuses além de mim.
  • (4) Não farás para ti nenhum ídolo, nenhuma imagem esculpida, nada que se assemelhe ao que existe lá em cima, nos céus, ou embaixo na terra, ou mesmo nas águas que estão debaixo da terra.
  • (5) Não te prostrarás diante desses deuses e não os servirás, porquanto Eu, o SENHOR teu Deus, sou um Deus ciumento, que puno a iniquidade dos pais sobre os filhos até a terceira e quarta geração dos que me odeiam,
  • (6) mas que também ajo com amor até a milésima geração para aqueles que me amam e guardam os meus mandamentos.
  • (7) Não pronunciarás em vão o Nome de Yahweh, o SENHOR teu Deus, porque Yahweh não deixará impune qualquer pessoa que pronunciar em vão o seu Nome.
  • (8)Lembra-te do dia do shabbãth, sábado, para santificá-lo.
  • (9) Trabalharás seis dias e neles realizarás todos os teus serviços.
  • (10) Contudo, o sétimo dia da semana é o shabbãth, sábado, consagrado a Yahweh, teu Deus. Não farás nesse dia nenhum serviço, nem tu, nem teu filho, nem tua filha, nem teu escravo, nem tua escrava, nem teu animal, nem o estrangeiro que estiverem morando em tuas cidades.
  • (11) Porquanto em seis dias Eu, o SENHOR, fiz o céu, a terra, o mar e tudo o que há neles, mas no sétimo dia descansei. Foi por esse motivo que Eu, o SENHOR, abençoei o shabbãth, sábado, e o separei para ser um dia santo.
  • (12) Honra teu pai e tua mãe, a fim de que venhas a ter vida longa na terra que Yahweh, o teu Deus, te dá.
  • (13) Não matarás.
  • (14) Não adulterarás.
  • (15) Não furtarás.
  • (16) Não darás falso testemunho contra o teu próximo.
  • (17) Não cobiçarás a casa do teu próximo. Não cobiçarás a mulher do teu próximo, nem seus servos ou servas, nem seu boi ou jumento, nem coisa alguma que lhe pertença'. "

Diferentes tradições religiosas, não apenas judaicas ou só cristãs, apreentam os dezessete versículos de Êxodo 20: 1–17[6] e seus correspondentes versículos em Deuteronômio 5: 4–21[7] divididos e organizados em "dez mandamentos" ou "ditos" em modos diferentes, mostrados na tabela abaixo. Alguns sugerem que "o número dez" é uma opção para auxiliar a memorização, em vez de uma questão de teologia,[8] embora essa organização decenal mostre coesão interna, concordância e consistência temática a justificá-la.

'Os Dez Mandamentos'
LXX FDA SPT TAV AHV CRV LTV PRC Mandamento (artigo principal) Ex 20:1-7[9] Dt 5:4-21[10] Judaísmo Catol-"R" Catol-"O" Prot-"G"
1
1
(1)
Eu Sou Yahweh, o SENHOR, teu Deus, que te fez sair da terra do Egito, da casa da escravidão![1]
2[11]
6[11]
1
1
1
1
1
1
1
2
1
1
1
1
Não terás outros deuses além de Mim[1]
3[12]
7[12]
2
2
2
1
2
1
1
1
2
Não farás para ti imagem de escultura[1]
4–6[13]
8–10[13]
2
2
3
3
2
3
2
2
2
3
Não pronunciarás em vão o Nome de Yahweh, o SENHOR teu Deus[1]
7[14]
11[14]
3
2
3
3
4
4
3
4
3
3
3
4
Lembra-te do dia do shabbãth, sábado, para santificá-lo[1]
8–11[15]
12–15[16]
4/sáb 3/dom[2] 4/dom[2] 4/dom[2]
5
5
4
5
4
4
4
5
Honra teu pai e tua mãe
12[17]
16[18]
5
4
5
5
6
7
5
6
5
5
5
6
Não matarás
13[19]
17[19]
6
5
6
6
7
6
6
7
6
6
6
7
Não adulterarás
14[20]
18[21]
7
6
7
7
8
8
7
8
7
7
7
8
Não furtarás[3]
15[22]
19[23]
8
7
8
8
9
9
8
9
8
8
8
9
Não darás falso testemunho contra o teu próximo
16[24]
20[25]
9
8
9
9
10
10
9
10
10
10
9
10
Não cobiçarás (a casa do teu próximo)
17a[26]
21b[27]
10
10
10
10
10
10
9
10
9
9
10
10
Não cobiçarás (a mulher do teu próximo)
17b[28]
21a[29]
9
10
10
9
10
10
10
10
10
Não cobiçarás (seus servos, animais, ou coisa alguma que lhe pertença)
17c[30]
21c[31]
10
10
Edificarás estas pedras, que Eu te ordeno, no Monte Gerizim[32][33]
Adoção exclusiva por parte da Comunidade Samaritana[34]

Tradições:

  • Todas as citações das escrituras acima são da Bíblia King James . Clique nos versos no topo das colunas para outras versões.
  • LXX: versão Septuaginta ("versão dos VXX"), geralmente seguida por cristãos ortodoxos.
  • FDA: versão de Filo de Alexandria, basicamente idêntica à Septuaginta, mas com os mandamentos de "não matar " e de "não adulterar" invertidos.
  • SPT: versão do Pentateuco Samaritano ou Torá Samaritana, com um mandamento adicional sobre o Monte Gerizim como sendo o décimo.
  • TAV: versão do Talmude judaico, faz do "prólogo" o primeiro "ditado" ou "matéria" e combina a proibição de adorar outras divindades além de Yahweh com a proibição da idolatria.
  • AHV: versão de Agostinho, segue o Talmude, ao combinar os versículos 3–6, mas omite o prólogo como um mandamento e divide a proibição de cobiçar em dois e segue a ordem de palavras de Deuteronômio 5:21 em vez da de Êxodo 20:17.
  • CRV: versão da Igreja Católica Romana, o Catecismo da Igreja Católica, em grande parte — mas, não em tudo — segue Agostinho.
  • LTV: versão da Igreja Luterana, segue o Catecismo Maior de Lutero, que segue Agostinho, mas omite a proibição das imagens e usa a ordem das palavras de Êxodo 20:17, em vez das de Deuteronômio 5:21 para o nono e décimo mandamentos.
  • PRC: visão da Igreja Calvinista, segue os Institutos da Religião Cristã de João Calvino, que segue a Septuaginta; esse sistema também é usado no Livro Anglicano de Oração Comum.[35]
  • A passagem dos mandamentos no Êxodo contém mais de dez declarações, dezenove no total. Enquanto a própria Bíblia assina a contagem de "10", usando a frase hebraica aseret had'varim— traduzida com as 10 palavras, afirmações ou coisas, essa frase não aparece nas passagens usualmente apresentadas como sendo "os Dez Mandamentos". Várias religiões dividem os mandamentos de modo diferente. A tabela exibida aponta essas diferenças.
  • [1] Jesus Cristo, em seu ministério, apresenta uma "releitura universal da Lei Mosaica", desde o Sermão da Montanha (Mt 5, 6 e 7[36]), bem como em várias outras ocasiões, em particular, o ensino sobre "O Maior Mandamento da Lei", ao qual foi arguido por um "juiz judeu, perito na Lei", conforme (Mt 22: 34-40[37]): " (34) Assim que os fariseus ouviram que Jesus havia deixado os saduceus sem palavras, reuniram-se em conselho. (35) E um deles, juiz perito na Lei, formulou uma questão para submeter Jesus à prova: (36) 'Mestre, qual é o Maior Mandamento da Lei?' (37) Asseverou-lhe Jesus: ' Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e com toda a tua inteligência. (38) Este é o primeiro e maior dos mandamentos. (39) O segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. (40) A estes dois mandamentos estão sujeitos toda a Lei e os Profetas. " (Mt 5, 6 e 7[38]). Alguns estudiosos e intérpretes bíblicos apressam-se a concluir que, com tal declaração, O Senhor Jesus Cristo houvesse abolido a Lei Antiga, o que, em verdade, nunca se deu. O que Ele fez foi uma "releitura unificadora e universalizante da Lei Antiga (também universal)", contudo sob um novo prisma — o prisma soberano do Amor". E, nesse sentido — pode-se dizer que Jesus Cristo "resumiu" a Antiga Lei de dez mandamentos para dois... e os dois tornou-os um só: O Grande e Universal Mandamento do Amor. O Apóstolo João, em seu evangelho remarca essa nota de modo extraordinário, por exemplo, em Jo 3:16-17[39]: " (16) Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho Unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. (17) Portanto, Deus enviou o seu Filho ao mundo não para condenar o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por meio dele. ". E, ainda mais, em suas Cartas (ou Epístolas), ele faz questão de aprofundar esse tema essencial, indispensável e universal. Por exemplo, em 1 Jo 3:16-17[40]:" (7) Amados, amemos uns aos outros, pois o Amor procede de Deus; e todo aquele que ama é nascido e conhece a Deus. (8) Aquele que não ama não conhece a Deus, porquanto Deus é Amor. (9) Foi desse modo que se manifestou o Amor de Deus para conosco: em haver Deus enviado o Seu Filho Unigênito ao mundo, para vivermos por intermédio d'Ele. (10) Assim, nisto consiste o Amor: não em que nós tenhamos amado a Deus, mas em que Ele nos amou e enviou o seu Filho como propiciação pelos nossos pecados. ". Algumas igrejas cristãs, entre as quais a Igreja Católica Romana, mas não apenas ela, reunem os mandamentos da seguinte forma: os mandamentos do Decálogo de números 1 a 4 são mandamentos de Amor a Deus; os de números 5 a 10 são mandamentos de Amor ao próximo.
  • [2] O Cristianismo, em suas igrejas de modo geral (exceto as de confissão sabatista, como a Igreja Adventista do Sétimo Dia, entre outras) entende o dia de domingo como o dia do Senhor na Nova Aliança, pois foi o dia em que Jesus Cristo ressuscitou ("o terceiro dia")[41].
  • [3] O Judaísmo afirma que essa é uma referência ao furto em geral, embora alguns, com base em Lv 19:11,[42] e na hermenêutica talmúdica (דבר הלמד מעניינו, Davar ha-lamed me-inyano ="O que ensina seu interesse",[43][44] sugiram ser apenas furto de propriedade.
  • (4)/sab e (3 ou 4)/dom significam, respectivamente, os dias de sábado ou domingo, considerados de observância devida para o mandamento do shabbãth, por parte da confissão religiosa citada. O número "3" significa que a fé em causa considera-o como terceiro mandamento e o número "4", como o quarto mandamento.

Bíblia Sagrada

Ver artigo principal: Bíblia

Os Dez Mandamentos foram entregues no Monte Sinai ao povo hebreu, por Deus, através de Moisés, separadamente do restante da Torá ("Leis"). De acordo com a Bíblia, os mandamentos escritos nas duas tábuas da Lei, foram escritas pelo dedo do próprio Deus sendo que os demais foram ditados e escritos em pergaminhos por Moisés e ambos falados diretamente ao povo. Em hebraico (língua original dos Mandamentos), o número de letras dos Dez Mandamentos é equivalente a 613, o número total dos Mandamentos da Torá.

Agrupamentos

Os versículos 2 a 17 são a divisão natural dos Dez Mandamentos e contêm dezenove declarações. Flávio Josefo separa o versículo 3 como o primeiro Mandamento, os versículos 4 a 6 como o segundo mandamento, o versículo 7 é o terceiro mandamento, os versículos 8 a 11 são o quarto mandamento (o mais longo), e os versículos 12 a 17 são o quinto ao décimo mandamento (um versículo para cada mandamento) (Antiguidades Judaicas, Vol. 3, Cap. 5 §5). Outros, inclusive Agostinho, consideravam os versículos 3 a 6 como 1 só mandamento, mas dividiam o versículo 17 em dois mandamentos, o nono a respeito da cobiça da mulher alheia e o décimo contra cobiçar os seus pertences. O agrupamento de Agostinho foi adotado pela Igreja Católica Romana.

Judaísmo

Ver artigo principal: Judaísmo
Ver artigo principal: Judaísmo messiânico

O Judaísmo guarda a apresentação mandamental apresentada acima, conforme a coluna que exibe sua particular concepção (TAVversão talmúdica), observando, naturalmente, com inteiro rigor, a prescrição sabática como sendo o quarto mandamento. Judaísmo messiânico, por seu turno, consiste numa vertente do Judaísmo que acolheu e reconheceu Jesus Cristo, alguns guardando o sábado, outros, o domingo. Além disso, segundo o Judaísmo, a transgressão de apenas um dos 613 mandamentos da Lei infringe toda a Lei, porque é um "conjunto orgânico e indissociável", e a pessoa que o infligiu cometeu pecado, como está escrito em Tiago capítulo 2, versículo 10: "Qualquer que guardar toda a Lei mas tropeçar em um só ponto, tornou-se culpado de todos".[45]

Cristianismo

Ver artigo principal: Cristianismo

Conforme já exposto, a apresentação dos Dez Mandamentos observou uma estrutura bem definida, qual exibida originariamente no Livro de Êxodo e reapresentada no Livro de Deuteronômio, com, basicamente, a mesma forma e o mesmo teor. Seu agrupamento temático (conforme os assuntos ou temas espirituais e morais tratados) tem recebido diferentes apreciações conforme o biblista, estudioso, historiador ou intérprete que os analise, bem como conforme as conveniências de igrejas cristãs variadas, que, inclusive, alteram a formulação originária.

Catolicismo

Ver artigo principal: Catolicismo
Moisés, grande profeta do Antigo Testamento, traz os Dez Mandamentos ao Povo de Deus.[46]

Os Dez Mandamentos (ou Decálogo) sintetizam todas as prescrições do Antigo Testamento. A Nova Lei ou Lei de Cristo exposta no Sermão da Montanha.[47] é a base e o fundamento da Moral Católica. A Igreja Católica exige dos fiéis o cumprimento destas regras.[48] Segundo as próprias palavras de Jesus, quem ouve os seus mandamentos e os coloca em prática "tem a vida eterna" (Mt 19,16-21). Quem ama a Cristo guarda os seus mandamentos e o maior de todos é o Amor. "Amai-vos uns aos outros assim como eu vos Amei; nisto reconhecerão que sois meus discípulos: se vos amardes uns aos outros".[49] Os Mandamentos "enunciam deveres fundamentais do homem para com Deus e para com o próximo e para com a Igreja".[50] A fórmula de catequese dos Dez Mandamentos proposta pelo Compêndio do Catecismo da Igreja Católica é o seguinte:[51]

  • 1.º - Adorar a Deus e amá-lo sobre todas as coisas.
  • 2.º - Não usar o Santo Nome de Deus em vão.
  • 3.º - Santificar os Domingos e festas de guarda.
  • 4.º - Honrar pai e mãe (e os outros legítimos superiores).
  • 5.º - Não matar (nem causar outro dano, no corpo ou na alma, a si mesmo ou ao próximo)
  • 6.º - Guardar castidade nas palavras e nas obras.
  • 7.º - Não furtar (nem injustamente reter ou danificar os bens do próximo).
  • 8.º - Não levantar falsos testemunhos (nem de qualquer outro modo faltar à verdade ou difamar o próximo)
  • 9.º - Guardar castidade nos pensamentos e desejos.
  • 10.º- Não cobiçar as coisas alheias.

Protestantismo

Ver artigo principal: Protestantismo

A Igreja Cristã Reformada, sob o nome genérico de Protestantismo — que abrange várias confissões, denominações, igrejas ou ministérios cristãos, concorda, em geral, com a estrutura mandamental original talmúdica, divergindo, contudo, apenas no que se refere à composição do "Primeiro Mandamento" (o qual, para o Talmude, corresponde unicamente à primeira declaração de Yahweh Deus em Êxodo 20:2[52] e para as igrejas cristãs reformadas em maioria, corresponde à reunião das duas primeiras declarações de Yahweh Deus em Êxodo 20:2,3[53]), e, em consequência, à composição do "Segundo Mandamento" (o qual, para o Talmude, corresponde à reunião da segunda com a terceira declarações de Yahweh Deus em Êxodo 20:3,4[54] e para as igrejas cristãs reformadas em maioria, corresponde apenas à terceira declaração de Yahweh Deus em Êxodo 20:4[55]). A partir do "Terceiro Mandamento", entretanto, as concepções talmúdica e a protestante reformada sobre a estrutura mandamental do Decálogo coincidem, assim prosseguindo a continuação ou seguimento comum e concordante de sua estrutura e sua organização mandamental.

Nova Lei de Jesus

Ao anunciar o Evangelho e o Reino de Deus, Jesus Cristo levou à sua "perfeição e cumprimento" a Lei de Deus e, portanto, também os Dez Mandamentos[56] Isso quer dizer que ele interpretou plenamente e deu o sentido último às verdades reveladas por Deus ao longo do Antigo Testamento e renovou a aliança entre Deus e os homens, instaurando assim o Novo Testamento (ou a Nova Aliança).[57] Para Jesus, toda a Lei de Deus cumpre-se e resume-se no duplo e único mandamento do amor a Deus e ao próximo: "Amarás o Senhor teu Deus com todo o teu coração, com toda a tua alma e com toda a tua mente. Este é o maior e o primeiro dos mandamentos. E o segundo é semelhante ao primeiro: amarás o teu próximo como a ti mesmo. Destes dois mandamentos depende toda a Lei e os Profetas".[58][59][60]

Referências

  1. Êxodo 20:1-17
  2. Êxodo 20:1-26
  3. Deuteronômio 5:6-21
  4. Êxodo 34:1-10
  5. Êxodo 20:1-17
  6. Êxodo 20:1-17
  7. Deuteronômio 5:4-21
  8. CHAN, Yiu Sing Lúcás. The Ten Commandments and the Beatitudes. Lantham, MA: Rowman & Littlefield, 2012 (pgs. 38, 241)
  9. Êxodo 20:1-17
  10. Deuteronômio 5:4-21
  11. a b Eu Sou Yahweh, o SENHOR, teu Deus, que te fez sair da terra do Egito, da casa da escravidão!
  12. a b Não terás outros deuses além de Mim
  13. a b "Não farás para ti nenhum ídolo, nenhuma imagem esculpida, nada que se assemelhe ao que existe lá em cima, nos céus, ou embaixo na terra, ou mesmo nas águas que estão debaixo da terra. Não te prostrarás diante desses deuses e não os servirás, porquanto Eu, o SENHOR teu Deus, sou um Deus ciumento, que puno a iniquidade dos pais sobre os filhos até a terceira e quarta geração dos que me odeiam, mas que também ajo com amor até a milésima geração para aqueles que me amam e guardam os meus mandamentos.
  14. a b Não pronunciarás em vão o Nome de Yahweh, o SENHOR teu Deus, porque Yahweh não deixará impune qualquer pessoa que pronunciar em vão o Seu Nome.
  15. Lembra-te do dia do shabbãth, sábado, para santificá-lo. Trabalharás seis dias e neles realizarás todos os teus serviços. Contudo, o sétimo dia da semana é o shabbãth, sábado, consagrado a Yahweh, teu Deus. Não farás nesse dia nenhum serviço, nem tu, nem teu filho, nem tua filha, nem teu escravo, nem tua escrava, nem teu animal, nem o estrangeiro que estiverem morando em tuas cidades. Porquanto em seis dias Eu, o SENHOR, fiz o céu, a terra, o mar e tudo o que há neles, mas no sétimo dia descansei. Foi por esse motivo que Eu, o SENHOR, abençoei o shabbãth, sábado, e o separei para ser um dia santo.
  16. Guardarás o dia do Shabbãth, sábado, a fim de santificá-lo, conforme o SENHOR, o teu Deus, te ordenou. Trabalharás seis dias e neles cumprirás todos os teus afazeres; o sétimo dia, porém, é um Shabbãth, sábado, de Yahweh, teu Deus. Nesse dia não farás obra ou trabalho algum, nem tu nem teu filho ou filha, nem o teu servo ou serva, nem o teu boi, teu jumento ou qualquer dos teus animais, nem o estrangeiro que estiver vivendo em tua propriedade, para que o teu servo e a tua serva descansem como tu. Recorda que foste escravo na terra do Egito, e que Yahweh, teu Deus, te libertou e tirou de lá com mão poderosa e com braço forte. Por isso o Eterno, o teu Deus, te ordenou guardar o dia de Shabbãth, sábado.
  17. Honra teu pai e tua mãe, a fim de que venhas a ter vida longa na terra que Yahweh, o teu Deus, te dá.
  18. Honra teu pai e tua mãe, conforme te ordenou o SENHOR, o teu Deus, a fim de que tenhas longa vida e tudo te vá bem na terra que Yahweh teu Deus te concede.
  19. a b Não matarás
  20. Não adulterarás
  21. Não adulterarás
  22. Não furtarás
  23. Não furtarás
  24. Não darás falso testemunho contra o teu próximo
  25. Não darás falso testemunho contra o teu próximo
  26. Não cobiçarás a casa do teu próximo
  27. Não cobiçarás a casa do teu próximo, suas terras
  28. Não cobiçarás a mulher do teu próximo
  29. Não cobiçarás a mulher do teu próximo
  30. nem seus servos ou servas, nem seu boi ou jumento, nem coisa alguma que lhe pertença
  31. nem seus servos ou servas, nem seu boi ou jumento, nem coisa alguma que lhe pertença
  32. [https://biblehub.com/commentaries/deuteronomy/27-4.htm herefore it shall be when you be gone over Jordan, that you shall set up these stones, which I command you this day, in mount Ebal, and you shall plaster them with plaster.
  33. Deuteronômio 27:4
  34. Deuteronômio 27:4
  35. Fincham, Kenneth; Lake, Peter (editors) (2006). Religious Politics in Post-reformation England. Woodbridge, Suffolk: The Boydell Press. p. 42. ISBN 1-84383-253-4 
  36. Mateus 5:1-48,Mateus 6:1-34,Mateus 7:1-29
  37. Mateus 22:34-40
  38. Mateus 22:34-40
  39. João 3:16-17
  40. 1 João 7:7-10
  41. ROBERTS, Alexander, D.D. & DONALDSON, James Donaldson, LL.D. The Apostolic Fathers with Justin Martyr and Irenaeus. (Chapter LXVII - Weekly worship of the Christians). Edições Loyola, 10.ª edição, julho de 2000, p. 570
  42. Levítico 19:11
  43. Commentary of Rashi)
  44. Êxodo 20:13
  45. Ibidem, n. 439
  46. «Moisés». Enciclopédia Católica Popular. Consultado em 8 de Junho de 2009. 
  47. «Não matarás e o Sermão da Montanha». estudosbiblicos.org. Consultado em 9 de Junho de 2016. 
  48. IGREJA CATÓLICA (2000). Compêndio do Catecismo da Igreja Católica. Coimbra: Gráfica de Coimbra. pp. N. 438 e 440. ISBN 972-603-349-7 
  49. Ibidem; n. 434 e 437
  50. CCIC; n. 438 e 440
  51. DEZ MANDAMENTOS Compêndio do Catecismo da Igreja Católica. Segunda Seção - Os Dez Mandamentos
  52. Êxodo 20:2
  53. Êxodo 20:2-3
  54. Êxodo 20:3-4
  55. Êxodo 20:4
  56. IGREJA CATÓLICA (2000). Compêndio do Catecismo da Igreja Católica. Coimbra: Gráfica de Coimbra. pp. N. 420. ISBN 972-603-349-7 
  57. IGREJA CATÓLICA (2000). Compêndio do Catecismo da Igreja Católica. Coimbra: Gráfica de Coimbra. pp. N. 8, 9 e 120. ISBN 972-603-349-7 
  58. Mateus 22:37-40
  59. IGREJA CATÓLICA (2000). Compêndio do Catecismo da Igreja Católica. Coimbra: Gráfica de Coimbra. pp. N. 434 e 437. ISBN 972-603-349-7 
  60. IGREJA CATÓLICA (2000). Compêndio do Catecismo da Igreja Católica. Coimbra: Gráfica de Coimbra. pp. N. 435. ISBN 972-603-349-7 

Ligações externas

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Dez Mandamentos